Opiniões

Odisséia cobra no MP investigação sobre royalties e obras de Rosinha

A vereadora Odisséia Carvalho foi ao MP para tentar obter na Justiça aquilo que não consegue na Câmara (foto de Leonardo Berenger)
A vereadora Odisséia Carvalho foi ao MP para tentar obter na Justiça aquilo que não consegue na Câmara (foto de Leonardo Berenger)

 

Conforme havia prometido e este blog adiantado (aqui e aqui), a vereadora Odisséia Carvalho (PT) entrou hoje no Ministério Público (MP) com ações para ter respondidos os três pedidos de informação negados pela bancada governista, na sessão da Câmara do último dia 16. A saber: a licitação de R$ 357,8 milhões, para construção de 5.100 casas populares, vencida pela Odebrecht em 29 de maio de 2009, como a Folha adiantou na edição daquele mesmo dia, e depois repartida com a Construsan; a construção de casas dentro da Lagoa Maria do Pilar, em área de proteção ambiental; e as obras do programa Bairro Legal em Donana e Ururaí, no valor de R$ 57 milhões, realizadas pela Construsan e Avenida, ambas de colaboradores da campanha de Rosinha. 

Além disso, a veradora também cobrou também no MP a investigação sobre a devida aplicação dos recursos dos roaylties no município de Campos, que apresentou como proposta de CPI, na tribuna da Câmara durante a mesma sessão do dia 16 (aqui), negada por todos os demais vereadores, inclusive os de oposição. A ação de Odisséia no MP já havia sido noticiada pela própria vereadora, em seu “Nós Mulheres” (aqui), blog hospedado no site da Folha, assim como na própria Folha Online (aqui).

IFF — Novo diretor do campus Campos lança Luiz Augusto para reitor

Agora há pouco, no Folha no Ar, o diretor eleito do campus Campos-Centro do IFF, Jefferson Azevedo e o jornalista e blogueiro Aluysio Abreu Barbosa (foto de Silésio Corrêa)
Agora há pouco, no Folha no Ar, o diretor eleito do campus Campos-Centro do IFF, Jefferson Azevedo e o jornalista e blogueiro Aluysio Abreu Barbosa (foto de Silésio Corrêa)

Junto com o também jornalista e blogueiro Rodrigo Gonçalves, acabei de entrevistar o professor Jefferson Manhães de Azevedo, no Folha no Ar, com transmissão ao vivo pela Plena TV, Rádio Continental, Folha Online e TV Litoral. Eleito diretor do campus Campos-Centro do Instituto Federal Fluminense (IFF, antigo Cefet), com 53,67% dos votos , ele lançou seu candidato a reitor nas eleições de outubro de 2011: Luiz Augusto Caldas, ex-diretor geral do Cefet por dois mandatos consecutivos (de 2000 a 2008) e atualmente diretor de Relações Políticas e Institucionais do ministério da Educação (MEC). Caldas antecedeu e apoiou Cibele Daher, que deve concorrer à permanência no cargo, após ser eleita diretora geral e feita reitora a partir da lei federal 11.892, de 29 de dezembro de 2008, que tranformou todos os Cefet’s do país em IF’s.

Embora tenha ressalvado que sua opção era pessoal, demandando ainda a discussão com seu grupo e com o próprio Luiz Augusto, a bagagem por este acumulada, tanto em suas duas gestões à frente do Cefet-Campos, quanto agora em Brasília, foi classificada por Jefferson como perfil ideal para estar à frente do IFF. Independente de quem é ou venha a ser o reitor, o novo diretor do campus Centro-Centro é favorável à reivindicação da Federação dos Estudantes de Campos (FEC) e do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica e Tecnológica (Sinasefe): transferir a reitoria do campus, instalando-a em sede própria, mudança para a qual o MEC já tem disponibilizados R$ 2 milhões.

— O campus Campos-Centro precisa de autonomia e vai lutar por ela. Com a reitoria funcionando ali, os próprios alunos e servidores ficam em dúvida quanto a quem recorrer: ao diretor ou ao reitor? É até uma questão de referencial. Além disso, a reitoria ocupa espaços que antes eram utilizados como salas de aula. A prioridade do campus tem que ser os alunos. E a tarefa da reitoria é determinar as políticas macro do IFF, fazendo a sinergia entre os vários campi — enfatizou Jefferson.

Governo Rosinha processa Arnaldo e Mocaiber por convênios

Embora apresentadas desde a quinta-feira passada, só hoje o site da Prefeitura de Campos divulgou (aqui) as quatro ações da Procuradoria do Município contra os ex-prefeitos Arnaldo Vianna (PDT) e Alexandre Mocaiber (PSB), por supostas irregularidades administrativas e não prestação de contas em convênios com o governo federal. Três são contra Arnaldo: por convênio de R$ 10,9 mil, firmado em 1998, com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE); outro de 1999, com o Fundo Nacional de Assistência Social (FNAS), no valor de R$ 748,2 mil ; e o terceiro, de R$ 160 mil, celebrado com o Fundo Nacional de Saúde (FNS), em 2001.

Já Mocaiber foi alvo de ação por convênio também realizado com a FNDE, de R$ 172,7 mil, em 2008. Além da condenação, a Procuradoria pede a devolução do dinheiro pago pelos dois prefeitos, que totaliza mais de R$ 1 milhão. A alegação oficial para as ações é que, em função das irregularidades apontadas, o município Campos estaria impedido de receber verbas federais.

IFF entre o Folha no Ar e o debate — Irão-se os anéis???

Hoje, no Folha no Ar, a reitora Cibele Daher disse que era importante levar a discussão do IFF à comunidade e respondeu às perguntas da Folha que seus candidatos em Campos e Macaé sonegaram, alegando querer limitar o debate à escola (foto de Silésio Corrêa)
Hoje, no Folha no Ar, a reitora Cibele Daher disse que era importante levar a discussão do IFF à comunidade e respondeu às perguntas da Folha que seus candidatos em Campos e Macaé sonegaram, alegando querer limitar o debate à escola (foto de Silésio Corrêa)

 

Enquanto se inicia o debate em Campos e Macaé, entre os candidatos da situação e oposição que disputarão amanhã as direções dos dois campi mais importantes do Insitituto Federal Fluminense (IFF), a entrevista da reitora Cibele Daher, agora há pouco, no Folha no Ar, deu a entender que o diálogo com a oposição já começa a ser costurado, caso seu grupo seja derrotado nas urnas, possiblidade talvez mais forte no campus Campos-Centro. Ela disse que não responder às perguntas da Folha, em entrevistas publicadas no domingo e hoje (aqui e aqui), foi uma decisão pessoal dos seus candidatos, Hélio Júnior de Souza Crespo (Campos) e  Marcelo Félix (Macaé), que teriam preferido limitar a discussão ao ambiente escolar, muito embora a própria Cibele tenha iniciado a entrevista ressaltando a importância de se levar à comunidade o debate sobre os destinos da principal instituição de ensino da região.

Mas a defesa da reitora dos seus candidatos parou por aí. Ela se dispôs a responder às perguntas da Folha enviadas aos seus candidatos que não julgou pessoais, bem como evitou críticas aos candidatos da oposição Jefferson Manhães de Azevedo (Campos) e Maria Inês Paes Ferreira (Macaé), dizendo que ambos também tem “plataformas positivas”. Poderia até ser encarado como uma posição de magistrada, mas como várias denúncias dos estudantes e do Sinasefe dão conta de que a tônica da reitoria foi radicalmente política durante todo o processo inicado pela lei federal 11.892, de 29 de dezembro de 2008, que determinou as eleições cuja realização só se dará amanhã, a nova postura indica mais uma maneira de, em caso de derrota, se tentar segurar pelo menos os anéis…

Royalties — Consultor de Senado diz que partilha é inconstitucional

Relator da emenda de partilha dos royalties no Senado, Renan Calheiros aponta incoerências na proposta do deputado Ibsen Pinheiro (foto de Waldemir Rodrigues/Agência Senado)
Relator da emenda de partilha dos royalties no Senado, Renan Calheiros aponta incoerências na proposta do deputado Ibsen Pinheiro (foto de Waldemir Rodrigues/Agência Senado)

 

Consultor em Energia do Senado Federal, Paulo Viegas afirmou hoje, à Agência Senado (aqui), que as mudanças propostas na emenda de partilha dos roaylties são “inconstitucionais e de difícil aplicação”. O parecer técnico endossou não só a opinião do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes (aqui), como também a principal alegação dos estados e municípios produtores de petróleo, contrária à emenda do deputado Ibsen Pinheiro (PMDB/RS), aprovada pela Câmara Federal no último dia 10 (aqui). Para Viegas, as mudanças propostas ferem o artigo 20 parágrafo 1º da Constituição, que estabelece as compensações para os estados e municípios onde se dá a exploração de petróleo.

Embora não tão incisivo quanto o contultor da Casa, o relator do projeto no Senado, Renan Calheiros (PMDB/AL), também apontou contradições na emenda Ibsen, mais precisamente nos artigos 44, 45 e 46, que alteram a distribuição atual dosroyalties, vinculando tudo à distribuição do Fundo de Participação dos Estados e o dos Municípios. A contradição reside no fato das Disposições Finais e Transitórias da emenda estabelecerem para o pré-sal uma distribuição completamente diferente.

Fvorável à urgência constitucional de 45 dias para aprovação dos projetos no Senado, Renan não acredita que as negociações sofrerão pelo fato deste ser um ano eleitoral:

— Não acredito. Vamos negociar com calma, com paciência, tentando preservar os interesses de todos e buscando a fórmula em que todos ganhem — ponderou o senador de Alagoas.

Folha no Ar — Reitora do IFF poderá responder perguntas sonegadas por seus candidatos

Daqui a pouco, a partir das 16h, com transmissão ao vivo pela Folha Online (aqui), TV Planície (canal 21 da ViaCabo), Rádio Continental (AM, 1270 khz) e TV Litoral (canal 20 da ViaCabo), o jornalista e blogueiro Rodrigo Gonçalves vai entrevistar a reitora do Insituto Federal Fluminense (IFF), Cibele Daher. Na pauta do Folha no Ar, as eleições para diretor dos campi Campos-Centro e Macaé, que ocorrem amanhã, após processo longo e turbulento.

Entre outras coisas, a reitora poderá responder às perguntas da reportagem da Folha da Manhã, sonegadas por seus dois candidatos: Hélio Júnior de Azevedo Crespo, diretor indicado por Cibele para Campos (aqui); e Marcelo Félix, primeiro diretor não eleito nos últimos 15 anos em Macaé (aqui).

Projeto de Renato Barbosa vive no PT de Campos

O projeto que o petista Renato Barbosa tinha para Campos não morreu com ele. Pelo menos é o que garante aquele que em vida foi um de seus maiores amigos e principais colaboradores, o odontólgo Marco Barcelos. Herdado por Odisséia Carvalho junto com o mandato na Câmara, o grupo de Renatinho teve força para fazer a secretaria Geral da nova executiva municipal, com o advogado Marcos Welber, o Marcão, que junto com seu xará dentista, são aventados para uma candidatura a vereador, pelo PT, em 2012 — chance que aumentaria substancialmente caso Odisséia confirme sua intenção já manifesta de se lançar à Prefeitura de Campos no próximo pleito.

Para credenciá-la à sucessão da prefeita Rosinha (PMDB), Barcelos fala em nome do grupo de Renato ao afirmar que a vereadora petista tem honrado o único mandato do partido na Câmara. E embora concorde que há diferenças entre os dois, acredita que Odisséia tem evoluído tecnicamente em sua atuação parlamentar. Além, afirma que Renato Barbosa, também teria defendido a CPI dos Royalties. Ele só discorda de que o grupo de petistas que tentou ridicularizar publicamente Renatinho tenha agora se tornado aliado do grupo de Odisséia e do seu marido e presidente do partido em Campos, Eduardo Peixoto, preferindo tratar o movimento como fruto da filosofia adotada por este para agregar politicamente todas as correntes locais do PT. Mas ao revelar que os ataques a Renato não cessaram nem após sua morte, rechaçando qualquer possibilidade de ligação com seu autor, Marco usa para classificá-lo o mesmo adjetivo contundente que o falecido vereador empregava em vida (aqui): “canalha!”        

 

 

Falando em nome do grupo de Renato Barbosa, de quem foi grande amigo, o petista Marco Barcelos revelou que os ataques de companheiros do próprio partido ao falecido verador não cessaram nem após sua morte (foto de Mauro de Souza)
Falando em nome do grupo de Renato Barbosa, de quem foi grande amigo, o petista Marco Barcelos revelou que os ataques de companheiros do próprio partido ao falecido verador não cessaram nem após sua morte (foto de Mauro de Souza)

 

 

Blog — Com a morte de Renatinho Barbosa, como ficou o seu grupo, do qual você faz parte, no exercício do seu mandato de vereador, único do PT na Câmara, por Odisséia Carvalho?

Marco Barcelos — O nosso grupo é forte e continua vivo. Diante da morte de Renato, nos reunimos e decidimos dar continuidade aos projetos políticos dele. Nós temos certeza de que seria esta a vontade do nosso irmão. Ele sonhava com uma Campos melhor, mas esse sonho não era só dele, era do grupo: permanecem conosco.

 

Blog — Em entrevist a este blog, publicada no último sábado (aqui), o presidente da Câmara, Nelson Nahim (PR), disse que Renato e Odisséia, embora amigos, tem “personalidades muito diferentes”. Se concorda, como essas diferenças se manifestam na atuação política e parlamentar de ambos?

Marco — De fato, são duas pessoas distintas, cada qual com sua personalidade, apesar de partilharem as mesmas ideologias partidárias. Renato era advogado e tinha um melhor entendimento parlamentar, no sentido de elaboração de leis e projetos. Já Odisséia tem uma origem sindicalista. Tem pouca experiência como vereadora, mas temos observado que, tecnicamente, ela se supera a cada dia. Nosso grupo decidiu dar apoio a ela, pois, mesmo não sendo igual a Renato, tem objetivos nobres, com os quais concordamos.

 

Blog — Em seu ponto de vista e no do grupo de Renatinho, Odisséia acertou ao insistir com a proposta da CPI dos Royalties, mesmo depois de abandonada pela bancada de oposição? Acredita que Renato agiria diferente? De uma maneira geral, acha que suas bandeiras estão sendo bem conduzidas por Odisséia?

Marco — Quando vereador, Renato se manteve na oposição. Não aquela feita de maneira irresponsável, com o único objetivo de derrubar o prefeito. O que ele sempre exigiu foi transparência e probidade. Para isso, se valia até mesmo de requerimentos junto ao Ministério Público. Dessa forma, sim, acreditamos que ele agiria do mesmo modo que Odisséia vem atuando e concordamos com isso. Não se deixaria abater pelo repúdio da situação. Vemos que o PT vem sendo bem representado por ela, com uma conduta íntegra.

 

Blog — Odisséia, como o blog antecipou com exclusividade (aqui), se reuniu na semana passada com o advogado e blogueiro Cleber Tinoco, com vistas a uma assessoria jurídica para exigir na Justiça os três pedidos de informação, sobre obras do governo Rosinha, negados pela bancada governista, na mesma sessão em que todos os demais vereadores negaram a CPI dos Royalties. No grupo de Renato há dois advogados, o Marcos Welber (Marcão) e o José Eduardo Pessanha da Silva. Eles estão trabalhando em conjunto com o Cleber? Parece que Odisséia ainda não ingressou no Ministério Público porque ainda está sem a ata daquela sessão. Sabe como está essa questão?

Marco — Na realidade, os advogados do nosso grupo estão à disposição de Odisséia, mas não trabalham em conjunto com Cleber Tinoco. Os serviços que vêm sendo prestados por eles ao gabinete da vereadora é de assessoria jurídica e parlamentar, bem como de atendimento comunitário à população carente. A questão da ata continua na mesma: ainda não foi entregue para as devidas providências. 

 

Blog — Não só Renato e Odisséia, como também Hugo Diniz, Hélio Anomal e o (hoje) ex-petista Makhoul Moussalém, foram pública e reiteradamente ridicularizados por um grupo do próprio PT que, após garantir uma vaga na executiva do partido, hoje parece ter se aliado à vereadora e ao seu marido, o presidente Eduardo Peixoto. Como você e o grupo de Renato reagiram aos ataques que ele sofreu, muitos até de ordem pessoal, por parte de companheiros do mesmo partido, e como vocês vêem essa aparente pacificação atual?

Marco — Uma pessoa traiu nossa confiança, atacando os companheiros de uma forma estúpida. Esse covarde não mostra a cara e se esconde por trás de um blog, mas já sabemos quem ele é. Prova de seu desequilíbrio é o fato de ele atacar até mesmo as pessoas do seu próprio grupo. Ora, ninguém precisa ser amigo, mas estamos dentro de um mesmo partido, o que se espera, ao menos, é respeito, ainda que as idéias sejam diferentes. Esta pessoa não teve consideração nenhuma ao nosso irmão Renatinho, mesmo após a sua morte. Assim, não temos e não queremos qualquer ligação com esse canalha. Não consideramos que houve uma aliança entre o atual presidente do PT em Campos e o grupo ao qual você se refere. O fato é que Eduardo Peixoto adotou com habilidade uma filosofia de agregar todas as correntes do partido. 

 

Blog — Na nova executiva municipal do PT, além deles próprios como vogal e presidente, Odisséia e Eduardo fizeram também o André na secretaria de Formação Política. Helinho Anomal fez o Hugo Diniz na tesouraria e a Edilma no CEM. O Félix Manhães fez Robinho na vice-presidência, o grupo ligado ao Roberto Moraes fez Fábio Paes na Comunicação e o de vocês o Marcão na secretaria Geral. Foi uma divisão justa?

Marco — Sim. Vemos que a escolha das pessoas para os cargos foi realizada de uma maneira bem democrática. Não houve, simplesmente, indicações. Cada qual conquistou seu lugar através do poder de voto que demonstrou ter durante a eleição para presidente do partido. Não há o que se questionar quanto a isso. Eduardo Peixoto conduziu de maneira pacífica a distribuição dos cargos.

 

Blog — Você e seu xará, o Marcão, aparecem como os dois nomes politicamente mais fortes do grupo de Renatinho. Algum dos dois pensa em se lançar a vereador em 2012, ou isso depende de Odisséia vir ou não à prefeita? E agora, em 2010, quem vocês vão apoiar para deputado estadual, federal e senador?

Marco — No grupo não há pessoas mais fortes que outras. Como o próprio nome sugere, somos um grupo. Só temos força se unidos. Uma coisa é certa: o PT terá um vereador deste grupo em 2012, mas não definimos o nome ainda. Melhor seria se Odisséia se lançasse candidata a prefeita, mas, caso isso não aconteça, não vai adiar nossos planos. Agora para 2010, vamos apoiar para deputado estadual Rodrigo Neves, Vladimir Palmeira para federal e, para senador, se vencedor das prévias, Lindberg Farias. Todos do Partido dos Trabalhadores.

Fechar Menu