Opiniões

Lula, Cabral e royalties: o silêncio que diz muito

Durante o Fórum, Cabral já aparentava mais que tranquilidade ao lado de Lula (foto de Ricardo Stuckert, assessoria da presidência)
Durante o Fórum, Cabral já aparentava mais que tranquilidade ao lado de Lula (foto de Ricardo Stuckert, assessoria da presidência)

Acabei de chegar do Rio de Janeiro, após uma viagem cheia de engarrafamentos, na subida da ponte Rio/Niterói, em vários trechos na BR 101, na entrada e no Centro de Campos. Espremido entre compromissos atrasados e acumulados, tenho pouco tempo para fazer uma atualização atrasada do blog, acerca do encontro de hoje entre o presidente Lula (PT) e o governador Sergio Cabral, para tratar da questão dos royalties. Segundo conseguiu apurar e me passou o jornalista e blogueiro Alexandre Bastos, após o 5º Fórum Urbano Mundial, promovido pela ONU no Rio, na manhã de hoje, Lula e Cabral deixaram o evento juntos e sem falar com a imprensa. Nem a ministra-chefe da Casa Civil e pré-candidata petista à sucessão de Lula, Dilma Rousseff, presente ao Fórum, acompanhou o presidente e o governador na conversa particular.

A falta de maiores informações sobre o tema desse encontro, até agora, em todos os sites de notícia, bem como a descontração de Cabral, testemunhada por repórteres, leva a crer que Lula o tenha aliviado quanto à resolução da questão no Senado, dentro da linha de raciocínio feita nesta blog (aqui), desde a última quinta-feira, dia 18, em post aproveitado como editorial na edição da Folha impressa do dia seguinte. Assim, usando da sua inegável habilidade de costura política, Lula não precisaria se desgastar ao usar seu poder de veto para cumprir o acordo com Cabral: garantir que os royalties das jazidas já exploradas do pós-sal permaneçam apenas para estados e municípios produtores, deixando a partilha com todos os demais, proposta pelo deputado Ibsen Pinheiro (PMDB/RS), apenas para as jazidas de exploração comercial futura no pré-sal.

Este post tem 4 comentários

  1. Na falta de ‘maiores’ informações, nos contentamos com as menores? Creio que não!

  2. Cara Maria Tereza,

    Há dois tipos de informações em qualquer mídia: noticiosas e opinativas. Este pot mescla as duas, noticiando o Fórum e um encontro reservardo e sigiloso após ele. Na falta de maiores informações sobre o último, o blog se arriscou a uma interpretação, baeadas em outras feitas antes, em outros posts, um deles, inclusive, com link direto neste. Se não conferiu ainda, aconselho que faça. Se mesmo assim mantiver sua interpretação, é um seu direito que merece meu respeito, ainda que não altere minha linha de raciocínio.
    De qualquer maneira, se quiser mesmo “maiores” informações sobre o assunto, sugiro que leia o post acima, sobre a declaração do presidente do Supremo, ministro Gilmar Mendes, noticiado pelo Saulo Pessanha em primeira mão na blogosfera local.

    Abraço e grato pela colaboração!

    Aluysio

  3. Com certeza Lula deve ter orientado Cabral a ficar calado,já que o mesmo por diversas vezes agrediu com palavras as bancadas e governadores de outros estados,isso acabou dificultando as negociações.Portanto Cabral, não irritem o Senadores com suas agreções.

  4. Caro Márcio,

    Sábio conselho, que, esperamos, já tenha sido devidamente apreendido pelo governador Sergio Cabral.

    Abraço e grato pela colaboração!

    Aluysio

Deixe uma resposta

Fechar Menu