Opiniões

Folha no Ar — Reitora do IFF poderá responder perguntas sonegadas por seus candidatos

Daqui a pouco, a partir das 16h, com transmissão ao vivo pela Folha Online (aqui), TV Planície (canal 21 da ViaCabo), Rádio Continental (AM, 1270 khz) e TV Litoral (canal 20 da ViaCabo), o jornalista e blogueiro Rodrigo Gonçalves vai entrevistar a reitora do Insituto Federal Fluminense (IFF), Cibele Daher. Na pauta do Folha no Ar, as eleições para diretor dos campi Campos-Centro e Macaé, que ocorrem amanhã, após processo longo e turbulento.

Entre outras coisas, a reitora poderá responder às perguntas da reportagem da Folha da Manhã, sonegadas por seus dois candidatos: Hélio Júnior de Azevedo Crespo, diretor indicado por Cibele para Campos (aqui); e Marcelo Félix, primeiro diretor não eleito nos últimos 15 anos em Macaé (aqui).

Projeto de Renato Barbosa vive no PT de Campos

O projeto que o petista Renato Barbosa tinha para Campos não morreu com ele. Pelo menos é o que garante aquele que em vida foi um de seus maiores amigos e principais colaboradores, o odontólgo Marco Barcelos. Herdado por Odisséia Carvalho junto com o mandato na Câmara, o grupo de Renatinho teve força para fazer a secretaria Geral da nova executiva municipal, com o advogado Marcos Welber, o Marcão, que junto com seu xará dentista, são aventados para uma candidatura a vereador, pelo PT, em 2012 — chance que aumentaria substancialmente caso Odisséia confirme sua intenção já manifesta de se lançar à Prefeitura de Campos no próximo pleito.

Para credenciá-la à sucessão da prefeita Rosinha (PMDB), Barcelos fala em nome do grupo de Renato ao afirmar que a vereadora petista tem honrado o único mandato do partido na Câmara. E embora concorde que há diferenças entre os dois, acredita que Odisséia tem evoluído tecnicamente em sua atuação parlamentar. Além, afirma que Renato Barbosa, também teria defendido a CPI dos Royalties. Ele só discorda de que o grupo de petistas que tentou ridicularizar publicamente Renatinho tenha agora se tornado aliado do grupo de Odisséia e do seu marido e presidente do partido em Campos, Eduardo Peixoto, preferindo tratar o movimento como fruto da filosofia adotada por este para agregar politicamente todas as correntes locais do PT. Mas ao revelar que os ataques a Renato não cessaram nem após sua morte, rechaçando qualquer possibilidade de ligação com seu autor, Marco usa para classificá-lo o mesmo adjetivo contundente que o falecido vereador empregava em vida (aqui): “canalha!”

Falando em nome do grupo de Renato Barbosa, de quem foi grande amigo, o petista Marco Barcelos revelou que os ataques de companheiros do próprio partido ao falecido verador não cessaram nem após sua morte (foto de Mauro de Souza)
Falando em nome do grupo de Renato Barbosa, de quem foi grande amigo, o petista Marco Barcelos revelou que os ataques de companheiros do próprio partido ao falecido verador não cessaram nem após sua morte (foto de Mauro de Souza)

Blog — Com a morte de Renatinho Barbosa, como ficou o seu grupo, do qual você faz parte, no exercício do seu mandato de vereador, único do PT na Câmara, por Odisséia Carvalho?

Marco Barcelos — O nosso grupo é forte e continua vivo. Diante da morte de Renato, nos reunimos e decidimos dar continuidade aos projetos políticos dele. Nós temos certeza de que seria esta a vontade do nosso irmão. Ele sonhava com uma Campos melhor, mas esse sonho não era só dele, era do grupo: permanecem conosco.

Blog — Em entrevist a este blog, publicada no último sábado (aqui), o presidente da Câmara, Nelson Nahim (PR), disse que Renato e Odisséia, embora amigos, tem “personalidades muito diferentes”. Se concorda, como essas diferenças se manifestam na atuação política e parlamentar de ambos?

Marco — De fato, são duas pessoas distintas, cada qual com sua personalidade, apesar de partilharem as mesmas ideologias partidárias. Renato era advogado e tinha um melhor entendimento parlamentar, no sentido de elaboração de leis e projetos. Já Odisséia tem uma origem sindicalista. Tem pouca experiência como vereadora, mas temos observado que, tecnicamente, ela se supera a cada dia. Nosso grupo decidiu dar apoio a ela, pois, mesmo não sendo igual a Renato, tem objetivos nobres, com os quais concordamos.

Blog — Em seu ponto de vista e no do grupo de Renatinho, Odisséia acertou ao insistir com a proposta da CPI dos Royalties, mesmo depois de abandonada pela bancada de oposição? Acredita que Renato agiria diferente? De uma maneira geral, acha que suas bandeiras estão sendo bem conduzidas por Odisséia?

Marco — Quando vereador, Renato se manteve na oposição. Não aquela feita de maneira irresponsável, com o único objetivo de derrubar o prefeito. O que ele sempre exigiu foi transparência e probidade. Para isso, se valia até mesmo de requerimentos junto ao Ministério Público. Dessa forma, sim, acreditamos que ele agiria do mesmo modo que Odisséia vem atuando e concordamos com isso. Não se deixaria abater pelo repúdio da situação. Vemos que o PT vem sendo bem representado por ela, com uma conduta íntegra.

Blog — Odisséia, como o blog antecipou com exclusividade (aqui), se reuniu na semana passada com o advogado e blogueiro Cleber Tinoco, com vistas a uma assessoria jurídica para exigir na Justiça os três pedidos de informação, sobre obras do governo Rosinha, negados pela bancada governista, na mesma sessão em que todos os demais vereadores negaram a CPI dos Royalties. No grupo de Renato há dois advogados, o Marcos Welber (Marcão) e o José Eduardo Pessanha da Silva. Eles estão trabalhando em conjunto com o Cleber? Parece que Odisséia ainda não ingressou no Ministério Público porque ainda está sem a ata daquela sessão. Sabe como está essa questão?

Marco — Na realidade, os advogados do nosso grupo estão à disposição de Odisséia, mas não trabalham em conjunto com Cleber Tinoco. Os serviços que vêm sendo prestados por eles ao gabinete da vereadora é de assessoria jurídica e parlamentar, bem como de atendimento comunitário à população carente. A questão da ata continua na mesma: ainda não foi entregue para as devidas providências.

Blog — Não só Renato e Odisséia, como também Hugo Diniz, Hélio Anomal e o (hoje) ex-petista Makhoul Moussalém, foram pública e reiteradamente ridicularizados por um grupo do próprio PT que, após garantir uma vaga na executiva do partido, hoje parece ter se aliado à vereadora e ao seu marido, o presidente Eduardo Peixoto. Como você e o grupo de Renato reagiram aos ataques que ele sofreu, muitos até de ordem pessoal, por parte de companheiros do mesmo partido, e como vocês vêem essa aparente pacificação atual?

Marco — Uma pessoa traiu nossa confiança, atacando os companheiros de uma forma estúpida. Esse covarde não mostra a cara e se esconde por trás de um blog, mas já sabemos quem ele é. Prova de seu desequilíbrio é o fato de ele atacar até mesmo as pessoas do seu próprio grupo. Ora, ninguém precisa ser amigo, mas estamos dentro de um mesmo partido, o que se espera, ao menos, é respeito, ainda que as idéias sejam diferentes. Esta pessoa não teve consideração nenhuma ao nosso irmão Renatinho, mesmo após a sua morte. Assim, não temos e não queremos qualquer ligação com esse canalha. Não consideramos que houve uma aliança entre o atual presidente do PT em Campos e o grupo ao qual você se refere. O fato é que Eduardo Peixoto adotou com habilidade uma filosofia de agregar todas as correntes do partido.

Blog — Na nova executiva municipal do PT, além deles próprios como vogal e presidente, Odisséia e Eduardo fizeram também o André na secretaria de Formação Política. Helinho Anomal fez o Hugo Diniz na tesouraria e a Edilma no CEM. O Félix Manhães fez Robinho na vice-presidência, o grupo ligado ao Roberto Moraes fez Fábio Paes na Comunicação e o de vocês o Marcão na secretaria Geral. Foi uma divisão justa?

Marco — Sim. Vemos que a escolha das pessoas para os cargos foi realizada de uma maneira bem democrática. Não houve, simplesmente, indicações. Cada qual conquistou seu lugar através do poder de voto que demonstrou ter durante a eleição para presidente do partido. Não há o que se questionar quanto a isso. Eduardo Peixoto conduziu de maneira pacífica a distribuição dos cargos.

Blog — Você e seu xará, o Marcão, aparecem como os dois nomes politicamente mais fortes do grupo de Renatinho. Algum dos dois pensa em se lançar a vereador em 2012, ou isso depende de Odisséia vir ou não à prefeita? E agora, em 2010, quem vocês vão apoiar para deputado estadual, federal e senador?

Marco — No grupo não há pessoas mais fortes que outras. Como o próprio nome sugere, somos um grupo. Só temos força se unidos. Uma coisa é certa: o PT terá um vereador deste grupo em 2012, mas não definimos o nome ainda. Melhor seria se Odisséia se lançasse candidata a prefeita, mas, caso isso não aconteça, não vai adiar nossos planos. Agora para 2010, vamos apoiar para deputado estadual Rodrigo Neves, Vladimir Palmeira para federal e, para senador, se vencedor das prévias, Lindberg Farias. Todos do Partido dos Trabalhadores.

Petróleo — na chuva de informações, Campos perderia R$ 518,5 milhões

Como tudo mais na sociedade multi-mídia de hoje, a questão dos royalties também tem se pulverizado numa tempestade de informações, no meio da qual às vezes se torna difícil achar o norte. Da ontem para hoje, por exemplo, O Globo Online, assim como o portal de notícias da Rede Globo, o G1, trouxeram várias notícias sobre o assunto. Dentre elas, a mais importante, noticiado por O Globo (aqui ) e replicada na Folha Online (aqui), dava conta de uma nova alternativa, no Senado, à emenda de partilha dos royalties do deputado Ibsen Pinheiro (PMDB/RS), aprovada pela Câmara Federal no último dia 10 (aqui), mas cujos critério de divisão o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, já disse ser inconstitucional (aqui).

Iniciativa da Confederação Nacional de Municípios (CNM), por essa nova proposta, a divisão não seria mais dos royalties, mas sobre a Participaçãos Especiais (PEs) dos estados e municípios produtores na extração de petróleo. Por ela, baseado no valores pagos em 2009, o estado do Rio deixaria de receber R$ 3,598 bilhões. Entre os nove municípios prejuficados, todos do estado ro Rio, Campos seria o principal, perdendo R$ 518,47 milhões; seguido por Rio das Ostras, que perderia R$ 134,92 milhões; por São João da Barra, com perda de R$ 95,41 milhões; e Macaé, cujo prejuízo seria de R$ 70,35 milhões. Em menor escala, também perderiam recursos Búzios, Carapebus, Casimiro de Abreu e Quissamã.

Assim como a primeira proposta ao Senado, do próprio Ibsen, de que a União arcasse com os prejuízos da partilha, essa proposta de divisão apenas das PEs foi hoje duramente atacada pelos senadores fluminenses (aqui e aqui):

— Essa é a emenda do ridículo — classificou Francisco Dornelles (PP)

— Nós aceitamos discutir os 60, 100 ou 200 bilhões de barris de petróleo do pré-sal, mas não os contratos já celebrados — ressalvou o senador Marcelo Crivella (PRB), que participou na última segunda-feira, dia 22, de um encontro com o presidente Lula, para debater o tema.

Ex-presidente da Associação Nacional de Petróleo (ANP), David Zylbersztajn também criticou a nova proposta que mantém os royalties para estados e municípios produtores, mas divide as PEs, que classificou de tão absurda quanto à emenda Ibsen (aqui):

— A diferença é que uma mata mais devagar e a outra mais rápido. O princípio do absurdo, de quebra dos contratos e do pacto federativo, continua. Não se pode negar o que já é de direito — disse o diretor na ANP no governo Fernando Henrique Cardoso.

O próprio ex-presidente Fernando Henrique (PSDB) também fez críticas à condução da questão do petróleo pelo governo federal (aqui). Em palestra na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), em São Paulo, FHC alfinetou:

— O governo não quer discutir, quer aprovar a toque de caixa, sem discutir um pouco mais aprofundadamente o modelo proposto, Só estamos discutindo os royalties e a divisão, não se discutiu qual o melhor modelo. E houve passeata no Rio de Janeiro a respeito da perda de algo que não existe — disse o ex-presidente, não sem ainda classificar a discussão de assuntos relacionados ao futuro do país de “rastaquera”.

Em contrapartida, os homens do (atual) presidente se mobilizam. Após reunião na noite de ontem, na casa do ministro das Minas e Energia, Edison Lobão (PMDB), com lideranças do governo para tratar da questão dos royalties, o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, revelou que a preocupação do governo Lula é desmembrar a discussão da partilha dos royalties, no Senado, dos quatro projetos de marco regulatório do pré-sal que tramitam na Casa (aqui):

— A idéia é focar na votação dos temas centrais dos quatro projetos. Como fazer isso não discutimos. O que falamos foi que devemos centrar fogo no que é central e, se for necessário, para evitar contaminação, afastar o tema dos royalties para só retomar a discussão após as eleições — ressalvou Padilha, lembrando que Lobão, a partir de 1º de abril retomará sua cadeira no Senado, para desempenhar um papel “ativo e protagonista” na tramitação dos projetos.

Transferência de cargos: MEC dá prazo à reitoria do IFF

Sobre a transferência de cerca de 30 cargos do campus Campos-Centro à reitoria do Instituto Federal Fluminense (IFF, antigo Cefet-Campos), o ministério da Educação e Cultura (MEC) acabou de se manifestar ao repórter Thiago Gomes. Como confirmou seu assessor Felipe De Angelis, o MEC não só já recebeu a denúncia do Sindicato dos Servidores Federais da Educação Básica e Tecnológica (Sinasefe), como deu à reitora até o final do mês para se pronunciar oficialmente sobre a questão.

Segundo o presidente do Sinasefe, Paulo Caxinguelê: “Pegar os cargos que eram dos campi e levar para a reitoria é uma maneira de tentar engessar a próxima administração. Na perspectiva de perder a eleição, há uma tentativa de iniviabilizar a nova gestão”

Já para a reitora Cibele Daher: “Somente em 2010 começamos, de fato, a formar os departamentos Financeiro e de Recursos Humanos. Pegamos pessoas de alguns campi para formar a reitoria. Essas são denúncias soltas de assuntos que ainda nem foram definidos, com o simples propósito de atrapalhar o processo eleitoral”.

As eleições para os campi Campos-Centro e Macaé, com chapas de oposição e situação em cada, se darão ambas na próxima terça, dia 30.

Uenf e IFF — Dois pesos, duas medidas

Estranho que, à exceção da Folha, a atenção da mídia às reivindicações da Aduenf de Marcos Pedlowski não seja a mesma às denúncias do Sinasefe de Paulo Caxinguelê (fotos de Mauro de Souza e Silésio Corrêa)
Estranho que, à exceção da Folha, a atenção da mídia às reivindicações da Aduenf de Marcos Pedlowski não seja a mesma às denúncias do Sinasefe de Paulo Caxinguelê (fotos de Mauro de Souza e Silésio Corrêa)

Lógico que entre a paralisação de hoje na Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) e as denúncias feitas ontem, à reportagem da Folha, em relação ao processo eleitoral no Instituto Federal Fluminense (IFF, antigo Cefet-Campos), pelo Sindicato dos Servidores Federais da Educação Básica e Tecnológica (Sinasefe) e pela Federação dos Estudantes de Campos (FEC), há mais distinções que os nomes e siglas das instituições envolvidas. A começar pelos objetivos de ambas.

Na Uenf, os docentes cobram além das perdas salariais de 82%, calculadas entre 1999 e 2009, também o direito de participar das negociações entre o reitor Almy Junior e o governo do estado. Já no caso do IFF, servidores e estudantes denunciam que a reitora Cibele Daher estaria transferindo à própria reitoria cargos do campus Campos-Centro, por termer perder a direção deste na eleição marcada para a próxima terça-feira, dia 30, cuja campannha começou oficialmente hoje.

Além de apresentarem documentos para endossar que os cargos tirados do campus Campos-Centro já haviam sido cedidos pelo ministério da Educação (MEC), Sinasefe e FEC denunciam também uma rearrumação orçamentária que esteria em curso no IFF. A título de readequação à sua nova condição de Instituto Federal, a transferência se prestaria, na verdade, a esvaziar financeiramente o campus Campos-Centro e fortalecer o poder da reitoria.

Não se cabe julgar antecipadamente, até porque, como garantiu ontem o presidente do Sinasefe, Paulo Caxinguelê, a denúncia de transferência de cargos, por exemplo, já foi feita ao MEC desde janeiro.

Agora, o que se estranha, por desconhecimento das causas, é que tanto na mídia impressa quanto eletrônica, a atenção dispensada ao caso da Uenf, à exceção da Folha (aqui e aqui), não seja a mesma sobre as denúncias relativas ao conturbado processo eleitoral do IFF.

Fechar Menu