Opiniões

O legado de Marcos Ribeiro Gomes

Após um longo hiato, abro uma exceção para publicar aqui, no blog, o artigo que escrevi na última sexta, sobre o amigo Marcos Ribeiro Gomes, que infelizmente veio a falecer naquele mesmo dia. O texto foi publicado na edição impressa da Folha de sábado e reproduzido no domingo, no blog Ponto de Vista (aqui), do Christiano Abreu Barbosa. Aproveito para fazer algumas pequenas correções, entre elas a inclusão de nomes importantes, que havia antes omitido, possivelmente anestesiado pelo impacto da perda inesperada.

Quando cheguei a Campos, vindo de Atafona, tendo a notícia da morte de Marcos no meio do caminho, fui primeiro ao Hospital Dr. Beda, onde estava o corpo sem vida de um amigo e sua morte estampada na face de outros tantos, reunidos em torno da mesma dor. Abracei Cesinha Boynard, irmão de criação, e Christiano, irmão que criei, fazendo o mesmo depois com Rodrigo e Pedro, irmãos de Marcos. Ao primeiro, disse antes de seguir à Folha, que sairia dali para tentar fazer por Marcos a única coisa que sei: escrever. Não que saiba fazê-lo muito bem, mas tentei da melhor maneira que pude transpor das minhas lembranças o registro de uma vida digna e breve.

Que todos nós, seus amigos (mesmo os menos presentes, como eu), saibamos cultivar devidamente seu legado, sobretudo aquele encarnado nos seus dois pequenos filhos: Daniel e Tomás.

Abaixo, o artigo: 

Como cresce um pai  

marcos ribeiro gomes 2Madrugada de Atafona. Verão de 1989. Na escuridão de um bar abandonado, iluminado apenas pela precoce brasa de cigarros, com o Paraíba do Sul correndo ao lado para desaguar no Atlântico, três adolescentes sobrevivem ao abandono prudente dos demais amigos, após mais cervejas do que seria recomendado àquele tempo em que a vida ainda parecia guardar tantas descobertas quanto o oceano espraiado diante deles, negro de noite e prata de lua.

Trilha sonora composta pelo violão e voz de Paulo Vitor Cortes Lopes, o “Aranha”, com direito a backing vocal meu e do Marcos Ribeiro Gomes, varei a primeira noite da minha vida na mais genuína tradição boêmia. Cantamos, bebemos, tocamos (Paulo Vitor), fumamos (Marcos e eu), identificamos  e demos solução a todos os problemas do mundo.

Só quando os dedos róseos de Homero começavam a apontar no horizonte, abrimos nossa procissão cambaleante e ruidosa, pelas ruas de terra batida de Atafona, de volta às nossas casas.

Não sei se aquela noite teve para Marcos e Paulo Vitor a mesma importância, o mesmo gosto inconfundível de rito de passagem cumprido. Para mim, como o Luiz Fernando Veríssimo diz sobre quando viu Charlie Parker tocar e Puskas jogar, é uma das lembranças que guardo num estojo.

Sobretudo quando se dá em meio a um cenário mágico daqueles, a primeira noite virada com amigos, cerveja e violão, equivale ao primeiro beijo, ao primeiro grito de gol no Maracanã, ao primeiro carro, à primeira transa, ao primeiro nocaute imposto ou recebido numa briga, ao primeiro filho, à nossa primeira casa, quando ela já não é a mesma dos nossos pais.

Foi quando ela ainda era, que conheci o Marcos. Ele foi colega de meu irmão, Christiano, durante todo o antigo segundo grau, no saudoso PA. Chegou a ser também meu, naquele mesmo 1989, depois que resolvi repetir o ano letivo anterior, para posar de James Dean caboclo como rebelde sem causa.

Em todo caso, naquela época, quem tinha o apelido de “Maluco” era o Marcos. Não porque tivesse praticado nenhuma tolice acadêmica como a minha, ou demonstrado, antes ou depois daquela noite em Atafona, um gosto mais destacado pela boemia, como foi o caso do Paulo Vitor e meu. Diferente de nós dois, ele sempre foi um dos sujeitos mais centrados que conheci.

Dado, se não me engano, pelo Rafael Abud, o apelido vinha em parte pelo fato do Marcos ser um tricolor dolosa e assumidamente alienado em futebol, assunto que dominava todas as rodas de conversas masculinas, nos intervalos do PA. “Qual o time atual do Fluminense, Marcos?”, perguntava um colega de escola, nos fins daqueles anos 80, ao que outro, diante apenas do riso do indagado, respondia por ele, dando a defasada escalação do Flu campeão brasileiro, anos antes, em 1984.

A piada se repetia até os dias atuais, sem que a maioria talvez nunca tenha constatado que a ironia maior está em quem é capaz de rir de si mesmo, por algo que optou em ignorar, satirizando no fundo o que parece ser tão importante aos demais.

Mas a característica pessoal que mais parecia justificar a alcunha de “Maluco”, me parecia ser a sua introspecção. Muito embora, após conhecer a pessoa, ele até fosse um cara bem falante, Marcos costumava jogar na defensiva no primeiro contato.

Por iniciativa minha, busquei abreviar essa barreira inicial dele, tão logo me disseram se tratar de um camarada extremamente inteligente. E essa fama tinha reforço ao se dar numa turma cheia de CDFs, como aquela do PA, com gente como Christiano, Rafael, Cesinha Boynard, Luiz Vieira, Heitor Campinho, Juliana Carneiro e Erasmo Júnior.

Encerrado o segundo grau, Marcos continuou a fazer valer sua capacidade intelectual, ao passar e se formar como engenheiro civil na concorrida UFRJ, conquistando depois igual destaque no exercício da profissão. Mas, muito além dos compartimentos da academia e da labuta, sua cultura e sua sensibilidade, a quem tivesse olhos de ver, sempre foram tangíveis em sua personalidade.

Nas nossas conversas mais assíduas na adolescência, ou bem mais espaçadas da vida adulta, ele era uma das poucas pessoas nas “rodas sociais” de Campos, com as quais você podia topar e exceder o óbvio quinteto temático masculino dinheiro/mulher/futebol/fofoca social/política local, para conversar também sobre coisas como literatura, história, antropologia, cinema, teatro, Brasil e mundo.

Tarde de Atafona. Verão de 2011. Após cozinhar e saborear uma moqueca com minha esposa e filho, Paulo Vitor buzina no portão de casa. Meio a contragosto, barriga ainda pesada de peixe, marisco, dendê, pirão e pimenta, levantei do tapete da sala, onde costumo horizontalizar a digestão, para atender ao velho amigo, que me contou do acidente do dia anterior, com Marcos.

Numa sucessão rápida de ligações, após saber de uma parada cardíaca inesperada e da gravidade do quadro, pego o carro e venho a Campos. Na direção, em meio à chuva, quase chegando ao trevo de Grussaí, o celular toca. Com a voz chorosa como o tempo, Christiano me diz: “Marcos acabou de morrer!”.

Não sei se foi coincidência que Paulo Vitor tenha sido o mensageiro original da notícia, recebida naquela mesma Atafona de 22 anos atrás. Na dúvida, fico com Nietzsche: “Coincidências não há”. Nesta maioridade civil de direito daquela nossa emancipação ébria de fato, ao olhar para trás, prefiro ficar e deixar como imagem do Marcos, a última que registrei dele em vida, num churrasco de confraternização, em dezembro último, no prédio de Christiano: com seu pequeno Tomás no colo, de dois anos, brincando com uma das mãos entre os caracóis dos cabelos do filho.

Um ícone da nossa geração afirmou para indagar: “São crianças como você/O que você vai ser/Quando você crescer?”. Pois daquela madrugada alegre em Atafona até o luto sentido de hoje, a mim basta saber que Marcos cresceu o suficiente para se tornar um bom pai.

Este post tem 5 comentários

  1. Emocionante!

  2. Um belo texto, carregado de sentimentos e emoção. Resultado do coração de um poeta.

  3. Aluysio, sábias e emocionates palavras … Que Deus conforte a TODOS nesta hora tão difícil. Abraços.

  4. Sou amigo do Marcos, e freqüentamos juntos os bancos da escola de engenharia da UFRJ. Fomos muito amigos na época de faculdade, meu apelido era Zeca e estava procurando por ele quando soube da notícia de sua partida. Que Deus o mantenha com a lucidez e carinho com que sempre nos brindava, para que lá de cima nos ajude a cumprir nossa etapa. Um grande abraço aos familiares e que a lembrança do homem de bem que ele sempre foi nos inspire sempre.

Deixe uma resposta

Fechar Menu