Opiniões

Coelho pica o “cavalo” Joyce, mas é reduzido a “mosca” literária

“E a bares e bordéis transporto-lhes

O gênio agudo de Aristóteles”

(Do poema “O santo ofício”, de James Joyce)

Até que enfim, nestes tempos de mediocrização geral, onde todos têm uma opinião para dar, mesmo sem entender absolutamente nada sobre o que pretendem opinar, surge alguém para pôr as coisas nos seus devidos lugares, ao defender um dos maiores escritores do séc. XX dos ataques (provavelmente de recalque) de um dos maiores charlatões literários do séc. XXI…

“Uma mosca pode picar um cavalo, mas o cavalo continua a ser um cavalo, e a mosca não mais que uma mosca”, diz o crítico britânico, sobre a provocação de Paulo Coelho a James Joyce. Foto: Divulgação
“Uma mosca pode picar um cavalo, mas o cavalo continua a ser um cavalo, e a mosca não mais que uma mosca”, diz o crítico britânico, sobre a provocação de Paulo Coelho a James Joyce. Foto: Divulgação

Cultura

Literatura

Crítico britânico detona Paulo Coelho após provocação a ‘Ulysses’, de James Joyce

“Uma mosca pode picar um cavalo, mas o cavalo continua a ser um cavalo, e a mosca não mais que uma mosca”, diz crítico inglês, sobre provocação do escritor brasileiro

por Redação Carta Capital — publicado 08/08/2012 17:31, última modificação 09/08/2012 12:06

“Os autores hoje querem impressionar seus pares. Um dos livros que fez esse mal à humanidade foi ‘Ulysses’ [clássico do irlandês James Joyce], que é só estilo. Não tem nada ali. Se você disseca ‘Ulysses’, dá um tuíte”. Muitos críticos literários e editores de livro tomaram sal de fruta para digerir essa frase do escritor brasileiro Paulo Coelho, dita à Folha de S. Paulo no sábado 4, sobre uma das obras clássicas da literatura mundial. Mas nenhum deles foi mais voraz que Stuart Kelly, crítico de literatura do Guardian, jornal e portal de notícias de Londres.

Kelly abre seu artigo no blog de literatura do site usando uma frase do escritor e pensador inglês Samuel Johnson, que respondia a um crítico no século XVIII: “Uma mosca pode picar um cavalo, mas o cavalo continua a ser um cavalo, e a mosca não mais que uma mosca”. E inicia uma ferina argumentação contra a frase e a carreira de Paulo Coelho, cujo verdadeiro insulto, segundo o crítico, “é sua crença de que devemos ceder a suas limitações” artísticas.

“Coelho está, claro, autorizado a emitir sua opinião burra, assim como eu estou autorizado a achar o trabalhar de Coelho um nauseabundo caldo de egomania e falso misticismo com o intelecto, empatia e destreza verbal do camembert vencido que ontem joguei fora”.

O crítico lembra que Paulo Coelho não é o primeiro a dizer que James Joyce “escreve para outros escritores, não para leitores”,  diz que “sempre que um ataque reacionário surge na literatura contemporânea, um tiro em Joyce é necessário” e rechaça: “só alguém que faça uma leitura superficial em ‘Ulysses’ poderia dizer a obra ‘é só estilo’”.

“Coelho se gaba de ser ‘moderno’ porque ele consegue ‘fazer o difícil parecer fácil’”, diz. E conclui seu tijolaço no escritor brasileiro dizendo que qualquer coisa que aspire tornar o mundo e as pessoas menos complexos, menos paradoxais, menos variados comete uma pequena calúnia com a realidade.

O escritor brasileiro não gostou muito da crítica e demonstrou isso em seu perfil no Twitter. Passou a primeira metade do dia tentando argumentar contra a matéria do Guardian e a retuitar quem não concordou com a crítica. “Guardian diz que insultei leitores de Ulysses. E meus leitores, insultados todos estes anos?”, indignou-se.

A frase polêmica surge no momento em que Paulo Coelho se concentra na divulgação de seu último livro, “Manuscrito encontrado em Accra”.

Confira aqui a postagem original.

Deixe uma resposta

Fechar Menu