Opiniões

Seleção não aguentou a pressão da “pátria de chuteiras”, nem da Alemanha

Capa da edição de hoje da Folha, com edição de Rodrigo Gonçalves, foto de Valmir Oliveira, concepção gráfica de Aluysio Abreu Barbosa e diagramação de Eliabe de Souza, o Cássio Jr.
Capa da edição de hoje da Folha, com edição de Rodrigo Gonçalves, foto de Valmir Oliveira, concepção gráfica de Aluysio Abreu Barbosa e diagramação de Eliabe de Souza, o Cássio Jr.

 

Ontem, desde o apito final do árbitro mexicano Marco Rodríguez, começou uma nova Copa do Mundo no Brasil. De um lado, entre os que acham entender de futebol, para ver quem mais repete: “Eu avisei!”. Do outro, entre quem não entende nada, mas ainda pensa tirar proveito político da maior tragédia da história do futebol brasileiro, a disputa será para saber quem mais ecoa: “Fizemos a Copa das Copas, só faltou time!”.

O fato é que na maior goleada sofrida pela Seleção Brasileira em 100 anos, a Alemanha massacrou o Brasil por 7 a 1, ontem, no Mineirão. E o mais triste talvez tenha sido assistir a uma geração de jogadores tão comprometida não ter forças para reagir à pressão do clima de “pátria de chuteiras”, no qual foi envolvida desde o início da campanha, assim como foi ontem por um futebol baseado no toque de bola, que já foi nosso, mas mudou de pátria há alguns anos e foi ditado diante do mundo em fluente alemão.

Antes da semifinal de ontem, os três gols até então sofridos pela Alemanha da Copa haviam saído pelo lado esquerdo da sua defesa, onde o zagueiro Benedikt Höwedes atuava improvisado como lateral. Por isso a crônica esportiva foi quase unânime ao saudar a coragem de Felipão quando, depois de mistério nas escalações dos dois times, uma hora antes do jogo foi anunciado que quem entraria na vaga de Neymar seria o jovem Bernard, justamente para jogar no lado direito do ataque brasileiro — e envergando a camisa 20, a mesma usada pelo campista Amarildo para entrar no lugar de Pelé e ajudar na conquista da Copa de 1962. Por outro lado, o técnico alemão Joachim Löw, além de Höwedes na esquerda, confirmou a escalação do veterano centroavante Miroslav Klose, de 36 anos, no comando do ataque germânico, numa formação mais conservadora.

 

Primeiro gol da Alemanha, marcado por Thomas Müller, que surgiu sozinho na área brasileira
Primeiro gol da Alemanha, marcado por Thomas Müller, que surgiu sozinho na área brasileira

 

Marcada desde a Copa das Confederações, vencida em 2013 pela pressão no campo adversário nos minutos iniciais, a esperança de que a coragem brasileira surtisse resultado durou exatamente 10 minutos. Foi quando Marcelo perdeu a bola na ponta esquerda e gerou um contra-ataque rápido com Sami Khedira e Thomas Müller, que acabou em escanteio. Grande nome do jogo, o meia Toni Kroos bateu pela direita e Müller apareceu sozinho dentro da área para abrir o placar, num erro de toda a defesa brasileira, mas sobretudo de David Luiz que marcou a bola.

Mas o pior estaria porvir…

 

Aos 36 anos, Klose marcou o segundo gol da Alemanha, se tornando o maior artilheiro na história das Copas, com 16
Aos 36 anos, Klose marcou o segundo gol da Alemanha, se tornando o maior artilheiro na história das Copas, com 16

 

Dos 21 aos 27 minutos, num espaço de apenas seis, a até então sólida defesa brasileira tomaria nada menos que outros quatro gols. Aos 21, Fernandinho furou uma bola na entrada da área, que sobrou para Kross achar Müller dentro da área. Ele serviu a Klose, que chutou à defesa parcial de Júlio César, mas pegou a sobra para fazer o segundo gol alemão no jogo e seu na Copa, chegando aos 16 marcados em todos os Mundiais, deixando para trás o recorde de Ronaldo.

 

Nome do jogo, o meia Kroos comemora seu primeiro gol, o terceiro da Alemanha
Nome do jogo, o meia Kroos comemora seu primeiro gol, o terceiro da Alemanha

 

Aos 23, o meia Mezut Özil enfiou o lateral Philipp Lahm no apoio, que cruzou da ponta direita. Novamente solto dentro da área, Müller furou a bola, mas não Kroos, que bateu no canto direito de Júlio César. Aos 27, novamente Kroos apareceu para roubar a bola de Fernandinho, tabelar com Khedira e receber dentro da área, para bater forte e marcar seu segundo gol no jogo.

 

Após roubar a bola de Fernandinho e tabelar com Khedira, Kroos marcou seu segundo gol, o quarto da Alemanha
Após roubar a bola de Fernandinho e tabelar com Khedira, Kroos marcou seu segundo gol, o quarto da Alemanha

 

Para acabar de fechar a tampa do caixão brasileiro ainda no primeiro tempo, o zagueiro Mats Hummels roubou uma bola na raça e lançou Khedira, que tocou para Ozil dentro da ártea, na direita. Ele devolveu para Khedira marcar totalmente à vontade o quinto gol.

 

Em outra linha de passe alemã, Khedira comemora o quinto gol da Alemanha
Em outra linha de passe alemã, Khedira comemora o quinto gol da Alemanha

 

Diante do quadro praticamente irreversível, alguns torcedores brasileiros começaram a deixar o estádio, enquanto os que ficaram perderam a paciência aos 39, quando começaram a vaiar o Brasil. Até que, no minuto seguinte, ecoou das arquibancadas do Mineirão o mesmo coro ofensivo que gerou tanta polêmica na abertura da Copa, no Itaquerão: “Ei, Dilma, vai tomar no c(…)!”

No segundo tempo, com Ramires e Paulinho nos lugares de Hulk e Fernandinho, o Brasil tentou novamente pressionar, mas esbarrou no goleiro Manuel Neuer. Aos 5, aos 6 a aos 7 minutos, em duas conclusões de Oscar, e em outras duas de Paulinho, na mesma jogada, Neuer faz quatro grandes defesas consecutivas.

Aos 12, substituído pelo atacante André Schürrle, Klose saiu aplaudido por alemães e brasileiros como o maior artilheiro da história das Copas. Em contrapartida, no minuto seguinte, o centroavante brasileiro Fred bateu de fora da área e foi vaiado sonoramente pela torcida, que depois repetiu contra ele o coro da presidente Dilma: “Ei, Fred, vai tomar no c(…)!”. E não ficou sozinho, quando aos 17 o telão do Mineirão mostrou Ronaldo, que assistiu seu recorde ser batido por Klose, enquanto comentava o jogo pela Globo, e também foi vaiado pela torcida.

 

Em respeito ao Brasil, desde o final do primeiro tempo, a Alemanha pareceu querer diminuir o ritmo, mas não Schürrle, que entrou no jogo querendo mostrar serviço, ao marcar o sexto
Em respeito ao Brasil, desde o final do primeiro tempo, a Alemanha pareceu querer diminuir o ritmo, mas não Schürrle, que entrou no jogo querendo mostrar serviço, ao marcar o sexto

 

Dentro do campo, Lahm lançou Khedira pela ponta direita e correu para receber de volta e cruzar para Schürrle marcar o sexto da Alemanha, aos 23. Felipão aproveitou enquanto a torcida ainda tentava contar quantos gols tinha tomado, para tirar Fred, que era tão perseguido pelas vaias da torcida da casa, quanto foi o brasileiro Diego Costa nos três jogos que fez na Copa pela Espanha.

Aos 33, num contra-ataque, Müller cruzou da ponta esquerda. David Luiz, que tentava apoiar o ataque, chegou atrasado na marcação de Schürrle. O alemão dominou dentro da área de perna direita e emendou uma petardo de canhota, no ângulo de Júlio César: Alemanha 7 a 0.

 

Num bomba de canhota, que ainda bateu no travessão antes de entrar, Schürrle fez o seu segundo gol na partida, o sétimo da Alemanha
Num bomba de canhota, que ainda bateu no travessão antes de entrar, Schürrle fez o seu segundo gol na partida, o sétimo da Alemanha

 

Em outro contra-ataque, aos 44, Özil saiu cara a cara com Júlio César, na entrada da área brasileira. O meia alemão tocou com consciência, mas a bola saiu pela linha de fundo, rente à trave. Aos 45, Marcelo lançou Oscar, que recebeu na área, dominou, driblou o zagueiro Jérôme Boateng e bateu na altura da marca do pênalti, sem chance para Neuer. Foi o gol de honra, naquela que pôde existir na maior derrota da Seleção Brasileira em todos os tempos.

 

Depois de levar sete gols da Alemanha, Oscar marcou o gol de honra do Brasil
Depois de levar sete gols da Alemanha, Oscar marcou o gol de honra do Brasil

 

Na dúvida do que será ainda pior, entre ter que assistir a Argentina disputar a final do dia 13 no Maracanã, ou enfrentá-la na disputa pelo terceiro lugar, dia 12, em Brasília, uma certeza: ninguém tem o direito de repetir nessa tragédia do futebol brasileiro o mesmo feito em outra, há 64 anos, com os ex-jogadores Barbosa, Juvenal e Bigode, responsabilizados pela derrota brasileira na final da Copa de 1950. E isso vale tanto para os que rapidamente se converteram no culto de martirização midática de Neymar, quanto para os que cerraram fileiras na “caça às bruxas” virtual contra o lateral colombiano Juan Zúñiga, responsável pela contusão do craque brasileiro numa disputa imprudente.

Nesse mesmo oba-oba patriótico que só surge entre os brasileiros de quatro em quatro anos, todos da crônica esportiva do país da Copa acusados de sofrer de “complexo de vira latas” por apontar críticas táticas e técnicas ao time, ou à maneira como ele tentou ser descaradamente utilizado para fins políticos em ano de eleição presidencial, também não devem ceder à nenhuma pequenez. Nela, dá de goleada a grandeza demonstrada pelo zagueiro David Luiz, símbolo maior desse time, que mesmo sem ter feito grande partida deu sua cara a tapa ainda na saída do campo:

— Eu só queria poder dar uma alegria ao meu povo, à minha gente que sofre em tantas outras coisas. Infelizmente não conseguimos. Desculpa a todo mundo. Desculpa a todos os brasileiros. Eu só queria ver meu povo sorrir. Todo mundo sabe o quanto seria importante para mim ver o Brasil feliz pelo menos por causa do futebol. Eles foram melhores (…) É um dia de muita tristeza, mas de muito aprendizado também (…) Eu, na minha vida, aprendi a ser homem em todos os momentos. Não vou fugir de nada. Vou assumir tudo. E nunca vou desistir. Uma dia ainda vou alegrar esse povo de alguma forma.

 

 

No futebol, a primeira coisa a ser assumida diante da belíssima exibição de futebol dada ontem pela Alemanha, que agora fará a final no Maracanã como favorita contra o vencedor entre Argentina e Holanda, não veio de nenhum analista ou cronista esportivo, mas de um torcedor anônimo saindo do Mineirão, entrevistado a esmo por uma das redes de TV que cobriu a partida:

— É até uma vergonha dizer isso, mas o Brasil tinha que ter entrado com mais medo. Não temos mais futebol para enfrentar a Alemanha de igual para igual.

Fora do futebol, entre os muitos outros erros revelados nesta Copa, cada um assuma o que quiser.

 

Súmula Alemanha 7 x 1 Brasil

 

Este post tem 4 comentários

  1. Parabéns Aluysio ,vc disse tudo.não faltou nada.Gostaria de ter o teu dom ( o da escrita)para botar pa fora o que estou sentindo.
    Aluysio VALEU.

  2. ADEUS É BRASILEIRO
    Prof. Dr. Elias Rocha Gonçalves
    Ao acordar no dia de hoje – 09-07-2014 – primeiro que todos os brasileiros, pois aqui em Braga-Portugal, o sol nasce primeiro, quando aí são SETE horas das manhã, aqui já são ONZE. Liquei meu PC para ver as notícias da FOLHA on line – o que faço todos dias para matar a saude da minha terra e colher notícias – deparei-me com uma foto de capa, maravilhosa – uma crinaça sendo abraçada pela Bandeira Nacional – e com a manchete na coluna de esportes Schweinsteiger pede desculpas ao Brasil, esto é EDUCAÇÃO! Amigos brasileiros, existi o jogo diferente dos outros, quando estava na minha casa – aí no I.P.S – e fazendo uma tremenda alegrei, comendo pipoca, fazendo uma cafezinho e gritando com os meus filhos e minha mulher. Ontem, foi diferente, estava num quarto de hotel solitário e falando, via SKYPE, com a minha mulher, sentindo que deram um tiro de canhão no coração do “canarinho”. Erro total do nosso técnico: pensar que o nosso “escrete” podia jogar aberto com a Alemanha, germânicos educados e científicos com grande requente de malvadez. O Brasil ficou em estado de choque!!! Belo horizonte, fez-se, de novo, história no Mundial do Brasil. Em 1950, o Brasil perdeu, no Maracanã, na final com o Uruguai. O acontecimento tornou-se lenda e passou a fazer parte das memórias mais tristes do povo brasileiro. Agora, na meia final de Belo Horizonte, um resultado impensável, uma derrota humilhante por 1 a 7, com 0 a 5 à meia hora de jogo. Um pequeno Brasil cilindrado por uma grande Alemanha que fez uma meia parte absolutamente soberba, destroçando, por completo, um Brasil equivocado, ao pensar que tinha equipe e jogadores para jogar olhos nos olhos com os alemães. Depois de um jogo assim, o Presidente da FIFA devia decretar, desde já, Alemanha campeã e ADEUS AOS BRASILEIROS!!
    ————
    Pós-doutorando em Organização e Administração Escolar no Instituto de Educação da Universidade do Minho no Campus de Gualtar em Braga – Portugal-pt com financiamento pela Capes e brasileiro.
    e-mail: [email protected]

  3. Quem sabe agora essa cegueira coletiva pare…o PT fez bastante força p/ se misturar c/ a seleção…se essa derrota servir p/ não eleger essa comunista excomungada já é muito bom…p/ jogar agua fria na fervura do pt..quebrar o salto alto da terrorista de baton….

  4. Valéria, você foi a única que fez comentário sobre esta verdadeira (trecho excluído pela moderação), residentes no planalto central, mais precisamente, na chamada Planalto, e seus ministérios assim como o Senado e câmera dos Deputados. Quero crer que depois desta tenha caído mais um andaime político (POLITICAGEM E DA SUJA), Assim espero que a barba e a rouquidão deste (trecho excluído pela moderação) chamado Lula tomo o mesmo rumo do batom e do salto alto, e siga o exemplo do não menos (trecho excluído pela moderação) Ulisses Guimarães, Tancredo Neves, André Franco Montoro,José Carlos Magalhães,Mario Covas, Orestes Quercia, Paulo Maluf, Luiz Antonio Fleury Filho,Cláudio Lembo, entre tantos outros. Imploro ao povo verdadeiramente Brasileiros vamos votar conscientemente e procurar tirar estes (trecho excluído pela moderação) de nosso convívio, mesmo os que não são corruptos assumidos, é passivo, pois sabem da roubalheira e não falam nada, ficam mamando quietinhos. Vamos dizer não a tudo isto, de nada vai adiantar, mas pelo menos tentaremos.
    um forte abraço a todos.

    Clóvis

Deixe uma resposta

Fechar Menu