Opiniões

Poema do domingo — Sobrepostos e debruçados sobre o Atlântico

Um quarto de segundo andar, debruçado sobre o Atlântico, numa tarde fria de Atafona. Dentro dele, corpos em pausa, um sobre o outro, ofegantes após imitarem à exaustão as ondas em ressaca do lado de fora. Na inevitável lembrança de quantas comungaram do mesmo lugar e situação, a certeza agradecida de que todas se bastam em quem está ali agora. Satisfação por ter chegado, sem vontade de ir embora. E isso, embora mais brando, é tão prazeroso quanto o próprio gozo.

Pela boca do príncipe de Falconeri, Tomasi di Lampeduza estava prenhe de razão: “As coisas têm que mudar para continuarem as mesmas”.

 

Manhã de Atafona, 09/08/14
Manhã de Atafona, 09/08/14 (foto de Aluysio Abreu Barbosa)

 

 

credo em cruz

(p/ mahelle)

 

louco a frio

no tempo

e o vento

lá fora

ressaca

martela

lembranças

à têmpora

do mar

 

no quarto

com corpo

aquecido

ainda dentro

do outro

a devoção

sobreposta

faz silêncio

de cruz

 

atafona, 17/05/15

 

Este post tem 5 comentários

  1. Belo poema. Eu poderia escrever mais sobre. Não. Isso seria tentar competir. E perder. Portanto, belo poema. Dos que se bastam e dos que precisamos para viver. Prbns!

  2. Caro Nino,

    Obrigado pela generosidade! Qt aos seus poemas, que acha de reunir uma coletânea de cinco que entenda melhor resumirem e representarem o conjunto da sua obra e me enviar no inbox do face?

    Gd abç!

    Aluysio

  3. Vou tentar, nem me considero mais um poeta,ainda mais lendo coisas tão bem feitas quanto as suas e de outros feras da poesia, talvez eu seja um resumidor de ideias, buscando frases cada vez menores. Serviriam?

  4. Caro Nino,

    Poesias são ideias capazes de expressar com palavras aquilo que só palavras não conseguiriam dizer. Envie-me, por favor, aquelas que entenda melhor representarem sua obra.

    Abç!

    Aluysio

  5. Muito lindo.A musa deve estar feliz.Parabéns para os dois:Poeta e Musa.

Deixe uma resposta para Aluysio Cancelar resposta

Fechar Menu