Opiniões

Paula Vigneron — Via Crucis

Atafona, 04/08/14 (foto de Aluysio Abreu Barbosa)
Atafona, 04/08/14 (foto de Aluysio Abreu Barbosa)

 

 

Às sete horas da noite, Ana transita pelas ruas do Centro da cidade. Caminha rapidamente. Tenta acostumar o ritmo das pernas à urgência dos minutos. Enquanto alterna os pés, se cuidando para não tropeçar e perder tempo até se restabelecer, sua cabeça é tomada pelo retrato do dia estampado nas capas de jornais. Crimes. Abusos. Limites ultrapassados. Desrespeito ao ser humano.

Ana acelera.

As últimas semanas têm sido trágicas. Mulheres violadas com suas histórias devassadas nos noticiários. De quem é a culpa? Dela? Não. A culpa é de quem a olha, mas não a enxerga. Ser humano. Aqui e ali, vozes se unem em gritos de alerta para mostrar à sociedade os atos monstruosos a que ela está sendo submetida.

A rua está escura. Falta um trecho longo para chegar ao ponto de ônibus. Atrás, passos seguem o caminho pisado por ela. Escutando a respiração ofegante que vinha de alguém, as linhas dos textos jornalísticos berram, em seus pensamentos, as mensagens anunciadas:

Uma estrangeira de 22 anos é estuprada, no Catar, e presa por fazer sexo fora do casamento.

Uma estudante é violentada a caminho da escola, em uma manhã aparentemente tão comum quanto as outras.

Na rua dela, uma menina gritou, à noite, e ela não soube o motivo.

Em uma cidade próxima, uma jovem de 16 anos foi abusada por 33 homens.

Os passos atrás ficam mais rápidos.

Ana segura a bolsa.

“Meu Deus, que seja só um assalto. Que levem bolsa, dinheiro e celular, mas deixem a minha dignidade”.

Ana afrouxa a bolsa.

Noites passadas, conversara sobre os medos de ser mulher. E, enquanto falava, seus temores tomavam proporções cada vez maiores. Andar na rua sem saber se conseguirá voltar para casa. Olhar para os lados até se certificar de não estar sendo seguida. Atravessar a rua quando homens estranhos sem aproximam e ignorar palavras imundas que saem de suas bocas quando ela passa.

Ana respira fundo para controlar os tremores.

A poucos metros, a rua mais escura, avista o ônibus. Parado no ponto. Mais uma vez, roga a Deus. “Que ele não saia até a minha chegada. Que ele espere para que eu não fique sozinha”. Posiciona-se para atravessar a rua. Tinha certeza de que os passos continuavam ali. Vagarosamente, para não chamar a atenção, virou o pescoço. Não havia homem. Nem mulher. Expirou, aliviada, e entrou no ônibus seguida por seus medos.

 

Este post tem 3 comentários

  1. O medo, a soma de todos os medos… Temos medos de nós mesmos, do lobo, o lobo homem, da humanidade que somos de lobos… Homens e mulheres, essas, mais expostas, mais frágeis, mais violentadas em seu dia a dia de existirem enquanto mulheres, talvez fosse mais fácil se todas fossem homens, se o mundo fosse habitado só por homens, aí não teríamos um mundo violento? Teríamos sim, e não teríamos mundo e nem seria por questões biológicas não, o mundo seria sem cor, sem amor, sem sentimentos, ele seria apenas um mero receptáculo de seres que apenas iriam sobreviver e nunca viver de verdade… Paula Vigneron, eu embarquei nessa viagem, também temeroso. Amei o texto.

  2. Ai, minha nossa! Cada vez gosto mais do que esta menina escreve! Menos de uma página, e a “cena”, a realidade, o drama, tudo.Genial.

  3. Pois é, é bom tomar cuidado para que a paranóia não acabe por mostrar coisas onde não existem e acusar de coisas que não aconteceram.

Deixe uma resposta

Fechar Menu