Campos dos Goytacazes,  19/08/2017

 

por Aluysio Abreu Barbosa

Ocinei Trindade — Rosa é a cor mais violenta

 

(Reprodução)

 

 

De repente, um tiro. E outro. Pânico e ensurdecer. Confusão mental. Difícil explicar que em poucos segundos a vida muda e a morte vem. E vem em forma de cabeça estourada, miolos espalhados pelo automóvel conversível. Quem atirou? Por que atirou? O buraco aberto no crânio faz sangue e massa → : Leia mais

Marcelo Amoy — “Não me leve mal, hoje é carnaval!”

 

 

 

Como qualquer feriadão, o reinado de Momo é efêmero – especialmente nesses nossos tempos velozes –, mas tem peculiaridades que fazem toda a diferença. Enquanto os outros feriadões dependem dos caprichos do calendário pra sabermos se teremos mais ou menos dias de folga, o carnaval tem número de dias fixo: são → : Leia mais

De bandeja, os bastidores de 10 prefeitos de Campos

 

Seu Zé e Rafael Diniz (Foto: Rafael Peixoto)

 

 

 

Por Aluysio Abreu Barbosa

 

Nos últimos 30 anos, 10 foram os prefeitos que serviram a Campos. Ou foram eleitos para fazê-lo. Zezé Barbosa (1982/88), Anthony Garotinho (1988/92 e 1996/98), Sérgio Mendes (1992/96), Arnaldo Vianna (1998/2000 e 2000/04), Carlos Alberto Campista (quatro → : Leia mais

Fabio Bottrel — Dona d’um coração surrealista

 

Sugestão para escutar enquanto lê: ArvoPärt–Silentium

 

 

 

Ao me sentar para escrever o texto de hoje vi, logo ao meu lado, um dos contos que havia escrito para o blog bem no início da minha colaboração, em maio de 2016. Embevecido pelas obras surrealistas que acompanhava à época – movimento pelo → : Leia mais

Vestiu sua blusa amarela e saiu por aí

 

Após dia e noite longos de trabalho no jornal, cheguei neste início de madrugada a Atafona, minha Pasárgada, mesmo neste agito de folia. Daqui até o próximo dia 6 de março, não estarei postando nada no blog, à exceção dos textos dos seus colaboradores e da minha produção dominical como jornalista na Folha.

Depois → : Leia mais

Luciane Silva — Choram Marias e Clarices no solo do Brasil

 

 

 

Às três da manhã de uma madrugada insone (como foram tantas no ano de 2016), recebi por telefone uma instigante pergunta de um amigo jornalista. Ele estava finalizando uma matéria para uma revista e me questionava sobre uma possível depressão pós-golpe. Sinto que lhe devo uma resposta. Naquela madrugada usei os → : Leia mais

Guilherme Carvalhal — Através da Câmera de Vigilância

 

 

 

Todos os dias Gisele olhava para aquele homem através da câmera de vigilância. Ele chegava sempre à 8h30, de roupa social, tomava um café e comia um pão assistindo o noticiário matutino. Cada gesto expressava delicadeza, segurando a xícara com um leve aperto dos dedos ou cumprimentando gentilmente o balconista. Na → : Leia mais

Carol Poesia — Quarta-feira de cinzas

 

(Reprodução)

 

 

Quarta-feira de cinzas

 

Luzes ainda coloridas.

Muita sujeira na rua.

A cidade dorme pesado.

O mar, de ressaca,

abre bocas de sono.

Não se vê nada.

Nem formiga.

Nem saúva.

Nem namorado.

Nem marido.

 

Só saudade

colorindo o fim de sexo ordinário.

 

→ : Leia mais

Por que cada áulico a soldo do garotismo vale por 10 opositores?

 

 

 

Enquanto esperavam Anthony Garotinho (PR) vir hoje (20) na condição de réu à audiência da “Chequinho” (aqui), na 100ª Zona Eleitoral (ZE) do município, e atrair mais jornalistas do que militantes ao Fórum de Campos, os áulicos a soldo do ex-governador tentaram criar fatos. E na incapacidade de fazê-lo por conta → : Leia mais

Fernando Leite — Filhos da Pátria

 

(Reprodução)

 

 

Corre uma provocação bem humorada, segundo a qual, a Associação Nacional das Putas, com sede em Brasília, expediu um comunicado indignado, esclarecendo de forma peremptória, que os políticos que andam fazendo lambança por aí, não são seus filhos, embora assim sejam chamados. As incansáveis operadoras do sexo não aguentam mais → : Leia mais