Opiniões

Marcão ainda não definiu entre Alerj ou Câmara Federal em 2018

 

 

 

Pré-candidato de Rafael

Entre situação e oposição goitacá, há pouca gente que não aposte: mesmo com outras eventuais pré-candidaturas governistas, o atual presidente da Câmara Municipal, vereador Marcão Gomes (Rede), será o candidato da administração Rafael Diniz (PPS) nas eleições legislativas de 2018. Se a deputado estadual ou federal, é que ainda não se sabe. Embora o próprio Marcão admita que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) seria seu destino de preferência, ele colocou a decisão nas mãos do seu grupo político e seu líder natural: o atual prefeito, seu ex-companheiro na bancada de oposição aos Garotinho.

 

Momento de ajudar a cidade

Marcão, no entanto, acha que o momento de se discutir as pré-candidaturas será o segundo semestre do ano, não agora: “primeiro porque o a reforma política que começa a ser discutida em Brasília pode mudar tudo. Para valer em 2018, tem que ser aprovada até setembro de 2017. Se não conhecemos as regras do jogo, não podemos dizer como vamos jogar. O momento é de tentar achar soluções ao quadro caótico em que o governo passado deixou as finanças do município. Em todas as conversas que mantenho com lideranças políticas e comunitárias, digo que a hora é de nos unirmos para tentar ajudar o prefeito e a cidade”.

 

Opção única do Rede

Se há pouca dúvida de que, para deputado estadual ou federal, Marcão contará com o apoio político de Rafael, tampouco parece haver de que, independente da opção, o presidente da Câmara Municipal será o único pré-candidato do seu partido no município. “Fui o vereador mais votado de Campos. Nossa candidatura pelo partido deve acontecer de maneira natural”, justificou.

 

Mesma dúvida

A mesma dúvida de Marcão, entre disputar uma vaga à Alerj ou a Câmara Federal, foi abordada (aqui) em outra possível pré-candidatura nas eleições legislativas de 2018. Diferente do vereador, cujo nome na disputa para certo, o jovem médico e empresário Diogo Neves não confirmou sua intenção em se lançar em 2018. Mas também não descartou a possibilidade, confirmada pelos três principais nomes do PSDC em Campos: o deputado estadual João Peixoto e os vereadores José Carlos e Cláudio Andrade.

 

Efeito Marcão

Sem definir se será ou não pré-candidato, Diogo também não decidiu se poderia postular uma vaga de deputado estadual ou federal. E nesta incerteza, os interesses dos quadros do PSDC goitacá parecem ser distintos, alguns deles também ligados aos destinos de Marcão. Seu primeiro vice-presidente da Câmara Municipal, Zé Carlos confirmou a própria pré-candidatura a deputado federal. E comenta-se que ele poderia tentar fazê-lo em dobrada com Marcão, caso este concorresse à Alerj, deixando o João Peixoto na saudade, em sua tentativa do sexto mandato de deputado estadual.

 

Interesses

Assim, diante do risco de perder o apoio de Zé Carlos para Marcão, interessaria a Peixoto estimular a pré-candidatura de Diogo a deputado federal pelo PSDC, para tentar contra-atacar a “deserção” do antigo aliado. Por sua vez, Cláudio Andrade defende a candidatura do médico a deputado estadual. E nisto também trabalha politicamente pelos próprios interesses. Se Diogo desistir de se lançar na política, a vaga deixada poderia sobrar ao vereador. Por outro lado, caso o primeiro decida se candidatar, Andrade seria seu principal cabo eleitoral em Campos, reforçando os laços com um dos grupos empresariais mais fortes do município.

 

Como previsto

O blog do jornalista Lauro Jardim, hospedado no site do jornal O Globo, confirmou (aqui) na noite de ontem uma informação já divulgada por esta coluna (aqui) na edição de domingo: a delação de Jonas Lopes de Carvalho, ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE) do Rio de Janeiro, traz pouco ou quase nada sobre Anthony Garotinho (PR). Jardim salientou que a colaboração também isenta Rosinha Garotinho (PR), ex-governadora e prefeita de Campos por dois mandatos.

 

Com a colaboração do jornalista Arnaldo Neto

 

Publicado hoje (04) na Folha da Manhã

 

Este post tem 8 comentários

  1. Eu tenho opinião que sendo eleito para um cargo, deveria honrar os votos recebidos até final do mandato, caso contrário seria melhor votar no lixeiro, caso perdesse a eleição continuaria varrendo a rua!!!

  2. Deveriam colocar o Jonas com testemunha no processo do Garotinha e, se continuasse mentindo iria para cadeia por falso testemunho!!! aliás não sairia…

  3. Deveria decidir por cumprir seu mandato até o fim, de forma ética e idônea, como sempre cobrou da oposição. Mas infelizmente as pessoas se elegem, mas já de olho em um cargo que lhe dê mais poder. Então vamos logo reduzir os mandatos para apenas 2 anos. Espero que o Marcão não nos decepcione tbm.

  4. EEEEE Campos, como diria um comentarista deste espaço democratico ano passado, todo dia em varios blog da folha da manha lá tava ele EEEEEEE Campos, kkkkkkkk

  5. Por favor FOLHA DA MANHA não muda a foma da gente opinar, pois este espaço era tão democratico, o leyaut da folha da Manha ficou otima, mais o espaço de comentario em alguns blog e reportagem não. muda não! até fica parecendo que deixa pra lá!

    1. Caro Jose Maria,

      Com a mudança do layout da Folha Online, o blog “Opiniões” foi o único entre aqueles hospedados na Folha Online a permenecer no antigo sistema wordpress. No entanto, em relação aos comentários, devo dizer que o novo sistema é melhor, já que nele fica mt mais difícil aos comentaristas driblarem o anonimato.

      Abç e grato pela chance da explicação!

      Aluysio

  6. Ele deve cumprir o mandato de vereador, se for candidato a deputado e nao se eleger,vai ficar feio

Deixe uma resposta para Aluysio Abreu Barbosa Cancelar resposta

Fechar Menu