Opiniões

Câmara entre o fato de Magal e o boato com Pastor Vanderly

 

 

 

Magal sai da Câmara?

Em dia de sessão ontem na Câmara de Campos, o futuro desta foi mais debatido nas conversas de bastidor do que nos discursos em plenário. Depois que o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) confirmou na segunda a condenação inicial do vereador Jorge Magal (PSD) pelo juízo da 99ª Zona Eleitoral de Campos, por conta da operação Chequinho, o vereador chegou a se atrasar ontem à sessão. Há a possibilidade que ele seja afastado e Thiago Godoy (PR), também investigado na Chequinho, assuma seu lugar na Câmara. Mas entre advogados eleitorais, assessoria do TRE e envolvidos diretos, ninguém foi capaz ontem de cravar uma certeza.

 

Cautela de Godoy

Enquanto as últimas notícias da noite de ontem davam conta que advogados de Magal estariam em Brasília, tentando uma liminar no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Godoy não apostava em definição rápida: “isso deve demorar. O TRE ainda vai julgar os embargos do vereador. Minha expectativa é aguardar o TRE e o TSE”. Ademais, o suplente de Magal na coligação PSD/PR/PTB vive uma situação contraditória, já que é também advogado de todos os investigados da Chequinho — inclusive ele — que permanecem ligados ao grupo político do ex-governador Anthony Garotinho (PR).

 

Do fato ao boato

Gerada através de um fato — a condenação de Magal no TRE — do qual ninguém ainda parece saber a definição, um boato também aumentou as incertezas da futura composição da Câmara de Campos.  Foi forte o comentário de que Garotinho estaria negociando com o prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), para que o pastor Vanderly (PRB), vereador goitacá e membro da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), ocupasse um cargo no governo carioca. Se isso acontecesse, seria aberto espaço para o suplente Albertinho — cuja expulsão do PMB foi pedida após as eleições municipais de 2016 — assumir a vaga.

 

Outros tempos

Apesar de, em tese, a bancada garotista ser composta de sete dos 25 vereadores, ninguém hoje aposta que Thiago Ferrugem (PR), Álvaro Oliveira (SD), Joilza Rangel (PSD), Cecília Ribeiro Gomes (PT do B), Cabo Alonsimar (PTC), Geraldinho Santa Cruz (PSDB) ou Carlos Canaã (PTC) estejam dispostos a seguir o líder, ao preço das próprias carreiras. Por isso preferem se chamar de bancada “independente”, não de oposição. E há quem afirme que a maioria deles só não migrou ainda à bancada do governo Rafael Diniz (PPS) — como fez Roberto Pinto (PTC), ao votar em Marcão Gomes (Rede) à presidência da Câmara — porque o prefeito não quis.

 

Estalinhos

O fato é que nem mesmo Ferrugem, muito ligado a Wladimir Garotinho (PR), ou Álvaro, primo de Anthony Garotinho, parecem dispostos a fazer o trabalho sujo determinado por este.  Como vem provando nas redes sociais, onde parece se orgulhar do duvidoso título de “homem-bomba”, Albertinho não teria esse constrangimento ético. De qualquer maneira, como o Pastor Vanderly garantiu ontem à coluna que a possibilidade da sua ida ao governo Crivella é só “conversa fiada”, parece que o “homem-bomba” terá que se contentar com seus estalinhos virtuais, até que também seja julgado na Chequinho, em 12 de maio.

 

Socorro

O prefeito Rafael Diniz (PPS) até manteve, inicialmente, o contrato para o fornecimento de ambulâncias com a Prime, mas uma das imposições feitas por sua gestão é que o serviço fosse bem prestado. Segundo o chefe de Transportes da secretaria de Saúde, Fabiano Martins dos Santos, quando a atual gestão assumiu, foi observado que alguns veículos chegaram a ficar parados por quatro meses. Ele ressaltou que, para dar agilidade ao reparo das ambulâncias, fiscalizações diárias são feitas junto à empresa e, além disso, foi estabelecido o envio de relatório de todos os encarregados de Unidades Básicas de Saúde (UBSs) sobre eventuais transtornos com os veículos. Em um mês, 15 foram recuperados.

 

Renegociou

Ao renovar o contrato com a empresa Prime, a Prefeitura renegociou os valores, que teve o custo reduzido em 20%. O extrato de contrato foi publicado no Diário Oficial do dia 20 de fevereiro. Com a redução dos valores, a Prefeitura vai economizar R$ 386 mil por mês, totalizando por ano R$ 4,6 milhões. Outra medida estabelecida neste ano pela Saúde foi o desconto de valores nos dias em que as ambulâncias não circularem por problemas mecânicos. A secretaria ressaltou ainda que, na atual gestão, todo o valor de repasse para a Prime está em dia.

 

Com a colaboração do jornalista Rodrigo Gonçalves

 

Publicado hoje (05) na Folha da Manhã

 

Este post tem 3 comentários

  1. Ja que a prefeitura esta economizando tanto, porque ainda esta faltando tantos remedios nas farmacias,para onde esta indo esse dinheiro,

  2. O dia que prefeito e vereadores e seus familiares, passarem a ser atendidos pela rede publica de saude e nao privada, eu vou acreditar que esta havendo mudanca

  3. Obrigado aluysio Abreu voce merece as minhas consideracoes,um grande abraco

Deixe uma resposta

Fechar Menu