Opiniões

Rafael Diniz é elemento de todas as equações para 2018

 

 

 

Marcão a federal pelo PPS?

Atualmente no Rede Sustentabilidade, partido para onde se mudou antes do naufrágio eleitoral do PT nas eleições municipais de 2016, o presidente da Câmara de Campos, vereador Marcão Gomes, é hoje considerado pelo PPS como uma das duas pré-candidaturas em que o partido pretende apostar para eleger dois deputados federais pelo Estado do Rio. O obstáculo seria a aliança antiga do edil com o deputado federal Chico D’Ângelo, ainda no PT e irmão do professor Luciano D’Ângelo, petista histórico de Campos.

 

Certeza e dúvida

Na edição desta coluna do último dia 4, Marcão confirmou (aqui) que, por ter sido o vereador mais votado de Campos em 2016, sua candidatura legislativa em 2018 seria “natural”. Mas não definiu se viria como deputado federal ou estadual. Na ocasião, ressalvou que o momento não era de se falar em pré-candidaturas, mas “de tentar achar soluções ao quadro caótico em que o governo (Rosinha Garotinho) passado deixou as finanças do município. Em todas as conversas que mantenho com lideranças políticas e comunitárias, digo que a hora é de nos unirmos para tentar ajudar o prefeito e a cidade”.

 

Elemento Rafael (I)

Ao ser abordado ontem mais uma vez sobre o assunto, mais especificamente do interesse do PPS em apostar em seu nome para conquistar uma vaga na Câmara Federal, Marcão repetiu o discurso da prioridade municipal. Todavia, como o PPS é o partido do prefeito Rafael Diniz (PPS), isso pode ser um indicativo — a depender, lógico, do que for aprovado na reforma política em Brasília. Como reforço dessa linha de pensamento, em relação ao seu compromisso com Chico D’Ângelo, o presidente do legislativo goitacá disse que isso hoje é secundário diante ao projeto eleitoral traçado para 2018 pelo grupo político do prefeito de Campos.

 

Elemento Rafael (II)

A coluna também teve a informação de que o deputado estadual Gil Vianna (PSB) estaria projetando sua reeleição como candidato da parte do grupo de Rafael que não apoia Marcão — caso este decida concorrer à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). Gil desmentiu categoricamente a versão: “Não ajudei Rafael a se eleger (foi vice do pedetista Caio Vianna na chapa derrotada à Prefeitura). Mas sou amigo pessoal de Rafael e Marcão. Jamais me colocaria como opção a Marcão. Isso é mentira! Se Rafael quiser que eu seja candidato do seu governo, vou gostar muito. Mas vou concorrer à reeleição mesmo se ele não me ajudar”.

 

Elemento Rafael (III)

Outro que também tem Rafael como elemento da sua equação para chegar à reeleição é o deputado estadual João Peixoto (PSDC): “Sempre me elegi com o prefeito de Campos contra mim. Posso não ser o candidato de Rafael, nem ter seu apoio, mas ele não vai me atrapalhar”. Peixoto também voltou a comentar a possibilidade do médico Diogo Neves, do grupo IMNE, se lançar candidato em 2018 pelo seu PSDC, como esta coluna revelou (aqui) no início do mês: “Ele não falou nada comigo. Nem aconteceu a minha conversa com seu pai, o empresário Herbert Sidney Neves, de quem gosto muito. Diogo tem que querer as coisas. Voto não cai do céu”.

 

Esforços por reforma

Rafael Diniz se reuniu, ontem, com representantes de todas as secretarias, superintendências, fundações e autarquias da Prefeitura, voltando a destacar a delicada situação financeira e a necessidade dos esforços de todos para uma reforma administrativa. Ele ressaltou que nos organogramas de ajuste, apresentados pelos secretários e superintendentes, há mostras de gestores que compreenderam bem a proposta. E que espera que todos apresentem um projeto final de reforma, dentro da atual realidade do município.

 

Emendas

Hoje, às 9h, a vice-prefeita de Campos, Conceição SantAnna, vai receber a deputada federal Cristiane Brasil, na Casa de Convivência do Parque Tamandaré (antigo Clube da Terceira Idade). Na ocasião, será assinado protocolo de intenção das emendas no valor de quase R$ 1 milhão, que serão destinadas a projetos do Conselho Municipal do Idoso, Fundação Municipal do Esporte, superintendência dos Direitos do Idoso e secretaria de Desenvolvimento Humano e Social.

 

 Com a colaboração do jornalista Rodrigo Gonçalves

 

 Publicado hoje (25) na Folha da Manhã

 

Atualização às 8h57 de 26/04/16 para correção feita aqui pelo leitor Edimar Azevedo

 

Este post tem 2 comentários

  1. Prezado, favor fazer a gentileza de corrigir o nome do partido de (Rede Solidariedade) para Rede Sustentabilidade. Agradecido.

    1. Caro Edimar,

      Correção feita e creditada. Grato por ela!

      Abç!

      Aluysio

Deixe uma resposta

Fechar Menu