Opiniões

Reitor da Uenf: “É difícil saber até quando continuaremos funcionando”

 

(Foto: Assessoria da Uenf)

 

 

“É difícil saber até quando conseguiremos manter a Uenf funcionando nestas condições. A rigor, já estamos nos descontos da prorrogação”.

A declaração feita à Folha pelo reitor da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), professor Luiz Passoni, dimensiona o quadro que hoje enfrenta a principal instituição de ensino superior da região. Com 950 funcionários (310 professores e 640 servidores técnicos e administrativos) com salários atrasados e 6,2 mil alunos, a Uenf não recebe verba de manutenção e custeio, estimada em R$ 2 milhões/mês, desde outubro de 2015.

Ciente da importância da universidade ao desenvolvimento de Campos e região, na qual a Folha esteve presente desde seu ato de fundação em 1990, assinado no governo estadual Moreira Franco, bem na sua fundação três anos depois, num sonho do antropólogo Darcy Ribeiro concretizado na gestão Leonel Brizola, o jornal estará trazendo neste domingo (30/04) uma edição especial. Nela, falarão sobre a crise da Uenf seu reitor, professores e alunos, prefeitos e todos os deputados da região, além do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB).

Concretizado há 24 anos, a Uenf foi um sonho de Campos e do Norte Fluminense. A um jornal que tem sido porta voz de ambos há 38 anos, não caberia outro papel: ouvir, cobrar, mobilizar, tentar apontar soluções e afirmar, a despeito de qualquer diferença, a disposição de luta pelo sonho comum.

 

Antes do domingo chegar, quem quiser saber mais sobre a crise da Uenf, pode conferir nos links abaixo:

 

Fecharam a Villa Maria — Campos precisa reagir ao desmonte da Uenf

 

Luciane Silva — Há uma universidade no meio do caminho

 

Desmonte da Uenf — Qual será a sua opção?

 

Marcelo Amoy — Uenf: a conquista de um sonho

 

Após denúncia da Folha, religaram a luz da Villa Maria

 

Ocinei Trindade — Grandes mentiras e uma verdade

 

Ricardo André Vasconcelos — Uenf: a hora de um novo grito

 

Beleza da carne, da arquitetura e do sonho da Uenf na foto

 

Manuela Cordeiro — Luto é verbo

 

Abandono: roubo de bombas deixa Casa Ecológica da Uenf sem água

 

Rogério Siqueira — Uenf: o carisma enquanto saber científico

 

Este post tem 2 comentários

  1. De Luto ,estou .

  2. O Governo Federal gasta milhões com propaganda na TV para dizer que este ano está gastando R$ 82 bilhões com o ensino superior. Ora, já que o governo tem preocupação com as universidades, por que os deputados da Alerj e os da bancada fluminense na Câmara dos Deputados não fazem gestões politicas para que a Uenf receba SOS com essa verba federal, ou até mesmo ela não seja passada para a União? Em Campos nós já temos a UFF, por que não tornar a Uenf o campus II da UFF na nossa cidade? Entendo que a solução para a crise da Uenf existe, só falta vontade politica.

Deixe uma resposta

Fechar Menu