Campos dos Goytacazes,  21/10/2017

 

por Aluysio Abreu Barbosa

Coletivo de uma geração no solo de Magalha

 

Magalha nos anos 1980, jovem e de cabelos compridos, no auge do BRock (Foto: Alcino – Facebook de Fred Landim)

 

 

Não pude ir ontem (23) ao velório de Rodrigo Magalhães. Junto a um outro seu amigo, tinha um compromisso profissional prévio no Rio de Janeiro. Mas pelo que puder saber (aqui) pela reportagem da Folha e pelo relato de outros amigos comuns, que estiveram presentes, a grande quantidade de pessoas que compareceu para dar o último adeus a Magalha evidenciou bem que tipo de pessoa ele foi em seus 48 anos de vida.

Para saber o que ele foi como advogado e professor, basta constatar as muitas manigestações sentidas de seus pares no Direito, de alunos e ex-alunos. Já como músico, quem não teve a oportunidade de ver Magalha em ação com sua guitarra, ou gostaria de rever, fica o vídeo abaixo de um solo dele, coletivo de uma geração, postado pela Cross Time, sua última banda:

 

 

 

Compartilhe:
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • PDF
  • Technorati

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>