Opiniões

Fernando Leite — Fronteira

 

 

 

Fronteira

 

Na sala de espera do Centro de Doença

de Alzheimer e Parkinson estavamos eu,

José, de 58 anos, vítima de esquizofrenia

e distúrbios neurológicos; dona Olivia, 75 anos,

parksoniana e Pedro, 48 anos, refém do Alzheimer.

Sabíamos um do outro, mas não nos olhávamos,

como se fôssemos irmãos de uma seita secreta,

o silêncio e o alheamento era nosso código

de comunicação. Não havia o que falar.

Palavras são lâminas, por natureza,

se não, domadas.

O olhar comum de desassossego era uma carta náutica

para velhos marinheiros do mar alto,

que pouco se viam, mas que se reconheciam no

vastíssimo oceano da dor.

Nossos acompanhantes tricotavam experiências

e as últimas cenas da novela da 9h.

Alguns de nós, acompanhados, sabíamos de nossa

condição de fronteiriços,

tínhamos um pé na lucidez e o outro

no território do delírio.

O coração se aventurava em acrobacias

nos abismos, independente de nosso pânico.

De repente, uma réstia de sol

atravessou o vidro da janela

e acendeu a esperança que guardamos

escondida.

José, dona Olívia, Pedro e eu

rimos, cúmplices, ninguém mais percebeu.

A vida, por um momento, desabrochou exuberante e sã

naquela burocrática sala de espera.

É assim que, em nós, de vez em quando, independente

da hora e do lugar,

irrompe no maciço da escuridão a improvável

flor da manhã.

 

(FLF)

 

Este post tem 2 comentários

  1. Uma pérola sua poesia, profunda e leve por colocar em pauta assunto tão dorido e pesado, mas com a leveza da sensibilidade do poeta, que vê além das aparências. Carinho é isso que vc transmite no poema, pq toca com respeito o mundo confuso desses errantes. Seu amor pulsa no texto, deixando transparentes coração e alma. Anjo com asas de poemas é o que vc é, Fernando.

  2. Armonia obrigado por comentário tão generoso. Afetuoso abraço.

Deixe uma resposta

Fechar Menu