Opiniões

Ricardo Rangel e a última do beócio eleito ao cargo mais importante da Terra

 

De segunda a sábado, você, leitor, já se acostumou com os colaboadores deste “Opiniões”. Hoje, seria o dia do tradutor Marcelo Amoy, que se despediu do blog (aqui) no último dia 22. Seu substituto já foi escalado e está se aquecendo para entrar em campo no próximo dia 19.

Até lá, para não perder o hábito, recorramos hoje a uma colaboração compulsória de peso: o diretor de produção da Conspiração Filmes e articulista de O Globo, Ricardo Rangel. Não é de hoje, a luz do seu raciocínio tem ajudado a dissipar as sombras na democracia irrefreável das redes sociais.

Sobre a última trapalhada do beócio que elegeram ao cargo mais importante do planeta Terra, no irrefletido abandono dos EUA do Acordo de Paris, Ricardo escreveu (aqui) e o blog pede licença para republicar abaixo:

 

 

 

A saída dos EUA do Acordo de Paris é lamentável para o mundo e péssimo para os EUA.

O inegável alarmismo e a correção política com que certas tendências políticas tratam a questão climática não mudam o fato de que o aquecimento global é um problema gravíssimo e premente. É preciso manter o debate aberto, e um acordo imperfeito, que pode ser aprimorado, é melhor do que acordo nenhum.

Trump ficou contra todos os países do mundo com exceção de Síria e Nicarágua: eu não sei vocês, mas eu não acho boa companhia. Além disso, como os EUA são uma federação, os estados não são obrigados a seguir a União, e Nova York, Califórnia e outros já avisaram que vão seguir o Acordo.

Trump disse que não foi eleito para representar os cidadãos de Paris, mas os de Pittsburgh, e, imediatamente, o prefeito de Pittsburgh avisou que também vai seguir o Acordo. O maior poluidor do mundo, a China, segue no acordo.

Trump não escolheu Pittsburgh por acaso: a cidade foi o primeiro centro de refinamento de petróleo dos EUA, e o presidente é um vigoroso defensor do combustível fóssil, o maior vilão no aquecimento global. Pois até a Exxon, a maior empresa de petróleo americana, criticou Trump e lamentou a saída do Acordo. Assim como o fizeram todas as empresas comprometidas com o futuro: Apple, Microsoft, GE etc.

Quanto mais Trump se isola, menos importantes ficam os EUA e mais importante fica a China. É péssima notícia porque os EUA são uma democracia que cumpre o combinado e a China é uma ditadura que nem sempre cumpre o combinado.

Não admira que o prefeito de Londres, como lembrou o Idelber Avelar, tenha mais o que fazer do que falar com o presidente americano. Na batida em que vai, em breve só as telefonistas da Casa Branca darão ouvidos a Trump.

Em tempo. Este post não é sobre o aquecimento global, é sobre geopolítica: mesmo que Trump esteja certo sobre o aquecimento global, sua decisão continua equivocada. Mas, já que estamos nisso, para quem acha que o aquecimento global é conversa fiada, digo duas coisas: i) há muito mais motivo para acreditar que ele esteja ocorrendo do que que não esteja. ii) vocês estão num pôquer de alto risco, querem pagar para ver tendo na mão um par de 6, e as fichas são o futuro de nossos filhos e netos.

 

Para saber um pouco mais sobre a lacuna geopolítica aberta no mundo pelos açodamentos unilaterais de Trump, também confira aqui o artigo do jornalista e escritor venezuelano Moisés Naím.

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu