Opiniões

Ocinei Trindade — A melhor cidade de todos os tempos

 

Praça São Salvador de outros tempos (Foto: Reprodução)

 

 

Nova York, Paris, Londres, Tóquio ou Berlim? Curitiba, Florianópolis, São Paulo, Rio ou Campos dos Goytacazes? Onde é possível ser mais feliz entre essas cidades nacionais e estrangeiras? Há quem responda sem hesitar ao conhecê-las todas. Há quem nunca tenha pisado em nenhuma delas, mas mesmo assim seja capaz de opinar. Há os que amam as cidades onde vivem, sentem-se pertencentes, assim como existem aqueles que juram não ter cidade pior do que esta ou aquela onde nasceram e moram. Infelizes?

Certa vez, assisti à uma palestra, dessas que os consultores de recursos humanos adoram realizar para empreendedores ou para trabalhadores desmotivados. A palestrante contou uma pequena história de um homem que acabara de chegar à cidade para onde se mudaria. No posto de combustível, perguntou ao frentista se aquele lugar era bom para viver, pois estava de mudança. O frentista quis saber como era a cidade de onde o homem vinha. Este disse que era ótima; que as pessoas eram amáveis e alegres; e que, apesar dos problemas, a maioria vivia satisfeita, pois a cidade funcionava.

O frentista do posto disse ao homem que este deveria se mudar sem se preocupar, pois naquela cidade as pessoas eram muito mais amáveis e alegres, e tudo funcionava maravilhosamente bem. Ali, ele seria tão feliz ou mais. Contente, o homem agradeceu, se despediu cheio de entusiasmo e otimismo com a vida nova que se desenhava.

Dias depois, um outro homem parou no mesmo posto de combustíveis e perguntou ao frentista como era aquela cidade, pois pretendia se mudar para lá. O funcionário do posto fez idêntica pergunta de antes. Quis saber como era cidade natal daquele homem. Este não poupou críticas. Disse que a cidade era horrível, as pessoas não prestavam, a desonestidade imperava e que nada funcionava. Daí, o frentista disse que ali era bem pior; que ninguém prestava, e todos os governantes eram criminosos e corruptos; que a cidade era caótica. Melhor que continuasse na cidade de origem. O homem saiu contrariadíssimo e irritado com a informação que recebera.

Aí, veio a palestrante performática para concluir a narrativa com a moral da história: nós somos responsáveis pelo lugar onde moramos, vivemos e trabalhamos; que não existe lugar perfeito, mas que somos capazes de transformá-lo, tanto para coisas positivas, quanto negativas; fazemos da casa, rua, local de trabalho e cidade ambientes bons para desfrutar a vida ou não. Apesar de simplista, acabei concordando com a ideia. O problema é: ninguém faz ou cuida de uma cidade sozinho. Em uma era onde o individualismo e a falta de colaboração coletiva se destacam, o desafio fica maior.

Aos 18 anos comecei a viajar sozinho pelo Brasil e pelo mundo. Passei por muitas cidades. Costumo compará-las como se fossem pessoas. Há cidades feias, sujas e conturbadas, mas capazes de oferecer algum acolhimento ou abrigo. Já existem cidades lindas e deslumbrantes que não aceitam alguém sem dinheiro ou com aparência “inferior”. Há cidades superpopulosas vazias de alma e há cidades pacatas cheias de calor humano. Há pessoas com as quais a gente se identifica e se apaixona, independentemente dos traços e feições. O mesmo ocorre com uma cidade.

Claro que é bem mais difícil viver em locais onde existem guerra, crime organizado, tráfico de drogas, além da falta de segurança, saneamento, hospitais, escolas decentes e desemprego; onde os governantes e gestores das cidades são corruptos e descomprometidos com o bem-estar social. Por sua vez, a população que não cuida ou não zela pelo lugar que habita, gera cada vez mais insatisfação e infelicidade coletivamente.

A cidade é de todos, mas na prática não tem sido assim. Há áreas de riscos, locais abandonados pelo poder público ou dominados por criminosos que não estão interessados em sociedade mais igualitária e justa. Em Campos, por exemplo, há mais locais sitiados do que se imagina, onde polícia e agentes da Prefeitura não entram ou têm dificuldades para entrar.

Nas cidades brasileiras, sobretudo onde a população é maior, é gritante a diferença entre os mais e os menos favorecidos. As cidades partidas, muradas, gradeadas, cercadas por fios elétricos ou arames farpados representam o quão diferentes somos, apesar das semelhanças; e o quão semelhantes somos, apesar das diferenças de lugar, estado, classe social, etnia ou sotaque.

Se o frentista do posto ou se a palestrante entusiasta têm razão sobre o que falam das pessoas e das cidades, não custa imaginar que a vontade de mudar já é um primeiro passo para que as cidades e as pessoas sejam bem mais felizes, prósperas e corretas no seu existir. Pode ser em Nova York ou em Campos dos Goytacazes. E isso não depende só de mim, mas de cada um de nós.

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu