Opiniões

Fabio Bottrel — Sábado com Cecília

 

Sugestão de música: Leonard Cohen – Come Healing

 

 

 

 

 

 

Buscando nos espelhos a face perdida ou nos anseios o reflexo outrora esquecido, compartilho nesse sábado o Retrato de Cecília Meireles, poetisa da minha predileção por sua sonoridade e ritmo, que a vida siga num compasso com mais afinco:

 

“Eu não tinha este rosto de hoje,

Assim calmo, assim triste, assim magro,

Nem estes olhos tão vazios,

Nem o lábio amargo.

 

Eu não tinha estas mãos sem força,

Tão paradas e frias e mortas;

Eu não tinha este coração

Que nem se mostra.

 

Eu não dei por esta mudança,

Tão simples, tão certa, tão fácil:

— Em que espelho ficou perdida

a minha face?”

 

Recado aos Amigos Distantes, nas palavras de Cecília,  que minha frase homônima ao título seja carregada numa brisa leve de vida para outras bocas e outros ouvidos até o amigos de outrora jamais esquecidos, que fiz antes de pousar na planície goitacá:

 

“Meus companheiros amados,

não vos espero nem chamo:

porque vou para outros lados.

Mas é certo que vos amo.

 

Nem sempre os que estão mais perto

fazem melhor companhia.

Mesmo com sol encoberto,

todos sabem quando é dia.

 

Pelo vosso campo imenso,

vou cortando meus atalhos.

Por vosso amor é que penso

e me dou tantos trabalhos.

 

Não condeneis, por enquanto,

minha rebelde maneira.

Para libertar-me tanto,

fico vossa prisioneira.

 

Por mais que longe pareça,

ides na minha lembrança,

ides na minha cabeça,

valeis a minha Esperança.”

 

Este post tem um comentário

  1. Sempre o achei completo!!!! Amo Adélia, também., mas Cecília é doce, para dias amargos.

Deixe uma resposta

Fechar Menu