Opiniões

Amaerj repudia declarações de Gilmar Mendes no julgamento de Garotinho no TSE

 

Em notas postadas neste blog (relembre aqui), a Folha já teve suas discordâncias públicas com a Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro (Amaerj). Mas a entidade produziu uma nota sobre as declarações do ministro Gilmar Mendes, que ontem cobrou (aqui) “vergonha na cara” ao fazer a defesa mais veemente do habeas corpus do ex-governador Anthony Garotinho (PR), deferido por 4 a 2 no plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em nome do contraditório a um dos magistrados mais impopulares da República, também ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), confira abaixo:

 

 

 

 

A Amarej repudia as declarações desrespeitosas do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, contra a atuação dos juízes brasileiros. Ao votar pelo fim da prisão domiciliar do ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, nesta terça-feira (26), o ministro ofendeu e desqualificou o trabalho dos magistrados e do Poder Judiciário.

Em um momento de luta contra a corrupção, Gilmar Mendes disse que magistrados “aproveitadores” praticam “populismo constitucional” ao cederem à opinião pública para manter prisões. Sem mencionar nomes, afirmou que “é preciso parar de brincar com a liberdade das pessoas” e “ter vergonha na cara”.

A prisão domiciliar de Garotinho foi determinada e devidamente fundamentada pelo juiz Ralph Manhães, da 100ª Zona Eleitoral de Campos dos Goytacazes, que o condenou a 9 anos e 11 meses de prisão por corrupção eleitoral, associação criminosa, coação de duas testemunhas e supressão de documentos. A decisão foi confirmada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ).

A Amaerj defende a independência judicial da magistratura e manifesta apoio integral aos juízes do País, que têm se conduzido com coragem e firmeza. Os resultados do trabalho dos juízes e seu retorno à sociedade são públicos. É fundamental que sejam valorizados pela relevância de sua atuação e não depreciados, principalmente por uma autoridade, como o presidente do TSE e membro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Uma Justiça forte, independente e resistente a pressões, de onde quer que venham, é um dos pressupostos do Estado de Direito e da democracia.

 

Atualização às 18h25 : a nota da Amaerj foi publicada antes aqui, no blog “Na curva do rio”, de Suzy Monteiro

 

Este post tem 10 comentários

  1. Manda prender ele kkkkkk

  2. QUE CARA NOJENTO !!!

    UM (trecho excluído pela moderação) TOTAL.. COMO PODE SER MINISTRO ?

    SO DEFENDE O ERRADO, OS BANDIDOS, A CORRUPÇAO… SINCERAMENTE… QUE VERGONHA !

  3. A AMAERJ nao tem que repudiar nada,manda quem pode obedece quem tem juizo,o que estao fazendo e absurdo ja estao com a prefeitura na mao, o que esta faltando para governar esta cidade

  4. Esse juiz gosta de aparecer. Lembro a critica que ele recebeu do ex presidente do STF ministro Joaquim que disse: v.exc.envergonha a justiça deste País

  5. Há já faz me rir.

  6. Gilmar é Deus

  7. O que eu repudio é passagem de onibus aumentar, fechar restaurante de 1 real (nunca usei, mas sei de muita gente que precisa), faltar leite especial e fraldas no posto de saude, “bancar” infraero-campos, “bancar” a “janus”, deixar o patio norte, tão criticado por rafael diniz, deixar a aguas do paraiba e deixar a taxa de iluminação publica tão criticada por rafael diniz, a vital e a clickcampos… Isso que o povo campista tem que repudiar… eee Campos…

  8. Gilmar Mendes à época, foi advogado de Collor no impeachment.

  9. Querendo ou nao voces tem que aceitar, Garotinho e o unico lider politico na cidade de Campos.O povo quando votou em Rafael, estava acreditando em mudanca, olha ai a mudanca para todo mundo ver.agora e tarde nao adianta chorar

  10. Gostaria muinto de dar um abraco em Garotinho, e desejar muinta felicidade ,e que ele siga a sua trajetoria politica,sem rebater as ofensas daqueles que estao tentando destruir a sua familia

Deixe uma resposta

Fechar Menu