Opiniões

Carol Poesia — Segura essa marimba!

 

 

 

Assisti, recentemente, ao vídeo com a destruição de um terreiro.  Um “traficante cristão” ordena que a mãe de santo quebre suas imagens e guias “em nome de Jesus”. Em seguida aparece coagindo um rapaz a fazer o mesmo, munido de um taco de basebol escrito “diálogo”. “É só um diálogo que eu to tendo com vocês, na próxima vez eu mato”, ele diz no vídeo.

A cena não parece real. Oxalá fosse coisa de filme… Particularmente, fiquei profundamente triste. Não tive estômago para assistir mais do que 2 minutos e 44 segundos. Esse foi o tempo suficiente para que o nome “Jesus” fosse gritado 8 vezes, “Deus” uma vez e “Satanás” também uma vez. A frase mais repetida foi “Quebra tudo em nome de Jesus, você é o capeta chefe”. Uma senhora e um rapaz obedeciam automáticos, sem fitar o traficante.

Ao me deparar com esse absurdo, lembrei do bispo Sérgio Von Helder no episódio da santa. Eu tinha 10 anos e não esqueci. Eu não sabia dizer, naquela época, o que havia de errado naquela cena, mas eu tinha certeza de que era errado. Foi violento para mim na época, assim como é hoje. Lembro que o marido da minha tia, pastor, apoiou o chute, disse “tem que fazer isso mesmo”. Não esqueci. Eu não entendia como alguém que eu gostava tanto e que era tão bom pra mim podia falar uma coisa dessas. Lembro-me da minha mãe, evangélica, dizendo que era errado chutar a santa – “chutar a santa para os católicos é como chutar a bíblia para os crentes, você não ia gostar, ia?”. Minha mãe sempre foi muito esclarecida nesse sentido. Não esqueci. Na escola, eu conheci que a igreja católica, em certo momento histórico, matou “em nome de Deus”. Também não esqueci. E agora mais essa, do traficante com jargão pentecostal… Dividindo opiniões, como se violência fosse passiva de aprovação. É muito triste.

Embora destruição e morte tenham sido promovidos por religiosos “em nome de Deus” desde sempre, a impressão que dá é de que na atualidade a falência da profundidade e da coerência é contagiosa. Basta acompanhar as redes sociais um (um!) dia para ver o radicalismo sendo “combatido” com mais radicalismo e se proliferando em mais radicalismo. Pessoas ofendidas com essa cena desgraçada publicam desejo de morte aos evangélicos, o outro lê, se identifica e compartilha. Gerando uma “bola de ódio”. O ódio está sendo declarado todos os dias na internet. Quando eu leio uma mensagem de paz do meu amigo Dz ou do radialista Paulo André eu fico agradecida e aliviada, eles estão na contramão da tendência virtual. Graças a Deus! E infelizmente, essas publicações positivas não competem com as sanguinárias em número de “curtidas”, “amei” e compartilhamentos.

O que está acontecendo com as pessoas?

E são as pessoas que estão ao nosso redor, são o os seus amigos, são os seus parentes, são os seus.

Passaram-se mais de vinte anos e eu continuo me surpreendendo — como eles podem ser bons comigo e apoiarem um discurso desses? Como essas pessoas, ditas religiosas (Não são só evangélicos não, viu?!) podem publicar esse ódio como se estivessem respaldados por algum Deus? Como se isso fosse coerente com os princípios básicos de alguma religião?

A gente tende a achar que o problema está na Educação. A Educação brasileira é ruim, não promove o senso crítico, etc etc etc. Mas não. É no mundo. É a humanidade. É a era de Saturno. Não sei. São pessoas que aparentemente desistiram de pensar, como se destruir fosse menos cansativo do que rever preceitos falidos.

 

 

 

Atualizado às 19h37 para incluir correção feita pelo jornalista Ocinei Trindade, em comentário ao link da postagem no Facebook

 

Motoristas e passageiros do transporte pirata serão conduzidos à DP

 

 

 

Flagrado em transporte clandestino pela fiscalização, na última sexta (10), motorista de van ilegal protestou sobre o teto do veículo, mas acabou sendo levado à 134ª DP, onde foi autuado no artigo 47 da Lei das Contravenções Penais (Foto: Paulo Pinheiro – Folha da Manhã)

 

 

Ponto final

Na edição de 1º de novembro, esta coluna foi aberta (aqui) com uma assertiva sobre o transporte pirata de passageiros que passou a infestar o município nos oito anos de governo Rosinha Garotinho (PR): “Acabou a farra!”. Era o que se previa com a aprovação do novo Código Tributário. Na sua seção sobre taxas de fiscalização de transporte coletivo, ele definiu: “a exploração de transporte de passageiros sem prévia autorização, permissão ou concessão (…) sujeitará o infrator à apreensão de veículos e multa de 300% sobre o valor atualizado da taxa devida pelo período efetivo ou estimado de funcionamento por cada veículo irregular, além dos acréscimos moratórios exigíveis”.

 

Dor no bolso

Pela dor que passaram a sentir no bolso, a partir da fiscalização sob o Novo Código tributário, os motoristas das vans não autorizadas e lotadas fizeram protestos em 31 de outubro. Na manhã e tarde daquele dia, eles fecharam em protesto a av. 15 de Novembro e a Beira Valão. Só neste ano, foi a sexta vez (relembre aqui, aqui, aqui, aqui e aqui) que interromperam o direito de ir e vir do povo campista. Mas a novidade bem vinda, ainda que tardia, é que finalmente a Polícia Militar (PM) agiu fisicamente para acabar com a festa, depois que a categoria à margem da lei chegou a quebrar uma lixeira pública em seus atos de vandalismo para fechar o trânsito.

 

Contravenção penal

Como ilegalidade se vence com inteligência, na última sexta-feira (10), começou uma nova fase na fiscalização ao transporte clandestino. Ainda mais dura, é fruto da união entre Instituto Municipal de Transporte e Trânsito (IMTT), PM, Polícia Civil, Guarda Civil Municipal (GCM), superintendência municipal de Ordem e Paz Social e Ministério Público Estadual (MPE). E tem como base o artigo 47 da Lei das Contravenções Penais (LCP): “Exercer profissão ou atividade econômica ou anunciar que a exerce, sem preencher as condições a que por lei está subordinado o seu exercício”. A pena é “prisão simples, de 15 dias a um mês, e multa”.

 

Passageiros na DP

Como parece ser clara a aplicação do artigo 47 da LCP a quem se dedica ao transporte pirata em Campos, na própria sexta, três motoristas de vans irregulares foram apreendidos, como seus veículos, e encaminhados à 134ª Delegacia de Polícia (DP). O fato de um deles (aqui) ter subido em cima da sua van, se negando a responder pela prática ilegal da atividade, demonstra a resistência que a fiscalização enfrentará. Sobretudo porque, a partir de agora, os passageiros dos veículos apreendidos também serão conduzidos à DP da área, onde terão que prestar depoimento na condição de testemunhas.

 

Investigação criminal

Atividade tradicionalmente ligadas às milícias, o transporte clandestino será também investigado pelas Polícias Civil e Militar, além do MPE, em Campos. O objetivo é descobrir se há envolvimento da atividade ilegal com práticas criminosas. Esta será uma nova fase do combate às vans ilegais e lotadas. Por enquanto, com a previsão de apreensão dos seus motoristas e cobradores, assim como dos veículos, e encaminhamento à DP, a fiscalização ocorrerá diariamente, de segunda à sexta, das 7h30 ao meio-dia e das 14h às 20h. Mas poderá ser feita também durante a noite e a madrugada, assim como nos finais de semana.

 

Aplicações da lei

Para quem acha que Campos está jogando pesado contra as vans ilegais e lotadas, há lugares no Brasil onde a legislação aplicada é muito mais dura. Como a Folha revelou (aqui) em matéria do último dia 4, a Polícia Civil de Brasília passou a enquadrar quem for flagrado fazendo transporte pirata pelo artigo 265 do Código Penal (CP): “atentado contra serviço de utilidade pública”, com pena de prisão de um a cinco anos e multa. Na capital federal, o passageiro também pode ser obrigado a prestar depoimento na delegacia. No Estado de Goiás, se aplica o artigo 328 do CP: “usurpação de função pública”, que prevê prisão de até dois anos e multa.

 

Cabral na defesa de Garotinho?

Um momento um tanto quanto inusitado, mas nada fora do programado pelos advogados de defesa. Assim foi o reencontro entre os ex-governadores Anthony Garotinho (PR) e Sérgio Cabral (PMDB) durante audiência do processo de injúria movido pelo desembargador Luiz Zveiter contra o político da Lapa por injúria. Partiu da defesa de Garotinho a iniciativa de arrolar Cabral como testemunha. “Muita coragem” para quem, pouco depois de passar alguns dias em prisão domiciliar, procurou a mídia para dizer que precisava de escolta policial, pois o desafeto teria dito na prisão que “iria fazer xixi na sepultura do Garotinho”.

 

Com o jornalista Aldir Sales

 

Publicado hoje (14) na Folha da Manhã

 

Chico de Aguiar — As frutas desde a minha infância

 

 

 

Uma sacola cheia de sapotis, que eu ganhei durante o Festival Doces Palavras (FDP), foi a inspiração para este texto. Quem me a trouxe foi o Diógenes, um contraparente que mora em São Pedro de Itabapoana, a antiga cidade capixaba – na divisa com Campos – que perdeu a comarca para Mimoso do Sul, em 1930. Como tenho ligação afetiva com São Pedro, terra de minha mãe, sempre estou por lá. E sempre passo na casa do Diógenes em busca de sapotis. Dessa vez foi o sapoti que veio a mim.

Sapoti é uma fruta que marcou minha infância. Era o tempo que Campos ainda preservava chácaras e casas com grandes quintais. Me lembro da residência dos meus pais na Rua 13 de maio, onde morei no tempo do curso primário. Tinha várias fruteiras: além de um sapotizeiro (a árvore do sapoti é também conhecida por sapota), havia mangueira, caramboleira, goiabeira, romãzeira, bananeiras, cajazeiras (de cajá mirim e de cajá manga), abieiro (de abio roxo) e jambeiro (de jambo vermelho). Não posso esquecer dos mamoeiros, que meu pai plantava como fruta de sua preferência.

Depois veio a adolescência em novo endereço, na Rua do Ouvidor, também com quintal profundo. Mangueiras, goiabeiras e caramboleiras eram as árvores frutíferas obrigatórias nesses pomares familiares. Mas não eram incomuns as jabuticabeiras, jaqueiras, araçazeiras, pitangueiras, abacateiros, cajueiros, pinheiras, laranjeiras e limoeiros. Alguns tinham parreiras. Por sua natureza de trepadeira, o maracujá se alastrava com facilidade pelas cercas ou muros.

A melancia, o melão, o abacaxi, o pêssego, o figo, o morango, o caqui, a pera e a maçã eram encontrados com facilidade no Mercado Municipal. Havia, também, frutas exóticas e frutas silvestres muito populares entre a molecada: siriguela, manacascata (ou seria madagascar?), lichia, amora, acerola, abricó, baquipari (ou bacupari?) e cabeluda. Outros quintais mantinham árvores do ingá, do jenipapo, do tamarindo, do coco, do cacau, da graviola, da tangerina, do marmelo, do jamelão, da fruta pão.

Em minhas andanças pelo Brasil, nos 20 anos que vivi fora de Campos – período em que morei em Niterói, Rio de Janeiro, Jaciara (MT), Anápolis (GO), São Paulo (SP) e em várias cidades do interior paulista –, percebi como minha terra é rica na variedade de espécies de frutas. Pouco conheço do Sul, mas sei que o Norte e Nordeste também são regiões de frutas que quase nunca são vistas por aqui: pitomba, pupunha, mangaba, taperebá, tucumã, cupuaçu, bacuri e açaí, são alguns exemplos.

Quis nesta crônica trazer aos meus conterrâneos, contemporâneos, uma lembrança dos sabores que provamos, e, também, mostrar nomes de frutas que estão desaparecendo de nossas vidas. Vampiro é um exemplo de fruta em extinção. Sem querer entrar no mérito da qualidade dela, desconfio que nove entre 10 dos atuais moradores de Campos não sabem do que falo.  Muitos outros dirão: Ih, o Chico de Aguiar se esqueceu de tal fruta. Mas o propósito é mesmo esse. Fazer com que se abra um debate amistoso e saudoso em torno do assunto com um único propósito: a preservação de todas as espécies frutíferas da região.

 

Entre futebol, política e economia, ruas definem impeachment de Dilma

 

Mesmo com a divergência dos números, a certeza: em 15 de março de 2015, na av. Paulista, o protesto pelo impeachment de Dilma produziu a maior manifestação de rua no Brasil desde as “Diretas Já”, em 1984

 

 

Por Aluysio Abreu Barbosa

 

Dois mil e quatorze foi projetado para ser um ano emblemático. O Brasil sediaria a Copa do Mundo de futebol, usada como plataforma de propaganda política, a exemplo do que os governantes brasileiros haviam feito em 1950. Sessenta e quatro anos depois, a presidente Dilma Rousseff (PT) pretendia se reeleger nas urnas de outubro daquele ano. Seria a quarta gestão petista seguida no Palácio do Planalto.

Com as ruas brasileiras tomadas por protestos no ano anterior, as “Jornadas de Junho” de 2013 tinham marcado a perda de controle das manifestações de rua pelo PT. Através dos braços do partido na União Nacional dos Estudantes (UNE), na Central Única dos Trabalhadores (CUT) e no Movimento dos trabalhadores rurais Sem-Terra (MST), o monopólio petista das ruas brasileiras era exercido desde 1992. Foi quando os “caras pintadas” protagonizaram o impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello.

No primeiro governo Dilma, as “Jornadas de Junho” foram convocadas pelas redes sociais por grupos como o MPL (Movimento Passe Livre). Sua reivindicação inicial era unicamente contra o aumento das tarifas do transporte público. Mas a pauta se ampliou, passando a ser contrária também aos gastos governamentais com a Copa. Embora tivessem arrefecido no segundo semestre de 2013, esperava-se que os protestos retomassem força com chegada de 2014 e a proximidade do maior evento do futebol mundial, sempre disputado em meados do ano.

Uma fatalidade acabaria esvaziando a retomada dos protestos. Em 6 de fevereiro, manifestantes black-blocks dispararam um rojão, durante um confronto com a Polícia Militar (PM), no Centro do Rio, que acabaria matando o cinegrafista Santiago Andrade, da TV Bandeirantes. Se a radicalização já havia afastado a classe média, que chegou a apoiar os protestos, a cena do rojão estourando em cima do cinegrafista, filmada, fotografada e reprisada em rede nacional e nas redes sociais, sepultou qualquer simpatia popular.

 

Com afundamento de crânio após ser atinigido por um rojão dos black-blocks, em 6 de fevereiro de 2014, o cinegrafista Santiago Andrade morreria quatro dias depois

 

A Seleção Brasileira estreou na Copa em 13 de junho no Itaquerão, em São Paulo, estádio arranjado pelo ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT) ao seu time de coração, o Corinthians. No campo, com ajuda de um pênalti favorável e inexistente, o Brasil bateu a técnica seleção da Croácia por 3 a 1.

 

Escandalosamente, o atacante Fred se joga para cavar o pênalti que viraria o Brasil x Croácia, em 13 de junho de 2015 (Foto: Thanassis Stavrakis – AP)

 

Mas o fato mais marcante veio das arquibancadas. Aos 29 do primeiro tempo, em meio à presença da presidente exibida no telão do estádio, as arquibancadas passaram a entoar o controverso coro de protesto: “Ei, Dilma, vai tomar no (…)”. Ecoadas pelo mundo, as palavras de ordem ofensivas se repetiram ao final daquele jogo, como nos cinco que a Seleção teria até ser impiedosamente goleada por 7 a 1 pela Alemanha, nas semifinais do Mineirão, considerada a maior humilhação da história do futebol brasileiro.

Em 17 de julho, a Alemanha do meia Bastian Schweinsteiger foi campeã contra a Argentina do atacante Lionel Messi, por 1 a 0 na prorrogação, em um Maracanã lotado. Menos de três meses depois, após chegar a liderar a corrida presidencial, a candidata Marina Silva (Rede) confirmou sua fragilidade ao ser imprensada contra a cerca de uma campanha figadal. Na reta final do primeiro turno, ela foi atropelada por Dilma e o senador Aécio Neves (PSDB/MG).

 

Após a final da Copa do Mundo vencida pela Alemanha contra a Argentina, dentro do Maracanã, os craques Schweinsteiger e Messi se cumprimentam

 

Numa disputa acirrada no segundo turno, nos debates, ruas e redes sociais, o tucano saiu à frente nas pesquisas, mas acabou derrotado pela presidente. Ela conseguiu se reeleger, a despeito de um Brasil claramente dividido nas urnas: Nordeste, Norte e parte do Sudeste com o PT; a outra parte, mais Sul e Centro-Oeste, contra. A diferença final de apenas três pontos percentuais dos votos nominais foi a menor numa eleição presidencial brasileira, desde que a disputa em dois turnos foi adotada a partir da Constituição de 1988.

Fora do futebol e da política, o jogo era outro. Implementada ainda no segundo mandato presidencial de Lula, como forma de enfrentar a crise econômica mundial de 2008, após o estouro da bolha imobiliária dos EUA, a “Nova Matriz Econômica” ia contra a política econômica exitosa nos governos anteriores. Do próprio Lula, de Fernando Henrique Cardoso e de Itamar Franco (1930/2011). O tripé macroeconômico câmbio flutuante, superávit primário e regime de metas da inflação, que garantira a estabilidade econômica nos governos do PMDB, do PSDB e do PT, foi abandonado.

Aprofundada no primeiro governo Dilma, por seu ministro da Fazenda, Guido Mantega, a nova política econômica apostava na intervenção dos bancos estatais, sobretudo o BNDES, para tentar expandir o crédito. Ironicamente, a “Nova Matriz Econômica” adotada no governo de uma ex-guerrilheira de esquerda, presa e torturada nos porões da Ditadura Militar (1964/85), tinha inspiração nacional-desenvolvimentista. A mesma com a qual os militares geraram o “Milagre Econômico”, entre 1968 e 73, antes de entregarem o poder aos civis com a consequência da hiperinflação, só controlada com o Plano Real, em 1994.

As consequências das decisões econômicas equivocadas do governo Dilma, se não foram controladas, sofreram maquiagem para tentar garantir sua reeleição. As chamadas “pedaladas fiscais” gerariam alguns meses mais tarde seu pedido de impeachment. O termo se referia a manobras fiscais no atraso de pagamentos aos bancos públicos, não informadas de maneira clara ao Congresso Nacional, para que a situação econômica parecesse melhor do que estava. De fato, condenou o governo a pagar mais juros, causando impacto negativo no orçamento.

Dos principais carros chefe da campanha da reeleição de Dilma, o pleno emprego durou até 2014, quando alcançou a mínima de 4,3% de desempregados na população economicamente ativa. Mas, após a manutenção do governo nas urnas de 2014, voltou a crescer a partir de 2015. Em dezembro daquele ano, quando o então presidente da Câmara Federal Eduardo Cunha (PMDB/RJ) aceitou o pedido de impeachment de Dilma, foi fechada a pior série histórica de geração de vagas (saldo entre admissões e demissões) do ministério do Trabalho e Emprego (MTE), iniciada em 2002. Dez milhões de pessoas terminaram 2015 desempregadas.

Outro fator externo afetou duramente a economia que apostava na produção de petróleo, impulsionada pelas reservas futuras do pré-sal, para manter sua balança comercial favorável. Depois do pico registrado em junho de 2014, quando o barril de petróleo chegou a US$ 115, ele abriu 2015 sendo negociado no mercado internacional a US$ 50. Com queda de preço acumulada em 60%, foi a pior retração da commodity desde a crise econômica de 2008.

Sociólogo e cientista político George Gomes Coutinho

— Aqui a frustração econômica causada pelo término da era das commodities implicou uma enorme dificuldade de manutenção das políticas econômicas e sociais do lulismo continuadas por Dilma Rousseff. Este é um ponto crucial para entendermos a insatisfação que gerou os movimentos de massa pós-2013 — destaca o sociólogo e cientista político George Gomes Coutinho, professor da Universidade Federal Fluminense (UFF) de Campos.

Pressionada por seu próprio legado, Dilma esperou ser reeleita para tirar Mantega da Fazenda. Colocou no lugar o economista ortodoxo Joaquim Levy, doutor na Universidade de Chicago. Na reforma ministerial anunciada em 27 de novembro de 2014, a presidente tentou um giro de 180º na economia. Mas o reflexo dos seus erros anteriores, a divisão do país causada pela polarização da eleição, mais a corrupção sistêmica que começava a ser eviscerada pela Lava Jato, levaram às primeiras manifestações.

Quem primeiro saiu às ruas foi o PT. Em 13 de março, CUT, UNE e MST reuniram milhares de pessoas em protestos contra o impeachment de Dilma e em defesa da democracia. Apenas dois dias depois, a resposta foi contundente: as manifestações de 15 de março foram as maiores do país, desde as “Diretas Já”, em 1984. Em pelo menos 160 cidades de todos os Estados brasileiros, as Polícias Militares contabilizaram entre 1,4 e 2,4 milhões as pessoas que foram às ruas pedir a renúncia ou o impeachment de Dilma.

 

Quem primeiro saiu às ruas, em 13 de março de 2015, foi o PT, que acabou superado nas manifestações

 

Na maior manifestação, a PM de São Paulo estimou que 1 milhão de pessoas tomaram a av. Paulista e adjacências, enquanto o Datafolha contou apenas 210 mil.

Protesto de 15 de março, pedindo o impeachment ou a renúncia de Dilma, em Brasília

 

Como nas “Jornadas de Junho” de 2013, a até então maior da história brasileira foi mobilizada em 2015 pelas redes sociais. Desta vez, pelos grupos de oposição Movimento Brasil Livre (MBL), Vem Pra Rua e Revoltados Online, que se diziam “apartidários”.

Ainda assim, os protestos de 15 de março contaram com o apoio do PSDB, DEM, PPS e SD, que convocaram seus filiados ao ato. O governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB) também foi acusado de liberar as catracas do metrô, para dar livre trânsito aos manifestantes.

— Os movimentos da chamada “nova direita” no Brasil, a partir de 2015, se utilizaram fartamente tanto da estética de mobilização dos grupos de junho de 2013 quanto até mesmo de nomenclaturas e slogans. Afinal, o “Movimento Passe Livre”, o MPL, de alguma forma inspirou o “Movimento Brasil Livre”, não por acaso MBL. O slogan “Vem Pra Rua” tornou-se um movimento homônimo — relembra George Coutinho.

Uma reação foi tentada em 18 de março pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), também ligado ao PT. Apesar disto, eles fecharam rodovias em sete Estados para protestar contra o ajuste fiscal de Levy, mas chamaram as passeatas de três dias antes de “golpistas”.

 

Em defesa de Dilma, as manifestações do MTST de 18 de março de 2015 fecharam estradas e vias do país

 

Na queda de braço das ruas, em 12 de abril, uma nova manifestação pelo impeachment da presidente se espalhou por 152 cidades de 24 Estados. Menor do que os atos de 15 de março, elas levaram cerca de 700 mil pessoas às ruas.

 

Na disputa com os braços do PT na CUT, UNE, MST e MTST, os manifestantes favoráveis ao impeachment de Dilma voltam a mostrar sua força nas ruas, em 12 de abril de 2015

 

No dia 15 de abril, o então tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, foi preso pela Lava Jato, acusado de receber propina do esquema de corrupção da Petrobras para o partido. No mesmo dia, o Tribunal de Contas da União (TCU) considerou as “pedaladas fiscais” crime de responsabilidade, a Câmara Federal adiou a votação do projeto de terceirização proposto pelo governo e, contra ele, as centrais sindicais promoveram protestos em 23 Estados e em Brasília.

 

Sindicalistas saem às ruas de Vitória (ES) contra o projeto de terceirização do governo Dilma, em 15 de abril de 2015

 

Em 16 de agosto, a terceira grande manifestação de rua pelo impeachment de Dilma ocorreu em 291 cidades de todos os Estados brasileiros. Menores que os de março, mas maiores que os de abril, os protestos reuniram cerca de 900 mil pessoas em todo o país, segundo os cálculos das Polícias Militares.

 

Em Copcabana, o terceiro grande protesto contra o governo Dilma, em 16 de agosto de 2015

 

Quatro dias depois, em 20 de agosto, o procurador geral da República, Rodrigo Janot, apresentou denúncia contra Eduardo Cunha, por envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras. No mesmo dia, numa coalisão da CUT, UNE e MST e partidos de esquerda, cerca de 190 mil pessoas foram às ruas em defesa do governo Dilma. Apesar disto, eles também pediram a saída do ministro Joaquim Levy, além de elegerem Cunha como seu novo inimigo.

 

Em Curtiba, manifestantes a favor do governo Dilma elegeram Cunha como inimigo, que depois seria preso pelo juiz federal Sérgio Moro

 

A vingança do “Coisa Ruim”, como o falecido jornalista Jorge Bastos Moreno (1954/2017) se referia a Cunha, não tardaria. Em 2 de dezembro, no mesmo dia em que o PT anunciou que votaria no Conselho de Ética contra o presidente da Câmara Federal, ele aceitou o pedido de impeachment de Dilma, por crime de responsabilidade. Era elaborado pelos juristas Miguel Reali Júnior, Janaina Pascoal e Hélio Bicudo. Emblematicamente, o último foi fundador do PT.

 

Lançado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) em setembro de 2015, como símbolo da campanha “Não Vou Pagar o Pato”, o boneco inflável do pato amarelo fez sua primeira aparição na av. Paulista nos protestos de 13 de dezembro de 2015

 

Em 13 de dezembro, novos protestos contra a presidente foram registrados em 87 cidades de todos os Estados. Mas, talvez esvaziados pela abertura do processo de impeachment, eles foram os menores contra Dilma naquele ano, mobilizando cerca de 83 mil pessoas. Na queda de braço com os defensores do governo, 16 de dezembro foi a primeira vez em que estes conseguiram superar os opositores: segundo cálculos das Polícias Militares, foram 98 mil manifestantes, em pelo menos 42 cidades.

 

Na cidade do Rio, manifestantes em defesa do governo Dilma, em 16 de dezembro de 2015

 

— Os movimentos da “nova direita” passam a vocalizar demandas e perspectivas de grupos da sociedade que até então não encontravam representantes dotados da capacidade de síntese necessária e com enorme habilidade em utilizar as redes sociais. Não quer dizer que não existissem as visões de mundo mais conservadoras. Apenas não haviam encontrado grupos que vocalizassem esses sentimentos difusos. A grande mídia monopolista engrossou de forma sistemática a narrativa que associou o Partido dos Trabalhadores de forma inequívoca, por vezes quase exclusiva, ao fenômeno da corrupção. Por outro lado, no âmbito da política tradicional, Dilma lidou diretamente com um governo dotado de capacidade decisória limitada e um Congresso Nacional rebelde liderado por Eduardo Cunha — concluí o sociólogo e cientista político George Coutinho.

 

Continua no próximo domingo (19/11)

 

Confira as duas primeiras partes da série:

Ruas pela democracia do Brasil desde a Ditadura

Cabruncos nas ruas do Brasil de Itamar às Jornadas de Junho

 

Página 2 da edição de hoje (12) da Folha

 

Publicado hoje (12) na Folha da Manhã

 

Vanessa Henriques — Contra a PEC 181

 

 

 

Na última quarta-feira, uma Comissão Especial da Câmara dos Deputados alterou o texto da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 181/2015 que originalmente propunha a ampliação do direito à licença-maternidade para mães de bebês prematuros. A proposta formulada pelo senador Aécio Neves estabelecia o aumento da licença de 120 para 240 dias. O deputado Jorge Tadeu Mudalen (DEM-SP) realizou duas substituições no texto: no inciso 3 do artigo 1º da Constituição, que trata dos princípios fundamentais da República, foi inserida a frase “dignidade da pessoa humana desde a concepção”; no caput do artigo 5º – o que garante a igualdade de todos perante a lei e a inviolabilidade do direito à vida – adicionou-se a expressão “a inviolabilidade do direito à vida desde a concepção”. O novo texto foi aprovado por 18 x 1, sendo o único voto contrário o da deputada Érica Kokay (PT-DF). Ao final da votação, os 18 deputados favoráveis, todos homens ligados à bancada religiosa, gritavam, entusiasmados: “Vida sim, aborto não!”.

No Brasil, são três os casos legais de interrupção voluntária da gravidez: quando a gestação oferece risco de vida à mulher, quando a gravidez foi originada por estupro e quando o feto é portador de anencefalia. Uma alteração dessa natureza na Constituição modificaria a leitura de todas as leis e portarias que autorizam serviços de abortamento legal. Segundo a advogada Marina Ganzarolli, existem apenas 33 equipamentos públicos que realizam a interrupção legal da gravidez no Brasil inteiro. Se o entendimento constitucional sobre o “início da vida” passar a ser o estabelecido pelas alterações do texto da PEC, o direito ao aborto legal no Brasil estará ameaçado. Na prática, isto quer dizer que mulheres estupradas podem ser obrigadas a gestar o filho de um estuprador. É um horror inimaginável. Isto não é só uma violação aos direitos humanos, é crime de tortura!

É sabido que para impedir que a Câmara aprovasse sua investigação, o presidente ilegítimo ofereceu a aprovação de projetos conservadores como moeda de troca. A formação do atual Congresso brasileiro é uma das mais retrógradas da história do país. O brasileiro não se sente representado pelos nossos parlamentares que, em sua maioria, colecionam denúncias de corrupção e representam os interesses de setores minoritários da população. Para 2018, nos cabe não apenas pensar em quem votar para ocupar a presidência do país, mas também pensar em como eleger melhores representantes para o poder legislativo. Desde 2014, o brasileiro acompanha estupefato o show de horrores apresentado diariamente pelos deputados.

A Comissão Especial da Câmara foi criada em novembro do ano passado como resposta à decisão da Primeira Turma do STF que havia decidido não considerar crime a prática abortiva durante o primeiro trimestre de gestação, como acontece na maior parte dos países desenvolvidos. A proposta ainda terá que passar pelo plenário da Câmara – tendo que obter pelo menos 308 votos para a aprovação – e do Senado para ser aprovada, mas não seria de admirar que apressassem as datas de votação para que essa PEC seja aprovada antes do fim do mandato de Temer.

Na próxima segunda-feira, mulheres de todo o Brasil sairão às ruas para protestar contra a aprovação da proposta. Em Campos, nós também sairemos às ruas para mostrar nossa indignação em relação ao retrocesso proposto pela PEC 181. A concentração será na UFF Campos, a partir das 16h. Lutamos pela vida das mulheres e pela manutenção de nossos direitos reprodutivos, conquistados a duras penas.

 

Um passo à frente, outro atrás, na construção do Brasil

 

 

 

Passo à frente no Uniflu

Dois momentos registrados em Campos, no espelho do Brasil, evidenciaram o quanto podemos avançar e regredir enquanto sociedade. Na noite de quarta, o auditório lotado da Faculdade de Direito de Campos (FDC) provou ser possível confrontar em alto nível visões de esquerda e direita, sem tropeçar no Fla x Flu que tem dominado o debate político nacional. A cientista social Vanessa Henriques, o jornalista Ricardo André Vasconcelos, o bacharel em administração Igor Franco e o advogado Gustavo Alejandro Oviedo expuseram opiniões sobre vários temas, sob a ótica de espectros políticos opostos. E o fizeram com o mesmo respeito ao contraditório observado pelo público, que também participou da discussão.

 

Coletivo

O “Diálogo entre Visões de Esquerda e Direita” foi uma promoção do Centro Universitário Fluminense (Uniflu), com participação direta os professores da FDC Rafael Crespo Machado e Cristiano Miller. O evento nasceu das análises dos colaboradores do blog “Opiniões”, hospedado no Folha 1, editado pelo jornalista Aluysio Abreu Barbosa, diretor de redação da Folha, a quem coube mediar o debate de quarta. Transmitido ao vivo na página do Uniflu no Facebook, ele foi acompanhado por mais de duas mil pessoas. Ao seu final, independente da ideologia de cada debatedor e presente, os sorrisos e cumprimentos trocados foram o melhor retrato da satisfação que só se constrói coletivamente sobre as diferenças.

 

Passo atrás no IFF

Infelizmente, no dia seguinte ao debate da FDC, veio de outra importante instituição de ensino de Campos a notícia do quanto ainda temos a evoluir na construção do respeito às diferenças. Ontem, no Instituto Federal Fluminense (IFF), estudantes convidados do Instituto Federal do Maranhão fizeram um protesto. Eles relataram que foram vítimas de atos de racismo por colegas campistas, na quarta. No campi do IFF de Guarus, após apresentarem um trabalho sobre cultura afrobrasileira, foram chamados de “macumbeiros” por estudantes locais. No mesmo dia, teriam sido hostilizados também no campus Campos-Centro, por alunos que simularam gestos de macacos, em referência jocosa aos colegas nordestinos.

 

Fascismo real

O mais surpreendente do episódio é que o IFF, desde quando era Escola Técnica Federal de Campos, é conhecido pela predominância da esquerda nos seus quadros docente e discente. E o respeito às diferenças sócio-econômicas, de raça, credo e gênero é bandeira tradicional da esquerda. Assim como é da direita liberal, que tem a liberdade individual como seu principal valor. A intolerância que avança perigosamente, no Brasil e no mundo, é filha do fascismo real, que vai muito além das palavras de ordem de quem entende o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) como “golpe”. Lutar contra ela é obrigação de quem, entre as defesas da liberdade e da igualdade, acredita na fraternidade como valor entre os homens.

 

UP em Campos

Se definindo com um novo partido de esquerda, a “Unidade Popular pelo Socialismo” (UP) avança nos últimos anos no país, já com 420 mil apoiadores para a legalização da legenda. Em Campos, o movimento também já se faz presente e vem liderando um ato contra o fim da passagem social, mobilizando a população contra a alteração de R$ 1 para R$ 2,75. O alvo é o governo de Rafael Diniz (PPS) e principalmente vereadores da base aliada que votaram a favor da suspensão temporária do programa. Cartazes com a foto deles foram espalhados por pontos de ônibus e monumentos públicos.

 

Carona

A legitimidade do movimento não é questionada, mas a independência pregada pelo “novo partido” vem sendo colocada em xeque quando nenhum representante da UP em Campos se posiciona contra os que não fazem parte do movimento e tentam pegar carona no protesto. Basta uma olhada rápida nas redes sociais para ver o que o grupo dos Garotinho tem feito para se aproveitar da organização do UP e tentar se reerguer politicamente. Resolveram voltar às ruas após atos organizados por garotistas, mas frustrados pela falta de credibilidade e pelo terrorismo.

 

No passado

Não é de hoje que a credibilidade dos aliados aos Garotinho anda abalada. Como bem lembrou reportagem da Folha no último domingo, o que fazem os garotistas agora já tentaram em 2013. Naquela época, Campos criou o “Cabruncos Livres”, que reuniu mais de 4 mil pessoas numa passeata da Praça São Salvador à Prefeitura, com palavras de ordem entoadas contra o governo Rosinha Garotinho (PR). Em frente à Câmara, um advogado do grupo rosáceo tentou subir num trio elétrico e foi forçado a descer pelos jovens, que gritaram: “É o advogado do Garotinho”.

 

Com o jornalista Rodrigo Gonçalves

 

Publicado hoje (10) na Folha da Manhã

 

Diálogo entre esquerda e direita é sucesso de público na FDC

 

Da esquerda à direita; Igor Franco, Gustavo Alejandro Oviedo, Aluysio Abreu Barbosa, Ricardo André Vasconcelos e Vanessa Henriques (foto: Paulo Pinheiro – Folha da Manhã)

 

 

Ontem, das 19h às 22h, se desenvolveu o “Diálogo entre Visões de Esquerda e Direita”, promovido pelo Centro Universitário Fluminense (Uniflu), no auditório da Faculdade de Direito de Campos (FDC). A mim coube o prazer e a honra de mediar os debatedores: a cientista social Vanessa Henriques, o jornalista e servidor federal Ricardo André Vasconcelos, o bacharel em administração Igor Franco e o advogado e publicitário Gustavo Alejandro Oviedo.

Vanessa e Ricardo deram visões da esquerda democrática. Igor e Gustavo apresentaram as angulações da direita liberal. A ideia do evento, acolhida com entusiasmo pelo advogado Rafael Crespo Machado, professor da FDC,  nasceu do debate virtual sobre o tema “avanço da direita no Brasil”, do qual todos os 11 colaboradores deste blog trataram em suas participações entre 23 de setembro e 4 de outubro.

Foi maciça a presença do público, composto de universitários, simpatizantes dos dois espectros políticos representados e simples interessados no debate, aberto a todos, que ganhou corpo na socidade brasileira com as pesquisas Datafolha e Ibope às eleições presidenciais de 2018. Nelas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o deputado Jair Bolsonaro (PSC, de mudança para o PEN, que mudará de nome para Patriota) aparecem liderando a corrida ao Palácio do Planalto.

Sem que nenhum dos participantes do debate soubesse enquanto ele se dava, sua primeira 1h50 foi transmitida ao vivo (aqui) pela página de Facebook do Uniflu. E lá foi acompanhado, em tempo real, por mais de duas mil pessoas.

Com boa resposta do público, o debate de ontem foi uma iniciativa modesta, na curta envergadura de uma universidade e veículos de mídia do interior. Mas foi altamente exitosa ao evidenciar como, ao largo da bipolaridade que busca reduzir a discussão política a um Fla x Flu, é possível o diálogo em alto nível, com a participação aberta ao público, entre visões ideológicas opostas.

Um fala, o outro escuta e, ainda que não concorde, pode depois dizer por quê. Com as ideias no eixo da contenda, não as pessoas.

Quaisquer que sejam os resultados das urnas de 2018, todos os 207,7 milhões de brasileiros serão governados e legislados pelos eleitos no voto popular. E continuaremos todos, “vencedores” e “vencidos”, convivendo nos mesmos ambientes de trabalho, instituições de ensino, famílias, grupos de amigos reais e virtuais.

Para aquilo que nos une enquanto sociedade poder coexistir entre aquilo que separa, só há um caminho: o diálogo. E nele se pressupõe ouvir, sobretudo o contraditório, além de falar.

Nesse esforço coletivo, agradeço pessoalmente a Vanessa, ao Ricardo, ao Igor, ao Oviedo, aos professores da FDC Rafael e Cristiano Miller, bem como a todos os presentes e a cada um dos que ontem nos acompanharam ao vivo pela democracia irrefreável das redes sociais.

Quem quiser ver (ou rever) a primeira 1h50 do debate de ontem, pode conferir abaixo:

 

 

Guilherme Carvalhal — Passos de Tartaruga

 

 

O estouro da manada galga as escadas do metrô em passos agitados e tropeções. A multidão coletiva é opressora e cada indivíduo é uma unidade esmagada contra paredes e corpos a esmo. A cara se aperta no vidro dos vagões enquanto braços manietados de precisão tentavam consultar relógios constantemente, afinal cada segundo é precioso. Parecem controlar o tempo com rigidez quando na verdade o tempo as controla com rigidez.

Ela anda pela calçada. Sem afã. Sua presença vagarosa a transforma em obstáculo. Quem corre para bater ponto antes das oito se desvia de placas de compradores de ouro e de bancas de camelôs. Ela se assemelha a mais um cone inerte. Desses com o aviso de homens trabalhando.

Os carros buzinam e se enroscam no entrocamento provocado por um motorista de primeira viagem que não soube sair do nó. Começa a sinfonia de sons automotivos, os gritos urbanos ecoam decifrados em um linguajar sem palavras, mas sua onomatopeia era inteligível por qualquer morador da cidade. Muitos xingamentos partem rumo a destinatários desconhecidos em uma demonstração de cordialidade fraterna entre anônimos.

Ela para. Defronte um hidrante. Nada o diferenciava. Perdiam-se centenas de outros encravados por cada quarteirão das imediações. Apenas seus olhos e nenhum outro descobriria alguma singularidade. Aquela escultura de ferro cuja tintura vermelha se desgastava ano após ano. Ela esperaria para notar cada uma de suas mudanças.

Dois policiais perseguem um rapaz que acabou de assaltar uma joalheria, avisados ao ouvirem o ressoar do alarme à distância pondo-se rapidamente a postos para prender o meliante. A dona da loja gritou assustada após o bandido apontar uma arma na sua cabeça e pedir toda a grana do caixa sendo prontamente atendido em uma velocidade que nem fidelíssimos clientes receberiam. Cercaram-no em um beco sem saída e o levaram à delegacia, onde a imprensa o transformou em uma notícia que chamou a atenção da população, comoção logo esquecida no dia seguinte ao suceder novo crime a substituir o anterior.

Ela avistou um mendigo. Analisou-o. Roupas corroídas. Odor fétido. Poucos dentes na boca. Abriu a carteira com paciência. Procurou algumas moedas. Entregou-as. Recebeu um carinhoso obrigado. Ambos sorriram.

O corretor da bolsa de valores vigia prudentemente cada pequena mudança nos gráficos de empresas diante do monitor de seu computador. As variações podem significar alterações abruptas em investimentos realizados, precisando vender ou comprar conforme os indícios cautelosamente expressos pelos dados do mercado financeiro. Se tudo descambasse em fracasso ao fim da tarde, se perdesse somas consideráveis ou entrasse em bancarrota, desceria pelo elevador contando ansiosamente cada andar até chegar ao térreo buscando uma dose de uísque no bar da esquina.

Ela se atenta à vitrine. Cartazes anunciam promoção. Porcentagens de desconto. Prazos de pagamento. Calcinhas. Bermudas. Blusa de frio. Manequins estampados. Eles eram calmos. O extremo oposto dos vendedores. Bulhufas lhe interessava. Saiu dali.

Um casal passou às pressas pela entrada de um hotel de baixa qualidade caindo aos pedaços após anos sem reforma. Horário de meio-dia e dispensaram a refeição pela possibilidade de agenda para um encontro amoroso sem que o marido dela pudesse desconfiar, perdidos pelas ruelas anônimas do centro. Deixaram de engolir a comida sem mal mastigá-la para aproveitarem a estreita brecha dentro de seu apertado cotidiano pré-definido antes mesmo de acordarem.

Ela. Praça. Banco. Bengala. Passarinho. Canto. Solicitude. Felicidade.

Um atropelado por ônibus é arrastado do asfalto para a calçada por populares que o circundaram enquanto agonizava. Ele implorava por ajuda e todos aguardavam o resgate que vinha de longe para tentar socorrê-lo, sem saber que a sirene não ajudava a ambulância a driblar o trânsito congestionado. Faleceu ganindo de dor torturante tombado entre tanta gente desconhecida a acompanhar sua agonia com urgência em ser resgatado.

Ela encostou. A respiração reduzia. Morreu lentamente. Parecia feliz.

 

Fechar Menu