Campos dos Goytacazes,  20/04/2018

 

por Aluysio Abreu Barbosa

Folha 40 anos — Geraldo Machado

 

Advogado Geraldo Machado

Cacoetes antigos e a Folha

Por Geraldo Machado(*)

 

O exemplar primeiro da Folha exibe em primeira página um incidente – tempos depois as pessoas veriam – revelador  de  uma das manias mais deploráveis e repugnantes : o chamado, em linguagem de corredores de fóruns, “mal de juizite”. Lá, naqueles tempos, tempos difíceis, tempo de ditadura braba, de censura mais ainda, de se medir o tal “sabe com quem está falando ou mexendo?”, a planície não ostentava esse nível de intolerâncias, de ódios, do obscurantismo que afeta a cada dia mais cada qual de nós…

Por isso a importância da manchete de primeira página, que dava conta de um incidente envolvendo a OAB e um juiz que aqui aportou, trazendo em sua bagagem algumas arbitrariedades próprias de  sua personalidade deformada, e que aqui teria uma barreira, o que acabou “funcionado”… Deu-se que, num processo penal, foram denunciados três cidadãos, cujas prisões preventivas o dr. Promotor pedia desde logo, e – pasmem – o advogado que vinha sendo seu procurador desde a fase de inquérito!

Note-se : o MP. não pediu a prisão do advogado. Que, no entanto, acabou sendo decretada, pelo juizeco… O fato despertou interesses gerais, foi levado à entidade da categoria que, imediatamente tomou as providências. Por acaso, este cara que agora aqui — com muita honra, escreve — era o presidente da OAB e logo nomeou dois dos melhores criminalistas locais, Yvan Senra e Jonas Lopes (falecido e, na época, meu vice presidente), para as providências cabíveis, em forma de “habeas corpus” que acabou em instância superior, concedido, tornado nulo o decreto de prisão e trancada a ação penal em relação ao profissional.

O hoje quarentão jornal, parido dos sonhos do Barbosão e cuidado com obsessiva competência por Diva, captou o quanto de insólito aquele episódio encerrava e, ao noticiar em primeira página, em destaque, acabou sendo inestimável aliado na luta que se tornou emblemática contra toda a forma de arbítrio… Quando se sabe que (alguns) magistrados não se limitam a julgar e avançam no pantanoso terreno de “combate” a essa ou aquela modalidade de delitos, é reconfortante se saber que, desde tempos passados, a prática era condenada, porque condenável, a todos os títulos e modos.

E, por aqui… Não sou chegado ao formalismo comum. Mas sinto necessidade irrefreável de dar a César o que de César é. E, assim, rememorando a luta da Ordem, a repercussão do fato e as consequências que a sociedade acompanhou passo a passo por estes espaços — elegi o relato agora feito como modo de somar meu aplauso/testemunho ao jornal.  Ter sido “notícia”  e — acima de tudo — ter sido “irmão”, até o final, do idealizador, amigo querido de infância e de aventuras na noite campista…

 

(*) Advogado, colaborador da Folha e amigo de infância de Aluysio Cardoso Barbosa (1936/2012)

 

Publicado hoje (1o) na Folha da Manhã

 

Compartilhe:
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • PDF
  • Technorati

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>