Opiniões

Gustavo Alejandro Oviedo — Sobre o ajuste municipal

 

“O Príncipe”, de Maquiavel, o manual para governantes que ainda está vigente

 

 

“O homem esquece mais facilmente a morte do pai do que a perda do patrimônio”

 

Apesar de ter quase 500 anos, a famosa frase de Maquiavel parece que não foi o suficientemente lembrada pelo governo municipal, a julgar pela enxurrada de reclamações que está recebendo por conta dos aumentos da contribuição da iluminação pública, do IPTU (e dentro dele da Taxa de Coleta de Lixo) e do serviço de fornecimento de água e esgoto.

Em condições normais, um aumento de tarifas sempre gera aborrecimento. Em Campos, os incrementos acontecem num momento onde os serviços estão sendo prestados de forma paupérrima e cara. Há meses que não há manutenção dos postes de iluminação; o estado das praças e das ruas revela como a empresa responsável pela limpeza pública adaptou o seu rendimento à redução do contrato; em relação ao serviço de saneamento, Campos paga aproximadamente 30% a mais pelo metro cúbico de água do que se paga em Niterói, tendo as duas cidades a mesma fornecedora (o grupo Águas do Brasil).

Nesse panorama, supor que a enxurrada de aumentos não fosse gerar uma onda de impopularidade seria excessivamente ingênuo. Talvez não restasse nenhuma outra opção, frente à brusca queda orçamentária que sofrera o município em 2017, e a administração tenha optado por sofrer as consequências simplesmente por não ter outro caminho.

No entanto, os sinais da crise financeira já podiam ser previstos desde que os Garotinho começaram a endividar o município, bem antes da eleição de 2016. A queda do preço do petróleo, naquele ano, também vaticinava menos royalties para o seguinte.

Por sua vez, o duvidoso critério para definição de prioridades, que por um lado corta o Restaurante Popular, e por outro contrata empresa para exibir cinema nas escolas a um custo de 16 mil por exibição (640 mil reais ao todo), em muito dificulta a tarefa de convencer à população da necessidade do ajuste.

O que se revela por trás de toda esta crise local, além da imperícia demonstrada pelos governantes anteriores em poupar recursos quando estes eram fartos, é a impossibilidade de manter uma superestrutura de governo que se encontra excessivamente inchada com secretarias, superintendências, fundações, institutos e empresas públicas, muitos dos quais não tem razão de existir, a não ser para funcionar como cabides de emprego.

Esse gigantismo na maquina pública municipal não apenas é oneroso, mas também é prejudicial para o próprio funcionamento daqueles setores que deveriam ser considerados vitais, como saúde, por exemplo. Como se aceita que falte gaze num hospital, enquanto se banca um parque de diversões?

A cultura do estatismo e do paternalismo governamental ultrapassa esta administração – curiosamente chamada pelos seus detratores de ‘neoliberal’ (?). Está arraigada na opinião pública, a qual acha que eliminar um setor ineficiente do estado é uma afronta, ainda que mantê-lo afete todo o resto.

Voltando à questão do aumento de tarifas, se tivesse a capacidade de dar conselhos – que não tenho, mas… – diria ao pessoal do governo que, se acham que o ajuste é fundamental, que o defendam com coerência e competência, mostrando o mais rápido possível como essa grana extra será bem aplicada em favor da cidade, e não da prefeitura.

Uma sugestão final, desta vez aos vereadores que foram bater a porta da prefeitura para discutir o aumento da contribuição da iluminação pública: se questiona ANTES de votar, não depois.

 

Este post tem 5 comentários

  1. Perfeito!

  2. A omissão dos vereadores não passa desapercebida pelos eleitores, e a omissão referente à Taxa de Iluminação Pública, idem à Taxa de Lixo. O Rafael “Hood” quer “estar em dia” com as dívidas da Prefeitura adquiridas no governo anterior no qual ele era um dos vereadores. E pega pesado, aumentos extorsivos e desproporcionais partindo de, pelo menos, 600%, e ainda temos a “caixinha de surpresa” sobre o misterioso IPTU 2018 que está vindo por aí.

    No fundo, o que presenciamos espantados, é a atual “situação” adotar os mesmos critérios criticados da gestão anterior. Sou obrigado a repetir a frase do meu saudoso pai: “Todo político é igual, veste-se de inocente ovelha nas suas promessas da campanha política, mas por debaixo da pele sobressai a velha raposa ou a hiena faminta, covarde e traiçoeira”. __Dito e feito!

  3. Mudar é possível desde que haja eficiência na administração e priorização dos serviços essenciais . O que estamos presenciando é uma
    Equipe de governo incompetente pra administrar o município . Qualquer dona de casa mais experiente sabe fazer orçamento. Compra o que é essencial e deixa os supérfluos pra quando tiver uma grana extra .

  4. Rafael cade as promessas de campanha o povo já não aguenta mais,a saúde está péssima a cidade está um lixo,chega de mentiras são treze meses e nada mudou

  5. O que tem que fechar e a camara de vereadores e não os hospitais, cade Marcão,Fred que só sabe falar mal de Rosinha.O povo já não aguenta mais esse desgoverno de Rafael

Deixe uma resposta para cesar peixoto Cancelar resposta

Fechar Menu