Campos dos Goytacazes,  20/04/2018

 

por Aluysio Abreu Barbosa

Guiomar Valdez — “Para os sem confete e sem serpentina”!!

 

 

 

Nesta semana pré-carnaval poucos pensam naqueles que não curtem esta nossa festa popular (eu curto!). Pensando neles, resolvi destacar dois assuntos desta semana que me chamaram a atenção e que precisam de uma leitura e avaliação mais apuradas, já que como ‘filha’ de Momo, não poderei fazer neste momento. Daí a ideia de compartilhar para estes, esperando alguma colaboração na reflexão.

O primeiro assunto é sobre a situação crítica da “matrix” do capital no seu processo inerente de crises de superprodução! NÃO SE APRENDEU COM 1929, PARECE QUE NÃO SE APRENDEU COM 2008! Aliás, segundo Mészáros, não há saída civilizatória, já que essas crises deixaram de ser cíclicas para serem constantes. Essa é a novidade.
As bolsas estão literalmente enlouquecidas…o sinal veio em 26 de janeiro último. Segundo analistas, o mais importante, neste momento, “não é saber se esse ajuste ocorrerá nesta semana (possivelmente ainda não) ou ainda no primeiro semestre deste ano (bastante provável).

O mais importante é afirmar que esse ajuste ocorrerá. E criativamente muito severo. Ocorrerá com uma magnitude absoluta e relativa muitas vezes superior aos ajustes ocorridos nos dois últimos ciclos” (www.viomundo.com.br e www.theintercept.com ). Como agir nestes tempos? Qual a resposta política que daremos? Considerando, que estamos tratando da ESTRUTURA MATERIAL da sociedade em que vivemos. Portanto, de algo, indiscutivelmente concreto, mas, que muitos e muitos de nós não enxergamos!

O outro assunto é sobre o convite que a cantora Anitta recebeu para proferir palestra no evento ‘Brazil Conference’, que acontece anualmente na Universidade de Harvard. Este evento “é realizado pela comunidade brasileira de estudantes de Harvard e do MIT para promover o encontro com líderes e representantes da diversidade do Brasil. O objetivo é encontrar soluções inovadoras para o futuro do País.

Em 2017, o juiz Sérgio Moro participou do evento. Também estiveram lá os empresários Jorge Paulo Lemann e Luiza Trajano, a ex-presidente Dilma Rousseff, o publicitário Nizan Guanaes e o ator Wagner Moura”. (www.diariodocentrodomundo.com.br)

Do que aprendi até agora, Anitta se tornou uma celebridade, uma referência, não apenas no mundo da música brasileira, mas, também, como símbolo de resistência cultural das periferias. Daí quem possa criticar, não concordar com estas afirmativas, está sujeito à acusação de preconceito. Na minha página no facebook, fiz um comentário (dialogando com dois amigos) sobre este assunto, que transcrevo aqui, como sempre refletindo:

Este assunto é pertinente para um baita debate avaliador e formulador de ideias críticas mais ampliadas sobre o nosso tempo, que articulem, por exemplo, cultura, identidade, hegemonia, diversidade, minorias, a fragmentação pós-moderna, movimentos sociais e os possíveis caminhos para contrapor ao capital e à sociedade burguesa. É neste campo que procuro fazer minhas análises e tomar posição, pois, para mim, não há nada que escape à territorialização mercantil do capital, inclusive, e, principalmente, o ‘território das periferias’, o ‘território do gênero e sexualidade’, etc, etc, etc. Procuro exercitar um certo distanciamento crítico, sobre estas questões, exatamente, por respeitar as diferenças, a diversidade, a liberdade, e, não, o contrário.

Admito que hoje em dia o meu posicionamento está à margem, como também, na fronteira da incompreensão de muitos movimentos político-culturais marcados pela atomização e autonomia frágil, pois não tem na totalidade social seu enraizamento. Às vezes, a posição respeitosa, livre e crítica, pode ser interpretada como preconceito ou discriminação. São tristes características desse nosso tempo. Gostei demais de ter dialogado com vocês. Um forte abraço. Sigamos em frente!
Dica: Um colega nosso do Instituto Federal do Amazonas – Ygor Olinto Rocha Cavalcante, (historiador e psicanalista), em recente artigo para o site www.portaldomovimentopopular.com.br, “As celulites ideológicas e a malandragem do mercado em Anitta”, de 08/01/2018, tratou um pouco dessas questões.

Aguardando contribuições…

 

Compartilhe:
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • PDF
  • Technorati

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>