Opiniões

Cassação de Rafael Diniz: PRE-RJ dá negativo à “barriga” inseminada

 

 

 

Charge do José Renato publicada hoje (21) na Folha da Manhã

 

 

“Devaneios e conspirações” (I)

Em artigo publicado (aqui) no blog “Opiniões” na última quarta (14), hospedado no Folha 1, o jornalista Ricardo André Vasconcelos escreveu: “Irresignado com o ostracismo imposto após sua estadia preventiva nas cadeias de Benfica e Bangu, o ex-governador Anthony Garotinho (sem partido) ocupa a mente baldia entre devaneios e conspirações”. Apesar do diagnóstico, o caso parece ter se tornado contagioso. Na segunda (19), um áudio do radialista Barbosa Lemos foi viralizado nas redes sociais. Nele, vociferava: “O procurador regional eleitoral, dr. Sidney Madruga, já deu parecer favorável pela cassação de Rafael Diniz (PPS)”.

 

“Devaneios e conspirações” (II)

Na mesma segunda, após consulta ao seu jurídico, a reportagem da Folha chegou ao único processo sobre o prefeito de Campos que esperava parecer da Procuradoria Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (PRE-RJ). E lá estava desde 30 de janeiro. Tratava-se do recurso à decisão do juiz da 99ª Zona Eleitoral (ZE) de Campos, Eron Simas, que julgou inexistir a acusação do jurídico de Garotinho. “Entre devaneios e conspirações”, sua tese estapafúrdia era de que a vitória do prefeito, ainda no primeiro turno de 2016, teria sido fruto de um conluio entre jornais de Campos, o instituto de pesquisa Pro4 e o… Bar do Ovo.

 

Desmentido (I)

Mesmo que o ridículo do caso fosse tão gritante quanto um chute nas partes baixas, ciente da sua responsabilidade jornalística, ainda na noite de segunda a reportagem da Folha gerou a demanda por e-mail à assessoria da PRE-RJ. Que respondeu oficialmente, menos de meia hora depois: “(…) liguei para o gabinete do procurador. A assessora do Dr. Sidney me retornou agora: ela conversou com ele por telefone e disse que até agora não houve nada sobre o Rafael Diniz e, a princípio, não há nada em pauta hoje sobre ele”.

 

Inverdade assumida

Como Barbosa Lemos foi entrar nessa história rocambolesca, talvez seja um mistério tão óbvio, quanto desinteressante. Mas se alguma dúvida houvesse do que o ex-prefeito de São Francisco de Itabapoana disse ao microfone da sua rádio em Campos, ele mesmo publicou ontem (20), em seu perfil no Facebook: “Parecer favorável do Ministério Público Eleitoral à cassação do prefeito Rafael Diniz e sua vice agita a política de Campos”.

 

Como o radialista Barbosa Lemos excluiu sua postagem no Facebook, aqui a sua reprodução

 

Desmentido (II)

Falsa como uma nota de R$ 3,00, a informação foi desmentida pouco depois pelo anúncio (aqui) do parecer de Sidney Madruga. Conhecido no meio jurídico pela severidade com políticos, ele considerou: “(…) de acordo com os autos, Diniz teria utilizado matérias jornalísticas para fazer propaganda de sua candidatura (…) Mas para o Ministério Público Eleitoral, os jornais teriam informado de forma objetiva fatos que ocorreram na cidade durante o período eleitoral, não ultrapassando os limites da imparcialidade”. Salvo uma reviravolta digna de Gilmar Mendes, ninguém em sã consciência espera que o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) considere diferente.

 

“Barriga” inseminada

No jargão jornalístico, “barriga” é a matéria jornalística equivocada. Pode ser extremamente desagradável, como o jornalista Esdras Pereira registrou ontem (aqui) em sua coluna na Folha, sobre a notícia inverídica da morte do comerciante Roberto Costa, querido proprietário do bar e restaurante Toca dos Amigos, internado por motivo de saúde. E fica ainda pior ainda quando a trapalhada é reincidente. Mas a qualquer comunicador com mínimo zelo pelo ofício, deveria ser ainda mais vergonhoso quando, além de falsa, a “barriga” é inseminada pelo interesse escuso de outrem.

 

“Guerras” no RJ

Segurança e Saúde sempre foram as áreas mais preocupantes no Rio de Janeiro. Na primeira, os resultados da recente intervenção federal ainda são esperados. O clima é de guerra declarada contra a criminalidade. Outro combate a ser reforçado, desta vez na Saúde, é contra a febre amarela. O informe epidemiológico divulgado pelo Governo do Estado na noite de ontem mostra que mais uma pessoa morreu da doença no RJ, elevando para 34 as mortes, entre os 77 casos confirmados só em 2018. Com o objetivo de ampliar a cobertura vacinal contra a febre amarela nos 92 municípios, a secretaria de Saúde vai realizar no próximo dia 3, um novo Dia D contra a doença.

 

Com o jornalista Rodrigo Gonçalves

 

Atualizado às 15h34

 

Publicado hoje (21) na Folha da Manhã

 

Este post tem 4 comentários

  1. Sobre as “alucinações” deste (principal) conhecido político de Campos, só podemos dizer sobre o mesmo que ele é digno de pena! Triste fim, normalmente estas “ideações” não conduzem numa boa direção, quase sempre terminam pessimamente aniquilando com aquilo que foi a pessoa. Embora conhecido por arquitetar artimanhas contra os seus desafetos, estes “disparates”, na verdade “vaticínios fantasiosos”, possivelmente demonstram vertiginoso decréscimo de conduta, sendo que tal declínio tem sido assustador e cada vez mais recorrente.

  2. No jargão popular, “barriga” nos faz lembrar do Bolinha e jargão popular Bolinha, todos lembram do ex-presidiário Garotinho!

  3. Queremos GAROTINHO NA CADEIA !

  4. Lamentável para o repórter que se intitula como alguém que tem “poeira na mochila”. Jogou sua credibilidade na lata de lixo: se é que possuía alguma. “Deu ruim”

Deixe uma resposta para Savio Cancelar resposta

Fechar Menu