Opiniões

“Cabeças brancas” no governo de Campos e dúvidas no IPTU

 

 

 

Reforma hoje no DO

Dante Pinto Lucas (PHS) será vice-presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS). Médico e vereador por três mandatos (de 2000 a 2012), ele foi o último nome definido na reforma administrativa do governo Rafael Diniz (PPS). As mudanças estão hoje no Diário Oficial (DO): o empresário César Tinoco na chefia de gabinete, o jornalista Alexandre Bastos na secretaria de Governo, o advogado Fábio Bastos na superintendência de Relações Governamentais, o jornalista Fernando Leite na subsecretaria de Governo, o ex-vereador Rogério Matoso na subsecretaria de Desenvolvimento Social e a médica Renata Juncá na presidência da FMS.

 

Novidades e novidades

Alguns nomes foram mera troca de cadeiras: César Tinoco era assessor especial do prefeito, Alexandre Bastos era chefe de gabinete e Fábio Bastos, secretário de Governo. As novidades foram a vinda de Fernando Leite, Rogério Matoso e, por último, de Dante Lucas. Renata Juncá, que é servidora de carreira, já atuava à frente do programa municipal Saúde do Trabalhador. Médica conceituada, ela estuda Direito e planeja se tornar juíza. Agora na presidência da FMS, sua intenção é modernizar a atuação do órgão em sua interface com a secretaria de Saúde, tentando introduzir o trabalho no importante setor com base estatística.

 

Servidores e emergência

Por sua vez, Dante já ocupou funções na Saúde das administrações Sérgio Mendes, Anthony Garotinho, Arnaldo Vianna e Rosinha Garotinho. Nesta, foi diretor do Hospital Ferreira Machado. “Agora minha missão será usar essa experiência para melhorar o diálogo entre governo e os servidores da Saúde. Vejo um trabalho importante também a ser feito na logística do atendimento de emergência. A triagem tem que ser feita nos PUs, por médicos experientes. O chefe de atendimento do Ferreira tem que coordenar o atendimento no PU da Saldanha Marinho. E o do HGG, fazer o mesmo no PU de Guarus”, explicou Dante.

 

“Cabeças brancas”

Criticado pela falta de “cabeças brancas” na equipe, o governo também aposta na experiência de Fernando Leite. Ex-deputado estadual, ele foi autor de leis como a da proibição das queimadas de cana e a que criou a Fenorte, fundação mantenedora da Uenf, depois absorvida pela universidade. O ex-companheiro de Garotinho no teatro e na política também falou à coluna: “minha tarefa será trabalhar pela unidade da administração, na interface entre as secretarias. Não se pode descuidar do trabalho político entre governo e sociedade, melhorando a comunicação. Dar à gestão um caráter mais institucional e menos paternalista”.

 

IPTU

Em relação ao recuo do governo Rafael no IPTU, que decidiu abaixar o aumento já aprovado para estabelecer um teto de 16% (10% de reajuste mais os 6% da Ufica), uma dúvida interessante foi suscitada ontem. No blog “Opiniões”, hospedado no Folha 1, que noticiou a redução no novo projeto de lei que será votado na Câmara, uma leitora indagou (aqui): “Ele vai aprovar aumento de IPTU no mesmo ano da cobrança?”. A coluna levou a dúvida pertinente ao advogado tributarista Carlos Alexandre de Azevedo Campos. Ex-assessor do Supremo Tribunal Federal (STF), ele esclareceu: “se fosse aumento não poderia, mas é redução”.

 

Demanda reprimida

Para quem não se lembra, foi Carlos Alexandre quem anunciou (aqui) ao vivo, no programa Folha no Ar, na Plena TV, que o aumento do IPTU de até 150% proposto pela então prefeita Rosinha, em 2010, não iria passar. E o motivo era relativamente simples: por se tratar de reajuste aprovado no mesmo ano da cobrança, era inconstitucional. Rosinha chiou, mas teve que se submeter. Mas não sem publicamente culpar seu então secretário de Finanças (atual Fazenda), Francisco Esqueff, pelo erro. Alexandre fez várias críticas ao governo Rafael, mas em relação ao IPTU e outros casos, como o transporte público, definiu: “são demandas reprimidas pelo populismo”.

 

Intervenção      

O Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL Rio) e o Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio (Sindilojas) aplaudem a intervenção federal na Segurança do Estado. Segundo as entidades, o comércio carioca gastou R$ 1,2 bilhão de abril de 2016 a abril de 2017 com vigilância particular e reforço na estrutura das lojas. Já no interior a intervenção é vista com preocupação por representantes do setor que temem a migração da criminalidade da capital para a região. O deputado estadual Bruno Dauaire (PR) se reuniu, ontem, com o general interventor, Braga Netto, e ouviu dele a promessa de reforço no interior.

 

Com a colaboração do jornalista Paulo Renato Porto

 

Publicado hoje (01) na Folha da Manhã

 

Este post tem 5 comentários

  1. RAFAEL QUE ENTROU PRA SER O NOVO… SE TRANSFORMOU NO VELHO E PRE-HISTORICO !

    GOVERNO FRACO, ATRASADO, ARCAICO… NOVO PERSONAGEM COM VELHOS ATORES, INCLUSIVE ALGUNS LIGADOS AO GAROTINHO… QUER DIZER NADA MUDA, TUDO VELHO ! SEM CONTAR OS AMIGUINHOS INCOMPETENTES QUE NADA ENTENDEM DE GOVERNO, DE SERVIÇOS PUBLICOS… É COLEGAGEM PURA, MISTURANDO TUDO… TRABALHO E AMIZADE, SABEMOS QUE NÃO FUNCIONA…. NUNCA FUNCIONOU, AINDA MAIS COM PESSOAS QUE NÃO SÃO DO “RAMO”, NÃO SÃO POLITICOS, NÃO SÃO PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS E NEM TAMPOUCO COM EXPERIENCIA PARA ADMINISTRAR A COISA PUBLICA…

    È TIPO CAFÉ REQUENTADO E FRIO, MAIS DO MESMO, ENXUGAR GELO….

    AGORA COMEÇO A ENTENDER O POVO RECLAMANDO DE TANTAS COISAS RUINS… NAO É SO FALTA DE RECURSOS NÃO ! E SIM É INCOMPETENCIA MESMO…SEM PROJETOS OU IDÉIAS ALGUMA O GOVERNO CONTINUA MAIS PERDIDO DO QUE CEGO EM TIROTEIO E ASSIM SE CALÇA NOS ALIADOS QUE ELE ENTENDE TER ALGUM APOIO PRA ASSIM CONTINUAR UMA PROXIMA GESTAO OU ATE MESMO ELEGER SEU POVINHO INCOMPETENTE…

    QUE LASTIMA, HORRIVEL, PESSIMO… RAFAEL TA INDO PELO MESMO CAMINHO QUE GAROTINHO ESCOLHEU !

    MUITO RUIM…

  2. É Prefeito dinheiro para contratar e nomear pessoas o Senhor tem.Olha não da para entender com a saúde transporte e outros mais enfim a cidade todo não tem dinheiro mas para colocar essa quantidade de pessoas tem.Estamos de Politocos enganadores Sao Todos Iguais.

  3. Isso não vai resolver nada Rafael você fez tantas criticas ao governo passado,a verdade Rafael é que você está pior do que eles.Nada mudou é só troca de função

  4. Como é que é? Sobre o IPTU: Vai cobrar 16% sobre o valor anterior e aí é REDUÇÃO? Que Matemática é essa que este tributarista usa? Eu, hein! Cada uma!

    1. Caro Savio,

      Com todo o respeito, a matemática é cronológica: o aumento anterior do IPTU foi aprovado pela Câmara em 29 de novembro ano passado, dentro do prazo constitucional. E passou a ser referência à cobrança do imposto em 2018. Neste ano, o governo cedeu às pressões das entidades e da população, resolvendo reduzir o reajuste do IPTU para 16%, o que é perfeitamente legal.

      Abç e grato pela participação!

      Aluysio

Deixe uma resposta

Fechar Menu