Opiniões

Folha Letras — Para parir mel do sêmem das flores

 

 

 

Eram meados dos anos 1990. Tinha pouco mais de 20 anos, quando vivia em Atafona a fase mais bicho grilo da sua vida. Um amigo biólogo, igualmente jovem e refugiado junto à foz do Paraíba do Sul, o ensinava sobre a mata de restinga que ainda cobria parte da região.

O aprendizado se dera em meio à realidade desse ecossistema no entorno da Lagoa de Iquipari, muito antes do porto do Açu, que o geólogo campista Alberto Lamego (1896/1985) perenizara no seu necessário “O homem e a restinga”, publicado em 1946. Meio século depois, era a mesma restinga que os dois jovens homens percorriam a pé, sob o sol, quando o biólogo observou ao amigo:

— Sabe por que o cactos tem espinhos? Porque ele é a planta mais suculenta do deserto, a que mais armazena água. Sem a defesa dos espinhos, ele seria simplesmente devorado pela fauna.

Com todas suas metáforas possíveis, esse dedo de prosa cutucaria a lembrança nas duas décadas seguintes, no apontamento dos caminhos. Quando estes se cruzaram sem dolo com os de “vegetação” semelhante, no entrelaçamento espontâneo das raízes, brotaram versos:

 

 

Pilar do vão de acesso à ponte Rio-Niterói, na Niterói de novembro de 2015 (foto de Aluysio Abreu Barbosa)

 

 

os cactos

(p/ paulinha)

 

deu-se que um cactos enamorou-se

da polpa tenra sob os espinhos tesos

do semelhante seu que reconheceu

ao tato das raízes no escuro da terra

 

o cactos se deixou espetar pelo outro

a quem deu de beber em água e verde

quando o tempo estiou ao abraço

com a força do azul no céu do sertão

 

testemunhou a abelha suja de pólen

para parir mel do sêmen das flores

de dois cactos cujas seivas trocadas

agora afluíam uma ao curso da outra

 

campos, 22/09/15

 

Folha Letras na contracapa da edição de hoje (02) da Folha Dois

 

Publicado aqui neste Opiniões, em 06/12/15, e republicado hoje (02) na Folha Letras

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu