Opiniões

José Luís Vianna da Cruz — O ovo da serpente sai do armário

 

Há algumas décadas travei contato pela primeira vez com o sociólogo José Luís Vianna da Cruz. Se a primeira impressão é a que fica, a minha foi das melhores logo de cara. Com o passar dos anos, passei a nutrir grande admiração por ele — nas concordâncias e, sobretudo, no respeito das dicordâncias. Como intelectual ou homem, o Zé serve nesta planície cortada pelo Paraíba do Sul como referência de pensamento público, para mim e muita gente melhor.

Hoje ele me mandou um artigo em que externa sua visão sobre a grave crise em todos os níveis que se abate sobre o Brasil. Coincidentemente, ontem (08) o jornalista Ricardo André Vasconcelos havia avisado que não poderia enviar sua colaboração quinzenal desta quarta ao blog. Assim, numa coincidência dessas que não há, publico abaixo o texto do Zé, com a ilustração de um clássico do mestre sueco Ingmar Bergman (1918/2007):

 

 

O ovo da serpente sai do armário

Por José Luís Vianna da Cruz(*)

 

Capa do filme “O Ovo da Serpente” (1977), de Ingmar Bergman

Fiquei bastante tempo sem publicar artigo na imprensa. Passei esse tempo lendo o que outros escreveram, na mídia local, nacional e internacional. Conversei com pessoas cujas reflexões eu respeito. Tirei esse tempo para lidar com a minha perplexidade, frustração e apreensão quanto aos rumos do país.

Não suporto assistir ao aprofundamento da exclusão e do abandono do acesso a direitos, recursos e meios para os trabalhadores pobres, a ponto de me provocar reações negativas físicas, somáticas, fisiológicas. Não dá para digerir a devastação dos direitos, bens e recursos que o golpe de 2016 desencadeou. Trata-se de um momento extremo, em que a grande mídia, os setores dominantes do Judiciário, do Ministério Público, da Polícia Federal, do Congresso, do Executivo e dos militares estão intimamente afinados em papéis rasteiros contra a democracia, os direitos, a justiça e a equidade sociais.

Reli “Agosto”, de Rubem Fonseca, para me transportar a um outro momento em que algo semelhante ocorreu, para que eu retomasse a compreensão de que estamos diante de algo amplamente decantado pelos grandes intérpretes do Brasil, cuja expressão mais recente é o livro “Elites do Atraso”, de Jessé Souza. Estamos vivendo uma atualização da nossa história de escravidão, arbítrio, preconceito, discriminação e violência contra os pobres, os negros, as mulheres e aqueles que fazem livres escolhas comportamentais, realizada pelas elites brasileiras, reconhecidas internacionalmente como das mais cruéis do planeta.

Foi então que percebi que a serpente do facismo brasileiro pôs muitos ovos, e que, de quando em quando, um deles choca e nasce um novo filhote. Quando renasce a serpente, a direita violenta sai do armário e mostra sua cara. A democracia necessita de que todos saiam do armário. Isso inclui também a maioria que tem medo do arbítrio, dos militares, da polícia, do Judiciário, que estão revoltados com as injustiças e a destruição que as instituições ditas democráticas estão promovendo na política, nos valores e na economia — uma maioria que permanece nas suas zonas de conforto, nos seus níveis de consumo medianos, nos seus discursos restritos às redes sociais. E que, quando é chamada às ruas para defender direitos e enfrentar o arbítrio dominante, se intimida.

Nós, os democratas, os do bem, os da justiça, da democracia, dos direitos, da igualdade, da solidariedade, somos maioria.

Há um poema do Brecht que trata das consequências da omissão das pessoas comuns frente ao avanço da onda facista, feita de preconceito e autoritarismo conduzidos com violência ativa. Todos os que se omitem acabam sendo vítimas. A omissão agrava o problema.

Precisamos sair do armário, tomar posição, para enfrentar a onda conservadora, retrógrada, violenta, dos inimigos dos direitos, como única forma de consolidar a democracia. A imprensa tem que estimular o confronto de ideias, cobrir igualmente todos os lados do debate, para evitar que o caminho seja a violência.

Saiam do armário, companheiros e companheiras!

 

(*)Sociólogo e professor da UFF-Campos

 

Este post tem um comentário

  1. Análise perfeita! Agosto é um livro que li e reli diversas vezes. Estou esperando a entrega de Elite do atraso. Parabéns!

Deixe uma resposta

Fechar Menu