Opiniões

Guilherme Carvalhal — Marisa e o tigre

 

 

 

Marisa assistiu o tigre entrar em depressão no mesmo dia em que assinou uma petição no Avaaz exigindo que Jó libertasse seus escravos: o bicho sofria de doença celíaca e o glúten das tigelas de trigo andava causando maus humores no intestino. Assim, precisou ir contra as recomendações do veterinário com MBA em desmafagafamento que dizia que o mesmo não precisava de carne.

Ademais, a essa hora pouco lhe importava, tais infortúnios, pois lamentava a batida do Ibama que multou dona Chica por maus tratos de animais:

— Ainda bem que não é vitiligo — comentou uma vizinha acerca do estado do pobre felino. — Pedro anda com marcas esquisitas no peito do pé — lamentou pelo rapaz.

Pela janela pensou: que fazer para o pobre tigre? As batatinhas esparramadas pelo chão seriam um substituto à altura? Desconfiou, pois as mesmas eram transgênicas. O açougue anunciou promoção de carne do boi da cara preta, mas um grupo de vegetarianos protestou. Os soldados da cabeça de papel interviram a mando do governo e a violência instaurou no recinto. Melhor não, pensou Marisa.

O tigre continuava com seus melindres, coitado:

— O amor que tu me tinhas era pouco e se acabou — postou em trejeitos melodramáticos no Facebook para que todos conhecessem como funcionava a comunicação entre eles, de onde um comentarista citou esse como um caso claro de relação abusiva. Chegou ao extremo de ameaçar beber leite com manga e uma associação de pedagogos o criticou, pois estimularia negativamente as crianças.

Marisa deixou de lado tais melindres e saiu de casa em busca de se livrar de tamanha pressão animal. Prestou atenção nos carregadoras da transportadora empurrando uma mala sem alça cor de burro quando foge e se espantou com um moleques vândalos que cuspiam e escarravam na estátua em carrara do irmão gêmeo do João Sem Braço:

— Essa juventude — protestou junto à velhinha que conduzia uma cabra cega pela coleira.

A velhinha sentou-se ao seu lado. Comentou do curupira que fazia fisioterapia para consertar a postura dos pés após ter sofrido bullying na escola. Marisa riu e em contrapartida contou do caso do tigre:

— Dê a ele umas boa colheradas de Biotônico Fontoura. Um matuto deu pros porcos, pras galinhas, e todos eles revigoraram. Canja de galinha não faz mal pra ninguém. Banana é vitamina, engorda e faz crescer. Com jeitinho você coloca ele na linha — explicou a senhora torcendo pequenos pepinos.

Marisa se vislumbrou com a sabedoria da senhora. Falava com aquele tom de vovó que tem resposta para tudo, como se herdasse tradições de pajés, de feiticeiras africanas, de benzedeiras das zonas rurais:

— Como a senhora ficou sabendo de tudo isso?

A senhora deu um risinho:

— Pelo Whatsapp.

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu