Opiniões

Violência explode em Campos; prós e contras de Garotinho a governador

 

 

Charge do José Renato publicada hoje (07) na Folha

 

Nem deficiente físico

Para quem ainda não entende a popularidade de Jair Bolsonaro (PSL), Campos é um bom exemplo para explicar como ele hoje pode liderar com folga a corrida presidencial. À margem esquerda do rio Paraíba do Sul, até deficiente físico virou vítima de tentativa de homicídio. Na manhã de ontem, um homem de 24 anos, mesmo sem a perna direita, foi baleado na cabeça e na coluna. O crime foi no Parque Eldorado, que integra a zona de guerra pela disputa do tráfico de drogas em Guarus — chamada pela Polícia de “Faixa de Gaza”. Detido e identificado por foto pela vítima, o suspeito é um adolescente de 15 anos.

 

Pelinca ignora Guarus?

O novo alvo da violência de Campos está internado no Hospital Ferreira Machado. Mas teve mais sorte do que os 110 assassinados no município só em 2010 — 71 deles, ou 61,5%, em Guarus. E como a coluna observou em 25 de maio, 13 dias e cinco homicídios atrás: “a sociedade parece esperar que alguém tenha menos sorte na Pelinca, para se revoltar contra o que banaliza enquanto Guarus é o foco”. Não é o caso do vereador de oposição Thiago Ferrugem (PR). Amanhã, ele organiza uma audiência pública na Câmara de Campos, em parceria com a Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa do Estado do Rio.

 

Quem Garotinho é

Da violência desenfreada à política, Ferrugem falou à coluna sobre a possibilidade do ex-governador Anthony Garotinho (PRP) trocar a arriscada pretensão de voltar a ser governador pela segurança de uma candidatura a deputado estadual. Sobre o destino eleitoral do líder de seu grupo político, o vereador disse à coluna: “Garotinho só fala no Governo do Estado. Em momento nenhum ele externa outra coisa. Além do desejo de voltar ao cargo, ele busca a exposição da candidatura para poder mostrar à população, após os processos que enfrentou, quem ele realmente é”.

 

Os processos

Nos dois processos que geraram suas três prisões, o ex-governador teve ontem uma vitória parcial na Caixa d’Água. Seus atos processuais foram suspensos 14 dias pela desembargadora Cristiane Frota, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE). O tempo foi dado por conta da cirurgia de catarata do advogado do casal Garotinho, Carlos Azeredo. Já na Chequinho, o político da Lapa acabou beneficiado pela decisão monocrática de Ricardo Lewandowski, no Supremo Tribunal Federal (STF). Conhecido pelo garantismo para com políticos corruptos, em 16 de maio o ministro simplesmente suspendeu o julgamento de Garotinho no TRE.

 

Testar a sorte

Quem não teve a mesma sorte foram os beneficiados na suposta troca de Cheque-Cidadão por voto, na eleição municipal de 2016. Dois deles, Ferrugem e o também vereador Geraldinho Santa Cruz (PSDB), ontem perderam no TRE seus recursos na Chequinho. Quem conhece Garotinho como poucos é o ex-vereador Nelson Nahim (MDB). Ontem, ele também falou com a coluna e disse ter pouca dúvida de que o irmão tentará voltar a governar o Estado em outubro. “Se Eduardo Paes (DEM) não for candidato, diria que as chances são de 100%. Mas, mesmo com Paes, acho que Garotinho vai concorrer a governador”.

 

Contras

Nahim não discorda do que a coluna explicou ontem: “A única pesquisa até agora na disputa ao governo fluminense foi do instituto Paraná (…) nela o senador Romário (Podemos) liderou com 26,9%; seguido de Paes (14,1%); Garotinho (11,6%) e Indio da Costa (PSD, 8,8%). O político de Campos, porém, lidera na rejeição: 71,9%. Em 2014, ele não foi nem ao segundo turno da última eleição a governador, quando sua rejeição era ‘só’ de 48%. Portanto, parece impossível que consiga sê-lo agora, com uma rejeição 24 pontos maior, sem controlar a Prefeitura de Campos e após trocar um partido médio, o PR, pelo nanico PRP”.

 

Prós

O irmão, no entanto, aposta em pontos que podem favorecer Garotinho: 1) o discurso de que denunciou o ex-governador Sérgio Cabral e o deputado estadual Jorge Picciani, implodindo o MDB no Estado; 2) não terá a condição financeira de 2014, mas pode ser ainda capaz de levantar o mínimo para a campanha; 3) Romário não concorrerá a governador, repetindo a simulação para valorizar o passe que fez outras vezes; 4) apesar do apoio do prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), Indio terá dificuldades para sair da Zona Sul carioca; e 5) mesmo com Paes concorrendo, um eventual segundo turno entre ele e Garotinho seria imprevisível.

 

Publicado hoje (07) na Folha da Manhã

 

Este post tem um comentário

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…..

    NAHIM TÚ É (trecho excluído pela moderação) … QUE DISCURSINHO FRAQUISSIMO! SEM VISAO ALGUMA, AGORA ENTENDO O PORQUE (trecho excluído pela moderação)

    VOCE E SEU IRMAO MERECEM (trecho excluído pela moderação), DUAS DOENÇAS PRA CIDADE !

Deixe uma resposta

Fechar Menu