Opiniões

Brasil encara hoje a Costa Rica com novidade na lateral-direita

 

Sem jogar desde 29 de abril, Fagner será a novidade do Brasil hoje contra a Costa Rica (Foto: Moa Press)

 

 

Por Aluysio Abreu Barbosa

 

Sem jogar desde 29 de abril, por conta de uma contusão na coxa direita, o lateral-direito Fagner (Corinthians) será (aqui) a grande novidade do Brasil contra a Costa Rica, às 9h da manhã de Brasília, no Estádio de São Petersburgo, pela segunda rodada do Grupo E na Copa da Rússia. Ele ganhou a posição com o veto de Danilo pelo departamento médico da Seleção, após os exames diagnosticarem ontem uma lesão no quadril. E a saída de bola pelo lado direito é um dos principais problemas do time de Tite, que é manco: muito bom na esquerda, com o lateral Marcelo (Real Madrid) e Neymar (Paris Saint-Germain), mas fraco na direita, faixa do campo em que atuam os meias Paulinho (Barcelona) e Willian (Chelsea).

Craque do time, Neymar chegou a preocupar. Após sentir dores na perna direita, a mesma em que se submeteu recentemente a uma cirurgia no pé, ele abandonou o treino da última terça (19) e saiu mancando. Mas, segundo informou o assessor de imprensa da CBF, as dores foram em virtude das pancadas recebidas nas 10 faltas que sofreu no empate de 1 a 1 com a Suíça.

Perguntado ontem, em entrevista coletiva, se havia conversado com Neymar sobre a necessidade de ele jogar mais coletivamente, Tite negou assertivamente. O treinador frisou que não pode ou vai enquadrar o talento “transgressor” do seu camisa 10. Mas disse e repetiu que as jogadas individuais devem ser “no último terço do campo”.

Outro habilidoso camisa 10 da Seleção, Zico advertia em seus tempos de jogador sobre a inutilidade de driblar no meio de campo: “só serve para apanhar”. Faltas perto da área podem resultar em gol. Distantes, só se prestam a parar o jogo. Contra a Suíça, das 10 faltas que Neymar sofreu, apenas quatro foram relativamente próximas à área adversária.

Adversário hoje da Seleção Brasileira, a Costa Rica parece distante do time que surpreendeu o mundo na Copa de 2014. Depois de derrotar o Uruguai e a Itália na primeira fase da Copa do Brasil, a seleção da América Central só foi cair nas quartas de final, na disputa de pênaltis contra a Holanda, após o empate sem gols no tempo normal e prorrogação.

Quatro anos depois, na Rússia, o padrão apresentado pelo futebol costarriquenho baixou bastante. Isso ficou bem evidenciado na derrota contra a Sérvia, atual líder do Grupo E. Ainda assim, a Costa Rica tem Keylor Navas como dono da camisa 1, destaque da Copa de 2014, campeão da última Liga da Europa pelo Real Madrid e considerado um dos melhores goleiros do futebol mundial.

Na falsa expectativa de quem não conhece futebol, mas vira “especialista” em tempo de Copa do Mundo, muitos torcedores criticaram o empate de 1 a 1 contra a Suíça. Após os 35 minutos inicias muito bons, marcando seu gol aos 19, a Seleção Brasileira teve uma queda acentuada em sua atuação de estreia na Copa da Rússia, é verdade. Mas a retrospectiva do confronto evidenciava (aqui) o equilíbrio: em oito jogos, eram três empates, três vitórias brasileiras e duas suíças. E um time nunca marcou mais de dois gols no outro. Após o jogo do último domingo (17), agora são quatro empates.

Contra a Costa Rica, no entanto, o retrospecto é francamente favorável à Seleção Brasileira: em 10 jogos até aqui, conquistou nove vitórias. A de placar mais elástico foi na primeira partida entre os dois, num amistoso disputado em 1956: 7 a 1. Na última vez que se enfrentaram, num amistoso em 2015, outro triunfo brasileiro, mas com escore mais econômico: 1 a 0.

A única vez que a Costa Rica venceu foi num amistoso em 10 de março 1960. Em San José, capital do país, o 3 a 0 dos donos da casa foi bastante comemorado. Mas a festa durou pouco. Sete dias depois, ainda em San José, o Brasil cobrou com juros e sapecou um 4 a 0.

 

Página 10 da edição de hoje (22) da Folha da Manhã

 

Publicado hoje (22) na Folha da Manhã

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu