Opiniões

Hamilton Garcia — A evolução da esquerda (IV): a era petista

 

 

Às vésperas de seu ocaso político, o PCB, ainda não atingido em sua espinha dorsal pela repressão e tentando reconquistar a liderança perdida na sociedade civil depois da dura derrota de 1964 — vide artigo anterior —, produziu um documento que, não obstante o linguajar anacrônico e os resquícios canônicos do marxismo-leninismo, apontou com precisão a direção da luta política a uma esquerda envolta nas brumas do mito revolucionário: “mobilizar, unir e organizar (…) (as) forças democráticas (…) contra o regime ditatorial (…) e a conquista das liberdades democráticas”[1].

Nesta resolução, a unidade democrática ainda não havia assumido a fórmula rígida do MDB: “As formas concretas que assumirá a unidade (…) serão ditadas pelo desenvolvimento da luta. Por ser uma reunião de forças heterogêneas, a frente (…) desenvolve-se simultâneamente com a luta entre os seus próprios componentes. (…) Os comunistas defenderão sempre, no seio da frente (…) a necessidade (…) de organizar (…) o povo (…)”[2].

Tampouco a frente tinha seu foco principal nas forças liberais — como aconteceria a partir de 1978: “A batalha antiditatorial exige um cuidado prioritário pela unidade das forças mais avançadas da frente única. Os comunistas obrigam-se, por isso, a dirigir sua atenção (…) para a aproximação com as diversas correntes que se incluem no movimento de esquerda (…)”[3].

O realismo político pecebista, envolto na bandeira rota do bolchevismo, não foi suficiente para neutralizar a atração que o guevarismo exercia sobre os jovens militantes, o que os impeliu a usar as primeiras grandes manifestações sociais contra o regime, convocadas por eles — a mais famosa delas a Passeata dos Cem Mil, em julho de 1968 —, numa mobilização em prol não da constituição da frente democrática, mas da frente popular articulada à guerrilha; o que acabaria por reforçar a ditadura, limpando o caminho para a institucionalização do arbítrio, em dezembro (AI-5), e o esmagamento da oposição, que esboçava seus primeiros atos de resistência não só com base nos intelectuais e nos estudantes, mas também com o apoio do operariado e da Igreja (católica).

Como já vimos, os comunistas, fortemente perseguidos, deixaram escapar a forma concreta com que a frente democrática se apresentaria a partir do ressurgimento dos movimentos sociais — estudantil (1977) e operário (1978). Desde então, as forças progressistas, nucleadas em torno de diversos movimentos sociais, na imprensa alternativa (Opinião e Movimento) e no MDB-autêntico — onde o PCB atuava —, passaram a discutir a criação de um partido popular, que, todavia, esbarraria na pretensão das lideranças exiladas em reconstruir/legalizar seus próprios partidos.

O impasse intra-oposição (interna e exilada) só se resolveria após a segunda greve operária do ABCD (março de 1979), em favor das forças internas, quando a intervenção policial projetou Lula como liderança política nacional autônoma, sem vínculos com as forças tradicionais da esquerda (neostalinistas, castristas, maoístas e nacionalistas), e em rota de convergência com os teólogos da libertação — nova tendência assumida pelo catolicismo de esquerda depois da Ação Popular (1962).

É daí que surge o Movimento Pró-Partido dos Trabalhadores (1979) que, sem conseguir atrair as velhas lideranças, em vias de retornar do exílio (Prestes, Brizola e Arraes), é bem sucedido em unificar a diáspora esquerdista — excetuando os stalinistas —, os ambientalistas, a juventude e uma miríade de novos movimentos sociais oriundos da urbanização dos anos 1960-70.

O PT vem à tona operando uma série de rupturas importantes no âmbito da esquerda radical. No plano da composição social, a classe trabalhadora deixa o segundo plano que ocupava no PCB, cujos quadros históricos eram de origem militar, e passa a ser a principal fonte política da nova agremiação; não obstante a centralidade castrista na esfera organizava da máquina partidária e dos intelectuais marxistas no âmbito da luta ideológica.

No plano da estrutura interna, o PT também inovaria assumindo um caráter federativo e pluralista, típico dos partidos socialistas ocidentais, em oposição ao centro único dos partidos comunistas. Isto fez com que os petistas, no curto e médio-prazo, tivessem dificuldades competitivas com os partidos centralistas que disputavam o controle dos movimentos sociais, mas tais dificuldades acabariam superadas pela capacidade da nova formação política em atrair militantes e simpatizantes em diversos segmentos sociais, e campos ideológicos — em particular entre os cristãos —, além de votos.

No plano ideológico, de novo, a inovação aproximava o PT do paradigma socialdemocrático, onde predominava uma acepção ampla de classe trabalhadora e os ideais socializantes eram vagos o suficiente para comportar uma ampla diversidade de crenças organizadas numa luta interna pactuada.

Todas estas inovações, porém, ocorreram sem prévio revisionismo político-ideológico e nem mesmo conheceram um esforço de sistematização posterior, tornando o PT um feixe de forças sociais e ideologias contraditórias, amalgamadas por uma liderança carismática, de perfil pragmático, que perseguia o poder externo com base no controle do poder interno (aparato partidário) por meio de lideranças unicistas de viés totalitário, e amparada em discurso de fundo místico-libertador que aliava utopia e pragmatismo numa perspectiva classista singular, baseada no neocorporativismo identitário.

Tal combinação mostrou-se poderosa fórmula para se chegar ao poder, eclipsando e contornando o espinhoso debate acerca do papel da democracia política, e suas instituições, na construção de uma sociedade mais justa e menos desigual — para não falarmos das instituições econômicas necessárias para tornar sustentável tal propósito. Mas, ela se mostrou insuficiente para fundar uma nova tradição apta a renovar a política brasileira, construir um novo modelo de desenvolvimento (sustentável) e contornar os perigos do carisma e do poder de Estado — inclusive a sedução do dinheiro.

A nova esquerda radical — de feições “ornitorrínticas” — atravessou o rubicão do poder, depois de 13 anos à frente da União, mostrando toda sua incompetência política e programática, não só para manter a sustentabilidade econômica do país — afundando-o na maior recessão de sua história —, mas para fazer as reformas políticas necessárias para a reversão do esgarçamento dos valores e das instituições públicas/privadas parasitadas pelo etos neopatrimonial, ao qual, finalmente, se rendeu e se converteu, em cabal demonstração da esterilidade de sua fórmula.

 

[1] Resolução Política do 6º Congresso (1967), In. Marco Aurélio Nogueira (org.), PCB: vinte anos de política, ed. LECH/SP-1980, p.174.

[2] [2] Id. p.179.

[3] Id. p.180.

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu