Opiniões

Eleição da mesa interfere, mas não altera votação das contas de Rosinha

 

 

 

Votações cruzadas

Com razão, se comenta que a eleição de prefeito de Campos, em 2020, passará pelo pleito de outubro deste ano. Sobretudo pelos desempenhos que terão entre os campistas o presidente da Câmara Municipal, Marcão Gomes (PR), e o filho do casal de ex-governadores Wladimir Garotinho (PRP). Ambos são pré-candidatos a deputado federal. Pela mesma lógica, não está errado quem aposta que a eleição da nova mesa diretora da Câmara, esperada para agosto, será definida pela votação das contas da ex-prefeita Rosinha Garotinho (Patri) na próxima quarta-feira (18).

 

TCE unânime contra Rosinha

Valessem apenas os critérios técnicos, o contundente parecer do novo Tribunal de Contas do Estado (TCE), seria suficiente para rejeitar as contas de Rosinha, relativas ao exercício administrativo de 2016. Depois de ser saneado pela prisão de cinco dos seus seis conselheiros, mais um ex, na operação “Quinto do Ouro”, da Polícia Federal (PF), o TCE rejeitou por unanimidade as contas da ex-prefeita de Campos. O relatório da conselheira substituta Andrea Siqueira Martins tem 110 páginas. Nelas constam 22 determinações, sete irregularidades, 13 impropriedades e três recomendações.

 

Vereadores “estudam”

Em qualquer democracia do mundo com mínimo de zelo pela coisa pública, seria suficiente para rejeitar as contas de Rosinha, deixando-a inelegível por oito anos, conforme a lei 64/90, além de abrir sua responsabilização cível e criminal pelas diversas irregularidades apontadas. Ainda assim, devido a questões meramente políticas, 11 vereadores ainda estão “estudando” o relatório. São eles: Igor Pereira (PSB), Marcelo Perfil (PHS) Jorginho Virgílio (PRP), Silvinho Martins (PRP), Josiane Morumbi (PRP), Cabo Alonsimar (PTC), Renatinho do Eldorado (PTC), Eduardo Crespo (PR), Juninho É Show (PTC), Álvaro Oliveira (SD) e Neném (PTB).

 

Mesa de “estudo”

Dos 11, Neném é o único que confirmou a tendência de votar com o relatório unânime do TCE e rejeitar as contas de Rosinha. Aos demais, a suposta indecisão se deve à eleição da nova mesa diretora da Câmara. A maioria governista já definiu Fred Machado (PPS) como novo presidente, Abdu Neme (PR), como primeiro vice-presidente, e Genásio (PSC), como primeiro secretário. Mas os vereadores debutantes Igor e Perfil, que ficariam com a segunda vice-presidência e a segunda secretaria, pleiteiam os cargos que estariam destinados a Abdu e Genásio.

 

G-5 e “desaparecidos”

Em tese, Igor e Perfil contariam com o apoio do G-5 para uma posição mais generosa na nova composição da mesa. Muito embora Perfil tenha abandonado o grupo “independente”. E seu substituto, o experiente vereador Marcos Bacellar (PTB), já tenha adiantado que votará pela rejeição das contas de Rosinha. Os demais edis do G-5 são Jorginho, Silvinho e Enock Amaral (PHS). Este, como Álvaro César (PRTB) e Joilza Rangel (PSD), não foram encontrados, nem responderam aos contatos da reportagem da Folha. Segundo assessores, Joilza estaria com os netos, em local sem celular. De Enock e Álvaro, até as assessorias desapareceram.

 

Próximos atos

Apesar de já ter declarado ser pré-candidata para tentar voltar a ser prefeita, em 2020, Rosinha deve ter as contas rejeitadas e ficar inelegível. Para isso, serão necessários nove votos. E 11 edis declararam à Folha que seguirão o parecer do TCE. Além de Bacellar, Marcão, Fred, Adbu e Genásio, são eles: Zé Carlos (PSDC), Abu (PPS), Cláudio Andrade (PSDC), Pastor Vanderli (PRB), Paulo Arantes (PSDB) e Ivan Machado (PTB). Com isso confirmado, é provável que a eleição da nova mesa seja antecipada ainda para este mês, antes da volta do recesso. Depois, serão as convenções e a eleição de outubro. E, dois anos depois, 2020 sem Rosinha. A ver.

 

Em debate

A violência obstétrica foi tema do segundo Café com o Conselho, nessa sexta-feira, no Conselho Municipal dos Direitos da Mulher. Na ocasião, a obstetra Leila Werneck, a secretária de Desenvolvimento Humano e Social, Sana Gimenes, e a jornalista Daniela Abreu debateram as formas de violência antes, durante e depois do parto. Com o auditório repleto de mulheres, que relataram casos e opinaram na busca de soluções, ficou evidenciado que, além de adequações nas maternidades públicas e privadas, há a necessidade de que profissionais de saúde tenham mais conhecimento relatos dessa violência naturalizada às mulheres ao longo dos tempos.

 

Com a jornalista Daniela Abreu

 

Publicado hoje (15) na Folha da Manhã

 

Este post tem 2 comentários

  1. É muita cara de pau ,Rosinha vir como candidata….

  2. Com um desempenho pífio desse governo, não duvido nada do grupo garotista vencer a eleição em 2020.

    O Rafael Diniz perdeu o rumo e não tem mais volta… Não ganha voto nem de DAS, quem dirá do povo. Acho que a hora (trecho excluído pela moderação) de surgir um novo nome é essa. Garotinho nunca mais e Rafael nem pensar

Deixe uma resposta

Fechar Menu