Opiniões

Alexandre Buchaul — Fim do começo

 

 

Esses últimos dias fecharão o prazo para realização das convenções partidárias e definições dos candidatos para a eleição em outubro. Essa etapa é a finalização de acordos que se arrastam em articulações sem fim há ao menos um ano. Por mais que o calendário eleitoral determine datas em um cronograma bem definido sobre as ações eleitorais dos partidos e candidatos, sabemos que a campanha nunca tem fim. Os exércitos que agora se perfilam para a batalha já deixaram acordos que cobrem a eleição de 2020, sejam lá quais forem os resultados alcançados por cada postulante, os algoritmos estão determinados e, terminando esta eleição, ganhará vida o tabuleiro municipal.

O “centrão”, ao menos por hora, estará com Geraldo Alckmin do PSDB na corrida presidencial, Ciro morre afogado lentamente na própria intemperança, Marina… bem Marina “ainda não decidiu se é contra, a favor ou muito pelo contrário” — faz de sua já habitual indefinição uma nódoa permanente. Bolsonaro, com todas as suas peculiaridades, diz que o centrão é escória, mas que está em boa parte com ele e continua sonhando com a Janaína Pascoal, que não se definiu, como sua vice. Os demais pré candidatos ainda precisam comer muito arroz com feijão, ou sair da cadeia, para valer a pena comentar.

Na corrida para o legislativo a profusão de candidatos vindos de todos os cantos possíveis, alguns inimagináveis me leva a ter cada vez mais convicção de que deveríamos adotar o sistema distrital.

Acharam ruim? Melhor nem falar sobre o Rio de Janeiro…

 

Este post tem um comentário

  1. Bora Distrital….

Deixe uma resposta

Fechar Menu