Opiniões

Em ridículo previsível, Vox Populi mostra que o PT não aprendeu nada

 

 

Vox Populi: ridículo previsível

Esta coluna antecipou nas suas duas últimas edições. Artificialmente, a pesquisa Vox Populi divulgada ontem colocaria Fernando Haddad (PT) à frente de Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB). Em empate técnico na margem de erro, os três superam o petista nas consultas Datafolha, Ibope e Paraná feitas nesta semana. Só que o Vox Populi foi além. Mais uma vez contratada pela CUT, braço sindical do PT, o instituto colocou Haddad à frente até de Jair Bolsonaro (PSL), líder com mais de 10 pontos de vantagem em todas as pesquisas. Mesmo a quem não vota ou gosta no ex-capitão do Exército, foi ridículo.

 

Eleitor não é gado

Que Haddad tem bom potencial de crescimento, por ser desconhecido e ter o apoio do popular ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), é um fato. Mas induzir que isso signifique a unção imediata pelo povo, é tomar o eleitor por gado. Só prova que o PT não aprendeu nada após conduzir o país à pior recessão econômica da sua história, ter uma presidente deposta por impeachment e ver seu maior líder condenado por corrupção e preso. Conselheiro da candidatura Haddad, Marcos Coimbra é diretor do Vox Populi. Aos campistas, seu instituto lembrou ontem o “Precisão” dos tempos de Garotinho.

 

Sem festa

Uma data para não comemorar. Ontem, 13 de setembro, completou um ano que o ex-governador Anthony Garotinho (PRP) foi condenado em primeira instância na Chequinho. A sentença de 9 anos, 11 meses e 10 dias de prisão por 17.515 crimes de corrupção eleitoral, além de associação criminosa, supressão de documento e coação no curso do processo, não foi o pior daquele dia. No 13 de setembro de 2017, ele acabou preso pela segunda vez em função desta operação.

 

A primeira vez

A primeira prisão por causa da Chequinho foi em 16 de novembro de 2016. Após protagonizar o episódio da ambulância, Garotinho seguiu para hospital particular, passou por cirurgia, até obter decisão favorável do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que substituiu a prisão por medidas cautelares. Até a sentença, foram cenas dantescas, retiradas de advogados, tentativas de recursos. Na segunda prisão, a liberdade, em 27 de setembro, também veio através do TSE.

 

Três em um

A terceira prisão ocorreu em 22 de novembro do ano passado, mas já no decorrer das investigações da operação Caixa d’água, quando o Estado do Rio de Janeiro teve em um mesmo presídio três ex-governadores. Além de Garotinho, também foi presa na operação, a esposa Rosinha (Patri). Em Benfica também estava o ex-governador Sérgio Cabral (MDB) — este, atualmente, já condenado a mais de 170 anos. Também veio de Brasília, através do então presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, a liberdade.

 

Oásis libertador

Com certeza, estes são alguns dos motivos que levam o ex-governador a apostar na capital federal como um oásis libertador. A aposta é alta. Certo que, em abril, obteve um respiro nas mãos do ministro Ricardo Lewandowski, que impediu que o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) julgasse a Chequinho em segunda instância. Talvez Garotinho tivesse esquecido tantos outros processos, que vagavam, entre recursos, nos corredores da Justiça. Agora, em plena campanha, deu um tempo na agenda e foi visto em Brasília. O que será que foi fazer lá?

 

Sem respostas

Seis meses depois, as execuções da vereadora carioca Marielle Franco (Psol) e do motorista Anderson Gomes continuam sem respostas. A Anista Internacional vem realizando atividades e manifestações questionando as autoridades brasileiras. Em um momento de debate tão acirrado no país, inclusive com atentado a um presidenciável, é mais do que necessária a elucidação. São crimes que, como muitos outros, não podem ficar sem respostas.

 

Com a jornalista Suzy Monteiro

 

Publicado hoje (14) na Folha da Manhã

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu