Opiniões

Bertolucci é “O céu que nos protege” nesta quarta no Cineclube Goitacá

 

Bernardo Berttolucci (1941/2018)

 

“As bruxas de Salém”, de Nicholas Hytner,  com Daniel Day-Lewis e Wynona Rider

Afastado do Cineclube Goitacá por motivos profissionais desde a Copa do Mundo de futebol, tinha programado meu retorno nesta quarta com o filme “As bruxas de Salém” (1996), de Nicholas Hytner. É uma adpatação cinematográfica da instigante peça de Arthur Miller, que usou fatos históricos do séc. XVII para falar de outra caça às bruxas nos EUA: a do macartismo aos comunistas na década de 50 do séc. 20.

Além do costumeiro show de interpretação de Daniel Day-Lewis na pele do colono puritano adúltero, a exibição e debate sobre o filme seria pertinente com o tempo de intolerância em que vive hoje o Brasil. Sobretudo depois de ter participado do debate “Fake News: Mentiras Verdadeiras” na última sexta (23), durante a Bienal do Livro de Campos, ao lado do artista plástico Wagner Schwartz e dos jornalistas Artur Xexéo, Cláudia Eleonora e Ocinei Trindade.

Mas depois do falecimento do cineasta italiano Bernardo Bertolucci na segunda (27), não tinha como não mudar o programado. Na minha opinião, era um dos últimos grandes mestres vivos do cinema no mundo, ao lado dos estadunidenses Martin Scorsese e Quentin Tarantino, e do chinês Zhang Yimou.

 

Em “O último imperador”, que lhe deu o Oscar de melhor diretor, Bertolucci foi o primeiro cineasta ocidental a filmar dentro da Cidade Proibida

 

 

A dúvida foi: qual filme de Bertolucci escolher? “O último tango em Paris” (1972), com atuação antalógica de Marlon Brando em polêmicas cenas de estupro, que depois se soube real, e sodomia, tornando Bertolucci conhecido no mundo? “Novecento” (1976), reunindo os jovens Robert De Niro e Gérard Depardieu como protagonistas, épico da luta de classes e última obra da fase marxista do cineasta? “O último imperador” (1987), com o qual ele conquistou Hollywood, levando nove estatuetas do Oscar, incluindo melhor filme e diretor? “Beleza Roubada” (1996), entre poesia e descoberta na beleza da Toscana, lançando a da jovem atriz Liv Tyler ao mundo? “Os sonhadores” (2003), onde a musa revelada foi Eva Green, uma dos três jovens que discutem cinema e vida real em um apartamento de Paris, enquanto lá fora explodem os protestos estudantis de 1968?

 

Na fotografia de Vittorio Storaro, “O céu que nos protege”

 

Mas a escolha acabou sendo pessoal. Como é o sentimento de orfandade pela morte do seu realizador. Não por outro motivo, às 19h desta quarta (28), na sala 507 do edifício Medical Center, no cruzamento das ruas Conselheiro Otaviano e 13 de Maio, o Cineclube Goitacá exibirá “O céu que nos protege” (1990). Expostos numa resenha crítica escrita (aqui) de fevereiro de 2011, os motivos seguem transcristos abaixo:

 

Sob a proteção do céu, Bertoclucci orienta seus protagonistas Debra Winger e John Malkovich

 

Casal burguês de Nova York, a escritora Kit (Debra Winger) e o compositor Port Moresby (John Malkovich), acompanhados do amigo playboy George Tunner (Campbell Scott), partem num navio rumo ao Norte da África. É 1948, três anos após o fim da II Guerra, da qual a região foi um dos palcos da batalha, saindo do conflito para iniciar seu processo de descolonização de uma Europa devastada.

A diferença no caráter da viagem para o casal e o amigo fica estabelecida logo ao desembarque:

Turner: “Somos os primeiros turistas desde a guerra”.

Kit: “Somos viajantes, não turistas”.

Turner: “Qual a diferença?”.

Port: “O turista pensa em voltar para casa assim que chega”.

Kit: “E o viajante pode nem voltar”.

Na verdade, o único retorno planejado pelos Moresby é à paixão que esfriou em ambos no ócio de Nova York. Ao perceber que a atração (correspondida) de Turner por Kit pode ser um empecilho ao seu objetivo, bem como à fuga do conformismo opulento que o amigo representa, Port o deixa para trás em sua jornada cada vez mais para dentro da África e fora do mundo moderno.

 

 

Na busca do amor, da música e, mesmo, da humanidade (da qual a África é o berço) em seus estágios mais primitivos, Port encontra o tifo, num forte da Legião Estrangeira, em pleno deserto do Saara. Nele, a vida abandona seu corpo em contraponto à areia que entra com o vento por todas as frestas do aposento. Antes, confessa à esposa que amá-la foi toda a razão da sua vida. E que tudo que fez foi por ela.

Atônita pela morte do marido, Kit simplesmente segue uma caravana que passa, tornando-se amante de um nômade bérbere. Ela mergulha naquele mundo árido, miserável, tribal e repleto de moscas, onde o dinheiro não tem serventia e a língua estranha só se torna íntima ao traduzir desejo e prazer. Como Ofélia, que enlouquece de verdade, enquanto Hamlet apenas simula, é Kit quem completa a busca de Port.

Escritor Paul Bowles, quando viveu o que narra no filme

Embora os transgressores “O Último Tango em Paris” (1973) e “Os Sonhadores” (2003) também sejam filmes de Bernardo Bertolucci que poderiam integrar qualquer lista de melhores filmes de “romance”, a opção se dá por essa solar transposição às telas do livro homônimo e autobiográfico — adaptado em roteiro pelo próprio diretor italiano e pelo queniano Mark Peploe — do escritor estadunidense Paul Bowles. É dele a voz da narração em off. E é o próprio que surge, já idoso, encarando Kit, ao final do filme.

Além da direção e das atuações de Winger e Malkovich, o destaque fica por conta das envolventes melodias compostas na parceria entre o japonês Ryuichi Sakamoto e o estadunidense Richard Horowtiz, ganhadores do Globo de Ouro de melhor trilha. Assim como para a belíssima fotografia em planos amplos do gênio italiano Vittorio Storaro, conhecido como “mago das luzes” e discípulo assumido do pintor renascentista Caravaggio.

À luz do sol real, é fato: no deserto ou no amor, só o céu nos protege.

 

Confira o trailer do filme:

 

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu