Opiniões

Folha FM: Geraldo Venâncio analisa greve dos médicos na Saúde Pública de Campos

 

Médico e ex-secretário municipal de Saúde, Geraldo Venâncio analisou na manhã de hoje, na Folha FM 98,3, a greve da sua categoria na Saúde Pública de Campos (Foto: Isaias Fernandes – Folha da Manhã)

 

Deflagrada no último dia 7, a greve dos médicos da Saúde Pública de Campos é um clássico conflito entre patrão e empregado. A constatação é do ex-secretário municipal de Saúde do governo Rosinha Garotinho (hoje, Patri), ex-vereador, atual diretor do Hospital Álvaro Alvim e médico gastroenterologista, Geraldo Venâncio. Ele foi o entrevistado do início da manhã de hoje do programa Folha no Ar, da Folha FM 98,3. E garantiu que a instalação do ponto biométrico não é uma das causas do movimento. Embora tenha sido listada (aqui) como primeiro item da pauta dos dentistas e servidores municipais, cuja categoria tem marcada, cancelada e reconfirmada (aqui) às 19h de hoje.

Geraldo comentou a visita que hoje (aqui) conselheiros estaduais do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) fazem a Campos, para avaliar a greve. Ela só terá fim, na visão do experiente médico e político, com base no diálogo. E apontou o ponto que julga fundamental para que os médicos voltem a trabalhar: o pagamento das gratificações, cujos 50% do último mês foram depositados na conta dos médicos no último dia 22, após atraso de um dia motivado pelo bloqueio jurídico da conta da Prefeitura. As substituições, outro pleito da categoria, para Geraldo interessam mais aos servidores da enfermagem e serviço paramédico. Mas admitiu: “a greve tem o momento de começar e o momento de terminar”.

Questionado sobre a ironia da sua categoria em Campos ter votado em peso a presidente em 2018 no anticomunista Jair Bolsonaro (PSL), mas ter a legitimidade da greve no conceito da luta de classes, presente em qualquer conflito entre patrão e empregado, fundado por Karl Marx, Geraldo respondeu com outra ironia: “voto com o relator”. Como professor de gerações de médicos na Faculdade de Medicina de Campos (FMC), ele também analisou a mudança no perfil da carreira, menos humanizada nos últimos anos, no que se refere ao tratamento dos pacientes, depois que passou a ser mais buscada por interesse pecuniário do que por vocação pessoal.

Geraldo também questionou condução do governo Rafael Diniz (Cidadania), que em seu entender endureceu o discurso antes da greve, após os médicos já terem manifestado seu descontentamento com a suspensão do pagamento das gratificações e substituições, por motivo de contingenciamento de gastos, com a queda das receitas do petróleo. Embora tenha defendido realizações do governo Rosinha, que integrou, ele não questionou o desperdício de dinheiro público na época das “vacas gordas” dos royalties, em obras desnecessárias como o Cepop, erguido a R$ 100 milhões.

Ainda assim, Geraldo fez elogios aos pré-candidatos a prefeito de Campos em 2020 Wladimir Garotinho (PSD), deputado federal, e Caio Vianna (PDT). Mas acredita que Rafael, apesar do pouco tempo para se recuperar do desgaste pelo não atendimento das expectativas, também esteja no páreo. Ele demonstrou menos crença na força do deputado estadual Gil Vianna (PSL), pela perda de popularidade que sofre quem, em tese, seria seu principal cabo eleitoral: o presidente Jair Bolsonaro.

Veja nos três blocos abaixo a íntegra da entrevista de Geraldo Venâncio ao Folha no Ar:

 

 

 

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu