Opiniões

Wladimir chama de “arbitrariedade” decisão do TJ de prender os pais. Recurso ao STJ

 

(Foto: Divulgação)

 

“Mais uma vez o Tribunal do Rio dá uma decisão curiosa, mesmo com o voto do relator sendo pela manutenção da liberdade. Não existe fato novo algum que justifique, a motivação é de uma testemunha que continua se dizendo ameaçada sem provar como, onde ou quem a ameaça. Essa testemunha é a mesma conhecida de sempre, Beth Megafone, que já mudou de versão inúmeras vezes e foi chamada pelo ministro Luiz Fux de indigna de fé. A defesa vai recorrer ao STJ contra mais essa injustiça e arbitrariedade”.

Foi o que disse o deputado federal Wladimir Garotinho (PSD) sobre a

decisão da tarde de hoje (29) da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ), que determinou a nova prisão do casal de ex-governadores Anthony (sem partido) e Rosinha Garotinho (Patri). O TJ derrubou (aqui) a liminar do desembargador Siro Darlan que concedia liberdade ao casal. Os novos mandados de prisão já foram expedidos para ambos, que já tinham sido presos (aqui) em 3 de setembro pela operação Secretus Domus. Desdobramento da Lava Jato, a investigação apontou prática de crime nas relações do governo municipal Rosinha com a construtora Odebrecht no programa habitacional Morar Feliz.

Em setembro, as prisões de Garotinho e Rosinha foram decretadas pelo juiz Glicério de Angiolis Silva, da 2ª Vara Criminal de Campos, a pedido do Ministério Público Estadual (MPE). Em plantão na madrugada do dia seguinte (04/09), Siro Darlan concedeu liminarmente(aqui) o habeas corpus ao casal. Que foi revogado com a decisão de hoje da 2ª Câmara Crininal do TJ-RJ.

 

Este post tem um comentário

  1. Wladimir até a próxima eleição eles vão fazer de tudo mais um pouco para manchar a sua candidatura a prefeito, mas existe um DEUS que ira te proteger e afastara todo mal.

Deixe uma resposta

Fechar Menu