Opiniões

Brasil entre os lunáticos do messias de Guaranhuns e do Messias do Vale da Ribeira

 

Filósofo e professor da USP, Pablo Ortellado é uma das maiores cabeças pensantes, por não dogmática, da esquerda brasileira. Ler o seu artigo publicado hoje (aqui) na Folha de São Paulo, sobre o primeiro discurso de Lula à militância do PT, em Salvador, é tão necessário quanto preocupante.

Sinaliza que quem embarcar na fala do petista não será diferente dos lunáticos de camisa amarela marchando sem sair do lugar e batendo continência para uma Estátua da Liberdade fake, em Araçatuba, interior de São Paulo, no último domingo (17). Tudo contra o STF que trocou livrar a cara do senador Flávio Bolsonaro pelo Lula livre.

 

 

Abaixo, a reflexão do Ortellado sobre as palavras de quem, tanto quanto o capitão, “fomentou — e fomenta! — o mais primitivo culto à personalidade”:

 

Lula durante encontro do PT em Salvador no último dia 14 (Foto: Ricardo Stuckert – PT/AFP)

 

Pablo Ortellado, filósofo e professor da USP

Sem autocrítica

Por Pablo Ortellado

 

Em seu primeiro discurso à militância do partido em Salvador, Lula disse que o PT vai polarizar e que o partido não vai fazer autocrítica —que se alguém quiser criticar, que o faça da oposição a ele.

O discurso é péssima notícia para a esquerda e para o país.

A dupla mensagem tem algo de redundante. Ao dizer que o PT vai polarizar, Lula sugere que o partido vai jogar todo o seu peso contra qualquer contestação substantiva da sua hegemonia sobre a esquerda. Quem vai estabelecer a linha de antagonismo com o bolsonarismo é ele e o partido que controla.

A segunda parte apenas esclarece que, na sua dimensão propositiva, esse antagonismo não vai admitir uma revisão de trajetória — vai defender o legado do projeto implementado entre 2002 e 2015 e vai empurrar quem criticá-lo para o outro campo.

Essa postura dogmática é ruim, mas fica pior se lembrarmos que não existe mais a conjuntura internacional que permitiu o sucesso daquelas políticas, o que significa que, caso a esquerda lulista triunfe, corremos o risco de reviver os erros, sem garantia de resgatar os acertos.

E os erros não foram poucos.

Em primeiro lugar, temos o próprio messianismo de Lula, que não apenas matou de vez a democracia no partido como esmagou a pluralidade da esquerda e fomentou o mais primitivo culto à personalidade.

Seu personalismo, aliás, é diretamente responsável pela indicação de Dilma Roussef como candidata, uma administradora sem qualquer vocação política e responsável por graves erros na condução da política econômica.

Sua adoção, no auge da crise, de uma política baseada no tripé preços administrados, empréstimos subsidiados e desonerações não apenas gastou a única bala do cartucho com uma política inócua como gerou efeitos distributivos bastante regressivos.

A atitude corporativa do PT frente às denúncias de corrupção explorou os efetivos abusos da Lava Jato para jogar fumaça sobre os fatos. Agiu como se a crítica da mudança do conceito de prova e do abuso das prisões preventivas apagasse os fatos apurados, como se não tivesse havido desvios bilionários sob a administração petista ou como se isso não importasse.

Todos esses equívocos, mais os graves erros da política indigenista, os perdulários gastos com os grandes eventos e a completa falta de prioridade em rever a política tributária, raiz da nossa desigualdade, Lula diz que não serão objeto de autocrítica.

Se depender dele, teremos mais uma vez que recorrer ao messias de Garanhuns para tentar escapar do Messias do Vale do Ribeira.

 

Este post tem um comentário

  1. No Brasil o crime compensa pela impunidade, eu não vejo nem um comentário dos filhos de Lula, que eram pobres, e hoje são milionários

Deixe uma resposta

Fechar Menu