Opiniões

PT de Campos reage ao petista Ceciliano no apoio a Rodrigo/Caio

 

 

Ceciliano, Rodrigo, Caio, José Maria, Gilberto, e Luciano (Montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

Ceciliano com Bacellar/Caio

A declaração do presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), André Ceciliano (PT), de que caminhará na eleição a prefeito de Campos com quem seu colega Rodrigo Bacellar (SD) apoiar, não pegou bem entre lideranças petistas locais. Foi o que Ceciliano disse no último dia 15, na Festa de Santo Amaro, em almoço organizado por Bacellar. O evento foi visto como ato de apoio de Rodrigo à pré-candidatura à Prefeitura de Caio Vianna (PDT). Ainda assim, o prefeito Rafael Diniz (Cidadania), pré-candidato à reeleição, esteve lá. Assim como outro pré-candidato ao cargo, o deputado estadual Gil Vianna (PSL).

 

Presentes e ausente

A presença de Rafael no evento talvez se justifique pelo fato de que Rodrigo tem intermediado o contato com o governo estadual Wilson Witzel (PSC) na tentativa de reabrir o Restaurante Popular, em parceria com o município. Ainda assim, quem esteve presente notou o empenho de Caio em não ficar junto do prefeito de Campos, com quem chegou a posar para fotografia no começo do processo eleitoral de 2016. Naquele pleito, vencida no primeiro turno por Rafael, Gil foi candidato a vice na chapa de Caio. Quem fez questão de marcar sua ausência no almoço foi outro pré-candidato a prefeito, o deputado federal Wladimir Garotinho (PSD).

 

PT reage a petista

Em matéria (aqui) da página 2 desta edição, o petroleiro José Maria Rangel, candidato a deputado federal em 2018 e também pré-candidato do PT a prefeito de Campos em 2020, reagiu à declaração do petista Ceciliano, de caminhar junto com quem Rodrigo apoiar: “Nós do diretório em Campos procuramos sempre respeitar as instâncias partidárias. Teremos uma candidatura própria e essa declaração é infeliz. O diretório do partido em Campos não foi ouvido, eu não fui procurado para falar sobre esse assunto, assim como acredito que Odisséia também não”. A ex-vereadora é a outra pré-candidata a prefeita do partido em Campos.

 

Lição de Pudim

As reações a declaração de Ceciliano foram da ala mais jovem à mais experiente do PT de Campos. Estudante da Uenf, Gilberto Gomes é o secretário de Comunicação da nova executiva municipal do partido. “Causa estranhamento a declaração e o tipo de relação que Ceciliano pretende estabelecer em Campos, ignorando a atuação e a construção do PT na cidade. Custo a acreditar que ele obtenha êxito em qualquer articulação sectária e isolada, sem ouvir o diretório municipal sobre a dinâmica local, como na frustrada tentativa de emplacar seu aliado Geraldo Pudim nas fileiras do PT em Campos”, alfinetou.

 

Voz da experiência

Dos quadros mais respeitados do PT na região, o professor Luciano D’Ângelo foi o primeiro diretor eleito da antiga Escola Técnica Federal de Campos (hoje, IFF), ainda em 1985, nos estertores da ditadura militar. Depois, foi secretário municipal dos governos Arnaldo Vianna (PDT) e Carlos Alberto Campista (sem partido) em Campos, além do de Godofredo Pinto (PT), em Niterói. Ele minimizou a declaração do presidente da Alerj sobre a disputa do poder goitacá em outubro: “A eleição de prefeito é municipal. Quem tem o poder de indicação de candidatos é o diretório municipal. É só uma manifestação pessoal do Ceciliano”.

 

Instituto Federal Fluminense, IFF (Foto: Isaias Fernandes – Folha da Manhã)

 

Solidariedade

Por falar em IFF, a maior instituição de ensino da região também entrou na onda de solidariedade ao município de São Francisco de Itabapoana. Na fronteira com o Espírito Santo, sofreu como Iconha e Alfredo Chaves, municípios do sul do estado vizinho também afetados pela tempestade que caiu sobre a região no final de semana, causando 6 mortes e deixando 415 pessoas desabrigadas. Como informa (aqui) matéria da página 6 desta edição, outras entidades de Campos como a CDL, a Casa da Amizade e o Grupo de Resgate Voluntário também estão recebendo donativos para destinar à população afetada.

 

IFF com Ifes

As doações com mesmo fim podem ser entregues até esta sexta (24) nos setores de Gestão de Pessoas da reitoria do IFF.  E dos seus campus Campos-Centro, de Guarus, São João da Barra, Cambuci, Bom Jesus do Itabapoana, Itaperuna, Pádua, Macaé, Quissamã, Cabo Frio e Maricá. Pede-se água potável, alimento não perecível, roupas, colchões, travesseiros, material de limpeza e de higiene pessoal. A iniciativa do IFF é feita em parceria com o campus de Piúma, do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), que fará a distribuição de todo o material arrecadado.

 

Publicado hoje (21) na Folha da Manhã

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu