Opiniões

Atropelador de Grussaí revela o pior da nossa sociedade. E não está sozinho

 

 

A quem não faz jornalismo aos domingos, o atropleador Luiz Siqueira Rodrigues alegou só na segunda não ter percebido que “tinha encostado na banhista”. Ele não está sozinho no pior que a história revelou

 

 

Atropelos (I)

O que houve a partir do atropelamento doloso de uma banhista nas areias de Grussaí, na tarde quente do domingo (02), após advertir ao condutor do quadriciclo que era proibido trafegar ali, revelou o pior da nossa sociedade. E sua encarnação não se resume a quem, mesmo conduzindo uma mulher e uma criança, parou o quadriciclo, engatou a ré e acelerou para atropelar a banhista que o advertira. Com o vídeo do fato viralizado nas redes sociais, a apuração do caso ganhou profundidade jornalística no blog Opiniões, do Folha1, com as manifestações em tempo real (aqui) de todas as forças de Segurança Pública envolvidas no caso.

 

Atropelos (II)

Mesmo de posse da identificação do condutor do quadriciclo desde às 18h40 da tarde de domingo, o nome de Leonardo Siqueira Rodrigues foi inicialmente mantido em sigilo, por prudência. E só foi divulgado pelo Opiniões no final da noite do domingo. O motivo? No tribunal de Inquisição das redes sociais, com fogueiras virtuais sempre acesas e prontas para transformar a reputação alheia em cinzas reais, estavam sendo divulgadas fake news com a imagem de um homônimo do atropelador, que nada tinha a ver com o caso. E quem fez isso, sem checar a informação, não pode se achar diferente de quem de fato guiava o quadriciclo.

 

Atropelos (III)

Mesmo depois do condutor do quadriciclo ser corretamente identificado, com nome e foto, as fogueiras das redes sociais continuaram ardendo. Para queimar as “bruxas” de lado a lado na bipolaridade política de uma sociedade doente. Na direita autoritária do “mata, esfola e arrebenta”, houve quem pregasse publicamente o linchamento do suspeito, atitude não menos cruel ou covarde do que o vídeo evidenciou no atropelamento. Já na esquerda popularmente chamada de “festiva”, causa séria da reação social no bolsonarismo, o avanço deste no país passou a ser considerado cúmplice do atropelador de Grussaí.

 

Atropelos (IV)

O suspeito foi intimado ontem (confira aqui) e ficou de ir hoje à 145ª DP de SJB, dar a sua versão. Que deve ser ouvida, como em qualquer estado democrático de direito. Por mais que, divulgada ontem por quem chegou atrasado na notícia, pareça ridícula: deu a ré no quadriciclo porque ouviu “alguém chamar”, não percebeu que “tinha encostado na banhista” e “estava com pressa porque minha sogra tinha passado mal”. A quem não deixa de fazer jornalismo aos domingos, os delegados Rodolfo Maravilha, na 145ª DP, e Pedro Emílio Braga, plantonista do final de semana, já tinham dito um dia antes não ter dúvida do dolo (intenção) no atropelamento.

 

Reveja o vídeo e tire a dúvida que os delegados não tiveram:

 

 

 

Atropelos (V)    

Se, a partir do vídeo, o dolo pareceu evidente aos olhos treinados de dois delegados da Polícia Civil, no domingo o titular de SJB mostrou dúvida. A tipificação seria lesão corporal ou tentativa de homicídio? Ontem ele se mostrou inclinado pela primeira, de pena mais branda, em caso de condenação na Justiça. O que também gerou reação negativa nas redes sociais. Da direita punitivista à esquerda garantista. Nesta, houve quem levantasse a bandeira identitária: “Li nas entrelinhas uma possível amizade entre os machos intolerantes e misóginos desse embate”. Como diria Lula, patriarca desse matriarcado: “menas”! Que o delegado trabalhe em paz.

 

Publicado hoje (04) na Folha da Manhã

 

Este post tem 3 comentários

  1. Essse atropelador é de certo eleitor do Bolsonaro!

  2. Tudo que é permitido, não é proibido! Pois não há fiscalização da polícia, guarda municipal ou sei lá quem, que impeça a entrada ou permanência de veículos na beira mar. Sou frequentador desta praia e nunca vi nenhum tipo de fiscalização. E comum ver quadriciclos, motos, jeepes e caminhonetes trafegando por lá diariamente e ninguém faz nada.

  3. Caro “sir.br”, (IP: 172.68.24.71),

    Sua identificação como comentarista é confusa. Fornece apenas o e-mail e nem nome possui. Comentários anônimos são um muro na moderação deste blog, ou em qualquer outro blog hopedado no Folha1. Se tiver pretensão de publicação, cesse a confusão, desça do muro e assuma-se.

    Grato pela oportnunidade de reafirmar o princípio!

    Aluysio

Deixe uma resposta

Fechar Menu