Opiniões

Milão/Campos no país em que o bolsonarismo trata a Covid-19 por “gripezinha”

 

 

Milão tem muito mais coisas a ensinar ao Brasil, Campos inclusive, do que o popular bife à milanesa, ou o poderoso futebol do Milan e da Internazionale. Era 26 de fevereiro em Milão, capital da região da Lombardia e cidade mais rica da Itália, espécie de São Paulo de lá. A Lombardia tinha então 258 pessoas infectadas pelo novo coronavírus, com 12 mortes em todo o país. E naquele mesmo dia 26, com o apoio do prefeito Giuseppe Sala, a cidade lançou a campanha “Milão não para”, contra o fechamento do comércio e o isolamento social para conter a expansão da doença, como já era aconselhado pelas autoridades de saúde. Um mês depois, na última quinta, 26 de março, o prefeito de Milão veio a público dizer que errou. Mas era tarde demais para a Lombardia, que já tinha 34.889 casos de Covid-19, com 4.861 mortes. Ou 40,1% de toda a população italiana acometida pela doença, com 54,4% da perda de vidas humanas que ela causou no país. A tragédia chegou, literalmente, a superlotar os cemitérios.

 

 

Antes da porta arrombada pela pandemia do novo coronavírus, como em Milão, Campos tenta fechar o cadeado. Desde a última segunda-feira (23), como determinou no dia 20 (relembre aqui) o prefeito Rafael Diniz (Cidadania), todo o comércio do município foi fechado, à exceção dos serviços essenciais. Apenas quatro dias depois, na sexta (27) cerca de 200 lojistas pediam a reabertura do comércio do lado de fora da Prefeitura. E na entrevista coletiva no lado de dentro, uma linha foi riscada no chão para quem insistir em desobedecer às normas ditadas pelas autoridades de saúde ignoradas em Milão:

 

Coletiva na Prefeitura reuniu na sexta as autoridades públicas de Campos no comando do combate à pandemia da Covid-19 (Foto: Genilson Pessanha – Folha da Manhã)

 

Divulgado na noite de sábado, comunicado garantiu que quem promover aglomerações durante a quarentena em Campos, será preso e autuado

— Tivemos hoje uma manifestação que se iniciou com aglomeração de pessoas e utilização de um trio elétrico. Essa aglomeração vem a infringir normas do poder público, tanto na esfera federal quanto estadual e municipal, o que nos traz a possível autuação por crime de descumprimento de medida sanitária preventiva. Os organizadores desse movimento podem responder ainda pelo crime de apologia, já que fazem apologia a fato definido como crime a partir do momento em que incentivam a população a descumprir esses atos normativos, colocando a vida deles e da população em risco. Então, a partir de hoje, a nossa conduta será no sentido de fazer cumprir a lei. Caso esse comunicado não seja suficiente, não haverá outra alternativa que não seja a condução, inclusive com a participação da Polícia Militar e da Guarda Municipal, das pessoas envolvidas para possível autuação por crime de descumprimento de medida sanitária preventiva e apologia ao crime para esses organizadores — deixou claro o delegado titular da 146ª DP de Guarus, Pedro Emílio Braga.

Também presente à coletiva, o promotor Marcelo Lessa, da Tutela Coletiva, reforçou que, a depender do Ministério Público Estadual, quem quiser fazer em Campos o que foi feito em Milão, será preso:

— Eles (os manifestantes) afrouxaram essa regra de isolamento social. E tem uma entrevista (no dia anterior), com o prefeito de Milão, em que ele diz: “Erramos. Desculpa”. Nós acordamos perplexos com esse movimento absolutamente irresponsável. E o que é pior: com as pessoas se arriscando em um trio elétrico, próximas umas das outras, e correndo o risco de disseminar (o vírus). Aí, joga fora todo o planejamento que a gente tem feito, de mobilizar atendimento. Pode gerar uma demanda que não daremos conta. Querem contar mortos depois? Que a gente procure forno crematório, que não tenha vaga em cemitério nem caixão para enterrar? É isso que esses irresponsáveis querem? Então, quem abrir (o comércio) será preso.

 

 

Ao convocar a coletiva entre as diferentes esferas de poder público no município, o prefeito Rafael assegurou que o fechamento do comércio e recomendação de isolamento podem ser revistas. Mas dependem dos números da propagação da Covid-19 em Campos, cujo pico é projetado para 20 de abril. E, segundo declarou o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, só deve começar a diminuir em agosto ou setembro.

— É importante deixar claro que os decretos não estão sendo apenas municipais. São decretos também em nível estadual. Há, sim, por parte de nós, a preocupação com o setor econômico do nosso município, com o empregador e o trabalhador. Nada é definitivo, muito pelo contrário. Inclusive, nossos decretos estão com data de 5 de abril. Estamos trabalhando, caso as autoridades de saúde concordem, para haver mudanças, sim, mas, de momento, as nossas decisões responsáveis são essas e com base nas recomendações das autoridades de saúde municipais, estaduais, federais e, também, mundiais. E o que as autoridades nos recomendam é: isolamento social. Ficar em casa. Se assim não fizermos, pode ser que, daqui a pouco, a gente dê uma coletiva para dizer quantas pessoas estão morrendo — disse o prefeito, reforçando a gravidade da situação.

 

Promovido na sexta se o protesto “Volta Campos” se repetir neste domingo, como anunciado, seus organizadores serão presos (Divulgação)

 

Embora reunisse lojistas, o protesto “Volta Campos” de sexta teve apoio ostensivo de um grupo de extrema-direita local, cujos líderes tentam surfar a popularidade em viés de baixa, mas ainda significativa, do bolsonarismo na cidade. O objetivo é meramente eleitoreiro: tentam (relembre aqui) se lançar candidatos a vereador na eleição municipal de outubro. Foram os mesmos que, em busca de evidência e likes nas redes sociais, chegaram a se colocar contra a realização da 10ª Bienal do Livro de Campos, em 2018.

 

Já na pandemia da Covid-19, em 15 de março bolsonaristas de Campos se aglomeraram na Igreja do Saco para pedir intervenção militar no país (Foto: Genilson Pessanha – Folha da Manhã)

 

Dois anos depois, a manifestação chamada de “Volta Campos”, pela reabertura do comércio, teve como ponto de concentração a Igreja do Saco. É de lá que também costumam se reunir na cidade as manifestações a favor do governo Jair Bolsonaro (sem partido). Inclusive as nacionais do último dia 15, contrariando as recomendações da OMS e do ministério da Saúde, já depois da chegada da Covid-19 ao país. Foi quando o presidente provocou repúdio até entre seus eleitores. Logo após vir dos EUA com 25 integrantes da sua comitiva (confira aqui) infectados pelo novo coronavírus, ele ainda assim interagiu fisicamente com cerca de 200 simpatizantes, diante do Palácio do Planalto.

 

 

Do Planalto Central à planície goitacá, antes de ser avisados que uma nova manifestação com aglomeração de gente, inclusive de idosos, como se deu na sexta, poderá gerar prisão e autuação criminal dos seus organizadores, o “Volta Campos” tinha programado um novo protesto para hoje. Novamente com concentração na Igreja do Saco, a partir das 9h, antes de sair em carreata pela cidade.

Oficialmente, a pauta contra a quarentena é econômica. E se baseia no pronunciamento presidencial em rede nacional na última terça (24), recebido com panelaços em várias cidades do país, incluindo Campos. Orientado (leia aqui) minutos antes por seu filho 02, o vereador carioca Carlos Bolsonaro (filiado na sexta ao Republicanos, braço político da Igreja Universal), além dos assessores do chamado “gabinete do ódio”, Bolsonaro se dirigiu à nação para pregar a flexibilização do isolamento social e a reabertura de comércio e escolas no país. E chamou a Covid-19 de “gripezinha” e “resfriadinho”.

 

 

Antigo aliado do presidente, o MBL denunciou a cópia bolsonarista do que levou a milhares de mortes em Milão

Até o início da noite de ontem, a “gripezinha” tinha matado 114 brasileiros, com 3,9 mil casos confirmados no país. No mundo, em números que crescem em escala geométrica a cada 24 horas, o sábado contabilizava 657.691 infectados, com 30.438 mortes. Ainda assim, Bolsonaro pretendia lançar uma campanha nacional, paga com dinheiro público necessário à reconstrução econômica do país, chamada “O Brasil não pode parar”. Qualquer semelhança com a “Milão não pode parar”, um mês e 4.849 vidas humanas atrás, não é mera coincidência.

Mas a divulgação da campanha bolsonarista em defesa do isolamento vertical foi impedida ontem (confira aqui) por decisão da Justiça Federal do Rio de Janeiro. E levou o governo a apagar as postagens já feitas, como denunciou aqui o site conservador O Antagonista. Segundo informou também ontem (leia aqui) o jornalista Ricardo Noblat, o presidente reagiu tentando ligar a quarentena pela Covid-19 ao suposto aumento da violência no país, com vídeos espalhados nas redes sociais pelo seu “gabinete do ódio”.

Armínio Fraga

Quando a economia era a “inimiga” do isolamento social no combate ao novo coronavírus, Bolsonaro foi respondido na sexta por Armínio Fraga. Ex-presidente do Banco Central, um dos economistas mais influentes do Brasil e vindo de uma família de médicos, Fraga afirmou em entrevista (confira aqui) que é falsa a dicotomia entre economia e saúde. E advertiu que a suspensão da quarentena geraria um segundo baque econômico no país:

—  É evidente que a opção é salvar vidas. Mas eu não creio que a economia se beneficiaria tanto (de uma suspensão da quarentena). E, num segundo momento, a economia poderia levar a um segundo baque. Dá a impressão de que há um custo econômico, e há. Mas dá também a impressão de que há uma alternativa sem custo, que seria fazer o (isolamento) vertical. Mas isso não é verdade. Da população brasileira, 38% são idosos, portadores de doenças crônicas ou ambos. Seria uma loucura.

Na mesma sexta, enquanto um promotor de Justiça de Campos usou o exemplo de Milão para dizer o que não será tolerado na sua cidade, Bolsonaro disse ao apresentador José Luiz Datena, no programa Brasil Urgente, da Band:

— O brasileiro quer trabalhar, esse negócio de confinamento aí tem que acabar, temos que voltar às nossas rotinas. Deixem os pais, os velhinhos, os avós em casa e vamos trabalhar. Algumas mortes terão, mas acontece, paciência.

 

 

Divulgado também na sexta, um estudo do Imperial College de Londres projetou (confira aqui) que se o Brasil adotasse isolamento apenas dos idosos e doentes crônicos, como prega Bolsonaro, a Covid-19 levaria à morte mais de 529 mil pessoas. E mesmo que houvesse uma restrição ainda mais ampla que a atual, a exemplo da quarentena total adotada por países vizinhos como Argentina e Colômbia, cerca de 44 mil brasileiros poderiam morrer. Foi o trabalho desse grupo de estudos que fez o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, recuar na ideia inicial de fazer uma quarentena vertical na Grã-Bretanha. Foi antes dele também testar positivo para o novo coronavírus.

 

Trabalhadores carregam corpos de vítimas da Covid-19 na cidade de Bérgamo, na Itália (Foto:
Aqueles para quem o tempo parou, porque em vida acharam que não podiam parar, na cidade de Bérgamo, vizinha de Milão (Foto: Fotogramma / EFE-EPA)

 

Com a jornalista Paula Vigneron

 

Este post tem 2 comentários

  1. Parabéns pelo artigo Aluysio!

    1. Valeu, Damasceno. Abç!

Deixe uma resposta

Fechar Menu