Opiniões

Simec: “circulação sistêmica do coronavírus no NF, com transmissão comunitária, é evidente”

 

Ontem, este Opiniões noticiou aqui a vistoria do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) na Saúde Pública de Campos, feita a partir de denúncias dos seus profissionais sobre falta de equipamentos de proteção individual (EPIs) para enfrentar a pandemia da Covid-19. Ato contínuo, foi gerada demanda ao Sindicato dos Médicos de Campos (Simec) sobre a questão. Foi antes do blog divulgar aqui a primeira morte do novo coronovarírus em Campos: o caminhoneiro Hudisson Pinto dos Santos, de 39 anos. E de também noticiar aqui que, dos 15 casos confirmados da doença no município, seis são profissionais de saúde.

Ontem à noite, o Cremerj terminou sua vistoria nas seis principais unidades da Saúde Pública do município. E constatou, antes de enviar seu relatório ao Ministério Público de Campos, à secretaria municipal de Saúde e à sede do Cremerj no Rio:

1 – Centro de Controle e Combate ao Coronavírus (CCC) de Campos: avental com gramatura (espessura de proteção) incorreta e máscara cirúrgica incorreta;

2 – Hospital Ferreira Machado (HFM): máscara cirúrgica incorreta;

3 – Hospital Geral de Guarus: máscara cirúrgica incorreta;

4 – UPH São José: máscara cirúrgica incorreta, ausência de avental para triagem e de respirador disponível para atender paciente grave de Covid-19;

5 – UPH Guarus: máscara cirúrgica incorreta, ausência de máscara nº 95, de treinamento, fluxograma e preparo da unidade;

6 – UPH Travessão: máscara cirúrgica incorreta, ausência de médicos, de treinamento, fluxograma e preparo da unidade.

Hoje à tarde, o Simec enviou ao blog sua posição sobre a questão, falando não só da questão dos EPIs e do fluxograma, como também da morte de Hudisson dos Santos, ontem, na UTI do CCC. E concluiu: “A circulação sistêmica do vírus, com contaminação comunitária, nos municípios da região Norte Fluminense, é evidente”.

Confira abaixo:

 

 

O Sindicato dos Médicos de Campos (Simec) vem recebendo desde a última quinta-feira (09/04), queixas por falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para uso por profissionais da saúde.

Entendemos a atual dificuldade do município para adquirir os insumos, principalmente os EPIs, em razão da pandemia. Entretanto, considerando a importância dos materiais necessários à prestação de assistência à saúde, acreditamos ser necessário que a gestão pública municipal desenvolva alternativas, envolvendo os outros dois níveis de governo (estadual e federal), que visem suprir as deficiências encontradas nas unidades de saúde comprometidas com o atendimento aos casos confirmados e suspeitos de infecção por coronavírus (Covid-19).

Faz-se necessário ainda, a intensificação de treinamentos, bem como a gestão de um fluxograma analisador para a organização da assistência à saúde, para fins de ampliar a segurança de todos os envolvidos, profissionais e pacientes.

Reiteramos o nosso compromisso de continuar monitorando a estrutura necessária para a total proteção dos profissionais em ação na linha de frente contra a pandemia.

O Simec também presta solidariedade aos familiares e amigos da primeira vítima da pandemia do coronavírus (Covid-19), em Campos. O homem de 39 anos, internado no Centro de Controle e Combate ao Coronavírus, veio a óbito na tarde deste sábado (11).

A circulação sistêmica do vírus, com contaminação comunitária, nos municípios da região Norte Fluminense, é evidente. O momento é de conscientização coletiva e união de todos no combate à pandemia.

 

Atenciosamente,

 

José Roberto Crespo de Souza, presidente

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu