Opiniões

A três semanas da urna, Wladimir contra Caio ou Bruno?

 

Campos entre Wladimir Garotinho, Caio Vianna e Bruno Calil (Montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Wladimir Garotinho (PSD) lidera a corrida à Prefeitura de Campos, com vaga praticamente garantida ao segundo turno. A vaga restante seria disputada por Caio Vianna (PDT), ainda com vantagem, mas diminuída pela força da campanha de Dr. Bruno Calil (SD). Abaixo, em bloco intermediário, viriam o prefeito Rafael Diniz (Cidadania) e o ex-vereador Tadeu Tô Contigo (Republicanos). Em ordem alfabética, o terceiro bloco seria composto por Beethoven (PSDB), Cláudio Rangel da Boa Viagem (PMN), Jonathan Paes (PMB), Odisséia (PT), Professora Natália (Psol) e Roberto Henriques (PCdoB). Com muitas pesquisas, mas poucas registradas para divulgação, é o que as casas de aposta informais apontam se a eleição fosse hoje. Como é daqui a 22 dias, todas as 11 candidaturas têm, em tese, as mesmas chances. E todas as apostas têm o mesmo valor real de qualquer outra antes do páreo cruzar a linha final.

Na aposta pela liderança de Wladimir, outra surgiu na semana que se encerra: seu vice, o empresário Frederico Paes, será mantido até a segunda, dia 26, quando acaba o prazo para mudança nas chapas? Considerado o vice de maior peso — sobretudo na “pedra” (98ª Zona Eleitoral), tradicional bastião de resistência ao garotismo —, Frederico teve sua candidatura questionada na Justiça Eleitoral. A coligação “Nova Força” (SD, DEM, PTC e PV), de Bruno Calil, alega que o vice adversário teria se desincompatibilizado fora do prazo das funções de diretor do Hospital Plantadores de Cana (HPC) e presidente do Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde e Estabelecimentos de Saúde da Região Norte Fluminense (SindihNorte).

 

Vice de Wladimir, Frederico Paes

 

 

Deputado estadual Rodrigo Bacellar

No último dia 16, após parecer favorável (confira aqui) do Ministério Público Eleitoral, Frederico teve sua candidatura a vice deferida (confira aqui) pelo juiz Paulo Maurício Simão Filho, da 76ª ZE de Campos. Mas a coligação de Calil, montada e comandada pelo deputado estadual Rodrigo Bacellar (SD), recorreu ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Se a decisão sair depois do dia 26, ou antes e ratificar a primeira instância, não afeta a chapa do filho do casal mais famoso da Lapa. Mas se sair antes e for desfavorável, colocaria a candidatura garotista em risco. Wladimir tem dito que, ainda assim, não mudará a chapa, apostando todas as fichas na reversão no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

De aposta em aposta, naquelas que indicam um bloco dianteiro na corrida à Prefeitura, as candidaturas de Wladimir e Caio apostam que o crescimento de Bruno, pela força da sua campanha capitaneada por Rodrigo, mesmo se continuar sem bater teto, não teria tempo para ultrapassar o pedetista. Na última quinta (22), o prefeitável do SD reconheceu (confira aqui) no programa Folha no Ar, da Folha FM 98,3, que ele hoje disputaria com Caio uma vaga ao segundo turno com Wladimir. O que é endossado pelo fato das campanhas destes dois terem passado a semana atacando a candidatura de Bruno nas redes sociais. Ao mesmo tempo em que Rodrigo investe sobre candidatos a vereador dos clãs Garotinho e Vianna. Líder do primeiro, o ex-governador admite internamente sua preocupação com o crescimento do nome apoiado pelo clã Bacellar. Ainda observador arguto de eleições, Anthony Garotinho preferia que seu filho enfrentasse o filho do ex-aliado e ex-prefeito Arnaldo Vianna (PDT) no eventual turno final.

 

Líderes políticos dos seus clãs, o ex-governador Anthony Garotinho, o ex-prefeito Arnaldo Vianna e o ex-vereador Marcos Bacellar (Montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

As apostas não desconsideram as chances do bloco intermediário da disputa, que seria composto de Rafael e Tadeu. O primeiro finalmente reencontrou o político de talento inato que teve mais brilho como vereador de oposição a Rosinha, do que como prefeito. A despeito de um governo unanimemente criticado pela comunicação, sua campanha mostra a mesma qualidade da vencedora de 2016. Seu dilema é que o campista que observasse os muitos buracos das suas ruas pintados de rosa há quatro anos, hoje os contabiliza ainda mais numerosos, de esquina a esquina em qualquer ponto de Campos. E, ainda que não estejam pintados de verde, a campanha eleitoral de 2020 ecoa ao rádio do mesmo carro obrigado a driblar crateras. Ver isso só agora é se arriscar a cair nelas por miopia.

 

Buracos nas ruas de Campos, pintados de rosa em 2016, e agora (Fotos: Folha da Manhã – montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Por sua vez, se tem o “voto de cabresto” da Igreja Universal, o católico Tadeu conta com o apoio dos Bolsonaro em sua campanha para furar esse teto. Ele e alguns outros observadores, vendo do ângulo de outras campanhas, acreditam que isso poderia alterar o quadro. Já outra raposa felpuda da política goitacá, mesmo conservadora, faz a ressalva: “Os presidentes Fernando Henrique Cardoso, Lula e até Dilma Rousseff foram tão ou mais populares que Jair Bolsonaro. E isso nunca elegeu prefeito em Campos por conta do apoio do PSDB ou do PT”.

 

Prefeito Rafael Diniz e ex-vereador Tadeu Tô Contigo (Montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

O fato talvez mais relevante é que, se Rafael e Tadeu fizerem juntos o mínimo de 30 mil votos, e Caio e Bruno não desidratarem à frente deles nas apostas, isso tornaria muito difícil a possibilidade de a eleição ser definida no primeiro turno, pelo teto do garotismo sobre Wladimir. Tanto mais se alguém na pulverização das outras seis candidaturas for além do que hoje se projeta. Nesta alternativa, entre os quatro marinheiros de primeira viagem, o potencial de Natália Soares é considerado. Mesmo quando comparada a políticos experientes, como o ex-prefeito Roberto Henriques e a ex-vereadora Odisséia Carvalho. E apesar do racha que as candidaturas próprias do Psol, PCdoB e PT trazem à esquerda de um município que deu quase 65% dos seus votos válidos a Bolsonaro na última eleição majoritária.

 

Professora Natália, Roberto Henriques e Odisséia (Montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Jovem, articulada e fruto do polo universitário em que a cidade se transformou há anos, entre nossas poucas heranças positivas dos tempos das “vacas gordas” dos royalties, Natália pode surpreender. E somar pontos na sucessão da esquerda identitária do Psol sobre a velha esquerda sindical do PT, como maior partido da esquerda fluminense. Mesmo que os petistas pareçam ter mais chances reais de eleger um vereador em Campos do que os psolistas.

Lesley Beethoven

Prefeitável sabatinado no Folha no Ar de sexta (22), Beethoven disse que, se eleito, sua prioridade seria pagar os servidores em dia — o que já é feito hoje com grande dificuldade. Diante do déficit orçamentário de Campos para 2021 (confira aqui), o tucano classificou as promessas (confira aqui) de retomada dos programas sociais garotistas Cheque Cidadão e Passagem Social como “irresponsáveis” e “estelionato eleitoral”. Entre os 11 prefeitáveis, elas são feitas apenas por Caio (confira aqui) e Natália (confira aqui). São as mesmas que Rafael fez em 2016. E que, eleito no primeiro turno, não conseguiu cumprir, dando início ao desgaste da sua popularidade entre as camadas populares.

“Política é como nuvem. Você olha e ela está de um jeito. Olha de novo e ela já mudou”. É a definição batida, mas vera, imortalizada pelo ex-governador mineiro Magalhães Pinto. Nesta semana que se encerra, a apenas outras três das urnas de 15 de novembro, foi assim que as nuvens pareceram no horizonte da planície. E não passam de meras apostas.

 

Publicado hoje (24) na Folha da Manhã.

 

Último debate antes da eleição que definirá presidente dos EUA e rumos do mundo

 

Joe Biden abriu sua participação no último debate antes da eleição a presidente dos EUA exibindo a Donald Trump a máscara de proteção facial que, segundo o candidato democrata, teria evitado metade das 222 mil mortes por Covid-19 no país (Foto: Morry Glass- AP Photo)

 

No final da noite brasileira dessa quinta, acabou o último debate antes da eleição que definirá o presidente dos EUA e os rumos do mundo. Diferente do primeiro, no bate-boca (relembre aqui) de 29 de setembro, desta vez houve debate. Entre o presidente republicano Donald Trump e o candidato democrata Joe Biden, venceu a novidade do microfone interrompido ao final do tempo de fala de cada um. No Brasil, já existe há muito tempo. Nos EUA, teve que ser adotado para conter as interrupções constantes do seu atual mandatário.

Trump não conseguiu fazer das acusações de corrupção na Ucrânia contra Hunter Biden, filho de Joe, a bomba que prometia. Foi, no máximo, um estalinho. Mas o presidente demonstrou presença de espírito, e seu conhecido talento como comunicador, quando ridicularizou Biden pai após este se voltar à câmera e dizer que os candidatos deveriam estar ali discutindo não as suas famílias, mas a do eleitor de classe média dos EUA.“Viu? É isso que políticos fazem!”, taxou Trump, ao gosto do tal eleitor de classe média.

Abraham Lincoln, presidente que liderou os EUA em sua Guerra Civil (1861/1865) para libertar os negros da escravidão, e seria assassinado por isso

Se tinha perdido a chance de “matar” Trump no debate anterior, com a revelação então fresca de que o presidente que se diz milionário não pagou nada de imposto de renda em 10 dos últimos 15 anos, Biden acertou ao retomar o caso para responder às denúncias de corrupção dirigidas ao seu filho. Como acertou ao chamar seu adversário de “racista”. E também ridicularizá-lo, após Trump ter delirado ser o presidente dos EUA que fez mais pelos negros desde Abraham Lincoln, líder do país em sua sangrenta Guerra Civil no séc.19 para libertar os negros da escravidão.

Trump se safou bem no bloco inicial, dedicado à Covid-19 nos EUA, deixando sua liderança desastrosa na crise sanitária passar sem novos danos. E conseguiu conduzir o debate dali até a metade, quando um Biden até então no polo passivo da “dança” abraçou o eixo da principal questão da pandemia aos vivos. E afirmou com convicção que, se eleito, irá impor o salário mínimo de US$ 15,00 por hora — lá não é por mês — ao trabalhador dos EUA.

Na questão racial para além dos negros, Biden condenou a desumanidade promovida pelo governo Trump. Que separa os pais dos filhos entre os imigrantes latinos capturados na fronteira com o México. Mas o atual presidente não reagiu mal, ao lembrar que as jaulas usadas para confinar e separar seres humanos como animais de zoológico foram uma invenção do governo Barack Obama, do qual Biden foi vice. Ao que o agora cabeça de chapa democrata não teve resposta.

No final do debate, outra oposição de visão de mundo ficou clara entre os dois candidatos. Como fez ao se comparar com Lincoln, Trump mentiu de cara deslavada ao declarar seu “amor” pela preservação ambiental. Ao que Biden respondeu dizendo que marcará seu eventual governo pela transição da matriz energética do petróleo nos EUA para alternativas limpas, como a solar e a eólica. O presidente disse ser “ótimo” saber que o adversário era contra a energia fóssil. Ainda que tirado de contexto, talvez fosse uma dúvida que o favorito nas pesquisas não precisasse gerar.

Todos os analistas diziam que, para tentar virar o jogo, Trump precisava de um nocaute neste último debate a menos de duas semanas das urnas de 3 de novembro. Mesmo que cerca de 1/3 do eleitorado dos EUA, onde o voto não é obrigatório, já tenha votado pelos Correios. O fato é que, no embate retórico do final da noite dessa quinta, qualquer vencedor só seria definido por pontos. Sem excluir o empate como possibilidade.

Agora é no voto. Não só no popular, onde Hillary Clinton superou Trump por quase 3 milhões de eleitores em 2016. Mas do complicado sistema do colégio eleitoral, onde vence quem levar os estados com mais delegados. Neles, Biden também mantinha vantagem nas pesquisas, mais apertada, até o debate de ontem. Como Hillary tinha quatro anos atrás, considerada a vencedora dos três debates antes das urnas. O resultado, no entanto, foi o mundo que temos hoje.

Aos cínicos que professam que tanto faz ao Brasil quem vencer a eleição a presidente dos EUA, o aviso: ela pode influenciar muito mais o governo Jair Bolsonaro do que o despencar nas pesquisas dos seus candidatos a prefeito do Rio e São Paulo. A ver.

 

Tudo que disseram à Folha FM os 11 candidatos a prefeito de Campos

 

Campos e a cidade que Dr. Bruno Calil, Betehoven, Jonathan Paes, Roberto Henriques, Professora Natália, Caio Vianna, Cláudio Rangel da Boa Viagem, Odisséia, Rafael Diniz, Wladimir Garotinho e Tadeu Tô Contigo querem governar (Montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

“Em tempos de pandemia e não havendo o debate direto entre os candidatos a prefeito, a população de Campos agradece ao grupo Folha da Manhã a oportunidade de conhecer estes mesmos candidatos, bem como as suas propostas através destas belíssimas entrevistas individuais. Muito obrigado. É a Folha prestando um serviço inestimável à população campista”. Foi o que registrou na manhã de ontem (20) um telespectador do streaming ao vivo do programa Folha no Ar, da Folha FM 98,3, na entrevista (confira aqui) com Tadeu Tô Contigo (Republicanos). Ele encerrou a primeira rodada de sabatinas da rádio com os 11 candidatos a prefeito de Campos, que será reiniciada (confira aqui) a partir das 7h15 desta quinta (22) com o candidato Dr. Bruno Calil (SD).

Na verdade, para além de entrevistas individuais, os 11 prefeitáveis de Campos terão pela frente a chance de três debates entre eles. O primeiro, nesta segunda (26), é uma iniciativa da (confira aqui) associação Comerciantes e Amigos da Rua João Pessoa e Adjacências (Carjopa), a partir das 20h, no Automóvel Clube Fluminense. O segundo será promovido virtualmente (confira aqui) em 5 de novembro, também a partir das 20h, pelo Fórum Institucional de Dirigentes do Ensino Superior de Campos (Fidesc), com transmissão ao vivo pela Folha FM 98,3 e PlenaTV. O terceiro foi anunciado hoje (confira aqui) para 11 de novembro pelo jornal Terceira Via, do Grupo Imne, ainda sem informação de horário, no Centro de Convenções da Uenf.

 

Advertência feita no painel com os gestores universitários Edilbert Pellegrini, Inês Ururahy e Jefferson Manhães de Azevedo, que seria repetida por vários outros dos 34 representantes da sociedade civil organizada

 

Nas sabatinas particulares da Folha FM, todos os 11 candidatos tiveram e terão o mesmo espaço, com a entrevista dividida nos mesmos três blocos temáticos: 1) crise financeira do município e alternativas (confira a série da Folha da Manhã sobre o tema, publicada entre 18 de julho e 26 de setembro, aqui, aqui, aquiaquiaqui, aquiaqui, aqui, aquiaqui e aqui); 2) eventuais contradições do candidato e da candidatura; e 3) propostas de governo. A ordem das entrevistas foi definida mediante sorteio (confira aqui) desde 28 de setembro, acompanhado virtualmente pelos representantes das 11 candidaturas. E será mantida na segunda rodada de entrevistas, que será encerrada em 6 de novembro, a nove dias das urnas.

 

(Infográfico: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Enquanto as entrevistas da Folha FM com os 11 candidatos não recomeçam nesta quinta, confira abaixo os vídeos, em ordem cronológica, com que os mesmos 11 já disseram na primeira rodada da rádio mais ouvida da cidade e da região. Que pode, desde já, ajudar na formação de opinião dos mais de 307 mil eleitores aptos a votar a prefeito de Campos em 15 de novembro:

 

DR. BRUNO CALIL (SD) – 05 DE OUTUBRO

 

 

 

 

 

 

BEETHOVEN (PSDB) – 06 DE OUTUBRO

 

 

 

 

 

JONATHAN PAES (PMB) – 07 DE OUTUBRO

 

 

 

 

 

ROBERTO HENRIQUES (PCdoB) – 08 DE OUTUBRO

 

 

 

 

 

PROFESSORA NATÁLIA (PSOL) – 09 DE OUTUBRO

 

 

 

 

 

CAIO VIANNA (PDT) – 13 DE OUTUBRO

 

 

 

 

 

CLÁUDIO RANGEL DA BOA VIAGEM (PMN) – 14 DE OUTUBRO

 

 

 

 

 

 

ODISSÉIA (PT) – 15 DE OUTUBRO

 

 

 

 

 

RAFAEL DINIZ (CIDADANIA) – 16 DE OUTUBRO

 

 

 

 

 

WLADIMIR GAROTINHO (PSD) – 19 DE OUTUBRO

 

 

 

 

 

TADEU TÔ CONTIGO (REUBLICANOS) – 20 DE OUTUBRO

 

 

 

 

Nesta segunda, Carjopa também faz debate entre candidatos a prefeito de Campos

 

(Arte: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

Em um município de mais de 507 mil habitantes, entre eles mais de 360 mil eleitores aptos a votar em novembro, a queixa pela falta de debates entre os 11 candidatos a prefeito de Campos era uma constante, após o cancelamento dos tradicionalmente promovidos pela InterTV e Record. Mas a demanda democrática dos campistas em assistir a apresentação das propostas de governo cada candidato, além do enfrentamento retórico entre eles, será atendida. Além do debate virtual que será promovido (confira aqui) em 5 de novembro pelo Fórum Institucional de Dirigentes do Ensino Superior de Campos (Fidesc), um debate presencial entre os prefeitáveis foi marcado pel associação Comerciantes e Amigos da Rua João Pessoa e Adjacências (Carjopa). Ocorre já nesta próxima segunda, 26 de outubro, a partir das 20h e previsão de se estender até às 23h, no Automóvel Clube Fluminense. E será transmitido ao vivo pelas redes sociais.

O modelo do debate está sendo definido pela Carjopa. Mas, a princípio, serão quatro blocos, dois com temas livres e dois com temas previamente escolhidos, com perguntas e respostas entre dois candidatos. A pergunta teria que ser formulada em 30 segundos, com 1 minuto e meio de resposta, mais um minuto de réplica e um minuto de tréplica. Cada prefeitável poderá levar no máximo até três assessores ao debate. Cidade tradicional tanto por seu comércio na rua João Pessoa, quanto por sua vida política ativa, a união de ambos em nome do exercício da democracia em Campos é uma inciativa louvável.

Assim que for finalizado o regulamento do debate da Carjopa entre os candidatos a prefeito de Campos, ele será publicado no blog.

 

Debate do Fidesc entre candidatos a prefeito de Campos na Folha FM e PlenaTV

 

(Arte: IFF e Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

 

Está confirmado. Não só o debate entre os 11 candidatos a prefeito de Campos dos Goytacazes (anunciado aqui) em 5 de novembro, a partir das 20h e com previsão de ir até às 23h, promovido pelo Fórum Institucional de Dirigentes do Ensino Superior de Campos (Fidesc). Como também sua retransmissão ao vivo pela Folha FM 98,3, com streaming na página da rádio no Facebook, além Plena TV, nos canais 181 e 406 (em HD) na NET, canal 3 na VerTV, canal 24 na Blue e canal 24 na SFnet. O sinal será gerado a partir do canal de YouTube do Instituto Federal Fluminense (IFF) e será retransmitido também pelo Centro Universitário Fluminense (Uniflu), através da sua Rádio Educativa 107,5 FM.

Em um ano atípico por conta da pandemia da Covid-19, será também a primeira eleição municipal sem coligações para as nominatas de vereador. O que gerou o número recorde das 11 candidaturas a prefeito de Campos, trazendo dificuldades logísticas para a realização do debate no primeiro turno da eleição majoritária. E levou a InterTV e a Record a cancelarem a reedição dos debates que promoveram em Campos nos pleitos passados. Neste hiato, a importância do debate virtual promovido pelo Fidesc, a 10 dias das urnas de 15 de novembro, tem sua importância reforçada para formação de convicção dos mais de 360 mil eleitores aptos a votar no município.

Com a retransmissão ao vivo do debate do Fidesc com os 11 candidatos a prefeito de Campos, a Folha FM 98,3 e a Plena TV, dois veículos de comunicação do Grupo Folha, reforçam seu compromisso com a democracia goitacá. Como o sinal do debate gerado pelo IFF e Uniflu está franqueado a todos as demais emissoras de rádio e TV a cabo de Campos, seria interessante que todos também demonstrassem o mesmo compromisso democrático com seus ouvintes, telespectadores e eleitores.

Independente de quem for eleito prefeito em novembro, para saber o que o aguarda a partir de 1º de janeiro de 2021, com reflexo direto na vida dos mais de 507 mil campistas, necessária a leitura da série de 11 painéis promovidos pela Folha sobre a grave crise financeira do município. Que, na busca de análise e alternativas, reuniu especialistas das áreas de economia, finanças, direito, jornalismo, ciência política, antropologia e sociologia, líderes sindicais e empresários, além de gestores universitários do próprio Fidesc, entre os 34 representantes da sociedade civil organizada ouvidos de 18 julho a 26 de setembro. Confira o resultado aqui, aqui, aquiaquiaqui, aquiaqui, aqui, aquiaqui e aqui.

Abaixo, confirma as orientações estabelecidas pelo Fidesc ao debate ao vivo, a partir das 20h de 5 de novembro, entre os 11 candidatos a prefeito de Campos:

 

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA OS CANDIDATOS

 

  

1 – O debate acontecerá no dia 05 de novembro de 2020, às 20h, com transmissão pelo canal oficial do IFFluminense no YouTube, no endereço https://www.youtube.com/ifftubeoficial.

 

2 – A sala virtual será aberta às 18h do dia 05 de novembro de 2020. Os candidatos deverão entrar na sala de reunião virtual até às 18h30 e seus assessores poderão representá-los até às 19h30. Nesse período, serão efetuados os sorteios relativos à ordem de fala dos candidatos no debate, ao posicionamento das câmeras e ao teste dos microfones, bem como serão dadas as orientações necessárias relativas aos procedimentos e às atividades do debate;

2.1 – O candidato ou assessor que entrar com atraso na sala virtual do debate estará de acordo com o sorteio e as deliberações já conciliados entre os presentes;

2.2 – O candidato deverá, obrigatoriamente, estar presente na sala virtual até às 19 horas e 30 minutos do dia 05 de novembro de 2020. A entrada do candidato na sala virtual com menos de 30 minutos de antecedência do horário de início do debate inviabiliza a sua participação.

 

3 – Os candidatos se comprometeram em participar, no dia 30 de outubro de 2020, de um teste de 30 minutos, para ajustar a sala virtual do debate, adequar a câmera, microfone e outras orientações necessárias relativas aos procedimentos e atividades do debate. Serão feitos agendamentos individuais, pelo e-mail [email protected]. O candidato tem até o dia 23 de outubro de 2020 para fazer seu agendamento. O teste, no dia 30 de outubro de 2020, seguirá a ordem do agendamento e acontecerá das 10h às 18h30. Os candidatos podem estar representados por seus assessores no dia do teste. O teste deve ser realizado no mesmo ambiente, com os mesmos equipamentos, provedor de internet e demais estruturas que o candidato julgar necessárias e que utilizará no dia do debate;

3.1 – A ausência do candidato ou de seu assessor no teste, dia 30 de outubro de 2020, inviabiliza sua participação no debate.

 

4 – A equipe do IFFluminense enviará as instruções de caráter mais técnico sobre o debate para os candidatos até o dia 23 de outubro de 2020.

 

5 – É de inteira responsabilidade do candidato estar num ambiente sem ruídos, com microfone e câmera de boa qualidade e uma conexão de internet que se mantenha estável durante todo o debate;

5.1 – Se o candidato perder sua conexão durante o primeiro, segundo e quarto blocos do debate, será permitido o seu retorno, caso sua conexão consiga ser restabelecida antes do encerramento desses blocos. Nesse caso, o candidato terá vez de fala ao final da ordem das falas dos demais candidatos. No terceiro bloco, dedicado aos debates entre os candidatos, não será permitido o retorno ao bloco caso o candidato perca sua conexão;

5.2 – No terceiro bloco, o tempo de fala do candidato que estará debatendo com o candidato que perder a conexão será preservado.

 

6 – Haverá uma Comissão Técnica de fiscalização e assessoramento para presidir todos os trabalhos durante o debate. O moderador, jornalista Mozarth Dias (Uniflu), terá o apoio da comissão de assessoria do debate para dirimir quaisquer dúvidas de encaminhamento dos trabalhos durante o debate, assim como para analisar o direito de resposta alegado por qualquer um dos

 

7 – A Comissão assessora será soberana quanto ao direito de resposta.

 

8 – O direito de resposta será dado quando se caracterizarem ofensas pessoais, após análise da comissão responsável pela condução do debate. O direito de resposta, quando acatado pela comissão, possibilitará ao candidato ofendido tecer suas considerações em 1 minuto, no início do bloco seguinte.

 

9 – Somente nos intervalos entre os blocos do debate, os candidatos poderão manter contato com seus assessores. Esses intervalos, já estão previamente definidos, serão entre o segundo e o terceiro bloco, no meio do terceiro bloco e entre o terceiro e o quarto bloco do debate, com cinco minutos de duração cada intervalo.

 

10 – As instituições participantes do Fidesc poderão reproduzir, na íntegra, o teor do debate em seus ambientes internos;

10.1- A transmissão será realizada no canal oficial do YouTube do IFFluminense, no endereço https://www.youtube.com/ifftubeoficial;

10.2- As emissoras de rádio e televisão que desejarem retransmitir o debate deverão utilizar o  sinal do canal no link acima mencionado para a retransmissão.

 

11 – Na sala de reunião virtual, só será permitida a entrada dos candidatos, do moderador, da comissão de assessoramento e da equipe técnica do IFFluminense que cuidará da operacionalização do debate.

 

12 – De acordo com a Legislação, com 2/3 dos candidatos confirmados o debate irá acontecer.

 

Promotor eleitoral Victor Queiroz fala nesta quarta no Folha no Ar

 

(Arte: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Concluída hoje a primeira rodada de sabatinas com os 11 candidatos a prefeito de Campos, o Folha no Ar recebe a partir das 7h15 desta quarta (21), na Folha FM 98,3, o promotor eleitoral Victor Queiroz, titular da 129ª Zona Eleitoral de Campos. Ele falará sobre o cerco à operação Lava Jato e seu decreto de “morte” (relembre aqui) pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), sobre a fiscalização eleitoral das eleições municipais de 2016 a 2020, além de projetar o trabalho que terá pela frente até as urnas de novembro.

Quem quiser participar ao vivo do Folha no Ar desta quarta pode fazê-lo com comentários em tempo real, no streaming do programa. Seu link será disponibilizado alguns minutos antes do início, na página da Folha FM 98,3 no Facebook. A partir das 7h15 desta quinta (22), a rádio mais ouvida de Campos inicia sua segunda rodada de sabatinas com os 11 candidatos a prefeito da cidade. Em ordem sorteada em 28 de setembro (confira aqui), com a presença virtual dos representantes das 11 candidaturas, o primeiro que retorna ao Folha no Ar é o Dr. Bruno Calil (SD).

 

Lula, Bolsonaro, Piupiu, Frajola e o Pateta no Mercado Municipal de Campos

 

Lado a lado, Lula e Bolsonaro, acompanhados do Pipiu, do Frajola e do Pateta, no Mercado Municipal de Campos (Foto: Leda Lysandro)

Psicóloga, servidora municipal, oficial do Corpo de Bombeiros, politicamente progressista e amiga querida, a Leda Lysandro fez um registro fotográfico interessante na última quinta (15). No Mercado Municipal de Campos, um ambulante vendia toalhas, expondo uma estampada com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e outra do atual, Jair Bolsonaro (sem partido). Ao lado, também eram estendidas uma toalha do Piupiu e do Frajola, e outra de personagens da Disney, tendo ao centro o Pateta. Leda disse que lembrou de mim quando fez a foto, e pediu uma análise. Que tento abaixo, neste domingo de raro descanso em tempos de eleição municipal.

A primeira análise é a mais óbvia: a apropriação que o capitalismo faz de qualquer ícone pop. Pode ser de um líder político de esquerda, mais próximo em tese ao socialismo. Mas que só chegou ao poder, em 2002, após acenar ao mercado — não o Municipal de Campos — com a sua “Carta aos Brasileiros”. E pode ser também de um líder político de extrema-direita que sempre foi um estatista em seus 30 anos de vida parlamentar. Mas que, para chegar ao poder em 2018, teve que se vender como “liberal”, conquistando o voto daqueles que dizem sê-lo sem aspas — a despeito de serem eleitores de memória política seletiva, desinteligentes, ou ambos.

Outra semelhança inegável entre Lula e Bolsonaro, apesar da aparente diferença do conteúdo, está na forma do discurso. Os dois falam a linguagem do frentista do posto. Atingem as camadas populares de forma direta, sem a “tecla SAP” necessária a oradores superiores, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ou o ex-governador cearense Ciro Gomes. Ademais, os dois primeiros marcaram bem a mudança da linguagem da propaganda política no Brasil. Dos programas eleitorais caríssimos e hollywoodianos dos marqueteiros que ajudaram a eleger Lula (e Dilma), para a mesa de café de Bolsonaro, sem toalha de mesa ou sousplat, em tosco doloso e fake para refletir a suposta naturalidade das filmagens de celular das redes sociais.

 

Das campanhas eleitorais de 2010, com Lindbergh, Lula, Dilma e Cabral, e de 2020, abraçado a Bolsonaro, Crivella é uma bússola das tentativas do Executivo Federal, à esquerda ou à direita, de se aproximar do voto de cabresto evangélico

 

Em outra semelhança, Lula e Bolsonaro são populistas. E populares. Mas, cada qual a sua maneira, apresentam adaptações tupiniquins da realpolitik do alemão Otto von Bismarck. Para poderem governar, fazem aliança no Congresso com o fisiologismo do Centrão — carimbada pela mesma falta de pudor do dinheiro público que continua desviado dentro de cuecas. Como os dois também tentam se aproximar do eleitorado de cabresto evangélico, tomando benção a charlatães da fé como Edir Macedo. Cujo sobrinho e atual prefeito do Rio, Marcello Crivella, foi ministro da Pesca de Dilma. Antes do Republicanos do tio abrigar os filhos do clã Bolsonaro, saídos do PSL com o pai, após briga mesquinha pelo controle das verbas públicas do fundo partidário.

 

 

Apesar do pragmatismo político, Lula e Bolsonaro não têm constrangimento em estimular o radicalismo, sempre que julgam necessário. Pais e filhos do maniqueísta “nós contra eles”, os dois o ministram como sal dado no coxo ao gado, para manter a unidade das suas bases ideológicas e orgânicas. São aqueles que o próprio Lula alcunhou de “aloprados”. Que, durante os 13 anos do PT no poder, chamavam de “coxinha” e “fascista” qualquer um que ousasse criticar as várias contradições do lulopetismo. Como hoje são as tias e tios do WhatsApp. Que classificam de “mortadela” e “comunista” qualquer um que ouse criticar as muitas idiossincrasias do bolsonarismo. Na impossibilidade lógica de estarem ambos certos, valem a um lado e ao outro também os versos de Herbert Vianna: “E o mal está nos olhos de quem vê/ O grande monstro a se criar”.

 

 

Por fim, Lula e Bolsonaro têm inimigos comuns. Os dois maiores, declarados, são a operação Lava Jato e seu ícone, o ex-juiz federal Sérgio Moro. Cuja máscara — e isenção necessária ao exercício da magistratura — caiu de vez quando ele liberou a delação do ex-ministro petista Antonio Palocci, a seis dias do primeiro turno presidencial de 2018, que não tinha aceito no julgamento da ação penal, mas usou para influenciar as eleições. Isso, antes de aceitar ser ministro da Justiça do principal beneficiado.

Ainda assim, foi visível a inveja emergindo das entranhas dos aloprados lulopetistas, como a cara de tacho dos “patriotas” que até pouco tempo inflavam boneco do Moro como Super-Homem, quando Bolsonaro cuspiu no prato que comeu e decretou (relembre aqui) no último dia 7: “É um orgulho, é uma satisfação que eu tenho, dizer a essa imprensa maravilhosa que eu não quero acabar com a Lava Jato. Eu acabei com a Lava Jato”. Com a conivência dos quatro cavaleiros do apocalipse no Supremo, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello. E sob o silêncio gritante do procurador-geral da República, Augusto Aras.

Sobre a foto feita por Leda no Mercado Municipal de Campos, dá para dizer que Lula e Bolsonaro são antagonistas políticos, sim.  Mas precisam um do outro, como o Piupiu do Frajola. E o Pateta é quem finge não ver.

 

Prefeito eleito em novembro assume Campos devendo R$ 17 milhões por mês

 

(Foto: Rogério Azevedo)

 

 

Ricardo André Vasconcelos, jornalista, ex-secretário de Comunicação de Camspos e servidor federal

Por Ricardo André Vasconcelos

Quem, entre os 11 candidatos que disputam a Prefeitura de Campos, assumir o cargo em janeiro de 2021, vai ter que administrar um déficit orçamentário de pelo menos R$ 200 milhões no primeiro ano, o que significa  uma despesa de R$ 17 milhões maior que a arrecadação a cada 30 dias. Para chegar a esses números, basta analisar os dados oficiais da secretaria municipal de Fazenda, publicados no Diário Oficial do Município e à disposição do cidadão no Portal da Transparência. Os números são um banho de água fria ou choque de realidade nos candidatos que insistem (confira aqui) em apresentar promessas de campanha como o retorno da passagem a R$ 1,00, entre outros, como se os cofres municipais ainda vivessem os dias de bonança que duraram até 2015.

A arrecadação prevista para o próximo ano está estimada em R$ 1,7 bilhão, mas há economistas menos otimistas e apostam em algo em torno de R$ 1,5 bilhão. E o maior quinhão, de R$ 1,1 bilhão, já está comprometido com a folha de pagamento dos servidores durante 12 meses. O que sobra já está comprometido com despesas para pagamento de serviços essenciais por ano. Como R$ 220 milhões para os hospitais contratualizados, R$ 125 milhões para pagamento de dívidas já parceladas, R$ 73 milhões do contrato para limpeza pública, R$ 40 milhões para iluminação pública, R$ 18 milhões com energia elétrica e R$ 12 milhões de água e esgoto para os prédios públicos, além do repasse obrigatório de R$ 30 milhões para a Câmara Municipal, e R$ 75 milhões para pagar funcionários contratados sob o regime de RPA (Recibo de Pagamento a Autônomo), entre outras.

Só com essas despesas consideradas essenciais — veja a lista abaixo —, a administração municipal compromete pouco mais de R$ 1,8 bilhão. Só que nesta relação não entram gastos com transportes de alunos, R$ 8,3 milhões; material de consumo e limpeza, R$ 4,9 milhões; manutenção de vias, R$ 7,5 milhões; e combustível, R$ 5 milhões.  Além disso, a Prefeitura tem uma dívida, que vem sendo rolada há décadas, de aproximadamente R$ 850 milhões com o Governo Federal, sendo R$ 105 milhões com o Fundo de Garantia (FGTS) e R$ 745 milhões com o INSS.

Para pagamento dos salários dos servidores ativos, inativos e pensionistas, num total de R$ 1,1 bilhão por ano, a Prefeitura desembolsa de recursos próprios R$ 575 milhões. Os outros valores são oriundos do Previcampos, R$ 190 milhões), Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), R$ 180 milhões; Fundo Nacional de Saúde (FNS), R$ 3 milhões; fundos e receitas indiretas,R$ 800 mil) e Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), R$ 150 mil.

 

 

 

Fechar Menu