Opiniões

Em cartaz em Campos, filme sobre jornalismo é opção no Carnaval

 

Capa do Washington Post de 1º de julho de 1971

 

 

Por indicação da professora e escritora Carol Poesia, colaboradora do blog, assisti na noite de ontem (11) a “The Post — A Guerra Secreta”, de Steven Spielberg. Tem duas indicações ao Oscar: melhor filme e atriz (Meryl Streep). Como sempre, ela está muito bem na pele da proprietária do conceituado jornal Washington Post. Assim como um parceiro de Spielberg desde “O Resgate do Soldado Ryan” (1998): Tom Hanks, que agora interpreta o editor-geral do Post.

Apesar do começo um pouco arrastado, o filme engrena quando se apresenta seu drama real, no começo dos anos 1970: às vésperas de se abrir ao mercado de ações, na tentativa de se capitalizar, o Post deveria ou não publicar documentos secretos que provavam as mentiras contadas por cinco presidentes dos EUA sobre a Guerra do Vietnã (1955/75)? Isto depois do jornal ter sido “furado” pelo New York Times, seu tradicional concorrente, proibido por uma decisão judicial de seguir na cobertura do caso.

Quem já assistiu a “A Montanha dos Sete Abutres” (1951), sabe o quão difícil é fazer um filme sobre jornalismo depois do clássico definitivo do mestre Billy Wilder (1906/2002), que foi jornalista em sua Áustria natal, antes de se mudar para os EUA com a ascensão do nazismo. E quem não assistiu ainda precisa aprender muita coisa sobre jornalismo e cinema.

O jornalismo teve tratamento de primeira também em longas mais recentes, como “O Informante” (1999), de Michael Mann; “O Abutre” (2014), de Dan Gilroy; e “Spotlight: Segredos Revelados” (2015), de Thomas McCarthy, que levou o Oscar de melhor filme. Isso sem contar, é claro, com o nem tão recente assim “Todos os Homens do Presidente” (1976), de Alan J. Pakula. Mas essa é uma história que, mesmo filmada 41 anos antes, trata do final de “The Post” (e do governo Richard Nixon).

Mesmo para jornalistas que nunca passaram pela edição, o filme de Spielberg talvez seja o mais revelador das enormes pressões nos bastidores das decisões de (e sobre) uma redação de jornal. Cai com uma luva tanto ao tempo presente dos EUA, com um imbecil guindado a presidente pelo colégio eleitoral (não pelo voto popular) como Donald Trump, que já elegeu como “inimigos” os mesmos Washington Post e New York Times. E, como luva, também bate à face presente dos imbecis tupiniquins à direita e à esquerda, cujo eco das vozes pelas redes sociais demonstra pouca noção de ridículo na pretensão de “substituir” o jornalismo.

E mais não digo para, como alerta a persongem de Meryl Streep: “não pular o lead”. Para quem não gosta de Carnaval ou quer fazer um pit stop durante a folia, é uma excelente opção. Em versão legendada, desde a última quinta (08), está em cartaz em Campos no Shopping 28.

Confira o trailer do filme:

 

 

Aristides Soffiati — Drenagem urbana de Campos

 

 

 

“Riacho do Navio/ Corre pro Pajeú/ O rio Pajeú vai despejar/ No São Francisco/ O rio São Francisco vai bater no mei do mar…” A melodia ritmada de Luiz Gonzaga dá uma ideia simples do que é uma bacia hídrica. Na verdade, ela é mais complexa que isso. Uma bacia tem um rio principal com rios secundários, rios terciários e muitos outros. O rio principal desemboca numa lagoa ou no mar.

A Baixada Campista foi construída por dois sistemas hídricos. O principal é o do Paraíba do Sul. O segundo é… Fica difícil nomeá-lo porque não se trata de um rio apenas, mas sim de um complexo de rios e lagoas. No passado, eu daria a ele o nome do último rio – Iguaçu –, que saía da lagoa Feia e chegava ao mar. Hoje, vou denominá-lo de sistema Ururaí, por ser este rio bem conhecido. O primeiro integrante da bacia é o rio Imbé e todos os que desembocam nele. O Imbé desemboca na lagoa de Cima, assim como o Urubu, e escoa pelo Ururaí até a lagoa Feia, que hoje chega ao mar pelo construído canal da Flecha.

Os dois sistemas ou cruzavam lagoas ou tinham lagoas em suas margens ligadas a eles por canais naturais ou não. Entre os dois também existiam defluentes — rios que saem de outro, ao contrário do afluente — que nasciam no Paraíba do Sul e engrossavam o rio Iguaçu por conta da ligeira declividade da planície.

Na visão de uma geometria euclidiana, a baixada era um verdadeiro caos. Para um naturalista, era um caos maravilhoso pela complexidade e pela biodiversidade. Para aumentar áreas para a agropecuária, o Departamento Nacional de Obras e Saneamento (DNOS) substituiu o rio Iguaçu pelo canal da Flecha e escavou canais retilíneos das lagoas para os dois sistemas hídricos. A finalidade era drenar as lagoas e aproveitar seu leito para atividades econômicas.

A cidade de Campos alastrou-se de forma desordenada sobre lavouras e pastos. Como as lagoas da planície são muito rasas, entendeu-se que não era necessário tamponar seus leitos vazios para a nivelação do terreno. Terra para isso só na margem esquerda do Paraíba do Sul, área de tabuleiros, que já se esgotam com a extração de terra. Para agravar mais a dificuldade de drenagem, os canais abertos para tanto se transformaram em valas de esgoto e depósito de lixo. Os moradores de Campos não sabem como os canais deixados pelo DNOS são importantes para uma planície aluvial. Assim, com uma chuva mais intensa, Campos alaga.

Já escrevi muito sobre esse assunto. Dessa vez, particularmente, quero tratar da drenagem urbana na borda da cidade onde ficam os bairros Parque São Lino, Parque Dr. Beda, Parque Rui Barbosa e Parque São Benedito, todos eles extensão do Parque Aurora. E a expansão continua numa área verde em direção ao canal de Tocos. Pelo visto, nenhuma providência será tomada para impedir o inchaço urbano. No passado, onde estão esses bairros, existiam muitas lagoas. Num mapa de 1954, Alberto Ribeiro Lamego ainda as registrou, nomeando as lagoas da Caraca e da Barata, assim como o brejo do Cachorangongo. A lagoa da Piabanha drenada ainda não foi alcançada pela cidade e tinha fundamental importância para a baixada.

 

Mapa desenhado por Alberto Ribeiro Lamego em 1954, mostrando a área com lagoas e brejos hoje ocupada pelo Parque Autora e outros bairros

 

Para drenar as lagoas nas terras para onde, futuramente, a cidade cresceria e daria lugar a novos bairros, sendo o Parque Aurora, o DNOS abriu o canal do Rosário. Segundo informação pessoal do Engenheiro Agrônomo José Carlos Mendonça, ele foi canalizado sob a rua Doutor Beda, ficando com um trecho aberto de aproximadamente 1,500 m. Ele desemboca no canal de Tocos que nasce no canal Campos-Macaé que desemboca na lagoa do Jacaré, que é associada à lagoa Feia. Portanto, de forma artificial, ele foi incorporado ao sistema Ururaí.

 

 

Canais ao sul da cidade de Campos

Tanto ele quanto o canal Santo Antônio, também afluente do canal de Tocos, contribuem para a drenagem urbana. Como todos os canais que cortam a cidade ou que a cidade abraçou, a visão da população sobre eles é bastante negativa. Por isso, eles recebem esgoto clandestino e lixo. Ficam entupidos por resíduos e por vegetação que cresce por conta dos nutrientes contidos no esgoto, pela lâmina d’água delgada e pela luz do sol. Quando chove, eles transbordam e geram reclamações dos moradores que os entupiram. Então, a prefeitura efetua uma limpeza superficial neles para tudo começar novamente na próxima estação chuvosa.

 

Entroncamento do canal de Tocos no canal Campos-Macaé. Estrutura abandonada e danificada, exigindo restauração e manutenção

 

Há quem reclame daqueles que criticam o governo municipal e não fazem proposições. Não sou desses. Proponho que o governo coloque em discussão o quanto antes a revisão do Plano Diretor de 2008 e a questão da macrodrenagem urbana. Existem um plano talvez defasado por nunca ter sido aplicado e um conselho específico para o assunto. A partir de então, voltemos a proceder a um diagnóstico dos canais no entorno de Campos e um plano de recuperação e proteção da rede. Se a questão não for tratada de forma estrutural, anualmente continuaremos a fazer intervenções paliativas.

 

Os evangélicos no país do Carnaval

 

Nada tenho contra os evangélicos. Teologicamente, acho muito interessantes alguns dos seus aspectos, como o estudo da Bíblia e a retomada de principíos do judaísmo do Velho Testamento. Ademais, quem já leu “A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo”, de Mar Weber (1864/1920), é capaz de perceber a contribuição relevante que o elemento evangélico traz à essência católica brasileira, representado em figuras como o procurador da República Deltan Dallagnol, ou o juiz federal Marcelo Bretas.

Agora, noves fora o papo sério, não me leve a mal que hoje é Carnaval…

 

 

 

Alexandre Bastos — Transporte Público: ações e desafios

 

 

 

Dentre os compromissos assumidos pelo governo Rafael Diniz, um das mais importantes, sem dúvidas, é a reorganização do sistema de transporte público de Campos. Sistema esse que, nos últimos 30 anos, se manteve aquém daquilo que seria o ideal para atender a população.

Logo no início da sua gestão, o prefeito se comprometeu a realizar um grande rodada de conversas com os empresários vencedores do edital do transporte público do município para tomar pé da situação e saber o porquê do não cumprimento dos termos do edital 001/2013 no qual sete empresas foram habilitadas a operar as linhas em Campos. Afinal, apenas a fase zero deste edital fora cumprida e, mesmo assim, com falhas.

Basicamente, os empresários apontaram o sistema de transporte alternativo como grande causador da crise do transporte público em Campos. O que é uma meia verdade: a falta de planejamento pela antiga gestão na regulamentação do transporte alternativo provocou um ambiente de beligerância entre as categorias. Afinal, colocar as vans fazendo as mesmas linhas dos ônibus estimulou um ambiente de concorrência e não de complementaridade, como deveria ser: vans fazendo as linhas que os ônibus não cobriam, ampliando a cobertura na malha viária. Além disso, o programa “Passagem Social”, como muitos outros programas da gestão passada, focou mais na política do que em planejamento e estratégia. A passagem era barata (com subsídio do poder público), mas o sistema se tornava cada vez mais falido e ultrapassado.

Não obstante essa situação, nossa estratégia foi abrir um amplo diálogo com ambas as categorias (ônibus e vans), mas não sem cobrar o que cada uma deveria entregar em serviço e cumprimento dos termos do edital. Do ponto de vista da empresas de ônibus o cumprimento da fase 1 do edital que previa a implantação do sistema de bilhetagem eletrônica e GPS.

Foi organizada uma reunião com a empresa Tacon, vencedora do edital para implantação do sistema de bilhetagem eletrônica e sistema GPS. Reunião cujo prefeito estaria presente. Com exceção do representante da Turisguá, nenhuma empresa apareceu. Qual interesse em boicotar uma reunião que visava o cumprimento dos termos do edital e que organizaria boa parte da vida das empresas de ônibus?

Do outro lado, logo em abril do ano passado, foi iniciado o recadastramento das vans do Serviço de Transporte Alternativo Municipal de Passageiros (Setamp). Das 298 vans cadastradas apareceram 253. Todos com alguma exigência de documentos a cumprir. E começamos juntos com essas que apareceram o processo de regularização. As vans que não compareceram foram convocadas a prestar explicação sob pena da suspensão da permissão para circular.

Garantir o direito da população de ir e vir e de ter transporte com regularidade de horário e com uma ampla cobertura da malha viária é a meta principal. A atual gestão irá avançar energicamente para uma solução que vá sanar os vícios, cujos quais alguns atores do sistema de transporte estão acostumados. Nenhuma medida está descartada, já que o interesse maior é entregar um serviço satisfatório para a população.

 

Guiomar Valdez — “Para os sem confete e sem serpentina”!!

 

 

 

Nesta semana pré-carnaval poucos pensam naqueles que não curtem esta nossa festa popular (eu curto!). Pensando neles, resolvi destacar dois assuntos desta semana que me chamaram a atenção e que precisam de uma leitura e avaliação mais apuradas, já que como ‘filha’ de Momo, não poderei fazer neste momento. Daí a ideia de compartilhar para estes, esperando alguma colaboração na reflexão.

O primeiro assunto é sobre a situação crítica da “matrix” do capital no seu processo inerente de crises de superprodução! NÃO SE APRENDEU COM 1929, PARECE QUE NÃO SE APRENDEU COM 2008! Aliás, segundo Mészáros, não há saída civilizatória, já que essas crises deixaram de ser cíclicas para serem constantes. Essa é a novidade.
As bolsas estão literalmente enlouquecidas…o sinal veio em 26 de janeiro último. Segundo analistas, o mais importante, neste momento, “não é saber se esse ajuste ocorrerá nesta semana (possivelmente ainda não) ou ainda no primeiro semestre deste ano (bastante provável).

O mais importante é afirmar que esse ajuste ocorrerá. E criativamente muito severo. Ocorrerá com uma magnitude absoluta e relativa muitas vezes superior aos ajustes ocorridos nos dois últimos ciclos” (www.viomundo.com.br e www.theintercept.com ). Como agir nestes tempos? Qual a resposta política que daremos? Considerando, que estamos tratando da ESTRUTURA MATERIAL da sociedade em que vivemos. Portanto, de algo, indiscutivelmente concreto, mas, que muitos e muitos de nós não enxergamos!

O outro assunto é sobre o convite que a cantora Anitta recebeu para proferir palestra no evento ‘Brazil Conference’, que acontece anualmente na Universidade de Harvard. Este evento “é realizado pela comunidade brasileira de estudantes de Harvard e do MIT para promover o encontro com líderes e representantes da diversidade do Brasil. O objetivo é encontrar soluções inovadoras para o futuro do País.

Em 2017, o juiz Sérgio Moro participou do evento. Também estiveram lá os empresários Jorge Paulo Lemann e Luiza Trajano, a ex-presidente Dilma Rousseff, o publicitário Nizan Guanaes e o ator Wagner Moura”. (www.diariodocentrodomundo.com.br)

Do que aprendi até agora, Anitta se tornou uma celebridade, uma referência, não apenas no mundo da música brasileira, mas, também, como símbolo de resistência cultural das periferias. Daí quem possa criticar, não concordar com estas afirmativas, está sujeito à acusação de preconceito. Na minha página no facebook, fiz um comentário (dialogando com dois amigos) sobre este assunto, que transcrevo aqui, como sempre refletindo:

Este assunto é pertinente para um baita debate avaliador e formulador de ideias críticas mais ampliadas sobre o nosso tempo, que articulem, por exemplo, cultura, identidade, hegemonia, diversidade, minorias, a fragmentação pós-moderna, movimentos sociais e os possíveis caminhos para contrapor ao capital e à sociedade burguesa. É neste campo que procuro fazer minhas análises e tomar posição, pois, para mim, não há nada que escape à territorialização mercantil do capital, inclusive, e, principalmente, o ‘território das periferias’, o ‘território do gênero e sexualidade’, etc, etc, etc. Procuro exercitar um certo distanciamento crítico, sobre estas questões, exatamente, por respeitar as diferenças, a diversidade, a liberdade, e, não, o contrário.

Admito que hoje em dia o meu posicionamento está à margem, como também, na fronteira da incompreensão de muitos movimentos político-culturais marcados pela atomização e autonomia frágil, pois não tem na totalidade social seu enraizamento. Às vezes, a posição respeitosa, livre e crítica, pode ser interpretada como preconceito ou discriminação. São tristes características desse nosso tempo. Gostei demais de ter dialogado com vocês. Um forte abraço. Sigamos em frente!
Dica: Um colega nosso do Instituto Federal do Amazonas – Ygor Olinto Rocha Cavalcante, (historiador e psicanalista), em recente artigo para o site www.portaldomovimentopopular.com.br, “As celulites ideológicas e a malandragem do mercado em Anitta”, de 08/01/2018, tratou um pouco dessas questões.

Aguardando contribuições…

 

Paula Vigneron — Retrato

 

Ruínas de Atafona, final da manhã de 06/02/18 (Foto: Aluysio Abreu Barbosa)

 

 

Olhou a fotografia. Fechou os olhos.

A tarde transcorria calma. Para um dia de festa, a casa se assemelhava a um espaço abandonado. Esquecido. Temia que as amigas da escola não fossem ao seu aniversário. No ano anterior, preferiu não festejar para não correr o risco de ficar sozinha. Mas, desta vez, seria diferente. Estava ficando uma moça. “Já vou fazer 10 anos”, exclamou quando a mãe a chamou de criança.

Será mesmo diferente desta vez? A pergunta chacoalhava a cabeça de Beatriz. Andava agoniada. Da sala para a cozinha. Da cozinha para a varanda. Da varanda para o quarto.

“Faltam duas horas para começar a sua festa. Não precisa ficar agoniada deste jeito”, repreendeu a mãe.

Sentou-se para assistir ao programa de desenhos. Não gostou. Mudou para o canal de músicas. Trocou para o de animais domésticos. Desligou a televisão.

“Mãe, as duas horas já passaram? E se ninguém vier? Vou ficar sozinha.”

“Todos virão.”

Segurava o passado em suas mãos.

Às 19h, a campainha tocou. A menina correu em direção ao portão para descobrir quem seria seu primeiro convidado. Pôs a mão no cadeado. Talvez Priscila. Enfiou a chave. Ou João. Girou-a. Não. Certamente, era Magali. A moça responsável pelos salgados sorriu para a menina.

“Você deve ser a aniversariante. Meus parabéns, criança.”

Beatriz chorou. Sentiu-se sozinha. Correu para o sofá da sala e abraçou o travesseiro. Dissera à mãe que ninguém iria comparecer à comemoração. Sentia medo desde o momento em que os primeiros detalhes começaram a ser organizados. Soluçava com o rosto coberto. Sentiu um toque diferente. Insistente. Levantou a cabeça para dizer que queria continuar sozinha e encontrou Alan, seu mais bagunceiro amigo. As lágrimas foram substituídas por sorriso, abraço e um presente que poderia esperar até mais tarde para ser revelado.

Segurou a mão do menino e o levou a um passeio pela casa. Apresentou os cômodos e, por fim, a mesa do bolo. Ambos planejaram uma guerra de doces na hora em que os convidados começassem a cantar o “parabéns para você”.

Os sorrisos eram sentidos nos toques de seus dedos.

Em minutos, a casa abrigava mais crianças do que poderia. Os pais se organizavam em conversas na área externa, atentos aos filhos. Foi colocada uma música. Meninos e meninas dançavam. Cada um com seu ritmo e sorriso, sem preocupações com as impressões que deixariam nos outros. Beatriz carregava uma alegria nunca vista antes por sua mãe, que admirava cada passo da criança.

A mesa do bolo ainda permanecia intacta. Por vezes, meninos e meninas se aproximavam para tentar pegar os doces, mas eram repreendidos por olhares dos pais. Voltavam, então, à roda formada por todos os amigos. Conversas, brincadeiras, corridas. Vozes altas e finas se atropelavam. Ao perceber o passar das horas, a mãe da aniversariante reuniu os convidados para os momentos finais da festa.

“Parabéns para você, nesta data querida…”, começaram os amigos da garota, que acompanhava as palmas com as bochechas vermelhas. Ao apagar as velas, Alan e Magaliiniciaram uma guerra de doces. Brigadeiros cremosos atingiam os cabelos de Beatriz, que revidava os ataques, entre risadas e gritos. Os pais se afastaram, aflitos, dando ordens para que a bagunça fosse encerrada. Nada adiantou.

Uma máquina fotográfica foi posicionada diante da confusão. Imediatamente, todos se arrumaram em frente à mesa para registrar o momento. Beatriz estava coberta de chocolate. Sua mãe mesclava olhares de repreensão e alegria. Mas compreendia que, neste dia, a garota estava sendo feliz. Plenamente feliz. Aquela era ela. Sempre seria ela.

Abriu os olhos e guardou sua imagem em uma gaveta da memória.

 

Gustavo Alejandro Oviedo — Notas de um Ranzinza #2

 

 

 

Fora o Michel Temer e o Roberto Jefferson — e suas respectivas claques: governo e PTB —  ninguém acha cabível que Cristiane Brasil possa ser ministra do trabalho. A cada semana aparece um antecedente mais constrangedor do que o anterior sobre a deputada. No entanto, a atitude da presidente do STF, Carmen Lúcia, de manter o suspense sobre a palavra final que a Justiça dará sobre a questão, mantendo a sua liminar sem o julgamento definitivo, beira à arbitrariedade. O melhor seria definir logo se Cristiane pode ou não pode ser empossada. Seria bom que pudesse, porque isso seria muito ruim para aqueles dois que mencionei no começo do parágrafo.

***

Aliás, falando da arbitrariedade de manter uma medida cautelar sem nunca colocá-la em pauta para ter uma decisão final, vocês se lembram da lei que o Congresso promulgou em 2013 que determinava o reparto dos royalties para todos os estados, incluídos os não produtores (Lei 12.734/2012)? Carmem Lúcia concedeu liminar, naquele ano, suspendendo temporariamente seus efeitos, e nunca mais se falou do assunto. Que bom, né?

***

Há quatro semanas, na minha participação neste blog (aqui), falei que seria legal que o governo municipal entendesse que o conceito de urgência também se aplica às necessidades da população, e fizesse uma contratação emergencial para começar a manutenção da iluminação pública, enquanto aguarda a liberação do TCE para realizar a licitação definitiva. Felizmente, e finalmente, esta semana foi anunciado que os trabalhos começam hoje, na praia do Farol.

***

Quando vim morar em Campos, me lembro do espanto que me causou ver uma ambulância com o nome de um deputado estadual colado nas laterais — nome que tinha incorporado justamente a palavra ‘ambulâncias’. Na época, não sabia que essa era uma prática comum na política brasileira, e me parecia inaceitável que um representante utilizasse seus proventos, e os dos seus assessores, para gastá-los em promoção pessoal, sob a desculpa de fazer um ‘serviço à comunidade’. Achava, e ainda acho, que a tarefa de um legislador não é fazer o que o poder executivo não faz, mas fiscalizar, denunciar e promover os instrumentos legais para que o governo atue como o representante pretender. Até porque, ainda que tenha a melhor das intenções — coisa rara — ele só atenderá uma pequena parcela da população, quando seu trabalho e seus recursos deveriam se concentrar em promover o interesse coletivo e impessoal. É lamentável que ainda hoje tenhamos deputados, e vereadores, que persistem nessa conduta.

***

Segundo informa o jornalista Saulo Peçanha (aqui), há polêmica sobre a decisão da prefeitura de utilizar as instalações do Cepop para abrigar a Secretaria de Obras. A Liga do Carnaval de Campos (!) é contra. O Centro de Eventos Populares Osório Peixoto é uma obra faraônica, não apenas pelo superdimensionamento e pelos recursos que se gastaram na sua construção, mas também porque o prédio é tão prático e funcional quanto são as pirâmides do Egito. Pensando bem, as pirâmides possuem mais utilidade, pois geram recursos do turismo histórico.

Proponho promover um circuito similar em Campos, direcionado ao turismo arqueológico-político, para que sejam apreciadas as instalações que a prefeitura constrói ou adquire e depois abandona, enquanto aluga imóveis para alocar servidores. Além do Cepop, integrariam o circuito o museu Olavo Cardoso, o Palácio da Cultura e a antiga Faculdade de Filosofia.

***

Matéria de hoje do jornal Folha de S. Paulo informa que, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos Moris em 38 países, o Brasil é o segundo país com menor noção da sua própria realidade.

A pesquisa não levou em conta, felizmente, o que os magistrados brasileiros pensam acerca de receber auxílio moradia ainda ganhando 19 vezes mais do que o salário médio do cidadão comum.

 

Alexandre Buchaul — Cleptocracia

 

 

 

Com o título desse artigo o jurista Modesto Carvalhosa adjetivou todas as instâncias de todos os poderes constituídos de nossa jovem e escandalosa república. Teria ele razão, ou trata-se apenas de retórica moralista?

Podemos observar, com clareza que nos deveria corar as faces, indícios os mais graves de variados desvios. Assim como o futebol, também não inventamos a corrupção ou como já ouvi dizer a CPF (comissão por fora), mas assim como com a redonda, também nesse esporte parece que nossos conterrâneos têm aquele algo mais, ou menos, que eleva a prática ao estado da arte. Tive uma profunda decepção ao ler Gomorra, do escritor italiano Roberto Saviano, para quem vivencia a política brasileira o livro tem ares de literatura infanto-juvenil. Competir com a realidade tupiniquim, como perceberam os autores de House Of Cards, não é fácil.

De Triplex no Guarujá a auxilio moradia de juízes e outros, com hábitos alimentares menos ortodoxos, nossa república amarga a imoralidade de atores que, quando flagrados, se defendem nas minúcias hermenêuticas da lei ou na retórica pós-guerra de perseguidos políticos. Vale tudo para manter privilégios e escapar incólumes, ou com o menor nível de danos possível, das consequências dos atos praticados. O “whataboutismo” do “mas e o fulano?” talvez seja o mais debochado e cínico dos argumentos dos debates políticos na terra das palmeiras aonde canta o sabiá.

Ao tentar, através de inversão de significados e repetição contínua, transformar os crimes comuns de Lula em crimes ou perseguição políticos, seus seguidores repetem a velha fórmula já tantas vezes usadas com sucesso pelas esquerdas mundo afora. Bolsonaro, por sua vez, abusa da truculência para constranger aqueles que ousam o escrutinar. Prática adotada por muitos professores quando questionados por alunos, eu mesmo tive alguns assim, escondiam a incompetência sob o manto da arrogância. Já os juízes… os juízes nem se preocupam em responder questões morais postas por meros mortais. Quem somos nós para por a prova o valor dos semideuses de nossa república?

Espero que sejamos capazes de paulatinamente aperfeiçoar nosso sistema, eliminando os canalhas e evitando os “salvadores da pátria” que vez por outra surgem e se tornam em curto prazo grandes decepções. Vemos, com certo ineditismo, alguns figurões sendo condenados e presos. Ainda há muitos que o merecem ser e o judiciário precisa ter seus membros desvairados sendo responsabilizados. Ouso acreditar que o Brasil tem jeito, apesar das cascas de banana, das jabuticabas e dos chequinhos que encontraremos pelo caminho.

 

 

 

 

Fechar Menu