Opiniões

Fred revela conversa com Wladimir para aprovar 20% de remanejamento na LOA

 

No Folha no Ar, Fred Machado revelou conversa com Wladimir para aprovar remanejamento de 20% na LOA de 2020 (Foto: Cláudio Nogueira – Folha FM)

 

“Para ser sincero, eu conversei com (o deputado federal e pré-candidato a prefeito) Wladimir (Garotinho, PSD) por telefone. Só porque realmente precisando definir essa situação. Então ele falou: ‘Então eu vou ver com a oposição o que eu posso fazer aqui’. Eu tive uma conversa com (o vereador de oposição) Álvaro (Oliveira, SD). E nessa conversa com ele, a gente teve um contato telefônico com Wladimir, que ficou de analisar essa situação. Eu só cheguei para ele e falei: ‘Eu queria que vossa excelência pensasse se futuramente, se fosse prefeito, se trabalharia bem com 10% de remanejamento. O senhor pensa e dá a sugestão à oposição. E ele disse: ‘Fred, eu vou tentar conversar com a oposição, ver o posicionamento deles e passar a você’. Depois dali, eu não tive mais conversa com ele. A bancada (de oposição) veio com 15%. Eu falei: ‘Com 15% não tem condição. E eu tenho certeza de que prefeito nenhum governaria, principalmente com essa situação dos royalties’. E ali eles fecharam comigo, deram a mão dos 20%”.

Segundo o presidente da Câmara Municipal de Campos, vereador Fred Machado (Cidadania), revelou com exclusividade no início da manhã de hoje, em entrevista ao vivo no Folha no Ar 1ª edição, foi assim que acabou o impasse na votação da Lei de Orçamento Anual (LOA) para 2020. Aprovada (aqui) na sessão de ontem (14), no valor de R$ 1,9 bilhão, o impasse era o percentual de remanejamento que o prefeito Rafael Diniz (Cidadania) terá em seu último ano de mandato. Nem os 30% que teve nos três primeiros anos, nem os 10% que queria o G8, quando a LOA foi rejeitada (aqui) na sessão de 20 de dezembro. Com a união dos vereadores do governo e da oposição, o grupo “independente” acabou rachado. Três dos seus vereadores também votaram a favor dos 20% aprovados.

O presidente da Câmara de Campos também revelou com se deram esses votos do G8 favoráveis ao governo:

— Ontem, por exemplo, nada escondido, eu chamei Jorginho (Virgílio, Patri) e chamei (Luiz Alberto) Neném (PTB). E falei: “Posso contar com vocês no Orçamento?”. Depois que a gente dá a mão, eu já vou tranquilo. Então e sabia que Jorginho e Neném iriam estar conversando com o G8 e passando o posicionamento deles também. Eles não estão enganando o G8, não. Eles tiveram o posicionamento deles e mantiveram após uma conversa comigo. E é isso que eu gostaria que tivesse desde o começo, antes de se formar o G8.

O entrevistado também respondeu questionamentos sobre o PreviCampos, feitos por Marco Alexandre Gonçalves, jovem estudante campista de Direito da UFF-Niterói. No grupo de WhatsApp do blog e do Folha no Ar, ele perguntou qual é o hoje déficit previdenciário do funcionalismo público de Campos. E Fred deu os números da conta:

— Eu estou muto tranquilo em relação a PreviCampos, porque a gente está para terminar em 10 dias sua CPI na Câmara. Tem umas coisas que a gente deve estar encaminhando ao Ministério Público. Eu sei que hoje a Prefeitura repassa uma base de R$ 14 milhões todo o mês para o PreviCampos. São R$ 168 milhões/ano. E já tem uma previsão que foi feita em audiência pública de que até 2052, a PreviCampos vai ser deficitária.

O presidente do Legislativo goitacá também falou das expectativas para as eleições de outubro próximo, em Campos e São João da Barra, governada por sua irmã, a prefeita Carla Machado (PP).

— Rafael era o novo diante de uma política velha. E pegou todos os vícios da política velha para tentar consertar. E com isso colocou a popularidade dele em jogo, porque tinha que tomar medidas drásticas para poder tentar governar o município. O ex-governador (Anthony Garotinho, sem partido), quando perdeu a eleição (de 2016) para Rafael, disse que ele em quatro meses não conseguiria pagar os servidores. Ele é adivinho? Acho que Rafael pode, sim, se recuperar. E é melhor que se resolva agora quem vai estar do lado dele e quem não vai estar. E eu acho que deve ter uma mudança administrativa muito grande dentro do governo. Uma mudança política. Os principais adversários, pelo que estou vendo, são Caio Vianna (PDT) e Wladimir. Eu tenho certeza que Rafael vai estar no segundo turno.

— Carla (que em 15 de novembro perdeu o filho único, o empresário Pedro Machado, em acidente automobilístico) está se espiritualizando demais, está indo a muito grupo de oração, lendo a Bíblia. Eu acho que é isso que fortalece. Ela está passando dia após dia. Mas já está fazendo reunião com os secretários, está agindo a vida. E eu acho que é isso que ela tem que fazer. Ela tem que se envolver com o trabalho, que é a coisa que ela mais gosta na vida. Carla adora política, adora o Executivo. Eu acho com certeza que ela vai estar recuperada e na ativa. Eu acredito muito na vitória da minha irmã. Carla tem um carisma grande, ela gosta do povo de São João da Barra. Eu tenho certeza absoluta que, se ela vier, ela leva — apostou Fred.

 

Confira abaixo os dois blocos da entrevista no Folha no Ar:

 

 

 

De Campos a Roraima, antropóloga Manuela Cordeiro esta quinta no Folha no Ar

 

(Arte: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

A antropóloga campista Manuela Cordeiro será a entrevistada desta quinta (16) do Folha no Ar, a partir das 7h da manhã, na Folha FM 98,3. Cria da Uenf, ela é há anos professora da Universidade Federal de Roraima (UFRR) e passou boa parte de 2019 cursando pós-doutorado em Portugal. No programa, ela contará sua história pessoal e acadêmica da planície goitacá até um dos quatro únicos estados brasileiros no hemisfério norte, acima da linha do Equador. E da evasão das melhores mentes de Campos e do Brasil. Também falará sobre os projetos que desenvolve na UFRR e da realidade que enfrenta na fronteira brasileira com o caos da Venezuela de Nicolás Maduro. Além do que pensa sobre a política educacional do governo Jair Bolsonaro (sem partido), capitaneada pelo polêmico ministro olavista Abraham Weintraub. Poeta premiada nos tempos de estudante em Campos, falará também sobre literatura.

Quem quiser acompanhar o streaming ao vivo do programa na manhã desta quinta, pode fazê-lo aqui, na página da rádio mais ouvida de Campos e região no Facebook.

 

Wladimir reage a crítica: “quem é oposição de verdade, não precisa fazer de conta”

 

Wladimir respondeu a crítica feita em um contexto político que envolve Fred, Rafael, Igor, Rodrigo e Caio (Montagem: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

“Somos oposição ao governo desde o primeiro dia, nunca acreditamos no projeto político de Rafael Diniz (Cidadania). Ser oposição ao governo é uma coisa, oposição a cidade é outra. Qualquer governo precisa de margem de remanejamento orçamentário, ficar adiando a votação não seria saudável a ninguém. Fred Machado (Cidadania) me ligou e eu disse que não confiava no governo ao ponto de votar o que eles queriam, mas que entedia a importância de aprovar a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias). Tem um grupo que aprovou tudo que o prefeito quis: aumento de IPTU, aumento da taxa de iluminação pública e coleta de lixo, fim da passagem social, fim do cheque cidadão, não brigou pro aumento aos servidores públicos e por aí vai. Mas, agora, com a proximidade da eleição tentam descolar do desgaste e colocar uma máscara de bom moço. Quem é oposição de verdade não precisa fazer de conta”.

Foi como Wladimir Garotinho (PSD), deputado federal e pré-candidato a prefeito de Campos, reagiu na manhã de hoje à crítica recebida por um site local ligado do deputado estadual Rodrigo Bacellar (SD), principal apoiador da pré-candidatura a prefeito de Caio Vianna (PDT). Com endereço certo de destinatário e remetente, a crítica do site foi feita ao fato do presidente da Câmara Municipal de Campos, vereador Fred Machado, ter revelado na manhã de hoje (aqui) ao programa Folha no Ar, da Folha FM 98,3, que conversou por telefone com Wladimir. Foi antes do presidente do Legislativo goitacá fechar o acordo com a oposição que rachou o G8 e ontem aprovou (aqui) a Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2020, no valor total de R$ 1,9 bilhão, com o percentual de 20% de remanejamento ao prefeito Rafael.

Líder derrotado do G8, o vereador Igor Pereira (PSB) também é muito ligado aos Bacellar, desde os tempos da Campos Luz. Ele queria limitar o remanejamento ao prefeito em 10%, que foi de 30% dos três primeiros anos de Rafael e era de 50%, nos oito anos do governo municipal Rosinha Garotinho (hoje, Patri). Com a aprovação dos 20% articulada por Fred com a oposição garotista, liderada por Wladimir, três vereadores do G8 votaram contra os interesses de Igor:  Jorginho Virgílio (Patri), Luiz Alberto Neném (PTB) e Enock Amaral (PHS). O que o site ouvinte atento do Folha no Ar esqueceu de dizer é que, antes de Fred, quem ligou duas vezes para Wladimir foi Igor. E (relembre aqui) recebeu um não ao que o deputado classificou como “uma extorsão da Câmara Municipal”.

 

Fred aprova Orçamento com 20% de remanejamento e vai nesta 4ª ao Folha no Ar

 

(Arte: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Presidente da Câmara Municipal, o vereador Fred Machado (Cidadania) será o entrevistado desta quarta (15), a partir das 7h da manhã, do Folha no Ar 1ª edição, da Folha FM 98,3. Ele foi grande articulador do acordo entre governo e oposição que garantiu hoje (aqui) a aprovação legislativa da Lei Orçamentária Anual (LOA) para Campos em 2020. O valor de R$ 1,9 bilhão nunca foi novidade. Avançados 14 dias do ano, o que segurava o Orçamento de um município com mais de 500 mil habitantes era o valor do remanejamento ao prefeito Rafael Diniz (Cidadania) em seu último ano de mandato. Hoje ele ganhou 20% do total da LOA, ou R$ 380 milhões. Em seus três primeiros anos de gestão, o percentual era de 30%. E foi de 50% nos oito anos do governo Rosinha Garotinho (hoje, Patri).

Em acordo com a oposição — antecipado com exclusividade aqui, desde o dia 6, no Blog do Arnaldo Neto —  Fred garantiu para seu aliado Rafael os 20% de remanejamento. Ao se aliar aos cinco vereadores garotistas, o presidente da Câmara rachou o G8. O grupo tinha emenda para limitar o percentual em 10%, que foi barrada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, emperrando (aqui) a votação da LOA no último dia 18. Vinte e sete dias depois, três vereadores do G8 aprovaram os 20%: Jorginho Virgílio (Patri), Luiz Alberto Neném (PTB) e Enock Amaral (PHS). Cinco edis votaram contra. E perderam o primeiro round das eleições municipais de outubro deste ano: o líder do G8, Igor Pereira (PSB), mais Paulo Arantes (PSDB), Joilza Rangel (PSD), Marcelo Perfil (PHS) e Ivan Machado (PTB).

 

Soffiati alerta ao perigo do rio Paraíba, com fechamento da foz, se tornar lagoa

 

Historiador Aristides Soffiati na manhã de hoje no Folha no Ar (Foto: Cláudio Nogueira – Folha FM)

 

Com sua foz no Pontal de Atafona fechada em 2019, o rio Paraíba do Sul, como o conhecem os habitantes do Norte Fluminense, corre o risco de se tornar uma lagoa alongada. Como são hoje as lagoas de Grussaí, Iquipari e do Açu, que já foram braços do antigo delta do rio Paraíba. Do qual e só restou a foz principal entre São João da Barra (SJB) e São Francisco de Itabapoana (SFI), agora parcialmente fechada com a união do Pontal com a ilha da Convivência. Foi o que alertou na manhã de hoje, no programa Folha no Ar 1ª edição, da Folha FM 98,3, o ecohistoriador Aristides Soffiati. Para ele, desde que foi inaugurada (em 1952) a barragem de Santa Cecília, em Barra do Piraí, o Paraíba não é mais um, mas dois. E o segundo, no trecho que formou e corta planície goitacá, está morrendo:

 

Foz do rio Paraíba fechada entre o antigo Pontal de Atafona e a antiga ilha da Convivência (Foto: Divulgação)

 

— Esse foi o golpe final. A transposição de Santa Cecília (inaugurada em 1952, causando o início do avanço do mar em Atafona) criou dois rios Paraíba. O primeiro começa na sua nascente mesmo, na (serra da) Bocaina (em São Paulo), e termina na Baía de Sepetiba, através do rio Guandu (que recebe o desvio, para abastecer de água as indústrias e a população do Grande Rio). O outro rio Paraíba começa no rio Paraibuna de Minas (Gerais) e termina na foz de Atafona. As lagoas de Grussaí, de Iquipari e do Açu não são mais extravasores auxiliares do Paraíba em período de cheia. Se o Paraíba encher, esses braços não são reativados mais. E agora a gente vê o fechamento de mais um braço (entre o Pontal e a Convivência). E ficou só um braço estreitinho, que é o braço de Gargaú.

Segundo Soffiati, o fechamento gradual da foz natural do Paraíba pode afetar a captação d’água, que já acontece em SJB. E o processo de salinização, avançando com a perda de oposição do rio ao mar, pode também atingir a economia rural dos municípios da região, salinizando terras e impedindo seu uso para agropecuária:

— Em Campos, eu acho que a captação de água ainda não corre risco. Mas em São João da Barra já está acontecendo para abastecimento público. Em toda costa, que vai de Barra do Furado ao rio Paraíba, a salinização já está acontecendo, está avançando, está afetando a agropecuária. Na década de 1970, houve a intenção de levar o processo de levar o processo de drenagem adiante, de maneira radical. Uma empresa contratada pelo (antigo) Departamento Nacional de Obras e Saneamento, para fazer uma avaliação das obras, entendeu que a drenagem excessiva das lagoas pode acarretar a eliminação de água doce que faz contrabalanço à penetração da língua salina, tanto pela superfície. A recuperação dessas lagoas, a de Dentro, a do Luciano, a da Ribeira, deveriam ser restabelecidas e revitalizadas, para cumprirem essa função de retenção da língua salina, por cima e por baixo, pelo lençol freático.

 

EUA x IRÃ

Historiador, Soffiati abriu sua entrevista no Folha no Ar falando sobre as tensões entre Estados Unidos e Irã, a partir do assassinato do general iraniano Qasem Suleimani. Ele foi morto em um ataque com drone no Iraque, em 3 de janeiro, ordenado pelo presidente americano Donald Trump. O país dos aiatolás respondeu com um ataque de mísseis a bases militares dos EUA no Iraque, no dia 7, sem matar ninguém. No meio da tensão, um dia depois, o Irã acabou abatendo por engano um voo comercial da Ucrânia em seu próprio espaço aéreo, matando 176 pessoas. E depois de admitir o erro no sábado (11), o governo teocrático enfrenta protestos da própria população:

— O grande projeto do Suleimani estava sendo levado adiante, que é levar a expansão do Irã ao Oriente Médio. E cercar de uma certa maneira Israel. Nesse conflito, o que pode ser considerado como vitória? Acho que o Trump entende que vitória foi ter matado o general e não perder nenhum soldado. E não levar adiante, acho que alguém chamou a atenção do Trump nesse momento: “Não revida, porque essa coisa não vai parar. Não morreu ninguém e a gente sai de forma honrosa desse conflito inicial”. Mas eu acho difícil que o Irã se detenha nesse momento. De fato, o outro passo que o Irã deu foi nesse bombardeio. E a possibilidade de manter seu programa nuclear é uma vitória também. Mas é difícil falar em vitória definitiva — analisou Soffiati.

 

CRISTO NO PORTA DOS FUNDOS

No bloco intermediário da entrevista, o historiador e também crítico de cinema opinou sobre o polêmico especial de Natal “A Primeira Tentação de Cristo”, do grupo de humor Porta dos Fundos. Feito e exibido pela Netflix no Brasil, o filme satirizou Jesus em uma relação homossexual ficcional. E foi por isso censurado pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ), em 8 de janeiro. Mas seria liberado no dia seguinte, em decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli:

— Não assisti ao especial de Natal. Não por motivos religiosos. Não assisti simplesmente. Mas acho que um religioso, contra isso, o que ele pode fazer é não assistir também. Ele estabelece seu limite. Não é necessário que alguém impeça que a obra de arte, a peça, seja encenada. Estou aqui me lembrando do debate que eu travei com Dom (Fernando) Rifan (bispo católico tradicionalista de Campos) por conta de “A Última Tentação de Campos” (1989, dirigido por Martin Scorsese). Que não foi exibido o Cine Veneza (que então funcionava no Campos Shopping) por conta disso. Eu tive esse debate com ele pela imprensa, pela Folha da Manhã inclusive. O cristão que não gosta, que acha que não deve assistir, não assiste. É a censura que ele faz. Mesmo que (o filme) não seja grande coisa, acaba ganhando muita projeção quando a censura entra em cena — advertiu Soffiati.

 

Confira abaixo os três blocos da entrevista:

 

 

 

 

Folha no Ar — EUA x Irã, sátira de Cristo e foz do rio Paraíba nesta terça com Soffiati

 

 

As tensões entre o Irã dos aiatolás e os EUA de Donald Trump. A figura histórica e religiosa de Jesus e sua polêmica sátira como homossexual pela especial de Natal do Porta dos Fundos. O fechamento da foz do rio Paraíba do Sul no Pontal de Atafona. Para chegar chegando, após pausa de 15 dias do signatário, serão os três temas debatidos com o historiador Arthur Soffiati no Folha no Ar 1ª edição desta terça (14), programa da Folha FM 98,3. Sempre de segunda a sexta, das 7h às 8h45h, com streaming ao vivo aqui, na página da rádio mais ouvida de Campos e região no Facebook.

 

No berrante do gado, Cristo, religião e arte saem pela porta dos fundos

 

Vida real de Fauzi e Sininho renderiam filmes bem melhores que o fraquíssimo “A Primeira Tentação de Cristo” (Arte: Brasil 247)

 

De férias, tive tempo para assistir ao especial de Natal “A Primeira Tentação de Cristo” (2019), dirigido por Rodrigo Van Der Put, da produtora de comédia Porta dos Fundos para a Netflix. Por sugerir uma relação homossexual de Jesus, causaria muita polêmica se a obra de ficção fosse encenada como peça desde o tempo em que o cristianismo foi adotado como religião oficial do Império Romano, por Teodósio, em 380 d.C. E causou tanto quanto agora, nos tempos pós-modernos do streaming, onde o berrante do algoritmo das redes sociais conduz — e opõe — pessoas como gado. Não no sentido bíblico.

Exemplo de comédia inteligente sobre a gênese do cristianismo: “A Vida de Brian”, de 1979

O filme brasileiro, na verdade um curta, é muito, muito fraco. Nem por milagre se aproxima do genial “A Vida de Brian” (1979), do grupo de humor inglês Monty Python e dirigido por Terry Jones, também considerado blasfemo, mesmo que sua sátira seja mais à cegueira acrítica da religião e ao contexto histórico e social de Cristo, do que ao próprio. Há no cinema a tradição — ou maldição? — de que qualquer ator não decola na carreira após interpretar Jesus. E o monocórdio protagonista Gregório Duvivier, dândi da esquerda lulopetista, nem precisava dessa desculpa. Como Schwarzenegger, diz “eu te amo” e “eu te odeio” com os mesmos tom de voz e cara. Só não tem o carisma do ex-fisiculturista austríaco.

Desde o início dos tempos, a arte a religião são as maneiras de ligar o homem ao Mistério. Nesta função, mesmo com seus muitos pecados capitais ao longo da História, o cristianismo tem serviços prestados à humanidade. Ao usar sua figura central em um “especial de Natal”, mesmo em obra de ficção, o Porta dos Fundos foi o mais utilitarista — e capitalista! — possível. Na busca de evidência e lucro passou por cima de dogmas religiosos alheios. Que deveriam merecer tanto respeito quanto o negro, a loura, o gordo, o magro, o anão, o português ou o judeu — como foi Jesus — que não aceitem ser alvo de piadas depreciativas dentro do mesmo estado laico. Aliás, o tratamento estereotipado que os homossexuais recebem no filme não mereceria protestos da militância LGBT, se Cristo não fosse um deles?

 

 

Nada disso justifica o crime praticado pelo lançamento de coquetéis molotov contra a produtora Porta dos Fundos, no Rio, na madrugada da véspera de Natal (24). Único suspeito identificado entre os cinco que participaram da ação criminosa, o economista e empresário Eduardo Fauzi Richard Cerquize está foragido da Polícia Civil do Rio de Janeiro. Já nesta condição, ele gravou e veiculou um vídeo pelas redes sociais no dia 1º. Nele não admitiu seu crime. Mas usou de discurso religioso e acusou de “criminosos” os humoristas Gregório Duvivier e Fábio Porchart, do Porta dos Fundos.

 

 

 

“A Última Tentação de Cristo”, obra de Kazantzákis adaptada ao cinema por Scorsese

Recém-expulso da Frente Integralista Brasileira, filiado ao PSL, com mais de 20 passagens criminais, suspeito de ligação com as milícias que exploram estacionamentos ilegais no Centro do Rio e leitor do astrólogo Olavo de Carvalho, Fauzi seria o bolsonarista perfeito. Não fossem dois curiosos detalhes. O primeiro é que o arquétipo do porra-louca de direita chegou a ser preso em 2013. Foi quando teve sua liberdade publicamente defendida em vídeo pela produtora Elisa Quadros, a “Sininho” das Jornadas de Junho, quando se tornou arquétipo nacional da porra-louca de esquerda. O segundo dado curioso é que Fauzi não foi achado porque viajou para Moscou, na Rússia. Ele tem um filho com uma ex-namorada da pátria de Vladimir Putin.

Talvez mais para o mal que para o bem, como costuma ser nas trevas em que habitam os extremos políticos, há algo ainda mais curioso nessa história toda. E bem mais cômico também. Pelo menos até aqui, parece que a vida de Fauzi vem dando um filme bem mais interessante do que o Cristo do Porta dos Fundos.

Outro detalhe? O título do filme “A Primeira Tentação de Cristo” é uma paródia oportunista do livro “A Última Tentação de Cristo”. Foi escrito e publicado em 1951 por Nikos Kazantzákis, um dos maiores nomes do modernismo da Grécia. E custou sua excomunhão pela Igreja Católica Ortodoxa Grega, em 1955. Em 1988, estrelado por William Dafoe, foi adaptado ao cinema por um ex-seminarista católico romano chamado Martin Scorsese. Se fosse só para deixar no campo da arte, comparar as duas primeiras obras à sua congênere brasileira mais atual talvez seja a maior blasfêmia.

 

Abandonados os encostos nas encruzilhadas de 2019, pausa até um 2020 mais leve

 

 

A partir de hoje, o signatário do espaço fará uma pausa em blog, jornal e rádio. No desejo de que os encostos abandonados de 2019 permaneçam esquecidos na encruzilhada deste ano em que até a boca da barra do rio Paraíba fechou, ficam os votos por um 2020 mais leve. No dia 13, se o Deus de Israel quiser, a gente se vê. Oxalá apenas com quem valha a pena reencontrar. Inté!

 

Fechar Menu