Opiniões

Com 34% do voto dividido entre Ciro, Marina e Alckmin, Haddad põe o pé na estrada

 

Antes de ser oficializado ontem candidato a presidente do PT no lugar de Lula, Haddad já punha o pé na estrada em Alagoas, entre o senador Renan Calheiros e Renan Filho, governador daquele estado e candidato à reeleição

 

 

Elio Gaspari, jornalista e escritor

Haddad põe o pé na estrada

Por Elio Gaspari

 

Fernando Haddad tem pouco mais de um mês para mostrar que não é o “Andrade”. Sua unção aconteceu aos 45 minutos do segundo tempo, quando a vitimização de Lula já tinha rendido tudo o que podia render. É até provável que o PT tenha perdido uma semana de propaganda ao esticar desnecessariamente a corda.

Haddad entra em campo com o patrimônio dos bons tempos de Lula e com a bola de ferro das malfeitorias do petismo. Seus adversários negam que ele tenha presidido um país com emprego, crescimento e olho na redução das desigualdades sociais. Perdem tempo, pois o sujeito que perdeu o emprego se lembra da vida que teve. Já os petistas, inclusive Haddad, embrulham o mensalão e as petrorroubalheiras numa delirante teoria da conspiração. Também perdem tempo, pois o resultado está aí e chama-se Jair Bolsonaro.

A cenografia que o PT armou ontem em Curitiba foi exemplar. O comissariado, reunido num hotel, anunciou que seu Diretório Nacional decidiu, por unanimidade, colocar Haddad na cabeça da chapa. Teriam feito melhor se dissessem que carimbaram uma decisão de Lula, coisa que até as grades da carceragem da Federal já sabiam. Há dias Haddad fez-se fotografar sorrindo atrás de uma máscara de Lula. A partir de hoje começa a ser testada a cena real, com Lula sorrindo atrás de uma máscara de Haddad.

O PT e Bolsonaro têm o mesmo sonho: chegar ao segundo turno tendo o outro como adversário. Talvez esse seja o único projeto comum à senadora Gleisi Hoffmann e ao general Hamilton Mourão.

Todas as projeções feitas com base nas pesquisas desembocam na mesma pergunta: qual será a transferência de Lula? Certo mesmo é que enquanto se espera por um crescimento de Haddad capaz de levá-lo a um segundo turno contra Bolsonaro, algo que se poderia chamar de eleitorado de centro espalhou seus votos entre três candidatos, Ciro Gomes, Marina Silva e Geraldo Alckmin têm 34% das preferências, Bolsonaro tem 24%.

Com o pé na estrada, Haddad oferece um projeto, goste-se ou não dele. Seus adversários do suposto centro estão perdidos numa busca de estratégias marqueteiras. Eduardo Jorge, candidato a vice na chapa de Marina Silva, viu num indesejável dilema Haddad-Bolsonaro uma oportunidade para ferir o petista: “Bolsonaro é o candidato do Lula no segundo turno para, junto com candidato terceirizado que ele quer colocar na outra vaga da finalíssima, pavimentar a volta do Lula”. Com anos de atraso, Marina usa a palavra “corrupto” para classificar Lula. Alckmin decide atacar Bolsonaro, freia e dá marcha a ré. Já Ciro Gomes, que negociava uma chapa com Haddad, lembrou que na eleição de 2016 ele perdeu a prefeitura de São Paulo no primeiro turno, tendo conseguido menos votos que a soma dos nulos e em branco.

Esse clima de barata-voa dificilmente construirá candidaturas que possam ser associadas a políticas públicas. Pode-se atribuir o leve crescimento de Ciro Gomes à sua proposta de renegociação das dívidas dos inadimplentes do sistema de crédito. Ganha uma viagem à Venezuela quem for capaz de citar uma proposta de Geraldo Alckmin. Outro dia ele quis contar que pretende reforçar a Força Nacional com a contratação de conscritos que deixam as Forças Armadas, mas perdeu-se com reminiscências.

Haddad tira o tom de fantasia em que o PT envolveu sua participação na disputa. É tão pesado quanto o foi Dilma Rousseff na sua primeira campanha. Se o poste de 2010 tinha a alavanca do poder e do sucesso lulista, o ex-prefeito de São Paulo depende do prédio da carceragem de Curitiba.

 

Publicado aqui em O Globo

 

Ciro fala sobre indulto a Lula e define Haddad: “uma nova Dilma”

 

Ao jornalista estadunidense Glenn Greenwald, da Intercept Brasil, o presidenciável Ciro Gomes (PDT) fala sobre a possibilidade de dar indulto a Lula, caso seja eleito presiente, e define Fernando Haddad, candidato a presidente lançado ontem pelo PT:

— Uma nova Dilma, uma pessoa que não tem liderança, que não tem experiência (…) candidatou-se a prefeito de São Paulo no cargo e perdeu não foi para o Dória, que é um farsante, no primeiro turno. Ele perdeu para nulo e branco. Teve 16% dos votos. Como é que alguém acha que um camarada desses, com 15 dias da eleição, vai virar presidente? (…) vai passar para a sociedade a necessidade de sair de Brasília em hora de tensão e consultar o Lula no presídio em Curitiba. Isso destrói um país.

Confira o vídeo:

 

 

Na maré da facada, Ibope revela que Bolsonaro pode vencer a eleição

 

 

Charge do José Renato publicada hoje (12) na Folha

 

Ibope sorri a Bolsonaro

Duas coisas definem uma eleição em dois turnos: no primeiro, as intenções de voto; no segundo, a rejeição. Pelas intenções de voto, tanto a pesquisa Datafolha da segunda, quanto a Ibope divulgada ontem, indicam que o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) estará no segundo turno. Se no primeiro instituto ele liderou com 24% nas intenções de voto, no segundo bateu 26%. Mas o dado mais relevante do Ibope de ontem foi que Bolsonaro caiu três pontos na rejeição: dos 44% na véspera da facada, para 41% depois dela. Em consequência, foi a primeira pesquisa a mostrar que a vitória final do ex-capitão do Exército é possível.

 

Bem nos dois turnos

Líder isolado em qualquer pesquisa, os 26% de intenções de voto no Ibope deram a Bolsonaro um mínimo de 15 pontos de vantagem sobre os concorrentes melhor colocados: Ciro Gomes (PDT) teve 11%; Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB), 9% ambos; e Fernando Haddad (PT), 8%. Mas a grande novidade ficou por conta das simulações de segundo turno. Em duas o capitão continuou atrás, mas já em empate técnico na margem de erro de dois pontos para mais ou menos: 37% x 40% para Ciro e 37% x 38%, para Alckmin. O empate foi numérico com Marina (38% x 38%) e uma vitória no limite da margem de erro com Haddad: 40% x 36%.

 

Tendências

A 25 dias das urnas de 7 de outubro, a ordem dos cinco primeiros candidatos, revelada na Datafolha de segunda, foi praticamente a mesma pelo Ibope do dia seguinte. Comparadas as duas últimas pesquisas deste instituto, apenas dois presidenciáveis ganharam eleitores nos últimos seis dias: Bolsonaro (quatro pontos) e Haddad (dois pontos). Ciro, que tinha crescido no Datafolha, apareceu com queda de um ponto no Ibope. E nele se juntou a Marina, que teve perda maior: três pontos. Entre a pesquisa Ibope de ontem e a divulgada no último dia 5, véspera da facada em Juiz de Fora, apenas Alckmin não perdeu ou ganhou votos.

 

Delírios

As diferenças, sobretudo nas simulações de segundo turno entre Datafolha e Ibope, irão suscitar dúvidas. Os eleitores de esquerda certamente questionarão os números do segundo instituto. Enquanto os de Bolsonaro, após o Ibope, miraculosamente passarão a acreditar nas pesquisas. Embora, contrariando a todas, seguirão pregando a crença na vitória do seu candidato no primeiro turno. E tanto de um lado, quanto do outro, terão o mesmo valor real de quem afirmou que a vereadora carioca Marielle Franco (Psol) era ligada ao tráfico de drogas, ou de quem depois disse que a facada em Bolsonaro foi fake.

 

Mais pesquisas

De qualquer maneira, está prevista a divulgação de novas pesquisas presidenciais: hoje (12), do instituto Paraná; amanhã (13), do Vox Populi; e na sexta (14), outra Datafolha. Destas três, apenas a segunda deve ser encarada com reservas, após sua última consulta de julho, numa parceria insuspeita com a CUT, afirmar que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), já preso em Curitiba, teria 41% de intenções de voto, enquanto todos os demais então pré-candidatos a presidente, juntos, teriam apenas 29%. Se o Vox Populi agora trouxer Haddad à frente de Ciro, Marina e Alckmin, ninguém fora do PT levará a sério.

 

Maré mais alta

Na definição batida, mas verdadeira: pesquisa é retrato do momento. Lógico que quanto mais o momento se aproxima da urna, é mais difícil de ser alterado. Mas o campista que assistiu à vitória no primeiro turno de Rafael Diniz (PPS) em 2016, sabe que nem tudo é previsto. Após a facada em Bolsonaro, que saiu ontem da UTI, ele vive seu melhor momento. O que é natural. E o Ibope viu este momento melhor ao candidato do que a Datafolha. Mas é difícil que se mantenha nos próximos 25 dias, após os ataques a ele recomeçarem. Em outra referência fácil a quem é da região: ao capitão, pode ter sido a maré alta da lua mais cheia de março em Atafona.

 

Na onda

E por falar no litoral de SJB, tem gente parecendo querer surfar com Bolsonaro. Na reta final de seu terceiro biênio como presidente da Câmara, Aluizio Siqueira (PP) usou seu perfil na rede social Facebook para pedir votos. O que chama atenção é a configuração, nada ideológica, da chapa proposta. Vai de candidata a deputada estadual pelo PT, passa por nomes do DEM e chega até o PSL, de Bolsonaro. Só o tempo vai mostrar se a tática trará resultados políticos. Agora, o que encara são águas revoltas no oceano de comentários das redes sociais por parte de quem não entende, e com certa razão, pedido de votos para o PT e o PSL ao mesmo tempo.

 

Com o jornalista Arnaldo Neto

 

Publicado hoje (12) na Folha da Manhã

 

Após facada em Bolsonaro, Datafolha revela a pedra entre Caim e Abel

 

 

Datafolha após facada

Do atentado de Juiz de Fora até ontem, foram apenas quatro dias. Mas, dada a solidariedade até dos concorrentes, dificilmente Jair Bolsonaro (PSL) vai contar nesta campanha presidencial com ambiente mais favorável para crescer as intenções de voto e diminuir sua rejeição. Na esperada pesquisa Datafolha divulgada ontem, o presidenciável do PSL cresceu pouco no índice positivo: de 22% a 24%. No negativo, mesmo ainda se recuperando na UTI de um hospital, sua rejeição aumentou: os eleitores que não votariam nele de jeito nenhum foram de 39% para 43%. É rejeição bem próxima à revelado pelo Ibope no dia 5, véspera da facada: 44%.

 

Ciro, Marina, Alckmin e Haddad

Nas intenções de voto, bem atrás de Bolsonaro, vieram Ciro Gomes (PDT), com 13%; Marina Silva (Rede), 11%; Geraldo Alckmin (PSDB), 10%; e Fernando Haddad (PT), 9%. Na margem de erro de dois pontos para mais ou menos, estão todos em empate técnico. A vantagem entre os quatro é apontada pelas tendências na comparação com a Datafolha divulgada em 22 de agosto. A maior perda foi de Marina: sangrou cinco pontos. Alckmin cresceu um e Ciro, três. Mas Haddad foi quem mais ganhou: cinco pontos.

 

Força do PT

O crescimento de Haddad era esperado, mas ele mais que dobrou as intenções de voto. Hoje, em Curitiba, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está preso desde 7 de abril, o ex-prefeito paulista será ungido candidato a presidente do PT. Coincidentemente, será o dia do 17º aniversário do atentado às Torres Gêmeas de Nova York, enquanto as novas delações de Antonio Palocci já decolaram. Com a candidatura impugnada pelo TSE, que também o impediu de participar da campanha, Lula terá dificuldade de fazer por Haddad o que fez por Dilma em 2010 e 2014. Mas só um tolo duvidaria da capacidade eleitoral do PT e do seu maior líder.

 

Hora H

Até aqui, o maior obstáculo para que o PT e Bolsonaro se enfrentem no segundo turno sonhado por ambos, parece ser Ciro. Marina e Alckmin estão no jogo, mas não na melhor posição. A ambientalista, que vinha atrás de Bolsonaro nas pesquisas há dois anos, teve uma queda relevante nas intenções de voto justamente quando a campanha se afunila, a apenas 26 dias da urna. Já o tucano disputa o mesmo eleitor antipetista com o ex-capitão do Exército, mas perde para ele até em São Paulo, Estado que governou quatro vezes. Em 2014, o hoje pária Aécio Neves (PSDB) perdeu nas suas Minas Gerais para Dilma Rousseff (PT).

 

Caim e Abel

Como no Ibope, Bolsonaro perdeu todas as simulações de segundo turno Datafolha: 35% x 45% para Ciro, 34% x 43% para Alckmin, e 37% x 43% para Marina. É fruto da sua tremenda rejeição, que nem a solidariedade mitigou. Mas, pesquisa a pesquisa indicam que o capitão sobrevive a 7 de outubro. Haddad também perdeu quase todas suas simulações de segundo turno: 29% x 43% para Alckmin e 31% x 42%, para Marina. Só entre si, Bolsonaro 38% x 39% Haddad têm chance. Curiosamente, o Datafolha não simulou o turno final entre Ciro, que ganha de todos, e o substituto de Lula. Talvez por prever um confronto entre Caim e Abel.

 

Ibope: Paes e Romário

No último dia 6, mesmo do atentado a Bolsonaro, a pesquisa Datafolha a governador do Rio deu a impressão que a fatura estivesse liquidada: Eduardo Paes (DEM) com 24% das intenções de voto, bem à frente de Romário Faria (Pode) e Anthony Garotinho (PRP), ambos com 10%. Mas a consulta Ibope, divulgada ontem, sinalizou que a coisa não é bem assim. Na comparação com a amostragem anterior do mesmo instituto, Paes confirmou sua curva ascendente: pulou de 12% a 23%. Mas, diferente da Datafolha, Romário cresceu no Ibope: de 14% a 20%. Ele está em empate técnico pela liderança, na margem de erro de três pontos para mais ou menos.

 

Atrás: Garotinho e Tarcísio

Na dúvida sobre a diferença de 10 pontos que Romário teve entre os dois institutos, duas certezas em ambos: a) Paes cresceu bastante e briga forte pela liderança; e b) Garotinho ficou para trás na disputa ao segundo turno. No Ibope de ontem, o político de Campos manteve os 12% que já havia registrado em 20 de agosto. Seu único consolo é que, pelo menos na última pesquisa, ele apareceu fora do empate técnico com Tarcísio Motta (Psol), que também não alterou seus 5% anteriores. No Ibope, o candidato do PRP teve sete pontos de vantagem sobre o do Psol, um além da margem de erro. No Datafolha, foram só três pontos de diferença.

 

Publicado hoje (11) na Folha da Manhã

 

De Lula a Bolsonaro, endeusar políticos é sintoma de transtorno mental

 

(Foto: Eraldo Peres – AP)

 

João Pereira Coutinho, escritor e doutor em ciência política pela Universidade Católica Portuguesa

Endeusar políticos é sintoma de transtorno mental

Por João Pereira Coutinho

 

Todo mundo fala de “fake news”. Poucos falam de “fake readers”. E, no entanto, os segundos sempre me pareceram mais perigosos do que as primeiras.

Produzir informações falsas ou conspiratórias sempre fez parte do DNA da espécie. Até Eva, que era Eva e vivia no Paraíso, não se conteve e foi um pouco “fake” com Adão no episódio da maçã.

Mas é preciso ter uma mente especial, igualmente falsa e conspiratória, para que as “fake news” possam nascer e prosperar. E, nesse quesito, há países e países.

O instituto de pesquisas Ipsos Mori resolveu estudar o assunto, informa o jornal “Daily Telegraph”. Entrevistou mais de 19 mil pessoas em 27 países. E concluiu, entre outras coisas, que os “fake readers” não se distribuem democraticamente pelo mundo.

Quando falamos de “fake readers”, falamos de pessoas com uma certa “tendência” ou “susceptibilidade” para acreditar em tudo que leem. Sem duvidar, sem questionar.

Itália ou Reino Unido, dois países que conheço bem, são pouco crédulos. Entre os italianos, só 29% confessam ter sido enganados por “fake news”. Entre os britânicos, só 33%. Motivos?

Arrisco um: a desconfiança permanente que italianos e ingleses sempre manifestaram em relação ao poder. Por razões históricas ou filosóficas, ambos os povos sempre tiveram aquela centelha anarquista que permite olhar para a realidade com uma dose saudável de cepticismo.

Não é por acaso que Itália, depois da aberração fascista, tenha tido mais de 60 governos desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Há traumas que nunca se esquecem.

E não é por acaso que Inglaterra, nas palavras do historiador Élie Halévy, tenha passado por todas as revoluções — industrial, social, cultural — sem nunca ter feito a Revolução (com maiúscula).

Mas no estudo do Ipsos Mori há um país que se destaca pelo seu impressionante grau de credulidade: o Brasil, que lidera a lista. Os brasileiros, ou 62% deles, são os mais crédulos de todos (a média é 48%). Em segundo lugar, com 58%, vem a Arábia Saudita. Como explicar isso?

Eruditos apressados dirão que a culpa é da colonização (e do atraso educacional); da herança católica (e da reverência cega perante a palavra escrita); ou, então, de ninguém: se o Brasil é um dos maiores consumidores mundiais de internet, é inevitável que o número de otários seja proporcional ao número de usuários.

Boa sorte nesse debate. Uma coisa é certa: se há algo que distingue o período eleitoral que o país vive é a existência de tribos — à esquerda e à direita, sem distinção — que cometem o supremo pecado em política: acreditar em políticos e batalhar obstinadamente por eles.

Atenção: não se trata de repetir o clichê popular (e populista) de que “todo político é ladrão/incompetente/psicopata”. Provavelmente, nem todos. Provavelmente.

Mas existe uma diferença entre cultivar esse advérbio cauteloso e defender, com fanatismo, o dogma contrário: o político em quem eu voto é a encarnação terrena da sabedoria e da salvação.

Uma temporada recente no Brasil só confirmou o que eu já conseguia intuir à distância: do brasileiro mais anônimo ao militante mais sofisticado, todos parecem sofrer da mesma febre — uma confiança cega, e surda, e muda, e até paralítica, no seu candidato.

Observei isso ao vivo: estava no aeroporto de Brasília, aguardando o meu voo para São Paulo (dia 31 de julho, umas 11 horas da manhã), quando uma turba enlouquecida veio na minha direção. Que fiz eu para merecer aquilo?

Ledo engano. Quando olhei para trás, Jair Bolsonaro estava a um metro de mim, vindo sei lá de onde. O que se seguiu foi digno de um encontro religioso.

Não é um exclusivo de Bolsonaro. O mesmo poderia acontecer com Lula — e acontece, à porta do cárcere, onde dezenas, centenas, milhares de crentes são capazes de enfiar a cabeça na guilhotina pela honestidade de terceiros.

Engraçado: eu sou incapaz de arriscar a minha cabeça por pessoas que conheço bem, ou que julgo conhecer. Aliás, para ser honesto, nem por mim arriscaria o bestunto. Como proceder de forma diferente com alguém que eu não conheço de todo — e, ainda para mais, um político, ou seja, um membro da espécie “homo sapiens” que inevitavelmente possui um grau maior de narcisismo e ambição por contingências do ofício?

Votar no melhor candidato é uma coisa; endeusá-lo e canonizá-lo, um sintoma de transtorno mental.

Haverá cura? Não sei. Mas, se houver, desconfio que italianos e ingleses têm a chave do problema.

 

Publicado aqui na Folha de São Paulo

 

Igor Franco — Eleições 2018: Reloaded

 

Reprodução: Twitter/@FlavioBolsonaro

 

O país que encara com certo marasmo os mais de sessenta mil assassinatos anuais também é o país em que certos pudores ainda estão vigentes. Felizmente, a tentativa de homicídio do candidato líder nas pesquisas parece ser uma dessas fronteiras em que não toleramos cruzar. Embora rico em exemplos de ruptura institucional, a cena explícita compartilhada em ritmo alucinante via redes sociais e mídia tradicional extrapolou o que o mais pessimista observador poderia imaginar a respeito da campanha presidencial de 2018.

Tão brutal quanto a cena do homicida potencial cravando a faca no abdômen de Bolsonaro foi a baixeza e a estupidez de diversas reações de pessoas contrárias às ideias do militar. Não importava que houvesse dezenas de vídeos gravados pelos mais diversos ângulos ou que brotassem imagens de Bolsonaro sendo operado. Para os especialistas em medicina formados pelas séries da Netflix, estaríamos diante de uma encenação envolvendo milhares de populares, Polícia Federal, hospital, médicos e grande mídia, todos envolvidos num objetivo maior que, por algum motivo, envolveria uma facada fake em Jair. Tais reações só não envergonharam mais que a torcida explícita pela morte do candidato. Prontos a esquecer os pedidos de “mais amor, por favor” e as declarações a favor da tolerância, muitos buscaram justificar sua torcida pela tragédia maior na postura beligerante do candidato. Buscando algum tipo de equivalência mórbida, alguns chegaram a insinuar que a morte do candidato “compensaria” o assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ), ocorrido no início do ano.

Não cumpre aqui negar que o discurso histórico de Bolsonaro, que em diversos momentos ultrapassou a fronteira do bom senso e da prudência, seja alheio ao caldeirão de intolerância em que ferve grande parte do eleitorado. Porém, a vilania de atribuir à vítima culpa por seu infortúnio significa justificar crimes sempre pela ótica do criminoso — principalmente quando falamos de uma tentativa de homicídio. Para um estuprador, um ladrão ou um psicopata seu alvo sempre terá oferecido um pretexto que justifique sua conduta violenta.

Passado o choque inicial com o ocorrido, cumpre destacar as reações dos adversários eleitorais de Bolsonaro: em uníssono, condenaram a violência e reforçaram que certas condutas são inadmissíveis na democracia e, dentre elas, a eliminação física de opositores. Enquanto convalesce no hospital, o capitão pode esperar pelo menos alguns dias de trégua em relação à campanha negativa que vinha sofrendo durante o horário eleitoral, especialmente partindo do candidato tucano Geraldo Alckmin, que depende da migração para si dos votos antipetistas que hoje pertencem a Bolsonaro. É bem provável que toda a estratégia de campanha dos candidatos do primeiro turno seja revista a partir das primeiras pesquisas que capturarem a percepção do eleitorado a respeito do atentado.

A maior dúvida diz respeito ao efeito da comoção inicial da população em relação à altíssima rejeição do líder. No último Datafolha, divulgado na semana passada, Bolsonaro perdia em todos os cenários simulados — exceto contra Haddad (PT), cenário em que havia empate técnico. Nos poucos minutos restantes de negociação aberta após a facada, alguns grandes agentes do mercado fizeram a leitura de que o ocorrido seria suficientemente forte para amolecer os corações dos eleitores. No fechamento do mercado, o dólar despencou e a bolsa disparou.

O imponderável resolveu, mais uma vez, dar as caras na eleição presidencial brasileira. Enquanto a queda do avião de Eduardo Campos “zerou” a corrida de 2014 e quase foi suficiente para levar Marina Silva ao segundo turno — o que mudaria ainda mais a história do país — podemos estar diante de um novo turning point na política brasileira. À exemplo da guinada que teve início com a “Carta ao Povo Brasileiro” em que inaugurou o figurino “Lulinha Paz & Amor” que lhe rendeu dois mandatos em sequência, resta saber se Bolsonaro será capaz de utilizar a tragédia que lhe acometeu a seu favor, modulando seu discurso e propondo alguma espécie de união que soe sincera aos indecisos e aos que, hoje, enxergam no candidato algo que não desejam para o posto mais importante da política nacional.

Bolsonaro tem, hoje, o domínio da narrativa e grande poder de decidir o seu próprio futuro. A julgar pelas primeiras manifestações pós-cirurgia, entretanto, parece que a facada não lhe deixará outro legado que não seja um grande trauma.

 

Após facada, Bolsonaro chega a 30% das intenções de voto na FSN/BTG

 

Na primeira pesquisa após o atentado a faca contra Jair Bolsonaro (PSL) no dia 6, ele chegou a 30% das intenções de voto. Divulgada hoje de manhã, a nova consulta foi contratada pelo banco BTG Pactual ao instituto FSB Pesquisa, que ouviu por telefone duas mil pessoas, entre os dias 8 e 9.

Líder isolado na pesquisa, Bolsonaro foi seguido na estimulada por Ciro Gomes (PDT), com 12%. Na margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou menos, o cearense está empatado tecnicamente com Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB) e Fernando Haddad, provável candidato do PT, todos com 8%.

Na pesquisa anterior do mesmo instituto, divulgada no dia 3, Bolsonaro tinha 26% na estimulada: o que configura crescimento de quatro pontos após a facada. Ciro manteve os 12%, assim como Alckmin os 8% da consulta anterior. Marina, por sua vez, tinha 11% e caiu três pontos. Além de Bolsonaro, quem também cresceu foi Haddad: tinha 6% e subiu dois pontos.

Amanhã (11) termina o prazo dado para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que o PT oficialize seu candidato, depois que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde 7 de abril, foi barrado pela Lei da Ficha Limpa. Ainda hoje, é esperada a divulgação da nova pesquisa presidencial Datafolha. Confira abaixo os números da consulta estimulada FSB/BTG:

 

 

Para ter acesso à íntegra da pesquisa, clique aqui.

 

Crônica do domingo — No botequim, Brasil de Bolsonaro a Luzia

 

“Essa cortina de silêncio encobre dezenas de milhares de anos de história. Esses longos milênios podem muito bem ter testemunhado guerras e revoluções, movimentos religiosos arrebatadores, teorias filosóficas elaboradas, obras artísticas incomparáveis. Os caçadores-coletores podem ter tido seus Napoleões governando impérios da metade do tamanho de Luxemburgo; Beethovens dotados, carentes de orquestras sinfônicas, mas capazes de levar as pessoas às lágrimas com o som de suas flautas de bambu; e profetas carismáticos que revelavam as palavras de um carvalho da região em vez das de um deus criador universal.”

(Historiador Yuval Noah Harari, em “Sapiens — Uma breve história da humanidade”)

 

 

 

Brasil de Bolsonaro a Luzia

 

— Não tem jeito. Bolsonaro já está posando para foto no hospital imitando arma com as mãos. E ainda tem gente que prega compaixão — esbravejou Júlio, antes de molhar a garganta com o primeiro gole de cerveja gelada.

— Temos que olhar isso sem paixão, não com — questionou Aníbal, enquanto pousava seu copo menos cheio à mesa do botequim.

— Que diabos quer dizer com isso?

— Simples: até levar a facada no bucho, Bolsonaro tinha cerca de 20% das intenções de voto, correto?

— Sim. E daí?

— E daí que são 30 milhões de pessoas que já tinham decidido votar no candidato que imita arma com a mão. Sem paixão, se vê que é a garantia de Bolsonaro pra estar no segundo turno. Daí ele repetir o gesto na primeira oportunidade. Mas a questão principal não é essa.

— E qual seria?

— É a rejeição. Se segurar ou crescer esses 20%, Bolsonaro está no segundo turno. Mas, uma vez lá, não vence com 44% de rejeição. É consenso no mundo todo: nenhum candidato com 35% de rejeição vence eleição em dois turnos. É por isso que Bolsonaro, passada a arrebentação, morre na praia com Ciro, com Marina ou com Alckmin.

— Pelas pesquisas, Bolsonaro só teria chance se fosse para o segundo turno com Haddad.

— Como Haddad só tem chance no segundo turno se for com Bolsonaro. Lula conta com isso. Por isso a propaganda do PT não disse uma vírgula sobre Bolsonaro. Por isso Janaína Paschoal falou, na convenção dele, que os bolsominions eram o PT ao contrário. E são. Para os dois, política é só paixão. Não há razão. É religião: Lula e Bolsonaro são Deus ou o Diabo.

— E quem vota no Ciro e defende o Lula? Tem eleitor mais irracional? Vota em um candidato e defende quem mais trabalhou para prejudicá-lo. Acende uma vela pra Deus e outra pro Diabo.

— Sou obrigado a concordar. Mesmo da cadeia, Lula serviu a cabeça de Marília Arraes na bandeja ao PSB em Pernambuco. Pra ferrar o Ciro, mandou às favas o legado de Miguel Arraes. Ciro só não falou ainda o que pensa de verdade sobre Lula porque precisa dos votos dele. Se chegar lá, quem espera indulto em Curitiba e governo de esquerda no Brasil pode ter surpresa.

— Governo de esquerda com Kátia Abreu relativizando trabalho escravo em defesa do agronegócio, é coisa de doido. Ou “viagem lisérgica”, como Ciro chamou a insistência do PT com Lula.

— No Brasil tem de tudo. Tem quem acreditou que Marielle era namorada de traficante e ligada ao Comando Vermelho. Tem quem agora acredita que a facada foi fake. É por serem endeusados e demonizados que Bolsonaro e Lula geram os maiores delírios. E rejeições.

— Mesmo se Bolsonaro crescer nas intenções de voto depois da facada, ele já tinha o suficiente antes dela para estar no segundo turno. Só que perde fácil no final para qualquer adversário que não for Haddad. Como você disse, é a rejeição.

— E se a facada também diminuir a rejeição? Aí, Bolsonaro deixaria de ser cavalo paraguaio.

—  Como seria possível?

— O Brasil que foi dormir pedindo a renúncia de Getúlio achava possível acordar querendo linchar Lacerda?

— Mas ali quem sofreu o atentado na rua Tonelero foi o Lacerda.

— Foi. Aí o Getúlio se matou e virou o jogo no emocional do povo. Se facada no bucho vai valer igual a tiro no peito, só o tempo vai dizer. Na segunda, o Datafolha solta pesquisa e sinaliza. É a primeira depois de Juiz de Fora. Tá todo mundo, inclusive os candidatos, aguardando.

— O Alckmin teve até que suspender a propaganda da bala depois da facada.

— Da bala e da grosseria com mulher, que estavam dando certo para aumentar a rejeição de Bolsonaro. Só que ele e Alckmin disputam o mesmo eleitor. O antipetismo cresceu muito no Brasil. Mas não o bastante para colocar dois candidatos no segundo turno.

— Falando de mulher, e a Marina? Ela foi a única até aqui que enquadrou Bolsonaro, no debate da Rede TV.

— Marina e Eduardo Jorge talvez sejam as melhores pessoas entre os candidatos a presidente e vice. São íntegros, republicanos e não têm intenção de se perpetuarem no poder. Mas um governo deles poderia ser igual ao de Roberto Saturnino na Prefeitura do Rio. Era um homem honesto, íntegro e cheio de boa intencão. E fez uma péssima administração.

— O petista de seita também é ressentido com a Marina, depois que ela apoiou o Aécio em 2014 e o impeachment de Dilma.

— Marina não tinha o que fazer, depois da maneira odienta que Dilma, Lula e o PT trataram ela na campanha de 2014. E o fato de ter sofrido isso, depois da morte do Eduardo Campos, indica bem o que Bolsonaro vai voltar a sofrer logo, logo. Antes mesmo da ferida na barriga cicatrizar.

— Rapaz, nem falamos do Museu Nacional. Diz aí: o Psol tem culpa ou não?

— Vai além do aparelhamento partidário pela reitoria da UFRJ. O crânio da Luzia era do ser humano mais antigo da América do Sul. Tinha 13 mil anos e foi consumido pelo fogo. Era uma tragédia anunciada e ninguém fez nada. O que isso quer dizer?

— Que era velho pra caramba?

— Pois é. Ela viveu e morreu aqui uns 10 mil anos antes de Cristo andar pela Terra. E seu crânio chegou até nós, mas não chegará a quem vier depois. O que isso quer dizer?

— Sei lá. Que diabos isso quer dizer?

— Que, em 130 séculos, nós somos o pior tipo de ser humano que já passou por aqui, no que chamamos de Brasil. E não tem ninguém inocente. Nem eu, nem você, nem a família com as crianças na mesa ao lado, nem o garçom — sentenciou Aníbal, enquanto sinalizava com as mãos para pedir outra cerveja.

 

Publicado hoje (09) na Folha da Manhã

 

Márcia Tiburi aposta na Petrobras para gerar empregos no NF

 

Por Aluysio Abreu Barbosa e Arnaldo Neto

 

“Nosso governo assume um compromisso com a autonomia das universidades estaduais”: Uerj, Uezo e Uenf. É o que garante a candidata do PT a governadora, Marcia Tiburi, que lembrou a condição de professora universitária para endossar sua promessa. A entrevistada também se comprometeu com a recuperação do rio Paraíba do Sul, a retomada da produção nos campos maduros da Bacia de Campos e um projeto próprio: a construção de uma ferrovia ligando a zona metropolitana do Rio de Janeiro ao Porto do Açu. Com a própria candidatura a governadora, tudo está entrelaçado à perspectiva do PT voltar ao governo federal. As perguntas foram enviadas antes da quinta (06), quando o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) sofreu um atentado a faca em Juiz de Fora, e foi divulgada a última pesquisa Datafolha ao Palácio Guanabara.

 

 

Folha da Manhã – No debate da Band, dia 16, a senhora fez várias críticas aos políticos, digamos, mais tradicionais com os quais concorre. Isso não é uma reprodução do discurso anti-política que o PT tenta combater?

Márcia Tiburi – Não. Me filiei ao PT e fui convidada pelo presidente Lula e aceitei o desafio de ser candidata ao governo do Estado do Rio de Janeiro. Acredito na política e na democracia como o melhor caminho para melhorar a vida das pessoas, sobretudo a vida daqueles que mais precisam.

 

Folha – Não só por ter usado a camisa de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a imagem dele num colar, mas pelo que disse no debate da Band, a senhora passou uma impressão mais de militante do que candidata. Em que essa visão está equivocada? 

Márcia – Todos somos militantes do PT, do presidente Lula ao militante do núcleo de base.

 

Folha – A senhora já disse várias vezes que é candidata a governadora por um pedido do ex-presidente Lula. Sua campanha era encarada como uma trincheira de defesa da candidatura dele a presidente, impugnada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Qual é agora o seu objetivo? Como viu a decisão?

Márcia – O presidente Lula é vítima de uma perseguição de um sistema que não aceita um governo popular, que melhore a vida dos mais pobres, como os governos do PT melhoraram. Vamos lutar pelo registro da candidatura do presidente Lula até as últimas instâncias da Justiça. Como tem dito o Fernando Haddad, vice de Lula, temos o compromisso de lealdade com o presidente Lula.

 

Folha – Como seu palanque poderá ajudar o presidenciável Fernando Haddad (PT) na conquista do eleitor fluminense? Se ele conta com a transferência de votos de Lula para conseguir estar no segundo turno, a senhora também? Como esse processo se dará? Haverá tempo?

Márcia – Lula é o mais querido dos candidatos a presidente. O PT é o mais querido dos partidos políticos brasileiros, com 29% da preferência, mais do que a soma de todos os outros partidos. Caso a Justiça não cumpra os acordos internacionais assinados pelo país na ONU e o presidente Lula tenha sua candidatura impedida, temos a convicção que o PT e seu candidato vão para o segundo turno. As últimas pesquisas já indicam esse resultado.

 

Folha – A esquerda fluminense veio com quatro candidatos a governador: a senhora, Tarcísio Motta (Psol), Pedro Fernandes (PDT) e Dayse Oliveira (PSTU). Velho pecado da esquerda brasileira, a divisão não deveria ser evitada, sobretudo em meio à onda conservadora no país?

Márcia – A esquerda brasileira ganhou as últimas quatro eleições presidenciais. Tenho certeza de que a esquerda brasileira vai se unir no segundo turno e vamos ganhar novamente as eleições. O 13 vai unificar a esquerda mais uma vez.

 

Folha – Flávio Bolsonaro (PSL) está bem nas pesquisas a senador. Embora também seja uma eleição majoritária, não há um candidato a governador declaradamente ligado ao pai dele, o presidenciável Jair Bolsonaro. Que concorrente seu se aproximaria mais desse perfil conservador?

Márcia – Há quatro candidatos ao Senado em empate técnico. Vamos reeleger nosso senador Lindbergh Farias. Sobre quem se aproxima do perfil do candidato do PSL, é uma pergunta a ser feita ao próprio.

 

Folha – Nas três últimas consultas estimuladas, suas intenções de voto ficaram em 2% no Ibope e Datafolha, e 1,7% na Paraná (as perguntas foram enviadas antes da última pesquisa Datafolha, divulgada no dia 6, em que a candidata do PT repetiu 2%). Tarcísio bateu 5% nos dois primeiros e 4,4% no último (na última Datafolha, subiu a 7%). E ele teve bom desempenho tanto no debate da Band, quanto do jornal O Globo, ao qual a senhora não foi convidada, por estar atrás nas pesquisas. O Psol caminha para sair dessa eleição como maior partido de esquerda no Estado do Rio?

Márcia – O Partidos dos Trabalhadores é o partido mais querido do Brasil, inclusive no Rio de Janeiro.

 

Folha – No debate da Band, a senhora disse que era a única mulher ali candidata, e que não havia nenhum negro. Identificação que Romário Faria (Pode) avocou para si. Além da cota, o que a senhora e ele precisam mostrar para ganhar a confiança do eleitor?

Márcia – Vamos trazer para o Rio de Janeiro o jeito petista de governar, que foi aprovado pela maioria dos brasileiros nas últimas quatro eleições presidenciais. Junto com o presidente Lula, vamos trazer de volta os investimentos da Petrobras para o Rio de Janeiro, gerando empregos e beneficiando especialmente a região Norte Fluminense. Uma atenção especial vai ser dada ao complexo do Porto de Açu, que tem o potencial de se transformar num polo de desenvolvimento da região. Vamos resgatar a indústria naval e retomar os programas sociais interrompidos por Pezão, apoiado por Eduardo Paes. Criaremos o programa Mais Médicos estadual e reabriremos a rede de Farmácias Populares. Serão criados dois programas de transferência de renda, o Mais Família, complemento do Bolsa Família, e o Segunda Chance, programa de bolsas para incentivar os jovens a permanecerem no ensino médio, e trazer de volta os 380 mil fora das escolas. A bolsa será entregue prioritariamente à mãe e o estudante vai contar ainda com uma tutoria.

 

Folha – Sob intervenção militar do governo federal, a Segurança é hoje um dos principais problemas do Estado. As execuções da vereadora Marielle Franco (Psol) e do motorista Anderson Gomes estão ainda hoje impunes. Ironicamente, o problema é uma das principais bandeiras de um presidenciável como Bolsonaro. Há solução? Como?

Márcia – Não há ironia na tragédia que o Rio de Janeiro vive hoje. Tem gente morrendo de todo lado. A intervenção foi uma jogada eleitoral que não tinha como dar certo e não deu. Só com inteligência e planejamento vamos conseguir prender quem mais lucra com a criminalidade e a violência.

 

Folha – Além da violência, o Estado do Rio vive também um quadro de insolvência financeira. O que pensa sobre o regime de recuperação fiscal firmado entre os governos Michel Temer e Luiz Fernando Pezão, ambos do MDB. Propõe algo diferente?

Márcia – Com o PT na presidência, vamos ter um parceiro que vai facilitar a saída da crise. Vamos negociar com a União um novo acordo. Vamos propor um encontro de contas entre o estado do RJ e a União. Só da Lei Kandir, a União deve bilhões ao Rio de Janeiro. A União tem o dever de ajudar o Rio de Janeiro a sair dessa encruzilhada provocada pelas políticas recessivas de Temer, pelos ataques dos privatistas à Petrobras. Vamos equipar a receita estadual e combater a sonegação. Junto com a bancada do Rio de Janeiro no Congresso Nacional, vamos propor uma reforma tributária que vai permitir aumentar a arrecadação sem onerar os mais pobres.

 

Folha – A face mais cruel da falência financeira do Estado se dá sobre os servidores ativos e inativos. Qual o seu compromisso em honrar mensalmente esses vencimentos?

Márcia – Vamos negociar com a União um novo acordo que vai permitir uma folga maior no nosso orçamento, e garantiremos o pagamento dos vencimentos dos servidores.

 

Folha – Outra face do caos financeiro se dá sobre o abandono da Uenf e do Colégio Agrícola Antônio Sarlo. No debate da Band, quando perguntados sobre a Uerj, apenas Garotinho, Paes e Tarcísio lembraram que a Uenf também existe. A senhora, não. Por quê?

Márcia – Nosso programa de governo defende o respeito ao pagamento do duodécimo para todas as universidades estaduais, Uerj, Uenf e Uezo. Vamos reverter o processo de desmonte e precarização dos governos anteriores, garantir as condições adequadas, prover recursos humanos, equipamentos para o funcionamento de ambientes de pesquisa e desenvolvimento tecnológico. Sou professora universitária e nosso governo assume um compromisso com a autonomia das universidades estaduais.

 

Folha – Quais são seus planos para Porto do Açu na questão do desenvolvimento específico do Norte Fluminense?

Márcia – O Porto de Açu é um dos polos de desenvolvimento do nosso Estado. Vou articular junto ao governo federal a construção de uma ferrovia ligando a região metropolitana do Rio de Janeiro ao Porto de Açu.

 

Folha – Com sua foz em Atafona assoreada, o rio Paraíba do Sul sofre em período de estiagem. Há registro de língua salina já no distrito de Barcelos. Há vida para Campos, São João da Barra e São Francisco de Itabapoana sem o rio que os formou? Como recuperá-lo?

Márcia – O rio Paraíba do Sul é o rio da integração do Estado do Rio de Janeiro. É do rio Paraíba que vem a água potável da região metropolitana do Estado. Salvar o rio Paraíba é uma prioridade do nosso programa de meio ambiente. O rio está assoreado na foz e poluído em todo seu curso. Vamos reflorestar as margens do rio, investir em saneamento em parceria com os municípios da bacia do rio Paraíba do Sul e proteger as praias e a pesca no entorno da foz, em Atafona. Vamos reforçar o papel dos comitês de bacia hidrográfico, envolvendo e capacitando os comitês municipais de meio ambiente.

 

Folha – O que Campos, Norte e Noroeste Fluminense devem esperar de Márcia Tiburi governadora?

Márcia – Com o PT na presidência, a Petrobras vai voltar a investir no nosso Estado. Vamos brigar pelo aumento do conteúdo nacional. Há um imenso potencial nos campos maduros da Bacia de Campos. Com isso empregos e renda serão criados na região de Macaé e Campos. Nosso governo vai apostar na criação de novas centralidades no nosso Estado, como a região de Campos, Macaé e do Porto de Açu, entorno de Itaperuna. A Uenf terá um papel estratégico na promoção do desenvolvimento local, apoiando as vocações e potencialidades da região.

 

Página 2 da edição de hoje (09) da Folha

 

Publicado hoje (09) na Folha da Manhã

 

Hamilton Garcia — A miséria do social-desenvovimentismo

 

 

 

Se, como vimos no artigo anterior, a tradição de esquerda implica em alguma forma de regulacionismo econômico, de modo a redirecionar as políticas públicas (no capitalismo) em prol das necessidades sociais — o que propicia a sustentabilidade do desenvolvimento (pleno emprego) em proveito também da estabilidade democrática e social —, é certo que não é qualquer improvisação política oportunista, feita em seu nome, que pode garantir tal resultado.

A fórmula lulopetista de superação do nacional-desenvolvimentismo — quer de viés furtadiano (CEPAL), quer nacional-democrático (PCB) —, que ficou conhecida como “social-desenvolvimentismo”, tinha como objetivo priorizar o desenvolvimento social (inclusão) em contraposição ao mero desenvolvimento econômico do passado — concentrador de renda e difusor de miséria urbana —, além de libertar as classes populares da tutela do “Estado burguês”, historicamente conservador e “comprometido com o capitalismo”.

Como se sabe, a tutela teve apenas uma mudança de titularidade, em prol de um novo personagem cuja fórmula política é velha conhecida: o caudilhismo benfeitor (populismo). A operação, fadada ao sucesso entre as camadas mais pobres, em função da persistência das desigualdades sociais e políticas, também encontra eco na intelectualidade, como outrora (Estado Novo), dada sua marginalização em face do poder, além de funcionar como poderoso anteparo para o sistema de dominação via concessões, nos termos de Pedro Bastos[i], de um “mercado interno ativado pelo aumento imediato do salário real acima da produtividade” e “gastos correntes e em infraestrutura de cunho mais social do que vinculados ao mercado externo” (produção de ponta), provocando, no médio-prazo, o desencontro, verificado no Governo Dilma, entre consumo aquecido e gastos públicos elevados, e o crescimento da renda e da riqueza associada à produção interna capaz de financiá-los.

A estratégia sedutora, misto de idealismo utópicosocialista com oportunismo neopopulista, fizeram a festa de um amplo arco de setores sociais — do bolsa-família ao bolsa-rentista, passando pelo bolsa-Miami — às expensas do desenvolvimento, possibilitando ao PT manter-se no poder por 13 anos ininterruptos sem ameaçar os alicerces da dominação neopatrimonial[ii] e, muito ao contrário, promovendo a renovação e o empoderamento de seus atores na esfera burocrática, parlamentar, empresarial e sindical.

O logro doloso — reconhecido, mesmo que por um lapso, por Frei Beto[iii] —, edulcorado pelo “combate à pobreza”, impulsionou a mais ampla e legitimada aliança neopatrimonialista desde Sarney, de olho fixo no voto dos mais pobres, para cativá-los sem elevá-los a formas sustentáveis de autonomia, ao mesmo tempo em que comprou a aquiescência dos mais ricos (rentistas e associados), instituindo uma ordem consumista/concentracionista ampliada que se apresenta como o importante obstáculo, por cima e por baixo, para a efetiva mudança política.

A alternativa à armadilha lulopetista não conta, como seria de se esperar dada a falta de tradição, com um caminho compartilhado — sequela da morte prematura da ANL em 1935 (a evolução da esquerda – II) e da fragmentação da frente democrática em 1979 (a evolução da esquerda – IV) —, nem tampouco com instituições partidárias adequadamente constituídas — dada as deformações conhecidas do sistema político-eleitoral —, o que torna o desafio atual bastante complexo. É certo, porém, que ela pode se impor por cima das impotências e deformações existentes, dada a gravidade da situação criada pelo esgotamento do Estado neopatrimonial ampliado inaugurado em 1985 (Nova República).

Os pródomos desta saída já se vislumbram, fragmentariamente, nas dissidências partidárias do petismo (Marina Silva), do lulismo (Ciro Gomes) e do peessedebismo (Álvaro Dias); a primeira se destacando na propositura frentista, o segundo na explicitação de um programa econômico abrangente/coerente e o terceiro realçando a necessidade da refundação ético-institucional do país.

Cada um deles acrescenta um tijolo fundamental para a construção de uma alternativa democrática para crise, mas terão que se coligar no futuro para dar competitividade a seus propósitos. O cimento desta coalizão em germe, todavia, está, como se sabe de longa data, na variável infraestrutural do programa, onde se assentam as classes sociais fundamentais em meio à multiplicidade de determinantes e grupos de variadas origens. É nele que se ancoram as diversas perspectivas do progresso social desde o alvorecer do capitalismo.

É por esta razão que o candidato do PDT (Ciro Gomes), não obstante suas ambiguidades políticas e de seu partido, vem se destacando como uma possibilidade vigorosa para virar a página do anacronismo político que dominou a esquerda até aqui, eludindo a necessidade urgente das reformas para a retomada do progresso econômico-social nos últimos 16 anos.

Sua pregação, em linha com o pensamento do Prof. Bresser-Pereira[iv], converge para “a formação de uma coalizão de classes desenvolvimentista que associe empresários empreendedores, trabalhadores e a burocracia pública”, cujo principal desafio seria o de reverter a asfixia do setor público causada pelo descontrole dos gastos ordinários, das isenções tributárias, da predação rentista sobre a dívida pública, da armadilha corporativista sobre o setor público e do parasitismo patrimonialista arraigado – gerador de corrupção e de desvios de função –, que compõem o sistema dominante que desestabiliza o país desde a Segunda República (1930) e que o PT tratou de totemizar na figura de um líder condenado e preso pelos crimes correlatos ao status quo.

 

[i] Social­-desenvolvimentismo (carta ao Prof. Bresser), in. <www.bresserpereira.org.br/Works/Letters/10.Pedro-Z-Bastos-Social-des.pdf>, em 31/08/18.

[ii] Definida por Simon Schwartzman como “uma forma de dominação política gerada no processo de transição para a modernidade com o passivo de uma burocracia administrativa pesada e uma sociedade civil (….) fraca e pouco articulada”; Bases do Autoritarismo Brasileiro, ed. Publ!t/RJ, 2007, p.11.

[iii] Que criticou o amigo LILS, ainda no poder, por ter trocado “um projeto de nação por um projeto de poder”; vide Estadão, 09/03/2009, in. <http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,para-frei-betto-bolsa-familia-e-projeto-de-poder,335703>, em 27/06/16.

[iv] Reflexões sobre o Novo Desenvolvimentismo e o Desenvolvimentismo Clássico, in. Revista de Economia Política, vol. 36, nº 2 (143), abril-junho, 2016, pp. 240-241.

Fechar Menu