Opiniões

Inversões

A inversão do estória do flautista de Hamelin, conto folclórico alemão imortalizado pelos irmãos Grimm, tem paráfrase exata na brasileiríssima música “Zé do Caroço”, que a nossa Leci Brandão compôs profeticamente, ainda em tempos pré-BBB:

“E na hora que a televisão brasileira
Destrói toda a gente com a sua novela”…

Após Riverton, defesa de Rosinha também crê em decisão favorável no TRE

A decisão unânime do plenário do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que na tarde de ontem manteve Riverton Mussi à frente da Prefeitura de Macaé, pode influenciar o julgamento da prefeita Rosinha Garotinho (PR), que chegou a ser afastada em decisão de primeira instância, mas foi reconduzida até ser julgada pelo mesmo Tribunal? Em tese, sim. Pelo menos foi o que acabou de dizer, por telefone, ao blogueiro, o advogado de Rosinha, Jonas Lopes de Carvalho Neto.

Ele, no entanto, ressalvou não conhecer o processo de Riverton, justificando sua expectativa pelo julgamento favorável do TRE à prefeita, com base na jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e na fragilidade que enxerga na decisão da juíza Grácia Cristina Moreira do Rosário, pela 100ª Zona Eleitoral (ZE) de Campos. Jonas Neto revelou que o recurso da defesa já está concluso, desde dezembro, um pouco antes do recesso do Judiciário. Como o relator do caso, desembargador federal Sérgio Schwaitzer, entrou de férias, a expectativa é que o caso só seja julgado após o carnaval, a partir de março.

—  Não conheço o processo do prefeito Riverton, nem o teor da decisão. Em tese, ela nos é favorável, mas sem conhecimento maior, não dá para fazer nenhuma comparação. Independente disso, estamos bastante confiantes em conseguir a vitória, porque a decisão da juíza de primeira instância foi muito frágil e contamos com ampla jurisprudência favorável do TSE, clara ao enfatizar a necessidade de prova cabal de interferência no pleito para uma condenação por uso indevido dos meios de comunicação. E o que existe é apenas uma entrevista numa rádio, quando a prefeita ainda era pré-candidata.

O advogado de Rosinha também frisou que, mesmo na pior das hipóteses, caso Rosinha fosse também condenada pelo TRE, não caberia seu afastamento numa Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije), como entendeu a juíza da 100ª ZE de Campos, enquanto o processo não fosse transitado em julgado. Segundo ele explicou, endossando o raciocínio jurídico já externado aqui, no blog, pelo desembargador aposentado Francisco de Assis Pessanha, o que poderia gerar o afastamento de Rosinha seria a Ação de Impugnação de Mandato Eleitoral (Aime), gerado pela mesma acusação de uso indevido dos meios de comunicação, mas que ainda está em apreciação no TSE, com o relator do caso, ministro Marcelo Ribeiro.

Ilsan: Culpar os médicos pela omissão de Rosinha no PSF é vergonhoso!

Geraldo Pudim (PR) e o governo do qual ele representa não dizem a verdade sobre as ligações políticas de Alexandre Mocaiber (PSB) e sobre o Plano de Saúde da Família (PSF) em Campos. Pelo menos, é o que afirma a vereadora pedetista Ilsan Viana, que ligou hoje ao blogueiro para responder às versões dadas ontem, aqui, por Pudim, sobre o concurso público municipal com dispensa de licitação, com valor e número de cargos ainda desconhecidos, e sobre a ausência do trabalho do PSF em todo o mandato da prefeita Rosinha Garotinho, que já segue em seu quarto e último ano, com perspectivas reais de se extender por mais quatro.

Tanto a forma como o concurso vem sendo conduzido pela Prefeitura, como a questão do PSF, foram duramente criticadas aqui por Ilsan, que prometeu levar os dois assuntos ao plenário da Câmara na sessão da próxima terça, dia 14. Em resposta, Pudim disse que a vereadora “não é a pessoa mais indicada para fazer nehum tipo de questionamento, até porque participou ativamente do último governo (Mocaiber), que foi alvo da maior operação policial contra um governo da cidade (a Telhado de Vidro, da Polícia Federal), que entregou a Rosinha uma Prefeitura arrasada”.

Sobre isso, Ilsan respondeu:

—   Nunca participei do governo Mocaiber. Depois que ele acabou, eu já eleita vereadora, não só declarei em plenário que o ex-prefeito havia se omitido durante a campanha (a prefeito em 2008) de Arnaldo, como votei contra a aprovação das suas contas. De qualquer maneira, até acho estranho Pudim ser tão crítico assim a Mocaiber, pois o partido que este comanda em Campos, o PSB, faz parte da base aliada da prefeita, incluindo seus vereadores (Jorge Rangel e Altamir Bárbara). Não posso dizer que o partido vá continuar com o casal até a eleição municipal deste ano, mas o fato é que hoje está. Assim como é fato que vários dos principais nomes do governo Mocaiber hoje ocupam cargos importantes no governo Rosinha.

Quanto ao PSF, que Pudim disse não ter sido ainda reativado por Rosinha, porque os médicos aprovados em concurso estariam se negando a atender às convocações, a vereadora do PDT também foi enfática ao dizer que se trata de outra inverdade:

—  Em primeiro lugar, eles nem precisariam esperar o governo federal para reativar o PSF. Agora, afirmar que ele não foi retomada porque os médicos não querem assumir os cargos que disputaram em concurso, dedicando horas de tempo e estudo para isso, é  uma grosseira e deslavada mentira. Tenho contato com vários deles, aprovados, que nunca foram chamados pelo governo municipal. Se omitir em relação ao PSF, deixando a população de Campos, sobretudo a mais carente, sem trabalho de acompanhamento e prevenção de doenças, é algo muito grave. Mas pretender jogar a a culpa dessa omissão em cima dos médicos, é ainda pior; é vergonhoso!

Fechar Menu