Felipe Fernandes — Planeta dos Macacos de César a Noah

 

 

Felipe Fernandes, cineasta publicitário e crítico de cinema

O legado de César

Por Felipe Fernandes

 

Baseado no livro de Pierre Boulle, Planeta dos macacos chegou aos cinemas em 1968 e se tornou um clássico instantâneo. Com o enorme sucesso a aventura se tornou uma franquia, gerando outros quatro filmes que saíram quase que anualmente. Em 2001 foi lançado um remake, comandado por Tim Burton, na tentativa de reviver a franquia, mas o fracasso do filme encerrou a ideia.

Como Hollywood não se cansa de reciclar ideias antigas, em 2011 foi lançado um prequel, que trazia a história para nossos dias e buscava explicar a origem de tudo. O filme foi um sucesso, gerou uma trilogia que narra o arco de César, o primeiro macaco inteligente, que liderou os outros símios. Eis que chega aos cinemas “Planeta dos macacos: O reinado”, longa que abre uma nova porta na franquia e promete usar elementos da última trilogia para narrar uma aventura que se passa vários anos depois do último longa.

Em “O planeta dos macacos: A Guerra”,  César deixa de ser retratado “apenas” como o líder dos macacos e ganha contornos messiânicos, tendo uma clara alusão a Moisés e o êxodo do povo israelita. Neste longa, a narrativa abre com o funeral de César, uma cena que busca conectar o novo filme com a trilogia anterior, mas principalmente, fazer alusão ao símbolo e ao ensinamento principal de César.

Abraçando o símbolo que remete à ideia de liberdade, o longa trabalha essa questão das diferentes interpretações de um mesmo ensinamento, culminando no conflito entre vertentes diferentes que surgiram em decorrência dos ensinamentos do líder símio. Esse é o tema mais interessante do longa, a forma como tanto o clã da Águia, quanto os outros clãs aparecem utilizando o símbolo de diferentes formas.

Esse resgate do passado está presente em todo o filme, seja no visual da natureza tomando o que restou de construções e das cidades. Seja na nova dinâmica em que os humanos são apresentados ou até mesmo no plano de antagonista. Que quer acessar um local secreto humano, que pode lhe render poder para dominar outros clãs.

É interessante a forma como aprendemos sobre os ritos e leis do clã das águias, sempre pelos olhos do protagonista Noah. A preocupação em manter uma espécie de equilíbrio ecológico, mesmo com a tradição de roubar um ovo de águia no ninho, construindo um laço desde o nascimento da ave, são detalhes que enriquecem aquele universo.

O filme resgata um tom de aventura muito presente nos filmes antigos, algo que se perdeu na proposta da trilogia anterior. A trama é bem simples, a complexidade da narrativa se encontra nos subtextos, uma decisão que não afeta o ritmo e respeita elementos dos filmes anteriores.

A relação entre humanos e macacos ganha novos contornos aqui, com o roteiro realizando mudanças na dinâmica que remetem aos longas anteriores e prometem ser o fio condutor dessa nova trilogia. Se nos últimos longas nós acompanhamos o declínio da raça humana e a ascensão símia, o longa aponta para uma inversão que pode render boas histórias.

“Planeta dos macacos: O reinado” é um recomeço para a franquia, que se utiliza de muitos elementos da trilogia anterior para desenvolver sua narrativa. Mas esse resgate é feito de forma inteligente, sem tornar o filme refém dos longas anteriores. Apresentando um bom protagonista, os realizadores parecem ter encontrado um caminho para dar continuidade a uma história rica em simbolismos e personagens.

O legado de César se encerra aqui. É hora da jornada de Noah.

 

Publicado na Folha da Manhã.

 

Confira o trailer do filme:

 

Carla Machado fecha a semana do Folha no Ar nesta sexta

 

(Arte: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Deputada estadual, pré-candidata a prefeita de Campos e ex-prefeita reeleita de São João da Barra, Carla Machado (PT) é a convidada para fechar a semana do Folha no Ar, ao vivo, a partir das 7h da manhã, na Folha FM 98,3. Ela falará da sua experiência como deputada e da sua trajetória política recente de oposição a aliada do presidente campista da Alerj, Rodrigo Bacellar (União).

Carla também falará da incerteza jurídica em torno da sua pré-candidatura a prefeita de Campos em 2024 (confira aqui e aqui), após ter sido reeleita prefeita de SJB em 2020. Por fim, com base nas pesquisas (confira aqui, aqui e aqui), ela tentará projetar as eleições municipais de Campos e SJB.

Quem quiser participar ao vivo do Folha no Ar desta sexta poderá fazê-lo com comentários em tempo real, no streaming do programa. Seu link será disponibilizado alguns minutos antes do início, nos domínios da Folha FM 98,3 no Facebook, no Instagram e no YouTube.

 

Carta a Ícaro — Dia das Mães, civilizações e a prejereba

 

“O que não pode acontecer é deixarmos de saber que a pessoa do nosso lado sangra, come, alimenta-se, ama, sofre, enfim, sente as mesmas coisas que nós e que não é uma diferença no modo de pensar que nos faz uma espécie diferente”.

(Ícaro Barbosa)

 

Ícaro e Aluysio Abreu Barbosa no cume do Monte Sinai aos cristãos, Monte Horebe aos judeus, Jebel Muça aos islâmicos, aurora de 25 de janeiro de 2023 (Foto: Ícaro Barbosa)

 

Bom dia, filhote!

Hoje é a véspera do Dia das Mães. Como era em 2023, dia em cuja noite você decidiu voar.

“O mundo é mágico. As pessoas não morrem, ficam encantadas”, sentenciou Guimarães Rosa. Foi em 16 de setembro de 1967, no discurso dele de posse na Academia Brasileira de Letras. Três dias depois, ficou encantado.

Olhamo-nos, com você sorrindo, na foto feita banner na parede da sala. Onde levanta um pint de Guinness em brinde em Amsterdã. Cidade que disse muitas vezes ter sido a que mais gostou na nossa última viagem.

Era 2 de janeiro de 2023, tão perto e distante. Havíamos chegado do Brasil na noite holandesa anterior. Para dar início à jornada pelos três continentes do Velho Mundo. Tínhamos o Êxodo por roteiro. Mas isso é um outro livro. Cuja escritura devo a você, a Deus e a mim.

Voltei à Brasília no início de abril deste ano, que já tinha conhecido no final de 2001. Quando, não sem surpresa ou orgulho, fui convidado pela embaixada do Irã. Que me achou naqueles tempos pré-redes sociais por artigos que eu havia escrito sobre Alexandre e o Império Persa.

Você tinha 2 anos. Quando reagiu com intensidade precoce ao atentado da Al-Qaeda de 11 de setembro. Guardo o impacto nítido na sua retina, na expressão da face de criança ainda de colo, aos jatos se espatifando contra as Torres Gêmeas. E estas vindo ao chão.

Em ironia da vida, 2001 já havia sido eleito pela ONU como o ano do Diálogo entre Civilizações. Por proposta do então presidente do Irã, Muhammad Khatami. Era um intelectual reformista. Que acabaria emparedado pelo fundamentalismo religioso do Colégio dos Aiatolás.

Com ele ainda no poder, rendeu aquele encontro sobre a Civilização Islâmica em Brasília. Na verdade, por conta de uma greve na UnB, acabou sendo em Taguatinga. Aquela em que João de Santo Cristo “ganhava cem mil por mês” como aprendiz de carpinteiro.

Vinte e três anos depois, saí na manhã do último dia 7 de abril da Catedral de Brasília. É história que já contei. E, com Paulinha, fomos caminhando ao Museu da República. Onde estava rolando a exposição “Matéria Prima”. Da artista plástica porto-riquenha Gisela Colón.

Não conhecia ela ou seu trabalho. Que se baseava na montagem de esculturas totêmicas em diferentes lugares do mundo. A intervenção espacial era registrada em fotos. E estas estavam expostas em grandes murais horizontais no interior do Museu.

 

Museu da República de Brasília, exposição Matéria Prima, da artista porto-riquenha Gisela Colón, 7 de abril de 2024 (Foto: Paula Vigneron)

 

Dobrando à direita da entrada, topei logo com a primeira. E tomei um susto com a obra côncava de Colón retratada no Complexo de Gizé. Diante da Esfinge e das três Grandes Pirâmides do Egito. Que havíamos conhecido juntos, filhote, exatos 15 meses antes.

 

Aluysio e Ícaro Abreu Barbosa diante da Esfinge e das três Grandes Pirâmides do Egito, Gizé, 7 de janeiro de 2023 (Foto: Ícaro Barbosa)

 

Ainda supunha estar na coincidência. Até que, dois painéis adiante, dei com três monólitos da artista interagindo com a Cidadela de Saladino, no Cairo. Estavam entre suas muralhas e os domos e minaretes da Mesquita de Muhammad Ali, fundador do Egito moderno, ao fundo.

 

Museu da República de Brasília, exposição Matéria Prima, da artista porto-riquenha Gisela Colón, 7 de abril de 2024 (Foto: Paula Vigneron)

 

Em outro diálogo entre civilizações, havíamos estado ali em 22 de janeiro de 2023, tão perto e distante de 7 de abril de 2024. Lembrei-me de Nietzsche, seu filósofo: “Nenhum vencedor acredita no acaso”. E vi que não perdi. Ganhei os 23 anos, 10 meses e 13 dias da sua vida.

 

Aluysio e Ícaro Abreu Barbosa na Cidadela de Saladino, diante da Mesquita de Muhammad Ali, Cairo, 22 de janeiro de 2023 (Foto: Ícaro Barbosa)

 

Mesmo antes de visitar novamente o Planalto Central, estava há meses sem ir a Atafona. E voltei ao Dia da Criação do Poetinha: “hoje é sábado, amanhã é domingo”. Já era o último domingo, 5 de maio, do final de semana que voltei à nossa praia.

Para fazer uma torta de frutos do mar ao almoço, fui à peixaria diante da Igreja Nossa Senhora da Penha, onde você foi batizado. Vi o peixeiro em sua mesa de trabalho ao fundo, que limpava um grande pescado. Dei com a mão, ele deu de volta, enquanto seu filho me atendia.

Escolhi entre os freezers camarão cinza e sete barbas descascado, mexilhão e lula em anéis para a torta. Tudo pesado, somado e já pago, o dono da peixaria se aproximou. Trazia o grande peixe discoide já limpo às mãos. E jogou a cantada: “Prejereba de 9kg para o Dia das Mães”.

De carne branca, tão boa, mas menos conhecida e cara que a de cherne ou robalo, comemos muita prejereba juntos. Na moqueca ou assada. Além de Paulinha, estava com Aquiles, seu irmão. Com quem troquei olhares como os seus, bebê, à queda do World Trade Center.

De novo, supus não ser coincidência. E comprei o peixe para assar inteiro no Dias das Mães de amanhã. A suposição se reforçou na saída da peixaria. Quando Aquiles e eu verbalizamos o olhar de encantamento que trocamos segundos antes: “Isso é coisa de Carô”.

Seja feita sua vontade, sempre, filhote!

 

Publicado hoje na Folha da Manhã.

 

Missa de 1 ano da morte de Ícaro às 18h desta 2ª, na Igreja São Francisco

 

Ícaro e o sol, cume do Monte Sinai, 25 de janeiro de 2023 (Foto: Aluysio Abreu Barbosa)

 

Nesta segunda-feira, 13 de maio, se completa 1 ano da morte do jornalista Ícaro Paes Pasco Abreu Barbosa, após 23 anos de uma vida breve e intensa. Seus pais, irmão e demais familiares convidam a todos à missa em intenção da sua alma. Será celebrada às 18h de segunda, na Igreja São Francisco, na rua 13 de Maio, Centro, onde Campos dos Goytacazes teve início.

 

“Eu te vi, oh, beleza, tu me pertences agora, seja quem for que estejas esperando e mesmo que eu nunca mais te veja em toda a minha vida”.

(Ernest Hemingway)

 

“O que não pode acontecer é deixarmos de saber que a pessoa do nosso lado sangra, come, alimenta-se, ama, sofre, enfim, sente as mesmas coisas que nós e que não é uma diferença no modo de pensar que nos faz uma espécie diferente”.

(Ícaro Barbosa)

 

(Arte: Eliabe de Souza, o Cássio Jr, a quem Ícaro chamava de irmão)

 

Pré-candidato a vice-prefeito da oposição no Folha no Ar desta 6ª

 

(Arte: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Vereador de oposição e pré-candidato a vice-prefeito, Raphael Thuin (PRD) é o convidado para fechar a semana do Folha no Ar nesta sexta (10), ao vivo, a partir das 7h da manhã, na Folha FM 98,3. Ele analisará os R$ 540 milhões do PAC do governo Lula 3 ao transporte público de Campos (confira aqui) e a CPI da Educação (confira aqui) na Câmara Municipal.

Thuin também falará porque decidiu não concorrer à reeleição de vereador para ser pré-candidato a vice-prefeito, em chapa a ser encabeçada pelo deputado estadual Thiago Rangel (PMB). Por fim, analisará as nominatas do seu PRB (fusão do PTB com o Patriotas) e do PMB a vereador. Assim como a tática da oposição de pulverizar as pré-candidaturas a prefeito de Campos. Cuja eleição tentará projetar (confira aqui e aqui) com base nas pesquisas.

Quem quiser participar ao vivo do Folha no Ar desta sexta poderá fazê-lo com comentários em tempo real, no streaming do programa. Seu link será disponibilizado alguns minutos antes do início, nos domínios da Folha FM 98,3 no Facebook, no Instagram e no YouTube.

 

Arthur Soffiati — No retorno de Garfield, os gatos no cinema

 

 

Arthur Soffiati, historiador, professor, ambientalista e crítico de cinema

O infeliz retorno de Garfield

Por Arthur Soffiati

 

Em 2004, 20 anos passados, escrevi uma crítica a “Garfield – o filme” passando em revista outros gatos que mereceram filmes. O primeiro deles foi o enigmático Krazy Kat, criado por George Harriman em 1911. Numa paisagem inóspita e insólita, uma gata que se diz descendente da gata de Cleópatra, alimenta uma relação sadomasoquista com o rato Ignatz, que, não percebendo o amor de Krazy, tenta afastá-la com tijoladas. Em cena, entra ainda Ofissa, um cão policial que ama Krazy, fechando um triângulo amoroso invertido: uma gata amando um rato e amada por um cão. Esse gato nunca mereceu um filme e morreu com seu criador. Foi o mais enigmático dos gatos dos quadrinhos. Hoje, está quase esquecido.

Em 1921, aparece um gato pleno de lirismo criado por Pat Sullivan. Seu caminho foi inverso ao dos outros personagens: ele começou em desenhos de animação para ganhar os quadrinhos. Trata-se do Gato Félix. Além de solidarizar-se com pessoas hoje consideradas excluídas socialmente, Félix tem um desempenho altamente criativo com os elementos dos quadrinhos. É um gato que não se aperta diante das dificuldades, usando o balão da legenda para voar, os pontos de exclamação como tacape e as interrogações como ganchos. A metalinguagem é um traço dos mais originais em Sullivan.

O terceiro gato é Fritz, criado pelo quadrinista underground Robert Crumb, em 1970. Trata-se de um gato lascivo e devasso, que saiu dos quadrinhos para uma animação pornográfica. Crumb, mereceu, em 1994, um documentário sobre sua vida e obra com o título de “Anti-herói americano”, dirigido por Terry Zigwoff.

Por fim, o gato mais atual é o preguiçoso, guloso, egoísta, vaidoso, mal-humorado e individualista Garfield, criado por Jim Davis em 1978 e que ganhou tiras em vários jornais do mundo inteiro. Anti-herói, Garfield parece expressar a outra face do norte-americano médio. Depende, sem nenhum sentimento de culpa, de um dono meio medíocre e coexiste com Odie, um cachorro que considera imbecil. Garfield sofre de complexo de superioridade.

O sucesso das tiras levou o gato para o desenho animado. Em 2004, Peter Hewitt o levou para a computação gráfica. Humanos e animais são verdadeiros. Em “Garfield – o filme”, o gato comodista é filho do computador. Jon Arbuckle (Breckin Meyer), seu dono, está mais apalermado que nas tiras. Odie ficou mais retardado. A médica veterinária Liz (Jennifer Love Hewitt), namorada de Jon, parece ser a mais habilitada a lidar com o gato rabugento que detesta as segundas-feiras e adora se exibir nos muros à noite.

Um gato da estirpe de Garfield não poderia se envolver numa história tão tolamente norte-americana como a concebida para o filme. No final, Garfield se torna o contrário do que é: torna-se herói e dos mais padronizados. É preciso talento para tirar um gato do quadrinho e levá-lo para o cinema. Peter Hewitt não demonstrou este talento E agora, 20 anos depois, por imposição de sobrinha, volto ao cinema para assistir “Garfield: fora de casa”, dirigido por Mark Dindal.

Nesse intervalo, não sei se o gato se apresentou na telona. O mundo mudou muito desde então. O cinema de shoppings matou o cinema de rua e as plataformas de streaming estão matando os cinemas de shopping. Em 2004, o cinema estava lotado de crianças. Em 2024, havia apenas 4 com os pais. Pelo visto, Garfiield não agrada com os muitos clichês que inundaram as animações. Da minha parte, as observações para o filme de 2024 são as mesmas de 2004.

 

Publicado hoje na Folha da Manhã.

 

Consultor climático da ONU no Folha no Ar desta quinta

 

(Arte: Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

Engenheiro civil e de recursos hídricos, e consultor, entre outros, da Itaipu Binacional, do Banco Mundial e da Organização Meteorológica Mundial (OMM) da ONU, Carlos Tucci é o convidado do Folha no Ar desta quinta (9), ao vivo, a partir das 7h da manhã, na Folha FM 98,3. Onde ele será entrevistado junto de João Siqueira, vice-presidente do Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do rio Paraíba do Sul (Ceivap).

Tucci e João falarão das causas e de como evitar tragédia como a das chuvas no Rio Grande do Sul, que, até o momento, tem 100 mortes confirmadas e 128 desaparecidos. Também falarão de ações concretas contra o aquecimento global, seus efeitos mais trágicos a cada nova estação do ano e seu negacionismo.

Por fim, os dois analisarão tecnicamente o projeto para o reconhecimento do clima semiárido no Norte Fluminense, em discussão (confira aqui e aqui) no Congresso Nacional. Quem quiser participar ao vivo do Folha no Ar desta terça poderá fazê-lo com comentários em tempo real, no streaming do programa. Seu link será disponibilizado alguns minutos antes do início, nos domínios da Folha FM 98,3 no Facebook, no Instagram e no YouTube.

 

Se condenados, Castro e Bacellar recorrem nos cargos

 

“A Justiça”, escultura em granito de Alfredo Ceschiatti; Cláudio Castro, Thiago Pampolha, Rodrigo Bacellar, Pryscila Marins, Cleber Tinoco, Gabriel Rangel e José Paes Neto

 

 

Se condenados, Castro e Bacellar recorrem nos cargos

No sábado, a coluna revelou (relembre aqui) que o relator do caso Ceperj no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), desembargador Peterson Barroso Simão, cobrou celeridade ao julgamento do governador Cláudio Castro (PL), do vice, Thiago Pampolha (MDB), e do presidente campista da Alerj, Rodrigo Bacellar (União). E cobrou da Procuradoria Regional Eleitoral (PRE), até segunda (6), o parecer final. Que veio duro (confira aqui) ao pedir a cassação do mandato dos três. Simão também deu até sexta (10) às alegações finais da defesa, com expectativa de julgamento já a partir da semana seguinte. Se os três forem eventualmente condenados? Para juristas com experiência em Direito Eleitoral: todos recorrem no cargo!

 

Pryscila Marins

“Em caso de condenação, cabe, sim, recurso ao TSE. E os eventuais condenados seguem no cargo até o julgamento da Corte. Em caso de condenação no TSE, uma nova eleição pode ser marcada. Entretanto, não acredito que seria marcada uma eleição para o dia 6 de outubro junto com a eleição municipal, até porque estaríamos falando em uma eleição suplementar, com um calendário eleitoral próprio criado pelo Tribunal especialmente para o caso concreto. Além disso, considerando a dinâmica de eleição municipal, não é prudente que se faça no mesmo dia”, ponderou a advogada Pryscila Marins.

 

Cleber Tinoco

“O governador Cláudio Castro, o vice Thiago Pampolha e o presidente da Alerj, Rodrigo Bacellar, em caso de condenação no TRE, poderão recorrer em seus cargos, mediante a interposição de recurso ordinário ao TSE, como especificado na sua Súmula 36. É recurso, portanto, com efeito suspensivo. Caso o mandato se encerre antes do julgamento do recurso no TSE, subsiste o interesse processual quanto ao pedido de inelegibilidade por 8 anos, pela jurisprudência do próprio Tribunal. A hipótese da eleição casada (entre prefeito e governador este ano), ao meu ver, é remotíssima”, projetou o advogado Cleber Tinoco.

 

Eleição casada prefeito/governador?

A possibilidade de uma nova eleição a governador do Estado do Rio, advinda da eventual cassação de Castro, Pampolha e Rodrigo, casada com a de prefeito de 6 de outubro, chegou a ser especulada nos bastidores políticos e jurídicos do Rio e de Brasília. Mas, hoje, a exatos 4 meses e 29 dias das urnas municipais, dificilmente haveria tempo hábil. Ao eleitor e à própria Justiça Eleitoral, um pleito suplementar a governador demandaria uma logística completamente diferente aos 92 municípios fluminenses. Que já se preparam naturalmente para elegerem prefeito e vereadores em outubro.

 

Gabriel Rangel

“O recurso (em caso de condenação no TRE pelo caso Ceperj) tem efeito suspensivo automático, nos termos do Art. 257, p. 2º do Código Eleitoral. Os réus permaneceriam no exercício dos seus cargos até o julgamento do recurso ordinário no TSE. Só se lá confirmada, em observância aos artigos 141 e 142 da Constituição do Estado do Rio, o presidente do Tribunal de Justiça assumiria o Executivo, sendo convocadas eleições diretas em 90 dias”, resumiu o advogado Gabriel Rangel, que é subprocurador geral de Campos e procurador de São Fidélis, além de ex-assessor do MP Eleitoral.

 

José Paes Neto

Presidente da Comissão de Direito Eleitoral da OAB-Campos, o advogado José Paes Neto também não teve dúvida sobre o destino de Castro, Pampolha e Rodrigo se condenados no caso Ceperj. Da qual poderiam recorrer no próprio TRE, antes de fazê-lo no TSE. “Certamente recorrerão nos cargos, em caso de eventual condenação. É o que dispõe o Art. 257, parágrafo 2° do Código Eleitoral. Eles podem ainda interpor recursos no TRE/RJ, como os embargos de declaração. Com toda a complexidade jurídica e política dos processos, me parece praticamente impossível uma nova eleição casada com as eleições municipais”.

 

Publicado hoje na Folha da Manhã.