Opiniões

Rosinha queria discursar

Diante do povo e das câmeras, a união pelos royalties entre o prefeito carioca Eduardo Paes, a prefeita Rosinha Garotinho, o governador Sergio Cabral e seu colega capixaba Paulo Hartung (foto de Leonardo Berenger)
Diante do povo e das câmeras, a união pelos royalties entre o prefeito carioca Eduardo Paes, a prefeita Rosinha Garotinho, o governador Sergio Cabral e seu colega capixaba Paulo Hartung (foto de Leonardo Berenger)

 

 

Na passeata que levou 100 mil pessoas no Rio, em protesto contra a partilha dos royalties, um mal estar foi criado entre o governador Sergio Cabral e a prefeita Rosinha Garotinho. É que, por sugestão do governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, apenas o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, discursou ao final da passeata, na Cinelândia. Rosinha, que se programou para também falar, teria ficado bastante aborrecida.

 

Manifestantes de Campos na passeata que parou o Centro do Rio (foto de Leonardo Berenger)
Manifestantes de Campos na passeata que parou o Centro do Rio (foto de Leonardo Berenger)

 

 

Apesar da chuva, cerca de 100 mil pessoas acompanharam a passeata até o final na Cinelândia, entre o Teatro Municipal e a Biblioteca Nacional (foto de André Luiz Mello/Agência O Dia)
Apesar da chuva, cerca de 100 mil pessoas acompanharam a passeata até o final na Cinelândia, entre o Teatro Municipal e a Biblioteca Nacional (foto de André Luiz Mello/Agência O Dia)
fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem um comentário

  1. A população não foi ao Rio para assistir shows e ouvir discurso de artistas. A liderança tem que assumir uma posição clara perante o publico e tomar a dianteira do movimento. A palavra da liderança é importante para ditar o rumo do movimento. Não dá para ficar escondido ou em cima do muro.

Deixe uma resposta

Fechar Menu