Opiniões

Com Aluízio, Macaé ensina a Campos como fazer oposição

Deputado federal eleito mais votado pelo PV, superando medalhões da legenda como Sirkis, o neurologista Aluízio Júnior fez 54.011 votos, dos seus 95.412, só em Macaé, município em que superou Adrian, irmão do prefeito Riverton, que também se elegeu à Câmara Federal, mas com apenas 18.630 votos macaenses. Foi a segunda vez que o médico se candidatou. Em sua estréia, em 2008, concorreu a prefeito, superando o ex Sylvio Lopes e perdendo para Riverton, em campanha de reeleição, com todo o peso da máquina municipal, por diferença de apenas 2.881 votos. O deputado verde confirmou que disputará novamente a Prefeitura em 2012. Sem nenhum vereador ao seu lado, Aluízio aposta em continuar catalisando a vontade de mudança, ensinando, mesmo sem querer, o caminho à oposição de Campos, integralmente derrotada nas urnas de 3 de outubro.

 

(Foto de Silésio Corrêa)
(Foto de Silésio Corrêa)

 

Opiniões – Em Campos, a história do criador e criatura se repete desde Garotinho e Sérgio Mendes, passando por Arnaldo, Mocaiber e Wilson Cabral. Em Macaé, mais recentemente, isso parece se dar também, desde o rompimento de Riverton Mussi (PMDB) com Sylvio Lopes (PSDB). É uma fenômeno regional?

Aluízio Júnior – Não, acho que criador e criatura é uma relação de poder que perpassa todo o processo político. Isso não é uma caracterítica de Campos, do interior do Estado ou do país. Você vê César Maia com Conde, Maluf com Pitta, Brizola com César Maia, Brizola com Garotinho, Garotinho com Cabral. Não é uma caraterística do interior, de Campos, de Macaé ou Juiz de Fora; é uma característica do poder. Quando você ascende ao poder, você tem a capacidade de ocupar o poder com outras pessoas. Algumas pessoas chegam ao poder e acabam ocupando o espaço com totalitarismo. Eu não sei até que ponto a criatura tem que servir ao criador o tempo todo. Eu acho que as mudanças existem, a forma de pensar muda e aí o processo político fica rico com essas situações.

 

Opiniões – Mas até que ponto você mesmo não poderia ser inscrito nesse processo, já que é corrente a versão de que sua candidatura a prefeito de Macaé, em 2008, teria sido lançada por Riverton para tirar votos de Sylvio, mas acabou emplacando de tal maneira que, além de passar o segundo, acabou quase ganhando o primeiro?

Aluízio – Na verdade, a política é feita de muito mito. Eu acho que a grande característica da política é que ela tem pouca verdade.

 

Opiniões – Essa não é uma afirmação perigosa?

Aluízio – Mas eu acho que sim. Eu acho que a política, ela trabalha com muito mito; e esses mitos têm sido caido por terra sistematicamente. Quando a gente foi enfrentar o proceso eleitoral de Macaé, a gente saiu por uma questão pessoal, por uma questão política e partidária, e foi enfrentar. Você imagina em Macaé, você sai como médico, sem candidato a vereador, sem uma estrutura eco-nômica, fazer 38 mil votos (38.145), contra 40 mil votos (41.026) de uma máquina (Riverton) e 17 mil (17.815) de outra (Sylvio). Você acha que alguém que tem uma candidatura de proveta, de laboratório, faria 38 mil votos, sem recurso, trabalhando?

 

Opiniões – Não estou afirmando, só reproduzindo uma versão conhecida.

Aluízio – Sim, estou falando só para reflexão, porque na política a gente vive de boatos, de pou-cos fatos, na verdade.

 

Folha – Na verdade, houve isso ou não?

Aluízio – Se houvesse isso, eu hoje não estaria contra Riverton; eu poderia ter negociado três, quatro, cinco secretarias. Ou então, não enfrentaria o irmão dele (Adrian Mussi, do PMDB, também eleito deputado federal, mas com 35.381 votos a menos só em Macaé).

 

Opiniões – Qual foi então o contexto da sua candidatura a prefeito?

Aluízio – A candidatura surgiu em janeiro de 2008,  num contexto de de-sacordo com a política do governo, sobretudo com a política de Saúde.

 

Opiniões – Como sua experiência na direção do Hospital Público Municipal (HPM)?

Aluízio – Rapaz, foi uma experiência bastante importante, em todos os níveis. E foi muito bom. Eu lidei com gestão pública e, por conta disso, fiz especialização em gestão hospitalar na Fiocruz. Então, eu comecei a ter a noção de como se faz gestão de uma instituição pública.

 

Folha – E politicamente, serviu para articular algo?

Aluísio – Para articular, não. Serviu para ter coragem.

 

Folha – Coragem em que sentido?

Aluízio – No sentido de você desafiar. Eu fui diretor técnico do hospital e depois fui presidente da Fundação Hospitalar, que foi na gestão 2005.

 

Opiniões – No governo Riverton. Como era sua relação com ele à época?

Aluízio – Rapaz, minha relação com Riverton sempre foi uma relação técnica. Eu nunca tive uma relação afetiva com o Riverton, nunca fui amigo. Foi uma gestão técnica, literalmente técnica.

 

Opiniões – E por que saiu?

Aluízio – Eu sai por desacordo com a política de Saúde; desacordo claro.

 

Opiniões – Entrou quando e saiu quando?

Aluízio – Eu entrei em 2005 e sai em 2008, janeiro de 2008.

 

Folha – Então decidiu ser candidato a prefeito quando ainda era diretor do hospital?

Aluízio – Não, decidi quando deixei de ser diretor do hospital.

 

Opiniões – Foi ato contínuo?

Aluízio – Foi ato contínuo.

 

Opiniões – E a que você credita tanto sucesso nas urnas, de alguém que nunca havia sido candidato a nada, que supera um ex-prefeito e quase vence o atual?

Aluízio – Saturação do processo político; desejo de mudança. Isso é claro, isso não sou eu, isso não é o que você acha, é o que é. A população entende a política como um serviço prestado. O que a população quer da política, o que você espera da política? Você espera resultado, você precisa ter um produto para apresentar à população. Quando o produto apresentado é ruim, a população se opõe. Todo mundo na vida quer um produto, quer um resultado. E o resultado político de Macaé tem sido muito ruim. Macaé é um município muito rico, mas a população não tem percepção dessa riqueza.  Macaé é uma cidade que falta água; Macaé tem 30% ou mais da sua população com habitação precária, sem condições de saneamento. Macaé é uma cidade de alta tecnologia, com empresas de ponta no ramo do petróleo, e a população não tem qualificação profissional; 110 mil empregos com a população desempregada. Quem suporta uma situação dessas? Que qualidade de gestão há nisso?

 

Opiniões – Mas qual é o segredo para catalizar essa insatisfação ao ponto de ser não apenas, de longe, o candidato a deputado federal mais votado de Macaé (onde fez 54.011 do total de 95.412 votos), mesmo com toda a máquina trabalhando a favor do irmão do prefeito, conseguindo ganhar no plano estadual até do Alfredo Sirkis, figura de expressão nacional do seu PV?

Aluízio – Ganhei, não, fui mais votado do que ele. Isso é um ato contínuo, como você disse antes. A percepção da população não é pontual; a população começa a perceber a política como um processo evolutivo. Se você analisar os números de Macaé (na eleição de 2008), foram 38 mil votos para Aluisio e 17 mil votos para Sylvio. Faz as contas de quantos votos foram agora (em Aluisio, para deputado federal): 54 mil votos (próximo à soma real de 55 mil). Os mes-mos que falaram não para o governo (Riverton), falaram não de novo. Eu simplesmente catalizei esse sentimento. Aconteceu em 2008 e se confirmou em 2010. É uma confirmação clara; é só você analisar o processo de forma numérica, cartesiana; você não precisa fazer nenhum digressão filosófica.

 

Opiniões – Mas você, aí, não está tirando os seus méritos, ao conseguir catalisar isso?

Aluízio – Para toda reação, precia de um catalisador. Com um mau catalisador, não há reação. Agora, Aluisio, nesse processo, é um catalisador. Você tem que ter sensibilidade para perceber a demanda. O mérito é esse, e não é uma demanda regional, não; é universal. Você pega grandes gestores, como no caso de Minas Gerais (onde Aécio Neves elegeu a si e Itamar Franco ao Senado, além de  fazer Anastasia seu sucessor como governador) e foi embora. E você pega grandes nomes da política do Estado do Rio de Janeiro que tiveram grande dificuldade para se eleger. Está aí, na sua relação (com os deputados federais eleitos): quantos passaram de três dígitos para dois dígitos? E tem gente de dois dígitos que foi para três, só trabalhando. O processo político, hoje, exige transparência, exige trabalho, exige menos mito.

 

Opiniões – E como fazer para que em Campos alguém também consiga catalisar essa demanda de mudança, na tão falada terceira via?

Aluízio – Eu não tenho percepção do processo político de Campos. Campos é uma cidade totalmente diferente de Macaé. Campos ainda é uma cidade tradicional, a população de Campos não tem o grau de migração de Macaé, de Rio das Ostras. Hoje, em Macaé, em qualquer restaurante, você ouve se falar duas, três línguas, fácil.

 

Opiniões – Mas se, como você disse, a demanda por mudança é universal, devem existir regras gerais que podem ser aplicadas às duas cidades quase vizinhas, até porque a terceira via é tentada em Campos desde 2004, quatro anos antes que Macaé.

Aluízio – Eu acho que tem que ter alguém que tenha coragem para enfrentar toda a estrutura de Campos, que não é uma estrutura frágil; se fosse frágil, já teria sido solucionada. Precisa de alguém que tenha coragem e capacidade de entender o sentimento da população. Agora, catalisar esse sentimento não é só bônus, não; tem ônus também. A partir do momento que você se candidata a alguma coisa, você abre sua vi-da. Você precisa ter coragem, precisa ter família para suportar. O jogo é pesadíssimo. Você imagina numa cidade que tem R$ 1,5 bilhão de orçamento/ano, que tem as grandes empresas de petróleo, que produz 25% do PIB nacional, junto com Campos, você enfrentar o proceso eleitoral, saindo do consultório junto com a esposa, é fácil? Nós enfrentamos a primeira eleição (à Prefeitura de Macaé) sem nada, sem um agente político conosco, e você fazer 54 mil votos contra um prefeito, 10 vereadores, uma cidade de orçamento bilionário, a pressão contra os servidores e todos os secretários trabalhando? Hoje, Macaé está de alma lavada, porque não foi a vitória de Aluisio, foi a vitória de um sentimento. Não dá mais para fazer política nesses critérios; vai ser sempre escândalo em cima de escândalo; Campos é um exemplo.

 

Opiniões – Antes de começar a entrevista, comentávamos que seu caminho foi na contramão daqueles tentados pela oposição em Campos, no sentido de que você primeiro solidificou seu nome numa eleição a prefeito, para depois se eleger ao Legislativo e fatalmente tentar novamente a Prefeitura. Esse seria o caminho das pedras?

Aluízio – Talvez o caminho das pedras seja não temer a derrota. Se você estiver livre para perder, você consegue ganhar. Agora, você precisa estar livre para perder. Eu sou médico, eu tenho meu ganha-pão, eu não devo favores a ninguém, a não ser minha família e meus amigos. A po-pulação tem que querer. Não adianta você chegar para a população e dizer: “eu sou a mudança”. É mentira, é o mito.

 

Opiniões – E a sucessão de Riverton, em 2012? É certo que você vem?

Aluízio – Sim.

 

Opiniões – E quem seria o candidato mais difícil de enfrentar, já que Riverton concluirá o  segundo mandato e seu irmão, Adrian, é impedido pela consaguinidade: Cristino Áureo (PMN), ex-secretário de Cabral, que se elegeu deputado estadual; o presidente da Câmara Paulo Antunes (PMDB)?

Aluízio – Quais são os atores políticos em Macaé? Hoje existe um grupo político do Partido Verde, que se coloca distante do governo. O único político de oposição, hoje, somos nós.

 

Opiniões – Mas o petista Danilo Funke não é também o único na oposição, entre os 12 vereadores de Macaé?

Aluízio – O Danilo é meu amigo pessoal, um cara preparado, só que ele é do PT. Nós tivemos dois candidatos a vereador (em 2008), um fez 200 votos, o outro fez 243. Não temos vereador nenhum, não temos nada, foi a própria população que ajudou a gente.

 

Opiniões – Mas entre as possibilidades de Cristino e Paulo Antunes, qual seria mais difícil em 2012?

Aluízio – A gente escolhe parceiro, não pode escolher adversário.

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 9 comentários

  1. Mas os opositores de camposnao tem o minimo de capacidade..
    Chega a serem ridiculos e vcs ao invés de serem de alto nivel, se conluem em troca de apoios, publicidades..
    ;; enfim.. xurumelas..
    Quem dá +,, fomfom..

  2. Parabéns pela excelente matéria, e ao deputado também, tudo indica que seja sangue novo com inteligência e ideais limpos.Diferente de Campos onde é “terra dos coronéis e dos corruptos”, infelizmente não temos 1 único representante que nos dê alguma esperança de vermos que dias melhores virão. Só nos resta abandonar esse lixo de cidade, aqui não tem mais jeito.

  3. CARO ALUIZIO, SOU DE CAMPOS E AQUI QUERO PARABENIZAR A SUA VITORIA E TAMBEM A SUA POSTURA COMO POLITICO, É UM FATO INEDITO A SUA VITORIA EM FAZER CAMPANHA SEM DEPENDER DE NENHUM APOIO DE VEREADORES EM QUE OS MESMOS SO VISA SEU LADO PESSOAL E NÃO DA POPULAÇÃO E VC REALMENTE MOSTRA O QUANTO QUER MUDAR ESTA INVERGONHOSA POLITICA DE NOSSA REGIÃO. CONTINUA ASSIM COM ESTA POSTURA, O POVO PRECISA E DE CIDADÃO COMO VC PARA QUE SEJAM TRATADO COM DIGUINIDADE, POIS TEMOS MUITOS RECURSOS PARA APLICAR NA SAÚDE, EDUCAÇÃO E OUTROS, OU SEJA FAZER DE NOSSA REGIÃO UM EXEMPLO PARA TODO NOSSO BRASIL E NÃO ESTE ESCANDALO QUE VEM ACOTECENDO ULTIMAMENTE.

    ABRAÇO, E SUCESSO,,,
    JOCIMAR,,

  4. Parabens Dr Aluizio, o povo macaense anseia essa mudança para ontem. Vamos firmes sem esmorecer. Até 2012. Que Deus o proteja e o guarde. Paulo Xavier – Imbetiba

  5. OPOSIÇÃO É QDº EXISTE IDEOLOGIA CONTRÁRIA.PORTANTO, NÃO HÁ OPOSIÇÃO EM CAMPOS.O QUE EXISTE É LADRÃO, QUERENDO METER A MÃO NO LATÃO. A NÃO SER QUE DIFERENTES NORMAS DE ROUBAR CONSTITUAM FORMAS IDEOLÓGICAS DE OPOSIÇÃO.

  6. dr aluizio gostei de te conhecer num encontro em macae com o pastor aecio eu sou de nova friburgo vi o seu desempenho nas urnas meus parabens que DEUS te abençoe em BRASILIA e em 2012 espero poder estar em macae em 2012

  7. ALUIZIO, A PAZ QUE VOCÊ TRANSMITE É A CHAVE DE TODO ESSE SUCESSO.
    VOCÊ SURGIU PARA FAZER A DIFERENÇA. TEMOS CERTEZA QUE DEUS ESTÁ DO SEU, E DO NOSSO LADO.
    PEÇO A DEUS QUE COLOQUE ALGUÉM, COM ALGUNS DOS SEUS PREDICADOS, EM QUISSAMÃ.
    TEMOS QUE APRENDER FAZER POLÍTICA COM VOCÊ.
    PARABÉNS PELA MARAVILHOSA MATÉRIA.
    QUE DEUS LHE FAÇA RICO EM SUCESSOS.

  8. e dr.aluizio campos precisa de um prefeito assim como vc meus parabens pela vitoria como deputado federal.

  9. Dr aluizio se o Sr levar em conta a quantidade de votos que tiveram os candidatos de fora da pra percebe que Campos ja esta mudando.Precisamos varrer este lixo de Campos

Deixe uma resposta

Fechar Menu