Opiniões

Por lembrança dos alunos do IFF, outra página gráfica da Folha

Ex-jornalista da Folha, o Thiago Freitas pediu e o blog republicou (aqui) a capa gráfica da Folha Dois de 28/08/04, com o vazio estampado às propostas de Geraldo Pudim à cultura de Campos, já que o então candidato a prefeito pelo PMDB se recusou a externar as suas diante do gravador, diferente de todos os demais concorrentes. Pois nos comentários àquela postagem, o Maycon Prado, a Francielly Pessoa e o Diego, alunos do Instituto Federal Fluminense (IFF), pertinentemente lembraram que o mesmo recurso gráfico foi também utilizado pela Folha, na página 6 da sua edição de 28/03/10.

No caso mais recente, o recurso serviu de contraste entre as respostas dadas pelo candidato de oposição à direção do campus Campos-Centro do IFF, Jefferson Manhães de Azevedo, e o silêncio adotado pela candidato da situação, Hélio Júnior de Souza Crespo. Dentro do princípio de equidade que sempre orientou a Folha nas coberturas eleitorais, a ambos foram feitas as mesmíssimas perguntas, elaboradas pelo jornalista Thiago Gomes, cujas respostas (inclusive as que não foram dadas) mereceram igual espaço e destaque.

Levado em consideração que tanto Pudim e o grupo de Garotinho, quanto Hélio e o grupo da reitoria do IFF, perderam suas respectivas eleições, por motivos e práticas políticas muito semelhantes, a conclusão lógica é que, embora sirva de prato cheio para quem tem um pouco de imaginação gráfica, o silêncio tem se revelado bastante indigesto para quem dele pretende fazer sua pièce de resistánce

Abaixo, a página gráfica com as duas entrevistas, a respondida e a sonegada…  

 

 

Página 6 da Folha de 28/03/10
Página 6 da Folha de 28/03/10
fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 3 comentários

  1. Parabéns, e obrigada pela contribuição.

    É realmente agradável perceber que o ditado “Quem não deve, não teme” se faz fiel, ainda nos dias de hoje. Felizmente esses casos que aqui no blog foram citados foram exemplos de que se você não tem nada pra dizer, realemnte não dirá. Será mesmo que eles fariam boas coisas pelos seus respectivos eleitores, se nem se quer são capazes de falar?

  2. Caros André e Francielly,

    Por sorte, este Opiniões e alguns outros espaços democráticos têm servido para quebrar esse “gritante” silêncio. Não só o que se tentou impor a ferro e fogo dentro do IFF, como aquele que, por interesses misteriosos e inconfessáveis, permanece ignorarando o assunto em grande parte da blogosfera local fora da Folha Online.

    Abraços e grato pelas colaborações!

    Aluysio

Deixe uma resposta

Fechar Menu